A A A C
email
Todos os posts escritos por Sinvaldo do N. Souza, professor representante do Rioeduca na 10ªCRE
Retornando 13 resultados para o autor 'Sinvaldo do N. Souza, professor representante do Rioeduca na 10ªCRE'

Sexta-feira, 07/06/2013

“Plantar Sonho e Cultivar Vida”

Tags: 10ªcre, escola especial, inclusão, rio sustentável.

Professora Pedrina fala sobre os projetos da Escola Especial Municipal Dr. Hélio Pellegrino.

 

Pedrina Rodrigues Chaves Nunes é a coordenadora pedagógica da Escola Especial Municipal Dr. Hélio Pellegrino. É daquelas pessoas verdadeiramente apaixonadas pelo que faz e  consegue contagiar o interlocutor com a sua emotividade.

 

Pedrina está certa de que o que traz felicidade para o ser humano é o sonho. E o ato de sonhar, além do conjunto de imagens, de pensamentos ou de fantasias que se apresentam à nossa mente também gera emoções.

 

Sonhos e emoções que vêm sendo construídos dentro do plano real, a partir dos laboratórios temáticos na Escola Especial Municipal Dr. Hélio Pellegrino.

 

Revisito a Escola Especial, exatamente dois anos após a primeira postagem que fiz para o Rioeduca, em 8 de abril de 2011.

 

Laboratório de Descoberta da Natureza na Escola Especial Municipal Dr. Hélio Pellegrino.


Nos jardins fronteiriços da escola com ampla visibilidade para a Rua Felipe Cardoso, a principal do bairro de Santa Cruz, deparo-me com algumas crianças tendo contato com a natureza. Observam flores e pequenos insetos, como a tão apreciada joaninha.

 

Pedrina fala que se trata de uma atividade do Laboratório da Descoberta da Natureza, da qual participam todas as crianças, sejam das duas turmas de Educação Infantil ou das oito classes de Educação Especial. Processa-se a integração. Constata-se na prática, a inclusão, já que se verifica o desenvolvimento das atividades em conjunto, com a participação de todos.

 

Há nove anos na Escola Especial Municipal Dr. Hélio Pellegrino, Pedrina relembra que começou a sua experiência no magistério dedicando-se aos surdos, ainda com matrícula no Estado. Com o passar do tempo foi se especializando e hoje demonstra possuir amplos conhecimentos sobre tudo o que se relaciona com Educação Especial, discorrendo facilmente sobre síndromes, falando sobre política de inclusão e comentando os caminhos que conduzem ao atendimento educacional especializado.

 

Além da diretora Antonia da Silva Muller, da diretora adjunta Maria Alice Leite de Moraes e da coordenadora pedagógica Pedrina, a Escola Especial Municipal Dr. Hélio Pellegrino possui quinze professores, sendo dois de educação física, um de artes visuais e um de música.

 

Professora Pedrina, coordenadora pedagógica da Escola Especial Municipal Dr. Hélio Pellegrino.

 

Segundo Pedrina, todos, incluindo os funcionários da escola, participam das reuniões, centros de estudos e momentos especiais, como as atividades que se realizam fora do espaço escolar, muitas vezes contando também com a presença de alguns responsáveis.

 

Sobre o projeto “Plantar sonho e cultivar vida”, Pedrina afirma que se trata de uma continuidade e desdobramento do que já fora realizado em 2012, focalizando a questão da sustentabilidade.

 

Segundo a coordenadora pedagógica, o projeto busca atender no sentido global e no aspecto micro, fazendo com que as crianças percebam a realidade que os cerca no âmbito familiar e no mundo escolar.

 

“É o sonho que move o mundo. A capacidade de sonhar é que dá sentido a vida”, afirma a professora Pedrina, para falar de cada um dos laboratórios que estão sendo considerados no trabalho com as classes especiais: Laboratório de Comunicação Assistiva; Laboratório de Letramento; Laboratório de Descoberta da Natureza; e Laboratório de Teatro, Dança e Música.

 

De acordo com a coordenadora Pedrina, as classes especiais são compostas por quatro até oito alunos, seguindo orientação de centros de interesses e faixa etária, mas sempre com ênfase no trabalho pedagógico e preocupação com a ampliação da linguagem.

 

Para que as atividades sejam realizadas com o sucesso desejado, Pedrina informa que são realizados centros de estudos e encontros para planejamento com a participação de todos, incluindo os funcionários e os responsáveis, que se sentem valorizados por estar contribuindo de alguma forma com a escola.

 

"Não é o dinheiro que move o mundo, mas sim o sonho. A capacidade de sonhar é que leva o ser humano a seguir em frente."  Professora Pedrina Rodrigues Chaves Nunes, coordenadora pedagógica da Escola Especial Municipal Dr. Hélio Pellegrino.

