A A A C
email
Todos os posts escritos por Patrícia Fernandes - Representante do Rioeduca na 6ª Cre
Retornando 68 resultados para o autor 'Patrícia Fernandes - Representante do Rioeduca na 6ª Cre'

Segunda-feira, 11/03/2013

Ser Mulher é uma Arte! Ser Guerreira faz Parte!

Tags: 6ªcre.

Ser guerreira faz parte da rotina das mulheres da 6ª CRE, pois exige muito compromisso e determinação para transformar histórias de vida com criatividade e coragem. Queremos mostrar a todas essas mulheres que, apesar de serem conhecidas como sexo frágil, demonstram força na realização de seu trabalho.

 

Ser mulher é uma das artes mais antigas e misteriosas que existem. Resiste à força do tempo, transforma-se sem mudar, muda sem se modificar, modifica-se sem se transformar. Como toda arte, tem seus segredos, é guiada pela inspiração, pelo desejo de perfeição, pela percepção diferente da realidade que as envolve, por um olhar além das aparências.

 

Ser mulher é ter a capacidade de se reinventar rapidamente; é  perdoar sem dor; é ser intensa e superficial se for preciso; é ser sensível e racional quando necessário. Viver a mulher que existe dentro de cada uma de nós muitas vezes é difícil, pois faltam coragem e ousadia em diversos momentos. Faltam força e disciplina para acreditar em seus sonhos.

 

Não perca a força! Liberte-se, sonhe, aja, crie, inove, viva com plenitude e amor!

 

 

 

Esse vídeo é uma homenagem a todas as mulheres guerreiras, sonhadoras, apaixonadas e apaixonantes. Totalmente necessárias!

 

 

Ser Guerreira Faz Parte!

 

Ser guerreira já faz parte da rotina das mulheres da 6ª CRE, pois exige muito compromisso e determinação para transformar histórias de vida com criatividade e coragem. As mulheres que atuam em diversas áreas nas escolas desta coordenadoria sabem que não existem atalhos para o destino. E que, em hipótese alguma, haverá vitória sem luta. Encaram a derrota como o adiamento da inevitável vitória!

 

Essa é a 6ª CRE! Formada, em sua grande maioria, por mulheres. Guerreiras por natureza, algumas vezes pensam em desistir, mas não desistem. Pensam em fugir, mas não fogem! Se sentem medo, não o deixa dominá-las, tampouco invadi-las.

 

 

 

 Andréa Nonato é professora de uma turma de 1º ano na E.M. Escragnolle Dória, situada no morro da Pedreira, área que sofre com a violência e o tráfico. Foi a vencedora, na categoria professor, do concurso O Encanto dessa Cidade é Meu.

 

 

 

 

Deise Mara é Coordenadora Pedagógica da E.M. Monte Castelo, que atende alunos do segundo segmento. Conduz essa escola com pulso firme e carinho, levando professores e alunos rumo ao sucesso.

 

Diante  de tudo o que enfrenta, essas mulheres sabem que nada é impossível. Não há nada e nem haverá barreiras insuperáveis ou caminhos que não possam ser percorridos para essas incansáveis guerreiras.

 

Quando querem alguma coisa, o universo inteiro conspira a seu favor, fazendo tudo valer a pena; tentando sempre, desistindo jamais. Tornam o sonho em verdade, o erro em acerto e a barreira em passagem. Essas guerreiras - professoras, diretoras, coordenadoras pedagógicas, serventes, merendeiras e tantas outras - caminham com transparência, simplicidade, decisão e objetividade; fazendo a diferença na educação carioca.

 

 

 

Mulheres guerreiras da E.M. Alípio Miranda no desfile cívico de 2012. No seu dia a dia, mostram aos alunos a força da mulher brasileira através de atitudes firmes que tocam no coração de cada aluno e responsável.

 

 

 

As merendeiras da Creche Municipal Zilka Salaberry são como mães para os alunos. Elas cuidam da alimentação de cada criança com grande responsabilidade e carinho.

 

Avante mulheres da 6ª CRE! Coragem, através da honra, e pelo AMOR, sempre!

 

Mulher, Sexo Frágil?

 

"Dizem que mulher é o sexo frágil, mas que mentira absurda ...". Quando cantou isso, Erasmo Carlos não sabia que estava tão certo. Mulheres que não têm medo de viver, que vão à luta, que enfrentam seus medos e receios e mostram toda a sua capacidade não podem ser frágeis.

 

 

Mulher, forte mulher! Quem acha que mulher é sexo frágil não conviveu perto de uma guerreira da 6ª CRE - Coordenadoria Regional de Educação!

