A A A C
email
Todos os posts escritos por Fernanda Pérez
Retornando 35 resultados para o autor 'Fernanda Pérez'

Terça-feira, 09/10/2018

Palestra Vivencial "A neurociência aplicada no ambiente de trabalho"

Tags: palestra, neurociência, trabalho.

 

Palestra Vivencial "A neurociência aplicada no ambiente de trabalho"

 

A Secretaria Municipal de Educação, através da Gerência de  Desenvolvimento eTreinamento-Administrativo da Escola Paulo Freire, convida os servidores a participarem da Palestra Vivencial "A neurociência aplicada no ambiente de trabalho"

 

 

 

 

Data da Realização: Turma 1 - 10/10/2018

Local de Realização: Museu Histórico Nacional, situado na Praça Marechal Âncora, s/nº - Centro - RJ

Horário: 08h às 17h

 

Atenção servidores que se inscreveram nos dias 1 e 2/10 para a Palestra Vivencial "A Neurociência Aplicada ao Ambiente de Trabalho", segue a relação dos participantes do dia 10/10/2018.

 

Lista de servidores inscritos

 

 

Enviado por E/EPF/GDTA


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 09/10/2018

“Ao Mestre Com Carinho’’

Tags: homenagem, heróis, hortas.

  “Ao Mestre Com Carinho’’ homenageia professores dos projetos Heróis do Tabuleiro e de Hortas na Escolas.

 

Professores do projeto Heróis do Tabuleiro, coordenado pela professora Fatima Bispo, lotada na Gerência de Projetos de Extensão Curricular (GPEC), estarão, nesta quarta-feira (10/10), sendo homenageados por iniciativa do vereador e professor Célio Lupparelli. na solenidade Intitulada Ao Mestre Com Carinho.

O evento, com entrega de Moções de Louvor e Aplausos aos Professores que se destacaram em sua trajetória profissional, acontecerá, às 10h, no plenário da Câmara dos Vereadores, na Cinelândia.

 

 

 

Serão homenageados os professores de Educação Física Luzinete Penna, Paulo Roberto Pinto, Roseane Assis, Margareth Lobo, Maria Mercês Sampaio, Simone Domingues. O professor de Técnicas Agrícolas Vitor Nunes Caetano, da Escola Municipal Mozart Lago, será homenageado na mesma ocasião pelo seu trabalho junto ao Projeto Hortas nas Escolas, também da GPEC, coordenado por Angélica Bueno Carvalho e Thatiana de Sant'Anna Gonçalves.

 

Data: 10/10/2018

Horário: 10h

Local: Câmara dos Vereadores, Cinelândia

 

Enviado por:

Waléria de Carvalho

E/SUBE/GPEC


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 26/09/2018

Fica a Dica: Romeu e Julieta

Tags: fica a dica, livro, romeu, julieta.

 

Fica a Dica: Romeu e Julieta

 

 

 

O fica a dica dessa semana vai contar a história de Romeu e Julieta. Mas calma aí! Não é a famosa tragédia criada por William Shakespeare, essa história é um pouco diferente.


O livro, Romeu e Julieta, é da autora Ruth Rocha, com ilustrações de Mariana Massarani.


Num passado distante, havia um reino colorido e repleto de floras, muito lindo para cheirar e ver, mas aqueles que viviam ali não podiam se conhecer, já que tudo era separado por cores.


“O que era BRANCO morava junto com o que era BRANCO. Todas as flores BRANCAS no mesmo canteiro. As borboletas BRANCAS só visitavam o canteiro BRANCO.”


No canteiro AMARELO vivia uma linda família de borboletas amarelas e sua filha se chamava Julieta.


Julieta já sabia voar e sempre que tentava voar para o canteiro AZUL sua mãe a impedia, cada borboleta no seu canteiro, ela dizia. Isso deixava Julieta muito triste.