 

São muitos os casos de síndromes na Escola Especial Municipal Dr. Hélio Pellegrino, que conta também com o atendimento domiciliar de vinte crianças impossibilitadas de participarem diretamente das atividades escolares.

 

Diante de tudo o que se falou, mesmo para os defensores da educação inclusiva, é fácil concluir que dentro da atual realidade brasileira, o atendimento educacional especializado ainda se faz necessário de forma complementar ou suplementar na formação dos alunos com transtornos globais do desenvolvimento.

 


 “Plantar sonho é cultivar vida”

 


Sinvaldo do Nascimento Souza, professor representante do Rioeduca na 10ªCRE.
Twitter: @SinvaldoNSouza
Facebook.com/SinvaldoSouza
E-mail: sinvaldosouza@rioeduca.net


 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 24/05/2013

Jogos Transversais

Tags: 10ªcre, temas transversais, dengue, rio saudável.


 

 

“Jogos transversais: Educação, Ética e Cidadania” é o título do livro escrito pelo professor Denis Mendes Bastos, que desenvolve trabalho de excelência no CIEP Major Manuel Gomes Archer

 

Visito o CIEP Major Manuel Gomes Archer pela primeira vez. Fui convidado pelo professor de Educação Física Denis Mendes Bastos e sou muito bem acolhido pelo diretor Francisco Liberato do Nascimento, pela diretora adjunta Bianca Ferreira Moreira e por toda equipe de professores e funcionários.

 

Professor de Educação Física Denis Mendes Bastos (centro) com a diretora adjunta Bianca Ferreira Moreira e com o diretor Francisco Liberato do Nascimento na sala dos professores do CIEP Major Manuel Gomes Archer, da 10ª CRE.

 


Denis já é esperado pelos alunos do 5º ano, turma 1501, com cartazes e trabalhos sobre o combate à dengue. Estão todos muito ansiosos para a demonstração que farão para o Rioeduca.

 

Converso com o professor Denis que fala sobre os seus projetos de ontem, de hoje e para o futuro. O destaque é para o livro “Jogos Transversais: Educação, Ética e Cidadania”, cujo contrato para a publicação já se encontra formalizado com as Edições Loyola, uma das editoras mais conceituadas do nosso país.

 

Falando sobre como surgiu a ideia do livro, o professor explica que tudo começou a partir do trabalho de conclusão do curso de Especialização em Educação Física Escolar, em 2009, pela UNISUAM, quando relatou suas experiências práticas dos temas transversais para a Educação Física.

 

Denis desenvolve suas aulas a partir de temas como Ética, Saúde, Orientação Sexual, Trabalho e Consumo, Pluralidade Cultural, Meio Ambiente, Educação no Trânsito, entre outros, sempre numa perspectiva que leva em consideração atitudes e valores.

 

As experiências do professor Denis sempre foram muito bem sucedidas, quer seja como professor e coordenador da Vila Olímpica Clara Nunes, quer seja como treinador de atletismo pela Federação Internacional, ou como docente de escolas municipais do Rio de Janeiro e de Nova Iguaçu.

 

Na Rede Municipal do Rio de Janeiro, além do CIEP Major Gomes Archer, o professor Denis já trabalhou também em regime de dupla regência na Escola Municipal Engenheiro Gastão Rangel, onde se dedicou ao ensino para alunos do 2º segmento.

 

Professor Denis com os alunos do 5º ano, turma 1501, na Blitz contra a Dengue.

Nas duas fotos acima, alunos apresentando trabalhos sobre o combate à dengue.


Na quadra de esportes do CIEP, os alunos da turma 1501 estão ansiosos para que as atividades comecem.

 

Denis inicia falando sobre a dengue e os alunos interagem respondendo perguntas que são feitas pelo professor. Ele convida um deles para fazer o papel do mosquito, enquanto uma aluna é indicada para fazer a representação de uma doutora que vai medicar aqueles que forem infectados pelo Aedes aegypti.

 

Tudo acontece de forma muito dinâmica e proveitosa. O professor fala sobre a dengue, os alunos participam compartilhando suas opiniões e as atividades são realizadas como um grande jogo contando com a participação de toda a turma.

 

Atividades na quadra de esportes do CIEP Major Manuel Gomes Archer, coordenadas pelo professor de Educação Física Denis Mendes Bastos com alunos da turma 1501, com destaque para os temas transversais, tendo como foco o combate à dengue.


