A A A C
email
Todos os posts escritos por César Benjamin
Retornando 105 resultados para o autor 'César Benjamin'

Terça-feira, 15/05/2018

Pacote de atividades em 336 escolas

 

Iniciaremos ainda em maio uma extensa programação de atividades extracurriculares em 336 escolas da rede, selecionadas por dois critérios: todas são do segundo segmento (portanto, trabalham com pré-adolescentes e adolescentes, as faixas etárias mais vulneráveis) e estão em áreas de baixo IDH.


O projeto resulta de uma longa negociação de recursos com o MEC e o MDS, que finalmente chegou a bom termo. O dinheiro já está nas contas bancárias das escolas.


A SME ofereceu um cardápio de atividades às escolas, que fizeram suas escolhas. Disso resultou a seguinte distribuição:


220 escolas – reforço de português e matemática


18 escolas – atletismo


24 escolas – badminton


55 escolas – basquete


60 escolas – capoeira


45 escolas – cineclubes


163 escolas—dança


27 escolas – futebol


123 escolas – futsal


84 escolas – grafite


25 escolas – handball


49 escolas – hortas


49 escolas – lutas


54 escolas – música


120 escolas – teatro


110 escolas – tênis de mesa


85 escolas – vôlei


67 escolas – xadrez


A soma ultrapassa 336 porque as escolas puderam escolher mais de uma atividade.


Nossa previsão é atender 49.534 alunos com essas oficinas até o fim do ano.


Nos próximos dias me reunirei com as equipes de todas as áreas para planejarmos o início dos trabalhos.

 

Atenciosamente,


Cesar Benjamin


Secretário
 


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 14/05/2018

Notas apócrifas na imprensa

A coluna Informe, do jornal O Dia, publicou duas notas apócrifas e inverídicas, envolvendo a SME.

 

A primeira diz o seguinte: “A Prefeitura estuda cortes em áreas sensíveis como saúde e educação. Em 2017, as despesas nos segmentos contribuíram decisivamente para grande parte do déficit. [...] Os secretários Marco Antônio de Mattos [Saúde] e César Benjamin [Educação], porém, recusam-se a fazer os cortes. A reestruturação é desenhada por equipe próxima do prefeito Marcelo Crivella.”

 

Ao contrário do que diz a nota, desde 2017 a SME vem fazendo pesados ajustes em seu orçamento. A disputa em curso neste momento se dá em torno de recursos não orçamentários. A SME quer garantir que parte (R$ 200 milhões) do empréstimo contraído pela Prefeitura junto à Caixa Econômica Federal seja usada no plano de recuperação da infraestrutura das escolas, tal como foi combinado com o Prefeito e a Secretaria de Fazenda. Setores da Prefeitura querem usar esses recursos em outras áreas.

 

A segunda nota, publicada na sequência da primeira, dá a entender que a SME é responsável por grande número de contratos emergenciais e diz que “as medidas analisadas envolvem reduzir contratos emergenciais (que costumam sair bem mais caros que os licitados)...”.

 

Sobre isso, reproduzo ofício que enviei em abril ao secretário da Casa Civil:

 

“A Subsecretaria de Serviços Compartilhados (SubSC) [órgão da Casa Civil] vem deixando de realizar licitações para a aquisição de bens e serviços essenciais ao funcionamento das escolas da rede municipal. Assim, a SME se vê forçada a realizar sucessivas licitações emergenciais, o que não configura boa prática administrativa e gera preocupações no Tribunal de Contas do Município (TCM). Como mostra o anexo, aproxima-se o final de diversos contratos, especialmente de fornecimento de mão de obra terceirizada. Reforço aqui as solicitações feitas pela Subsecretaria de Gestão da SME, para que a SubSC realize as licitações em tempo hábil, na forma da lei, para que a SME não fique em posição de fragilidade diante do TCM.”

 

A responsabilidade pelas licitações emergenciais, como se vê, não é da SME. Ao contrário do que foi publicado no jornal, por fonte apócrifa, nós é que estamos lutando para que elas deixem de existir.

 

Atenciosamente,


Cesar Benjamin,


Secretário


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 08/05/2018

Reforma curricular

No início de 2018 criamos a Gerência de Revisão Curricular dentro da Subsecretaria de Ensino e montamos grupos de trabalho de reforma curricular, abrangendo todas as disciplinas.

 

Nos últimos dias começamos a debater, em reuniões longas, os resultados preliminares. Já apresentaram seus trabalhos os grupos de ciências, educação infantil, língua portuguesa e educação de jovens e adultos. Vários outros outros estão na fila: alfabetização, matemática, artes, história, geografia, educação física. Cada um deles envolve grande número de professores.

 

Tenho consciência da complexidade dessa revisão e a acompanho com respeito e interesse. Precisamos chegar a currículos simples, claros, estruturados, com níveis crescentes de complexidade, capazes de indicar conteúdos, habilidades, competências e atividades, para que os professores tenham um sólido ponto de apoio ao seu trabalho.

 

Quando as primeiras versões forem estabelecidas, ampliaremos o debate em toda a rede, para que o conjunto dos professores se expressem. Este não é um trabalho tecnocrático. Os novos currículos só serão úteis se forem uma criação coletiva.

 

Neste e nos demais aspectos, a SME será, cada vez mais, um grande foro de debates, sem perder o foco no aluno. Definiremos os novos currículos no segundo semestre, para entrarmos com eles, em pleno vigor, em 2019.

 

Atenciosamente,

 

Cesar Benjamin

 

Secretário


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 23/04/2018

Realocação de professores do nível central e das CREs

Há pouco tempo solicitei que as direções e o corpo docente das nossas escolas sinalizassem se desejavam receber reforço de professores que estão lotados nas CREs e no nível central.

 

O resultado da primeira rodada de consultas foi o seguinte:

 

* Solicitaram o reforço 467 escolas, assim divididas: 187 de educação infantil, 212 primários e 68 ginásios. As maiores concentrações de pedidos ficaram na sétima (63) e na décima (88) CREs.

 

* Houve demanda para 3.567 turmas, sendo 1.250 de educação infantil, 1.801 de primário e 502 de ginásio.

 

* Declararam não solicitar o reforço 519 escolas.

 

* Não responderam 551 escolas.

 

O nível central e as CREs já estão se organizando para atender as demandas. Os professores estarão nas escolas em maio.

 

A consulta se renovará periodicamente. A próxima rodada ocorrerá na segunda quinzena de junho.

 

Atenciosamente,

 

Cesar Benjamin


Secretário
 


   
           



Yammer Share