 

 

 

A alegria das funcionárias da Creche Municipal Jurema Gomes se espalha e contagia a todos. A aprendizagem e vida dos alunos ficam muito mais agradáveis  com o sorriso dessas mulheres.

 

 

 

A equipe do CIEP Doutor Adão Pereira Nunes é muito comprometida com a formação do verdadeiro cidadão. Procura, em todas as suas ações, demonstrar aos alunos a força, a inteligência, a trajetória e a coragem da mulher negra na sociedade.

 

 

 

As mulheres da Escola Municipal Otávio Kelly são conhecidas por toda comunidade devido ao trabalho de excelência que realizam com os alunos da rede municipal de ensino. Nenhum obstáculo é capaz de detê-las! Quando as situações difíceis aparecem, se unem e criam estratégias para alcançar a vitória. 

 

 

E aí, você ainda acha que elas são do sexo frágil? Feliz Dia Internacional da Mulher!

 

 

Professora Patrícia Fernandes - Representante do Rioeduca na 6ª CRE

Twitter: @PatriciaGed

Facebook: Patrícia Fernandes

E-mail: pferreira@rioeduca.net

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 21/01/2013

Família, a Chave do Sucesso!

Tags: 6ªcre, família.

 

Não basta ser pai ou mãe, tem que participar! Esse slogan é verdadeiro e a cada dia se faz mais necessário. Destacaremos aqui a importância da força da família e  mostraremos que amar é participar ativamente.

 

 

Você está em casa, sentado no sofá, e seu filho faz a grande revelação: "Quero ser piloto de avião!". Depois, decide que, mais do que piloto, quer ser o comandante para usar um uniforme ainda mais bonito e falar ao microfone da aeronave. No outro dia, diz que, em vez de querer estar na cabine, o sonho mesmo é sentar em uma poltrona de passageiro e viajar pelo mundo.

 

 

E agora? Você dá corda a cada mudança de planos ou tenta ajustar o sonho dele ao que acredita ser bom e possível? Em seguida, você pensa no velho conceito: "o que é bom para mim, também é bom para ele?". A resposta vai chegar daqui a alguns anos. E, ao longo desses anos, o sonho vai mudar. O que todos os pais querem, na verdade, é que os filhos tenham sucesso na vida e, assim, sejam felizes. Então, cabe à família educá-los para realizarem seja qual for o  seu sonho.

 

 

 

A animação "Família e Escola" fala sobre a influência dos pais nas decisões dos filhos.

 

 

Essa jornada começa com o que chamamos ambiente empreendedor. Uma educação nesses moldes permite à criança, mais do que realizar sonhos, desenvolver valores como ética, autonomia, criatividade, colaboração, perseverança, sustentabilidade e capacidade de tolerar a incerteza e, também, de aprender com os erros. Esses valores são fundamentais para que eles tenham um sonho que realmente valha a pena.

 

 

 

Educação formal, transmissão de valores, experiência e paixão pelo que faz. A família pode, sim, ajudar seu filho a ter sucesso na vida.

 

 

Exemplo, Conversa e Brincadeira

 

 

Mas, afinal, como se cria um ambiente empreendedor? Primeiro, dando o exemplo. Não adianta falar sobre ética e respeito ao próximo e maltratar todos. E, quando falamos em ética, não estamos só nos referindo às relações interpessoais, mas, também, com o meio ambiente e com tudo o que nos cerca. O empreendedor não olha apenas para si, mas para toda sociedade.

 

 

Em segundo lugar, com muita conversa. Um canal de diálogo aberto com as crianças é fundamental. As conversas devem acontecer de forma natural, com base nas experiências trazidas pelas crianças. Se seu filho chega em casa contando que os meninos da classe estão tirando sarro de uma menina, pergunte como ele agiu. Ele fez coro com os amigos ou ficou quieto? É possível ter boas discussões sobre valores brincando. Afinal, essa é a  linguagem que as crianças entendem e, cá entre nós, a mais gostosa.

 

 

 

A família deve ser a principal responsável pela formação da criança, além de apoio importante no processo de adaptação para a vida em sociedade. Uma boa educação dentro de casa garante uma base mais sólida e segura no contato com as adversidades culturais e sociais.

 

 

É Hora de fazer de Conta!

 

 

Parece óbvio que as crianças devam brincar, mas não é isso o que costuma acontecer. De olho no sucesso dos filhos no futuro, muitos pais incluem novos cursos ou experiências, mas deixam a brincadeira de lado.