Denis Mendes Bastos mantém um site (www.jogostransversais.com), onde apresenta vídeos, artigos, projetos, metodologias, planos de aula e um link intitulado “Aluno em ação”, no qual expõe os melhores trabalhos dos seus alunos no CIEP Major Gomes Archer, na Escola Municipal Engenheiro Gastão Rangel, na Escola Municipal Márcio Caulino e na Universidade da Saúde. Vale a pena conferir e aproveitar as excelentes ideias de mais um professor que dignifica o trabalho dos profissionais docentes da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro.

 

Sinvaldo do Nascimento Souza, professor representante do Rioeduca na 10ª CRE.
Facebook.com/SinvaldoSouza
Twitter: @SinvaldoNSouza

E-mail: sinvaldosouza@rioeduca.net


 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 17/05/2013

Encontro da Inclusão na E. M. Profª Sonia Mota Molisani

Tags: 10ªcre, inclusão, pse.


 

Aproveitando a proximidade com o Dia Internacional da Síndrome de Down, a Escola Municipal Professora Sonia Mota Molisani realiza encontro das mães com crianças portadoras de necessidades especiais.

 

Na Escola Municipal Professora Sonia Mota Molisani não há nenhuma criança matriculada com a Síndrome de Down. Há, no entanto, outras que apresentam necessidade de cuidados especiais por razões diversas como hidrocefalia, múltiplas paralisias, suspeita de autismo, fissura labiopalatais, hiperatividade, entre outras.

 

Como todas as demais crianças, elas são especiais e precisam de um apoio, de um olhar, de uma atenção, de um acompanhamento diferenciado e, acima de tudo, de muito carinho.

 

Se depender da diretora Valéria, dos professores, dos funcionários, dos alunos e dos responsáveis, carinho é o que não vai faltar para as crianças especiais da Escola Municipal Professora Sonia Mota Molisani. Todos são muito amigos e solidários.

 

 

Diretora Valéria (à direita, de blusa preta) com as mães e alunos especiais da Escola Municipal Professora Sonia Mota Molisani no encontro realizado no dia 4 de abril de 2013.

 

Para falar sobre as peculiaridades de cada criança e sobre o processo de inclusão na vida escolar, a diretora Valéria marcou um encontro especial que aconteceu no dia 4 de abril de 2013.

 

Compareceram ao encontro, além da diretora Valéria e da diretora adjunta Sandra, as seguintes mães e alunos: Jeane, responsável pela Maryanne; Aline, com a aluna Sara Helen; Ellen, com o filho Alexandre; Maria José, com o Kayque; Lucinéia, com a filha Bruna; Mirlene e Vitória; Andréa, com o filho João Vítor; Maria Rita e Dyana de Cássia e Maria, avó do Emerson Eduardo.

 

Como sempre faz em todos os encontros e reuniões realizados na Escola Professora Sonia Mota Molisani, a diretora Valéria, de forma muito simpática e receptiva, falou sobre a importância daquele momento. Principalmente para que as mães pudessem relatar ao Rioeduca suas experiências de acompanhamento das crianças na escola e também para apresentarem comentários que trouxessem algum tipo de contribuição para melhorar ainda mais o atendimento daqueles alunos.

 

Todas as mães presentes fizeram uso da palavra, umas para relatar os avanços observados no comportamento e aprendizado dos seus filhos e outras para reforçar os pedidos já feitos de melhorias nas solicitações, inclusive relacionados ao atendimento nos postos de saúde da região.

 

A diretora Valéria ressaltou o ótimo relacionamento com o Posto de Saúde Municipal Carlos Chagas, que fica no mesmo quarteirão onde se encontra a Escola Municipal Professora Sonia Mota Molisani. Lembrando que a parceria, que já acontece por vários anos, vem trazendo ótimos benefícios para as crianças que estão matriculadas na escola, incluindo os programas de saúde escolar e de saúde bucal.

 

Um dos pedidos feitos pelas mães à Secretaria Municipal de Educação, para melhorar o atendimento das crianças especiais, é da contratação temporária de estagiários que possam colaborar ajudando no atendimento às crianças em sala de aula.

 

Outra forma de melhorar o trabalho seria a utilização de tecnologias especiais para crianças com necessidades especiais, surgindo a sugestão de que os alunos pudessem receber tablets com softwares apropriados ao trabalho de inclusão.

 

 

 

Nas fotos acima, os participantes do encontro especial realizado na Escola Municipal Professora Sonia Mota Molisani no dia 4 de abril de 2013.


 

Mesmo reconhecendo que na realidade brasileira ainda são muitas as dificuldades enfrentadas pelas pessoas com necessidades especiais, como a acessibilidade e a carência de tecnologias assistivas, as mães presentes ao encontro na Escola Professora Sonia Mota Molisani foram unânimes em reconhecer que, pelo menos naquela unidade escolar, a direção, professores e funcionários vêm trabalhando com muito carinho, entusiasmo e disposição para tornar real a política de inclusão educacional.

