A A A C
email
Todos os posts escritos por Ana Accioly
Retornando 80 resultados para o autor 'Ana Accioly'

Sexta-feira, 28/08/2015

Quando o Assunto é Saúde, Eu Cuido, Ele cuida, Nós Cuidamos!

Tags: 4ªcre.

 

 

 

O Programa Saúde na Escola prevê que a Semana Saúde na Escola amplie o reconhecimento das ações do programa, e fortaleça a união entre os setores da saúde e da educação. O autocuidado, a educação e a promoção da saúde são indissociáveis para a construção da autonomia do ser humano.

 

 

"A saúde é o resultado dos cuidados que as pessoas dispensam a si mesmas e aos demais, da capacidade de tomar decisões e controlar a própria vida..." (OTTAWA, 1986)
 

 

 

Produção da turma realizada durante a atividade

 

Neste ano, a Semana Saúde na Escola Municipal Joracy Camargo teve como tema o cuidado com o outro. Os alunos do 6º ano, juntos com a professora Valéria Oliveira, realizaram ações para a promoção de uma vida mais saudável. Essa experiência se apresentou como um grande sucesso na escola e entre as famílias!

 

Atividade realizada com a turma.

 

A promoção da saúde é uma das estratégias para buscar a melhoria da qualidade de vida da comunidade escolar e da população do entorno. Para tal, a compreensão da importância do equilíbrio entre o cuidar de si e o cuidar do outro, e mais, que este deve estar presente nas ações dentro das escolas perpassando necessariamente pelo prazer em cuidar também de si.

Com a palavra, a professora

 

"O tema da Semana da Saúde com o sexto ano da Escola Municipal JORACY CAMARGO foi 'Cuidado com o outro'. Nessa perspectiva, desenvolvemos tal tema, primeiro, com uma dinâmica realizada pelo guia. Depois, discutimos em sala tudo o que sentimos ao ser cuidado pelo outro, e que bases montam a relação com o outro. Por fim, montamos o cartaz que foi exposto na escola."

Professora Valéria Oliveira, professora da unidade escolar

 

 

Atividade realizada com a turma.

 

Nessa perspectiva, acreditamos que  a associação desses três elementos, o autocuidado, a educação e a promoção da saúde, produz um cuidar autêntico, com autonomia, empoderamento e maior qualidade de vida. A escola deve fundamentar suas ações, ações que se apresentam permeadas de novos conceitos e práticas simples, mas que efetivamente capacitam e transformam o cotidiano, a rotina, o modo de enxergar o mundo de todos os envolvidos no processo em questão.

 

Parabéns para os alunos do 6º ano que, junto ao trabalho realizado pela professora Valéria, reconheceram a importância de cuidar de si e do outro para incorporar hábitos saudáveis.

 

Ana Accioly - Representante Rioeduca 4ª CRE

 

 

                               

 

 


   
           



Yammer Share

Postado por Ana Accioly Ver Comentários (0)

Sexta-feira, 21/08/2015

A Afetividade para Driblar a Violência

Tags: 4ªcre.

 

 

 

 

  A afetividade é a energia que move as ações humanas. A dimensão afetiva deve estar inserida na aprendizagem e no processo da vida escolar, pois  fazem parte da vida e interferem no conhecimento.

 

"O afeto é essencial para todo o funcionamento do nosso corpo nos dando coragem, motivação, interesse, e contribuindo para nosso desenvolvimento. E é pelas sensações que o afeto nos proporciona que sabemos quando algo é verdadeiro ou não. Principalmente para a criança o afeto é importantíssimo, pois ela precisa sentir-se segura para poder desenvolver seu aprendizado, e é necessário que o professor tenha consciência de como seus atos são extremamente significativos nesse processo, porque essa relação aluno-professor é permeada de afeto, e as emoções são estruturantes da inteligência do indivíduo" (WALLON, 1995).

 

O CIEP Ministro Gustavo Capanema aposta no afeto para driblar a violência

 

 

Pode-se dizer que a afetividade sinaliza a entrada da criança no universo simbólico, proporcionando também a origem da atividade cognitiva.

Segundo Wallon (1995), a afetividade refere-se à capacidade e à disposição do ser humano de ser afetado pelo mundo externo/interno por sensações ligadas a tonalidades agradáveis ou desagradáveis. Ser afetado é reagir com atividades internas/externas ao que a situação desperta.