Romeu era uma borboleta azul e morava com sua família no canteiro de Miosótis. Ele borboleteava por todo o lugar, mas seu pai sempre o alertava do perigo de voar nos outros canteiros, lugar de borboleta AZUL é no canteiro AZUL, sempre foi assim, dizia ele.


Um belo dia de primavera seu amigo Ventinho convidou ele para dar uma volta no canteiro das margaridas, lá era muito bonito e ele tinha uma amiga que se chamava Julieta, que era muito boazinha. Romeu ficou receoso no início, mas acabou cedendo.


Assim começou a amizade de Romeu e Julieta.


Os três voaram sem rumo, brincando entre as flores e acabaram entrando na floresta. Lá viram coisas que nunca imaginavam, plantas diferentes, bichos de todos os tamanhos e até uma família fazendo piquenique. Mas no meio de toda essa aventura acabaram sumindo dentro da floresta.


Seus pais preocupados, não ousavam atravessar o limite dos seus canteiros.


A noite caiu e Romeu, Julieta e ventinho, assustados, cansados e com frio, não encontravam o caminho para casa.


“Será que ninguém vem nos busca?”, perguntava Julieta.


Como terminará essa aventura?


Será que essa narrativa vai acabar em tragédia como a original? Ou os personagens homônimos dessa história terão um final feliz?


Esse livro nos permite trabalhar e explorar diversos assuntos. Contextualizar autores e obras, produzindo um final para essa história; Pensar a diversidade como forma de agregar valores; Falar dos seres vivos e do meio ambiente que nos cerca; Reconhecer as estações do ano e apresentar as características da primavera.


Que tal encher nosso ambiente de cores e flores?


Termino hoje com uma poesia de Vinicius de Moraes.


AS BORBOLETAS


Brancas
Azuis
Amarelas
E pretas
Brincam
Na luz
As belas
Borboletas.

Borboletas brancas
São alegres e francas.

Borboletas azuis
Gostam muito de luz.

As amarelinhas
São tão bonitinhas!

E as pretas, então...
Oh, que escuridão!

 

Fica a Dica! 


Conto com sua participação, professor(a). Mande também suas dicas e sugestões e vamos explorar o mundo literário!
Até a próxima semana!


 
 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 26/09/2018

Twittaço Literário de Setembro: Guimarães Rosa

Tags: twittaço, gla, guimarães.

1º Twittaço Literário da Primavera

 

Data: 28/09/2018, sexta-feira
Horário: de 8h às 22h
Local: Rede Social Twitter

 

 

A Gerência de Leitura e Audiovisual convida a todos para homenagear o grande GUIMARÃES ROSA!

Siga no Twitter: @GLA_SME. Use #glasme em seus Tweets.

Participe! GLAmurosamente nos encontramos na Rede! 

Desejamos um Twittaço de boas leituras, grandes descobertas e aprendizagem!

https://twitter.com/RiodeLeitores/status/1044001464681721856

 

 

Biografia

Guimarães Rosa (João G. R.), contista, novelista, romancista e diplomata, nasceu em Cordisburgo, MG, em 27 de junho de 1908, e faleceu no Rio de Janeiro, RJ, em 19 de novembro de 1967.

Foram seus pais Florduardo Pinto Rosa e Francisca Guimarães Rosa. Aos 10 anos passou a residir e estudar em Belo Horizonte Em 1930, formou-se pela Faculdade de Medicina da Universidade de Minas Gerais. Tornou-se capitão médico, por concurso, da Força Pública do Estado de Minas Gerais. Sua estreia literária deu-se, em 1929, com a publicação, na revista O Cruzeiro, do conto "O mistério de Highmore Hall", que não faz parte de nenhum de seus livros. Em 1936, a coletânea de versos Magma, obra inédita, recebe o Prêmio Academia Brasileira de Letras, com elogios do poeta Guilherme de Almeida.