 


Sinvaldo do Nascimento Souza, professor representante da 10ª CRE no Rioeduca.
E-mail: sinvaldosouza@rioeduca.net
Twitter:@SinvaldoNSouza
Facebook.com/SinvaldoSouza



 

 

 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 10/05/2013

Corrida de Orientação

Tags: 10ªcre, centro de estudos, educação física.


 

 

Professores de Educação Física da 10ª CRE se reúnem no Centro de Estudos para debater o tema "Orientação Pedestre".

 

 

A Orientação Pedestre, também conhecida como Corrida de Orientação, foi tema principal da reunião no Centro de Estudos dos professores de Educação Física da 10ª Coordenadoria Regional de Educação em encontro ocorrido no dia 27 de março de 2013 (quarta-feira).

 

Segundo informações do professor Humberto Figueiredo, idealizador e coordenador do encontro, o Centro de Estudos de Educação Física é um movimento que surgiu da iniciativa de alguns professores da Rede Municipal de Educação a partir de encontros realizados na 8ª CRE.

 

Humberto informa que o Centro de Estudos tem como propósito levar aos professores de Educação Física informações atualizadas alusivas à disciplina.

 

Prof. Humberto Figueiro (em pé) falando na abertura do Centro de Estudos dos professores de Educação Física da 10ª CRE.

 

Professores participantes do encontro.

 

Professores palestrantes.

 

Na 10ª CRE, os encontros tiveram início com o objetivo de divulgar estudos de Orientações Curriculares ocorridos durante todo o decurso do ano letivo de 2012.

 

A partir de então, os encontros passaram a servir também como uma forma de ampliar as informações e conhecimentos na área da Educação Física, com professores e especialistas ministrando palestras e promovendo debates, inclusive trazendo novidades das áreas acadêmicas a partir de defesas de teses de doutorado ou dissertações de mestrado.

 

Os encontros são bimestrais, e no dia 27 de março compareceram cinquenta professores do 1º e 2º segmentos, além de alguns diretores de escolas.

 

Naquela oportunidade foi apresentada a palestra pelo professor Dagoberto Buarque, da 8ª CRE, um dos pioneiros dos Centros de Estudos de Educação Física, falando especificamente sobre o significado daqueles encontros e chamando a atenção de todos para a necessidade da propagação e valorização do trabalho do professor da disciplina.

 

Dagoberto e Humberto apostam na integração de todas as coordenadorias regionais de Educação no planejamento e elaboração de outros Centros de Estudos, lembrando que já são realizadas reuniões nas 4ª, 7ª, 8ª, 10ª e 11ª CREs.

 

Para falar do tema principal do Centro de Estudos de Educação Física no dia 27 de março, - Corrida de Orientação ou Orientação Pedestre -, foram convidados os professores Braga e Marion, que estão desenvolvendo a implantação desta modalidade esportiva na Rede Municipal de Educação do Rio de Janeiro, com a proposta, já em fase de consolidação, de iniciar a prática em escolas da 10ª CRE.

 

De acordo com o texto transcrito do Instituto Federal do Rio Grande do Sul, “o objetivo da corrida de orientação é percorrer uma determinada distância em um local variado e desconhecido, obrigando os participantes a passar obrigatoriamente por determinados pontos no terreno. Estes pontos pré-definidos são apresentados num mapa que é distribuído a cada concorrente. O mapa é uma carta topográfica que contém as informações básicas do local a ser desbravado.

 

O fundamental de uma atividade desse gênero não é a vitória em si, mas a integração dos participantes que disputam por um objetivo comum.

 

A região da Zona Oeste e os bairros de Guaratiba e de Santa Cruz são bastante propícios para o desenvolvimento da Corrida de Orientação, e em algumas escolas o treinamento poderá ser feito até mesmo no seu próprio terreno ou áreas limítrofes.

 

Segundo o professor Humberto, a coordenadora da 10ª CRE, Gracinha Muller, mostrou-se bastante entusiasmada com a metodologia da Corrida de Orientação, passando a ser uma grande incentivadora da implantação da prática esportiva em nossas escolas.

 

É bastante provável, que além do destaque que vem apresentando nas provas de Atletismo, a 10ª CRE também poderá sobressair-se na Corrida de Orientação como nova modalidade desportiva.

 


 Sinvaldo do Nascimento Souza, professor representante do Rioeduca na 10ª CRE.
 Twiter: @SinvaldoNSouza
 Facebook.com/SinvaldoSouza
 E-mail: sinvaldosouza@rioeduca.net


 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share