A A A C
email
Todos os posts escritos por Fernanda Pérez
Retornando 35 resultados para o autor 'Fernanda Pérez'

Sexta-feira, 11/05/2018

Fica a Dica: Livro Se as coisas fossem mães

Tags: livro, mães, dica.

 

Livro: Se as coisas fossem mães

 

 


Olá!


A indicação dessa semana veio da Professora de Educação Infantil, Danielle Marques. O livro, “Se as coisas fossem mães”, foi um dos trabalhos da premiada escritora brasileira de livros infantis, Sylvia Orthof (1932-1997).
Na poesia, criada para o público infantil, a autora apresenta o conceito de mãe das mais variadas formas possíveis, através da comparação da figura “mãe” com objetos, reais ou imaginários, “Se a lua fosse mãe, seria mãe das estrelas, o céu seria sua casa, casa das estrelas belas”.


Além de ser aquela que gera, mãe é aquela que cuida, protege e ensina. Mãe é aquela que cria, que te ajuda e te aconselha na sua caminhada. Mãe é aquela que fica feliz por seus acertos, mas também, te ajuda a levantar nos tropeços. “Se a chaleira fosse mãe, seria mãe da água fervida, faria chá e remédio, para as doenças da vida”.

 

Não existe uma fórmula para ser mãe: umas trabalham, outras cuidam da casa; umas participam de tudo, outras não têm tempo para quase nada; umas são jovens enquanto outras mais maduras; umas estão aqui do nosso lado, enquanto outras em nossos corações, umas terão o papel de mãe até bem velhinhas e outras se tornam nossas filhas antes de sermos mães. Independente das diferenças sociais, culturais ou ideológicas, ainda sim, todas são mães.

 

“Cada mãe é diferente. Mãe verdadeira ou postiça, Mãe vovó ou mãe titia, Maria, Filó, Francisca, Gertrudes, Malvina, Alice.
Toda Mãe é como eu disse!
Dona Mamãe ralha e beija, erra, acerta, arruma a mesa, cozinha, escreve, trabalha fora, ri, esquece, lembra e chora,
Traz remédio e sobremesa.... Tem até pai que é "tipo mãe"... Esse, então, é uma beleza!”.

 

Recentemente, li em um artigo que, cada vez mais, as escolas estão deixando de comemorar determinadas datas, principalmente dia da mãe e dia do pai, optando por fazer a festa da família, devido não só à celeridade do dia a dia, mas também às mudanças estruturais familiares.

Não quero, com esse artigo, emitir juízo de valor ou dizer que sou a favor ou contra a celebração, isso vai de cada Instituição Escolar, mas deixar claro que a data está aí e, para todos os lados, vemos ou ouvimos propagandas do dia da mãe.

Então, vamos conversar com nossos alunos. Falar do dia da mãe é falar de afeto, é reforçar os laços familiares, independentemente de como ela se apresenta.

Fica a dica!

 

Conto com sua participação, professor. Mande também suas dicas e sugestões e vamos explorar o mundo literário!

 

Até a próxima semana!

  

  


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 27/04/2018

Fica a Dica: Livro Quando as cores foram proibidas

Tags: livros, dicas, leitura.

 

 

Livro Quando as cores foram proibidas

 

 

 

Olá!


Nosso primeiro artigo é para falar do livro “Quando as cores foram proibidas”, da escritora e jornalista alemã, Monika Feth e ilustrado por Antoni Boratynsky, da editora Brinque-Book, indicado pela professora Laura Fantti.

A história retrata um país, cheio de cores e alegria, governado por um presidente que gostava de ver as pessoas rindo e queria que todo mundo fosse feliz. “Só posso tomar as decisões certas se conhecer muito bem meu país”, dizia ele.

Com sua morte, chega ao poder um novo presidente, não pela eleição do povo, mas por ser rico e influente, e mesmo sabendo que era errado, os ministros nada fizeram com medo de perder seus cargos.

Dominador, vaidoso e ambicioso, queria tudo de bonito para si, dentro das fronteiras do castelo, tirava o dinheiro do povo para bancar suas extravagâncias. Proibiu o povo de usar qualquer cor que não fosse preto, ordenou que todas as casas fossem pintadas de cinza e que delas tirassem todos os enfeites e cores.

A população estava indignada, mas qualquer movimento contrário ao presidente era punido com prisão. As pessoas tornaram-se tão cinzentas por dentro quanto a paisagem a sua volta. O riso deixou de existir.

 

Quanto mais triste e oprimido o povo mais alegre se tornava o presidente. Todavia, existia uma coisa que o presidente não poderia destruir. As vezes, quando o sol brilhava depois da chuva, o arco-íris aparecia, e, nessas horas, os habitantes esqueciam-se de tudo e cantavam e dançavam como se não houvesse amanhã.

E, ainda sim, o presidente não desistiu...

Esse é um livro que nos permite trabalhar algumas questões, desde os sentimentos como alegria, tristeza, inveja, ambição, bem como a noção de Governo, responsabilidade, democracia e cidadania.

Sabemos que todos nós temos direitos e deveres que devemos cumprir e respeitar, dentre os quais podemos destacar o dever de voto. Em ano de eleição, como podemos preparar nossas crianças e jovens para agir de forma consciente em suas escolhas? E falar da importância de acompanhar seus resultados? Que tipos de eleitores queremos formar?

 

Pergunte a seus alunos. Que tipo de Presidente você seria? Vamos promover uma eleição na nossa sala de aula? Quem sabe não teremos um futuro presidente do Grêmio Estudantil!

 

Fica a dica!!! 

 


Conto com sua participação, professor(a). Mande também suas dicas e sugestões e vamos explorar o mundo literário!

Até a próxima semana!

 

 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 20/04/2018

Fica a dica: Falando sobre Livros

Tags: dicas, leitura, livros.

 

Dicas de Livros com Fernanda Pérez

 

 

Olá!

Sou Fernanda, Professora de Educação Infantil no Município do Rio de Janeiro desde 2014. Formada em Letras – Português/Literatura, Especialista em Leitura e Produção Textual e atualmente cursando Pós-graduação em Informática Educativa.

 

Estou começando esse projeto para dividir com vocês minha paixão pela leitura. Quando olho para minha infância sempre me vejo com um livro por perto, mas meu fascínio por esse universo imaginário começou com o livro A droga da obediência, do Pedro Bandeira. Como não se apaixonar pelos “Karas” e suas aventuras? Em algum momento, com certeza, falarei dessa obra!

 

A leitura deve ser prazerosa e não simplesmente uma obrigação. Além de estimular a imaginação e ampliar o conhecimento e o vocabulário, o hábito de ler propicia o desenvolvimento do senso crítico, do raciocínio e da interpretação.

 

Então como estimular a leitura nas crianças e nos jovens? Como torná-la gratificante?

 

Que narrativas podemos utilizar em nosso ambiente e como aproximar os temas com a expectativas dos alunos, sejam eles crianças ou adolescentes?

 

A cada semana, esse blog trará indicações de leituras, atividades, curiosidades.

 

 

Conto com sua participação, professor. Mande também suas dicas e sugestões e vamos explorar o mundo literário!

 

Até a próxima semana!

 

 


   
           



Yammer Share