Diplomata por concurso que realizara em 1934, foi cônsul em Hamburgo (1938-42); secretário de embaixada em Bogotá (1942-44); chefe de gabinete do ministro João Neves da Fontoura (1946); primeiro-secretário e conselheiro de embaixada em Paris (1948-51); secretário da Delegação do Brasil à Conferência da Paz, em Paris (1948); representante do Brasil na Sessão Extraordinária da Conferência da UNESCO, em Paris (1948); delegado do Brasil à IV Sessão da Conferência Geral da UNESCO, em Paris (1949). Em 1951, voltou ao Brasil, sendo nomeado novamente chefe de gabinete do ministro João Neves da Fontoura; depois chefe da Divisão de Orçamento (1953) e promovido a ministro de primeira classe. Em 1962, assumiu a chefia do Serviço de Demarcação de Fronteiras.

A publicação do livro de contos Sagarana, em 1946, garantiu-lhe um privilegiado lugar de destaque no panorama da literatura brasileira, pela linguagem inovadora, pela singular estrutura narrativa e a riqueza de simbologia dos seus contos. Com ele, o regionalismo estava novamente em pauta, mas com um novo significado e assumindo a característica de experiência estética universal.

Em 1952, Guimarães Rosa fez uma longa excursão a Mato Grosso e escreveu o conto "Com o vaqueiro Mariano", que integra, hoje, o livro póstumo Estas estórias (1969), sob o título "Entremeio: Com o vaqueiro Mariano". A importância capital dessa excursão foi colocar o Autor em contato com os cenários, os personagens e as histórias que ele iria recriar em Grande Sertão Veredas. É o único romance escrito por Guimarães Rosa e um dos mais importantes textos da literatura brasileira. Publicado em 1956, mesmo ano da publicação do ciclo novelesco Corpo de baile, Grande Sertão Veredas já foi traduzido para muitas línguas. Por ser uma narrativa onde a experiência de vida e a experiência de texto se fundem numa obra fascinante, sua leitura e interpretação constituem um constante desafio para os leitores.

Nessas duas obras, e nas subsequentes, Guimarães Rosa fez uso do material de origem regional para uma interpretação mítica da realidade, através de símbolos e mitos de validade universal, a experiência humana meditada e recriada mediante uma revolução formal e estilística. Nessa tarefa de experimentação e recriação da linguagem, usou de todos os recursos, desde a invenção de vocábulos, por vários processos, até arcaísmos e palavras populares, invenções semânticas e sintáticas, de tudo resultando uma linguagem que não se acomoda à realidade, mas que se torna um instrumento de captação da mesma, ou de sua recriação, segundo as necessidades do "mundo" do escritor.

Além do prêmio da Academia Brasileira de Letras conferido a Magma, Guimarães Rosa recebeu o Prêmio Filipe d'Oliveira pelo livro Sagarana (1946); Grande Sertão Veredas recebeu o Prêmio Machado de Assis, do Instituto Nacional do Livro, o Prêmio Carmen Dolores Barbosa (1956) e o Prêmio Paula Brito (1957); Primeiras estórias recebeu o Prêmio do PEN Clube do Brasil (1963).

 

Bibliografia
 

Sagarana, contos (1946);

Com o vaqueiro Mariano, conto (1952);

Corpo de baile, ciclo novelesco, 2 vols. (1956);

Manuelzão e Miguilim (1964);

No Urubuquaquá, no Pinhém (1965);

Noites do sertão (1965);

Grande Sertão Veredas, romance (1956);

Primeiras estórias, contos (1962);

Campo geral (1964);

Tutameia (Terceiras estórias), contos (1967);

Estas estórias, contos (1969);

Ave, palavra, diversos (1970);

além de obras em colaboração: O mistério dos MMM (1962) e Os sete pecados capitais (1964).

 


Fonte: http://www.academia.org.br/academicos/joao-guimaraes-rosa

 

Siga @GLA_SME. Use #glasme em seus tweets e teremos um Twittaço de valiosas descobertas!

 

Equipe GLA - Gerência de Leitura e Audiovisual

E/SUBE/GLA


   
           



Yammer Share