 

 

O melhor da brincadeira é que ela diverte, permite a troca de afeto e, realmente, ensina. Ao brincar sozinha, a criança desenvolve criatividade e autonomia; ao se divertir com um amigo, aprende ética e colaboração. E, em cada brincadeira, outros valores vão sendo conquistados. Ao colocar as roupas do pai ou da mãe, ela desempenha papéis que poderá ter no futuro. É uma espécie de treino!

 

 

Muitas vezes, a correria do dia a dia limita os elementos da família, porque se pensa que o melhor está nas brincadeiras mais elaboradas. Segundo a educadora Maria Ângela Barbato, Coordenadora do Núcleo de Cultura, Estudos e Pesquisas do Brincar da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), não precisa ser nenhuma brincadeira tradicional ou elaborada, que obrigue a família a planejar com antecedência.

 

 

Família e Escola, a Chave do Sucesso!

 

 

O dia a dia nos mostra que os amigos contam na formação da personalidade a partir de determinada idade, normalmente entre os 10 ou 12 anos. Entretanto, há que se  apostar na influência que os pais tiveram durante a primeira infância na criação de valores. "A partir de certa época, os filhos saem da família e vão ver o que há no mundo. É aí que os pais precisam acreditar na educação que deram às crianças. Os filhos buscam outro modelo, mas inspirados nos valores aprendidos em casa", afirma a psicóloga Sandra Leal Calais, professora da Universidade Estadual Paulista (Unesp).

 

 

Para ajudá-las a percorrer esse caminho, não podemos deixar de lado, naturalmente, a importância de uma educação de qualidade. Mas, pensando em um ambiente empreendedor, o que seria uma boa escola? Certamente a que, além do conteúdo, provoca na criança o desejo de buscar novos conhecimentos  nos mais diversos meios.

 

 

 

É impossível colocar à parte escola e família, pois, se o indivíduo é aluno e filho, ao mesmo tempo, a tarefa de ensinar não compete apenas à escola, porque o aluno aprende através da família, dos amigos, das pessoas que ele considera significativas, dos meios de comunicação, do cotidiano. Sendo assim, é preciso que professores, família e comunidade tenham claro que a escola precisa contar com o envolvimento de todos.

 

 

 

 

É necessário que família e escola interajam de forma responsável, como parceiras de caminhada, pois ambas são responsáveis pelo que produzem, podendo reforçar ou contrariar a influência uma da outra.

 

 

A família pode oferecer muito mais levando seus filhos a teatros, cinemas, shows, museus, parques, zoológicos, fazendo-a conhecer novos lugares. É assim que a criança conhece outras histórias, diferentes da sua. E, quanto mais exposto a atividades diversas, mais chances  a criança terá de encontrar algo que realmente lhe dê prazer, seja por hobby ou profissão.

 

 

Família e escola precisam criar, através da educação, uma força para superar as suas dificuldades, construindo uma identidade própria e coletiva, atuando juntas como agentes facilitadores do desenvolvimento pleno do educando. É preciso, portanto, que a família (independentemente de sua composição) cumpra os seus deveres, assim como, a Escola faça valer sua proposta pedagógica como meta, para que ambos possam atingir seus objetivos na formação dessas crianças e jovens adolescentes.

 

 

Para tornar, portanto, a escola um ambiente empreendedor, o primeiro passo é estabelecer regras que fortalecerão essa parceria, permitindo que a aprendizagem dos filhos e alunos se efetive claramente através de seus desempenhos, tanto no lar quanto na escola.


 

 

 

 A Escola sozinha não conseguirá levar a diante a responsabilidade de educar e ensinar, já que a responsabilidade maior da escola está em ensinar e a da família está em educar. A especificidade da Escola não pode ser desviada para funções que não sejam suas e o ensino deve ser aplicado para o crescimento intelectual, social e econômico de cada aluno, individualmente.


 

 

 

 

 

É de suma importância o comparecimento dos pais  na escola dos filhos. Não basta apenas olhar cadernos e perguntar como estão, é preciso participar, fazer-se presente nesse acompanhamento. Através dessas ações, efetiva-se a parceria que a escola precisa para ensinar com qualidade.


 

 

 

 

De acordo com Içami Tiba, a educação é um projeto, que não pode ser simplesmente de qualquer forma. Deve ser muito elaborada, pois é o futuro do filho e da família que estão em jogo...”. Por isso, as ações de educar e ensinar devem ser compartilhadas entre as duas instituições: família e escola.

 

 

Sinal Vermelho!

 

 

Se por um lado há uma lista de coisas que a família pode fazer para ajudar as crianças, por outro lado, é bom tomar cuidado para não atrapalhar, mesmo com a melhor das intenções. As famílias precisam ficar atentas para não lotar a agenda de seus filhos de atividades ou impedir, aos poucos, seus filhos de sonhar.