 

 

Essa foi a saída para o sucesso do trabalho realizado no CIEP Ministro Gustavo Capanema. Foi uma aposta de grande valia, envolvendo a aprendizagem num projeto em meio ao afeto. A exposição do sujeito às ações de afeto fizeram toda a diferença no final do processo de ensino/aprendizagem. 

Afinal, sabemos que o medo, a angústia, a ansiedade e a frustração são sentimentos que desgastam não só o aluno, mas qualquer ser humano. A serenidade e a tranquilidade dos professores auxiliam na redução, ou até na eliminação, desses sentimentos desagregadores.

 

 

A equipe aproveitou de forma construtiva todos os momentos com os alunos na escola, e apostou em conquistar gradativamente uma mudança real e duradoura.

Buscou uma relação com momentos prazerosos para ambos, com eventos para que as famílias e a comunidade participassem ativamente. Isso foi trazendo para dentro da escola um novo perfil, uma nova cara para esse território.

Tudo que os professores fizeram foi identificar e buscar soluções para esses graves problemas de violência de dentro e fora da escola, acreditando que essa ação pode ser a base para alicerçarem um programa de erradicação do caos vigente em nossa sociedade.

 

Parabéns a todos do CIEP Ministro Gustavo Capanema, por valorizar a  incorporação de valores, e vivê-los de forma a acreditar que é possível mudar uma história, uma vida. 

 

 

Verifiquem a matéria acessando o link:

Escolas buscam formas de educar em meio ao cotidiano de violência.

 

 

CIEP Ministro Gustavo Capanema

(21) 2290-0588
Via Bento Ribeiro Dantas, S/N, Bonsucesso
Rio De Janeiro - RJ

 

Ana Accioly - Representante Rioeduca da 4ª CRE

 

 

 

                               

 

   
           



Yammer Share

Postado por Ana Accioly Ver Comentários (0)

Sexta-feira, 14/08/2015

Tenda Folclórica, um Espaço Cultural Privilegiado para as Crianças

Tags: 4ªcre.

 

 

 

 

O saber folclórico é o que aprendemos informalmente no mundo, por meio do convívio social – por via oral ou por imitação. A cultura popular é tudo isso, bem misturado e refletido nos muitos jeitos de ser do brasileiro.

 

“A valorização do folclore, o reconhecimento da importância das manifestações populares na formação do lastro cultural da nação, constituem procedimentos capazes de assegurar as opções necessárias ao seu desenvolvimento”. (BRANDÃO, 1982)

 

 

 

O mundo do folclore é um mundo encantado, cheio de personagens estranhos que transportam a criança aos páramos da fantasia, que aumentam-lhe o poder da imaginação, que une as pessoas. Logo, é razão suficiente para ser trabalhado em todas as escolas, não só no mês de agosto, mas durante todo o ano.

 

 

 

"Pra quem estava curioso me pedindo... olha a Cuca pronta... e terminei o boi-bumbá. Montei a Tenda das histórias do Folclore e todo varal com as parlendas, trava-linguas, lendas, ditados populares, frases feitas, fábulas de cordel, cantigas de roda, adivinhas... As crianças estavam numa curiosidade só... A Tenda Folclórica da Leitura está fazendo sucesso. Recheada de lendas, mitos, contos, parlendas está mexendo com a imaginação dos pequenos."

Texto da professora Delfina - E. M. Lais Netto dos Reis

 

 

 

 

O trabalho pedagógico fundado em uma perspectiva folclórica pode colaborar para sanar vícios ou problemas de pronúncia próprios da língua, além de exercitar a memória, pondo em destaque a norma culta, e cumprindo uma função de aprendizagem e de controle da dicção.

Além disso, a infância é a idade das brincadeiras e é através delas que a criança satisfaz, em grande parte, seus interesses, necessidades e desejos particulares. Por assim dizer, conhecer a criança em seu contexto cultural implica observá-la no seu dia-a-dia, em proporcioná-la momentos lúdicos e divertidos. E nada melhor do que a riqueza do nosso folclore para realizar essa empreitada.

 

Parabéns à professora Delfina, por levar os alunos à conclusão consciente de que toda cultura tem uma dignidade e um valor que devem ser respeitados e protegidos diante das diversas culturas que fazem parte da humanidade. 