 

 

Os responsáveis não precisam se assustar com as ideias malucas que as crianças têm sobre o próprio futuro. Deixe-os sonhar! E nada de  viver antecipando desejos, os quais a família julga que os filhos terão. Por exemplo, se a criança recebe presentes demais, nem consegue escolher o  que deseja ganhar de aniversário. Parece um detalhe, mas desejar é o primeiro passo para que, mais tarde, ela possa realizar seus sonhos e, em seguida, voltar a sonhar.

 

 

 

Cena do filme À Procura da Felicidade - Motivação

 

 

Como vimos acima, não basta ser pai ou mãe, tem que participar! Esse slogan é verdadeiro e a cada dia se faz mais necessário. Esta matéria destaca a importância da força da família e mostra que  amar não é fazer, mas sim participar ativamente. Atuando dessa forma, a família ajudará a tornar seu filho uma história de sucesso nos estudos e na vida!

 

 

Essa matéria é uma homenagem a todas as famílias dos alunos da 6ª Coordenadoria Regional de Educação. Famílias estas que asseguram a sobrevivência dos filhos e o seu crescimento saudável; acariciando e estimulando as crianças no sentido de  transformá-las  em seres capazes de se relacionar competentemente com o seu meio físico e social.

 

 

Desejamos a todas as famílias da 6ª CRE um 2013 de muito SUCESSO! Nós somos a seXta CRE!

 

 

Professora Patrícia Fernandes - Representante do Rioeduca na  6ªCRE

Twitter: @PatriciaGed

E-mail: pferreira@rioeduca.net

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 07/01/2013

Celebrando Conquistas e Caminhando Rumo ao Sucesso

Tags: 6ªcre, protagonismojuvenil.

Mais do que simples comemorações, as festas e formaturas típicas do fim de ano que marcam o encerramento dos ciclos educacionais, são rituais importantes para o desenvolvimento de crianças e jovens. Os alunos da 6ª CRE encerraram esse ciclo e estão se preparando para os novos desafios que surgirão em 2013.

 

 

Quando imaginamos a estrutura da escola, pensamos em sua distribuição física; em sua população; em questões administrativas, pedagógicas e políticas. Contudo, dificilmente  nos damos conta de um elemento fundamental que agrega todos esses componentes físicos e abstratos do universo escolar: o ritual.

 

 

Parte integrante de qualquer grupo social, o ritual estabelece uma série de ações ou padrões simbólicos que permitem a esse grupo um encaminhamento e uma sensação de pertencimento. Por essas razões, é um dos conceitos mais estudados pela antropologia. Na escola não é diferente. Rituais (ou ritos) de passagem ocupam fartamente esse ambiente no dia a dia ou em eventos especiais, sendo reconhecidos por toda sociedade ou por pequenos grupos para os processos de educação.

 

 

Entre os rituais escolares, os mais conhecidos por todos são os de passagem, por exemplo, as formaturas que celebram o encerramento de um ciclo e o início de novas fases na vida do estudante. Mais do que simples comemorações, as formaturas e festas típicas de fim de ano são rituais importantes para o desenvolvimento de crianças e jovens.

 

 

 

Rituais de passagem na escola marcam o início e o encerramento de ciclos de aprendizagem e incorporam padrões de comportamento da sociedade.

 

 

 

"É nesse momento que o estudante realmente se dá conta de que ele deixará de conviver com alguns colegas e que terá de se preparar para as várias novidades da fase seguinte", diz Quézia Bombonatto, Gestora da ABPp (Associação Brasileira de Psicopedagogia).

 

 

Para ele, as comemorações possuem três funções principais. A primeira delas é para o próprio aluno, por  caracterizar o sucesso obtido ao vencer uma etapa na formação. A segunda é válida para a família, que tem reconhecido o esforço no apoio ao estudante. E, finalmente, para a escola, na ajuda necessária que é dada para a elaboração mental das mudanças que virão com o próximo ciclo.

 

 

Ritos de Passagem no Ensino Fundamental

 

 

A mudança do Ensino Fundamental para nove anos, com a transformação do antigo pré no primeiro ano, a grande marca do final da Educação Infantil que era a alfabetização, foi perdida. Por isso, algumas escolas não têm dado mais o aspecto de formatura para o encerramento desses alunos. Mas, ao mesmo tempo, têm criado formas para celebrar a alfabetização da turma com apresentações de dança, teatro, trechos de leitura, entregas de livros etc.

 

 

 

As comemorações de Natal nas escolas marcam o ritual de esperança, exemplo que fica para quem vai chegar no ano que vem e nos próximos.

 

 

 

 

As escolas precisam  adotar rituais e/ou estratégias para que os alunos mudem de estágio de aprendizagem sem traumas.

 

 

 

Pais de todos os lugares e classes sociais sonham com seus filhos passando de ano na escola, entrando na faculdade, conquistando o primeiro emprego e obtendo sucesso. Para tornar  tudo isso realidade é preciso investir no primeiro ciclo do ensino fundamental, que vai do 1º ao 5º ano.

 

 

Ao final dessa etapa os alunos enfrentam uma série de mudanças que irão representar um saudável desafio para eles. A escola deve preparar os alunos para o que está por vir e mostrar que tudo será superado ao aprenderem a lidar com as diferenças, a organizar prioridades e fazer escolhas.

 

 

A formatura  é uma ocasião de despedida da maioria das pessoas com quem convivemos ao longo dos últimos e, talvez, mais importantes anos de nossa vida, mas que, ao mesmo tempo, é de plena felicidade pelo sucesso obtido na conclusão de uma grande etapa da vida.

 

 

 

 


Formatura é o momento de comemorar, de ser a estrela da noite e ter os holofotes todos apontados para si. A alegria da conquista deve superar o medo dos próximos e desconhecidos dias e o orgulho da vitória deve explodir dentro do próprio peito, pois, com certeza, estará estampado nos rostos das pessoas mais queridas.

 

 

 

Ao término da formatura, existe um ritual que é passar a corda do capelo do lado direito para o esquerdo para identificar que estão todos formados. Após, todos  jogam os capelos para o alto, concluindo uma das principais tradições desse evento.

 

 

 

O fim do ciclo do ensino fundamental recebe agora mais importância. O aluno ingressará no ensino médio, etapa final da educação básica, e se preparará para a entrada na faculdade. A vida adulta começa a despontar e inúmeras decisões lhe são impostas. Durante os três anos seguintes, o aluno consolidará e aprofundará o aprendizado do ensino fundamental, além de se preparar  para trabalhar e exercer a cidadania.

 

 

A formatura  ganha um gostinho de conquista por mais um degrau importante ter sido alcançado. Essa vitória é, sem dúvida, o resultado das escolhas que foram feitas durante o ano, da persistência, determinação, coragem, força de vontade, responsabilidade e apoio mútuo diante das dificuldades que foram surgindo no decurso da escalada.

 

 

Esse ritual de passagem precisa deixar claro para os alunos que muitos degraus ainda precisam ser conquistados e que seus ideais não podem ser anulados, pois só eles sabem o que é melhor para suas vidas e que veredas desejam trilhar.

 

 

 

Essa data será lembrada como um dia de festa, de alegria, de dever cumprido, de momentos especiais, de risos, de lágrimas, de encontros, de despedidas, de desejos, de inspirações, de eloquência, de abraços e de união. 

 

 

 

Momento Mágico da Despedida

 

 

Fecha-se, para uma geração de alunos, um ciclo de ensino e aprendizagem. As escolas da 6ª Coordenadoria Regional de Educação viveram tempos que ajudaram a formar seu caráter e sentir o gosto de uma convivência com amigos e professores que levarão para sempre em seus corações.

 

 

É impossível ficar alheio a esse cenário que fala de saudade. Isso ajuda a compreender as reações dos formandos em seus últimos dias de vida escolar. Encaram o desafio que está por vir rodando pelos corredores de sua escola, abraçando todos, professores, colegas e funcionários. Voltarão no ano seguinte, ou daqui a algum tempo, para continuar seus estudos ou falar de suas vitórias e êxitos humanos e profissionais.

 

 

Há um rito de passagem acontecendo na vida desses alunos. A escola foi para cada uma dessas crianças e jovens uma verdadeira segunda casa. Ali viveram parte de sua infância, enfrentaram desafios e mergulharam no intrincado universo do verbo escolher. Eis que é chegada a hora de dizer "até breve" ou "adeus" e deixar para trás um tempo de vida que foi precioso.

 

 

Queridos alunos da 6ª Coordenadoria Regional de Educação do Rio de Janeiro, voltem e contem histórias vividas para além dos muros de nossas escolas. Somos todos torcedores  pelas vitórias de vocês. Um pedaço de cada um de nós se perpetua em cada um. Sentiremos saudade! Sejam felizes! Nós sempre seremos a sexta CRE!

 

 

 

A representante do Rioeduca na 6ª CRE, Professora Patrícia Fernandes, e toda equipe da Coordenadoria de Educação desejam a todos um 2013 de muito sucesso!