 

 

Escola Municipal Lais Netto dos Reis

Telefone (21) 3885-2866
E-mail emlais@rioeduca.net
Endereço Praca Belmonte, 7 - Olaria  

 

 

 

Ana Accioly - Representante Rioeduca da 4ªCRE

anaccioly@rioeduca.net

 

 

 

 

                               

 

   
           



Yammer Share

Postado por Ana Accioly Ver Comentários (12)

Sexta-feira, 07/08/2015

Os Bons Frutos das Tecnologias em Sala de Aula

Tags: 4ªcre.

 

 

 

A exigência social atualmente é maior, e determina que todos saibam caminhar por áreas antes desconhecidas, como a área tecnológica. Assim, é interessante considerar que o aluno possa vivenciar experiências, interferir, fomentar e construir o próprio conhecimento com as novas tecnologias na escola. 

 

 

"A tecnologia proporcionará aos professores que desenvolvam diferentes atividades em sala de aula, de maneira a torná-la mais dinâmica e atraente." 

Martina Roth

 

 

As mudanças que se operam no contexto educacional com a introdução de novas tecnologias permitem a obtenção de maiores informações com a utilização da tecnologia na educação, bem como dos conhecimentos necessários ao educador que atua nessa era de globalização. 

A utilização e a exploração de aplicativos e/ou softwares computacionais durante as aulas podem desafiar o aluno a pensar sobre o que está sendo feito e, ao mesmo tempo, levá-lo a articular os significados e as associações realizadas a partir dos meios utilizados e, ainda, dos resultados obtidos.

 

Observem como a Escola Montese utiliza as tecnologias a favor da aprendizagem

 

 

Em 2013, a Diretora da E. M. Montese, Valéria dos Anjos Guedes, optou por participar do Projeto Alfa e Beto, como 1º ano; em 2014 ampliou para o 2º ano e, em 2015, baseando-se no sucesso obtido, reafirmou a parceria.

Três professoras já participaram do Alfa e Beto na Montese: Monique Bandeira, Valéria Maria e Nivia Borges. E, a cada ano, o trabalho foi sendo aprimorado.

 

 

2015 trouxe a novidade do uso dos tablets em sala de aula pelos alunos do 1º ano. Oba! Muito trabalho, muita correria, mas tudo bem! Duas vezes por mês os aparelhos são conectados à rede da internet e os dados dos jogos executados pelos alunos são sincronizados e atualizados, ficando disponíveis para o professor e diretor acessar os relatórios e verificar o desempenho de cada aluno e da turma.

Com essa novidade dos tablets e do programa Galáxia Alfa (os jogos do tablet, que são operados off-line) tem-se agora mais uma ferramenta para avaliar, planejar e replanejar as aulas. A boa experiência do uso dessa nova ferramenta acabou entrando na telinha. Na Montese as professoras são “Fantásticas”! Receberam a equipe do Fantástico, que realizou a matéria sobre o uso de tecnologia em sala de aula." Texto enviado pela Professora Valéria Anjos - Diretora da Escola Municipal Montese

Vale lembrar que o processo de ensino-aprendizagem também já se mostra diferente do de antigamente, pois as formas de ensinar e aprender são diferentes, isto é, o professor não é mais um simples transmissor do conhecimento. Hoje, ele é um mediador, facilitador do processo de ensino-aprendizagem e os alunos são os sujeitos ativos desse processo, deixando de ser simples receptores do conhecimento. 

Dessa forma, precisamos  entender é que a educação, hoje, precisa adquirir um novo formato, no qual a comunicação não seja mais unilateral, e sim uma conversa de mão dupla. O aluno precisa se engajar não somente com o professor, como também com seus colegas de classe.

 

Parabéns a todos da equipe Montese por entender e utilizar a tecnologia para facilitar o trabalho realizado na sala de aula, instigando a troca de informações e de conhecimento.

 

Escola Municipal Montese
R. Mar Grande, 315 - Cordovil Rio de Janeiro - RJ
(21) 2485-2200

 

Ana Accioly - Representante Rioeduca da 4ªCRE

anaaccioly@rioeduca.net

 

 

                               

 

   
           



Yammer Share

Postado por Ana Accioly Ver Comentários (5)