 

 

Professora Patrícia Fernandes - Representante do Rioeduca na 6ª CRE

Twitter: @PatriciaGed

E-mail: pferreira@rioeduca.net

 

                                

 

 

 


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 27/12/2012

AfroMostra 2012 e Olimpíada das Cores

Tags: 6ªcre, meioambiente, artesvisuais, educaçãofísica, competições, protagonismojuvenil.

 

A E. M. Gilberto Amado, em parceria com o programa Mais Educação, desenvolveu vários projetos voltados para a aprendizagem significativa e cidadã durante o ano de 2012. A Afromostra e o projeto Olimpíada das Cores objetivaram proprocionar aos alunos uma aprendizagem conectada com o seu universo de interesse. O sucesso foi total!

 

 

A Escola Municipal Gilberto Amado, localizada no bairro Guadalupe, Zona Norte do Rio de Janeiro, começa seu atendimento na Educação Infantil - modalidade Creche - e vai até o 5º ano. Possui Classe Especial, Sala de Recursos e atendimento a jovens e adultos com necessidades especiais.

 

 

A escola orientou todas as suas atividades de 2012 a partir do Projeto Político Pedagógico - Escola é Tudo de Bom - em parceria com o programa Mais Educação, voltando esforços para oferecer um ensino de qualidade aos seus alunos, traduzidos nos ótimos índices de desenvolvimento que são apresentados nas avaliações.

 

 

No final de novembro, a escola realizou a AfroMostra 2012, que foi a culminância dos diferentes investimentos artísticos e literários produzidos pelos alunos, com  ênfase no tema Africanidade e destaque especial na divulgação do projeto Mais Educação. Projeto esse que procura integrar diferentes saberes, espaços educativos, pessoas da comunidade e conhecimentos, tentando construir uma educação que pressupõe uma relação de aprendizagem para a vida significativa e cidadã.

 

 

A união do Projeto Político Pedagógico da Escola Municipal Gilberto Amado com o programa Mais Educação só trouxe ganhos para a aprendizagem dos alunos durante o ano de 2012. O resultado dessa parceria foi traduzido em uma Revista Especial, que mostra todo o trabalho desenvolvido com os alunos e suas famílias.

 

 

 

O programa Mais Educação proporcionou aos alunos da Escola Municipal Gilberto Amado uma aprendizagem conectada ao universo de interesse  dos alunos.

 

 

 

AfroMostra 2012

 

 

(...) Para viver democraticamente em uma sociedade plural é preciso respeitar e valorizar a diversidade étnica e cultural que a constitui. Por sua formação histórica, a sociedade brasileira é marcada pela presença de diferentes etnias, grupos culturais, descendentes de imigrantes de diversas nacionalidades, religiões e línguas (...). (MEC / SEC, 1998)

 

 

A temática História e Cultura Afro-Brasileira, inclusa nas Redes de Ensino através da Lei n.º 10.639/03, tem por objetivo o estudo de História da África e dos Africanos, a luta dos negros no Brasil, a cultura negra brasileira e o negro na formação da sociedade nacional; resgatando, assim,  a contribuição do povo negro nas áreas social, econômica e política, que são pertinentes  à História do Brasil.

 

 

 

 Africanidade é a amplitude e valorização da cultura africana, reconhecendo, valorizando, significando e ressignificando as práticas culturais africanas. Os debates sobre as africanidades estão fundamentados no conceito de etnia em contraposição ao de raça. O objetivo é construir um espaço de liberdade cultural onde a sociedade possa trabalhar a questão sem a idealização do dominador branco.

 

 

Esses conteúdos foram ministrados no âmbito de todo o currículo da Escola Municipal Gilberto Amado, em especial na área de Educação Física através dos professores Marcelo Faria, Andréa Leandro e Eloina Jesus.

 

 

As ações pedagógicas foram orientadas pelas professoras Rosângela Ramos (Sala de Leitura), Marilda Arcanjo (Diretora Adjunta) e Josane Peçanha (Coordenadora Pedagógica). Todas as atividades desenvolvidas tinham por objetivo principal interferir na construção de uma pedagogia da diversidade e garantir o direito à educação, superando opiniões preconceituosas sobe os negros, denunciar o racismo e implementar ações afirmativas, rompendo com o mito da democracia racial.

 

 

Veremos a seguir algumas páginas da Revista Especial criada pela Escola Municipal Gilberto Amado para conhecer um pouco do trabalho que foi desenvolvido na escola. Nas páginas 1 e 2, podemos perceber a herança cultural africana no Brasil, que chegou através do tráfico negreiro.

 

 

Sua influência na formação do povo brasileiro é vista até os dias atuais: dança, música, religião, culinária e idioma. Essa ascendência se faz notar em grande parte do país, em virtude da migração dos escravos.

 

 

 

Alguns instrumentos  musicais brasileiros, como o berimbau, o afoxé e o agogô são de origem africana. O berimbau é o instrumento utilizado para criar o ritmo que acompanha os passos da capoeira, mistura de dança e arte marcial criado pelos escravos no Brasil Colonial.

 

 

 

 

Para os africanos, as máscaras representam um disfarce místico com o qual poderiam absorver forças mágicas dos espíritos e assim utilizá-los em benefícios da comunidade. Serviam também para identificar os membros de certas sociedades secretas.

 

 

 

Na escola, valores sociais e morais são reforçados e também é nesse espaço que muitos preconceitos são perpetuados de forma quase imperceptível. Portanto, é também na escola que se deve propiciar a reflexão crítica sobre a valorização da cultura negra, criando espaços para manifestações artísticas que proporcionem a reflexão da realidade e afirmação positiva dos valores culturais negros pertencentes à nossa sociedade.

 

 

Nessa perspectiva, a Escola Municipal Gilberto Amado percebeu ser primordial romper com o modelo vigente na sociedade brasileira e oferecer um ensino-aprendizagem que estivesse  pronto a valorizar os conhecimentos dessa cultura.  Essa decisão teve por objetivo principal fazer acontecer mudanças nos valores morais dos alunos e ainda buscar a conscientização e envolvimento da comunidade escolar; pois, em muitos casos, o preconceito está enraizado no seio da família, sendo repassado de geração em geração.

 

 

Com essas ações, espera-se que a consciência de valorização do ser humano ultrapasse os muros da escola, se espalhe por toda a comunidade e, também, destrua as fronteiras da violência e do preconceito racial.

 

 

 

A Fundação Palmares é o primeiro órgão federal vinculado ao Ministério da Cultura com o objetivo de apoiar as iniciativas culturais afro-brasileiras. Durante todos esses anos, a Fundação vem se consolidando no reconhecimento da importância das Ações Afirmativas, como princípio do resgate da dívida histórica para com os negros brasileiros. 

 

 

 

 

A Cor da Cultura é um projeto educativo de valorização da cultura afro-brasileira, fruto de uma parceria entre o Canal Futura, a Petrobras, o Cidan – Centro de Informação e Documentação do Artista Negro, a TV Globo e a Seppir – Secretaria especial de políticas de promoção da igualdade racial. O projeto teve seu início em 2004 e, desde então, tem realizado produtos audiovisuais, ações culturais e coletivas que visam práticas positivas, valorizando a história deste segmento sob um ponto de vista afirmativo.

 

 

 

"(...) todo brasileiro, mesmo o alvo de cabelo louro, traz na alma e no corpo a sombra ou, pelo menos, a pinta do indígena e do negro." (FREYRE, 1993)

 

 

 

Olimpíada das Cores busca a União dos Povos

 

 

A Olimpíada é o evento  mais importante e emblemático do esporte. Disso não há dúvida! Seu objetivo é permitir que todos os países e povos de diferentes origens e etnias possam competir e se unir, mostrando que é possível um mundo mais igual, saudável e amigável.

 

 

A própria Bandeira Olímpica representa essa união de povos e raças, pois é formada por cinco anéis entrelaçados, representando os cinco continentes e suas cores. "O mais importante nos Jogos Olímpicos não é vencer, mas participar; como a coisa mais importante na vida não é triunfar, mas lutar. O essencial não é conquistar, mas ter lutado bem”. Esta foi a frase atribuída ao Barão de Coubertin, por representar a essência do espírito esportivo.

 

 

Essa frase resume a essência da Escola Muncipal Gilberto Amado  no ano de 2012. A Olimpíada das Cores foi realizada com os alunos da escola e aproveitada ao máximo, para que as crianças pudessem conhecer outros povos e diferentes culturas. E, também, deixando de lado a competição para torcer pelos atletas e incentivar a prática de esportes.

 

 

 

A prática esportiva como instrumento educacional visa o desenvolvimento integral das crianças, capacita o sujeito a lidar com suas necessidades, desejos e expectativas, bem como, lidar com as expectativas e desejos dos outros. Tudo isso de forma que elas possam desenvolver as competências técnicas, sociais e comunicativas, essenciais para o seu processo de desenvolvimento individual e social.

 

 

 

 

O esporte, como instrumento pedagógico, precisa se integrar às finalidades gerais da educação, de desenvolvimento das individualidades, de formação para a cidadania e de orientação para a prática social. O campo pedagógico do Esporte é aberto para a exploração de novos sentidos/significados, ou seja, permite que seja explorado pela ação dos educandos envolvidos nas diferentes situações.
 

 

 

 

A educação e o esporte devem andar sempre juntos, pois além de tratar de ações ligadas ao corpo, a prática esportiva permite uma maior  sociabilidade e integração entre as crianças dentro da escola. Nesse sentido, a Escola Municipal Gilberto Amado viu, nos jogos olímpicos, a oportunidade de ampliar as práticas esportivas e trabalhar a aprendizagem e as diferenças, sejam elas  raciais, religiosas, políticas ou culturais.

 

 

A universalização do esporte dá oportunidade aos alunos de vivenciarem experiências esportivas, recreativas e de lazer, que poderão contribuir significativamente para a formação integral das crianças que se encontram no ambiente escolar.

 

 

 

Projeto Mais Educação, uma relação de Aprendizagem para a Vida

 

 

O Programa Mais Educação atende, prioritariamente, escolas de baixo IDEB situadas em capitais, regiões metropolitanas  e grandes cidades em territórios marcados por situações de vulnerabilidade social que requerem a convergência prioritária de políticas públicas e educacionais.

 

 

 

A educação que este Programa quer evidenciar é uma educação que busque superar o processo de escolarização tão centrado na figura da escola. A escola, de fato, é o lugar de aprendizagem legítimo dos saberes curriculares e oficiais na sociedade, mas não se deve tomá-lo como única instância educativa.

 

 

Ele é operacionalizado pela Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (SECAD), em parceria com a Secretaria de Educação Básica (SEB) por meio do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) direcionado para escolas prioritárias.

 

 

As atividades fomentadas são organizadas em diversos macrocampos: acompanhamento pedagógico, meio ambiente, esporte e lazer, direitos humanos em educação, cultura e artes, cultura digital, promoção da saúde, educomunicação, investigação no campo das ciências da natureza e educação econômica.

 

 

Um dos objetivos principais do Mais Educação é diminuir as desigualdades educacionais por meio da jornada escolar. Recomenda-se adotar, como critério para definição do público, os seguintes indicadores: estudantes em situação de risco; estudantes em defasagem série / idade; estudantes em processo de evasão, abandono e repetência.

 

 

 

É preciso oferecer às crianças e aos jovens diferentes linguagens, valorizando suas vivências e modificando o próprio ambiente escolar e a produção do conhecimento.

 

 

 

 

As diferentes formas que as crianças e os jovens utilizam para se expressar são as suas linguagens, por meio das quais demonstram o que sentem e pensam sobre o mundo que os cercam. Tais linguagens não podem ser ignoradas e devem estar presentes na organização do espaço escolar, em diálogo com os saberes institucionalizados.

 

 

As atividades desenvolvidas para os alunos da Escola Municipal Gilberto Amado, participantes do programa Mais Educação estão relacionadas com as atividades que já são realizadas na escola. Seu Projeto Político Pedagógico traduz a filosofia e a forma de organização pedagógica e curricular, traduz as intenções e relações estabelecidas entre todas as atividades no ambiente educativo.

 

 

 

Esse processo todo implica alianças com os familiares e com os responsáveis pelos estudantes. Para que a educação seja “integral”, a família participa ativamente da vida escolar. Portanto a escola deve promover o diálogo com a família.

 

 

 


 

 De acordo com o projeto educativo em curso na escola, são escolhidas seis atividades, a cada ano, no universo de possibilidades ofertadas. Uma destas atividades, obrigatoriamente, deve compor o macrocampo acompanhamento pedagógico.

 

 

 

Durante o ano de 2012, o programa Mais Educação juntamente com o Projeto Político Pedagógico  causou um impacto sobre a qualificação do ambiente escolar, partindo da hipótese de que a participação da comunidade, o desenvolvimento de atividades de cultura, esporte, lazer, dentre outras, contribuem para que a Escola Municipal Gilberto Amado se torne um espaço atrativo para seus alunos.

 

 

Parabéns a toda equipe da Escola Municipal Gilberto Amado por transformar o espaço escolar em um lugar significativo para alunos, professores e responsáveis!

 

 

Desejamos a todos um ótimo 2013! Que o ano que se inicia seja de muitas realizações! Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim. Nós somos a CRE!

 

 

Professora Patrícia Fernandes - Representante do Rioeduca na 6ª CRE

Twitter: @PatriciaGed

E-mail: pferreira@rioeduca.net

 

                                

 

 

 


   
           



Yammer Share