A A A C
email
Todos os posts escritos por Sinvaldo do Nascimento Souza, professor representante da 10ª CRE
Retornando 69 resultados para o autor 'Sinvaldo do Nascimento Souza, professor representante da 10ª CRE'

Quarta-feira, 28/03/2012

Escola Municipal Ribeiro Couto, novas tecnologias para elevar o nível de aprendizagem

Tags: 10ªcre.



 

 

 

Visitei nesta quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012, a Escola Municipal 10.19.034 Ribeiro Couto, e mais uma vez surpreendi-me com o trabalho dedicado dos professores, e com a insistente e exemplar preocupação da equipe da direção, para alcançar as metas de qualidade através da ação educacional.

 

1. Localização

 


A Escola Municipal 10.19.034 Ribeiro Couto está localizada na Estrada Urucânia nº 936, no bairro de Paciência, Zona Oeste do Rio de Janeiro.

 


É um prédio de muita visibilidade, porque fica em via de grande fluxo de trânsito. A estrada da Urucânia faz a ligação rodoviária entre os bairros de Santa Cruz e de Campo Grande.

 


Para quem faz uso do transporte ferroviário, a Escola Ribeiro Couto fica localizada entre as estações de Tancredo Neves e de Paciência, com uma passarela de acesso aos pedestres, ligando a estrada da Urucânia à Avenida Cesário de Melo, em substituição a uma antiga passagem de nível sobre os trilhos do ramal ferroviário, hoje administrativo pela SuperVia. É de cerca de um quilômetro, o percurso da escola até a uma das duas estações.

 


Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, Urucânia é nome de origem indígena, proveniente de urucu, planta abundante em várias regiões do Brasil, de cujos frutos os índios extraíam a tinta vermelha para pintar a pele. É também nome de uma cidade mineira, desmembrada do município de Ponte Nova e instalada em 1962.

 

2. Resumo histórico

 


Em 2014, a Escola Municipal Ribeiro Couto estará completando meio século de funcionamento. Foi naugurada em 11 de maio de 1964, na administração do governador do Estado da Guanabara, Carlos Lacerda, que tinha como secretário da Educação o professor Carlos Flexa Ribeiro.

 


Construída em padrão arquitetônico característico da década de 1964, com os elementos vazados feitos em cimento, conhecidos como “Cobogó”, já citados por mim em postagem anterior para o Rioeduca, a Escola Municipal Ribeiro Couto tem no seu prédio principal, cinco salas de aula, uma sala da secretaria, um refeitório, quatro banheiros, uma cozinha, uma despensa, dois almoxarifados e um pequeno pátio coberto no primeiro piso.


 

 

 

Com o passar do tempo, e com o aumento incessante da procura de novas matrículas, a Escola Municipal Ribeiro Couto foi ganhando novos acréscimos, sendo ampliada em 1998 e nos anos seguintes, com a construção de novas salas de aula, sala de leitura, sala de recursos e sala de informática.


3. Patrono

 


Rui Ribeiro Couto é o Patrono da Escola Municipal 10.19.034. Não há como deixar de se apaixonar por um personagem que foi amigo dos poetas Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade, destacou-se como um dos precursores do Modernismo na Literatura brasileira, e é o verdadeiro autor da expressão “homem cordial”, atribuída ao historiador Sérgio Buarque de Holanda.

 


No artigo intitulado “O modernista que corrigiu o passado”, de autoria de Gilberto Cruvinel, postado no Portal Construindo Conhecimento, de Luís Nassif, há a explicação que parece definitiva para tal expressão, que deve ter causado tanto dissabor a Sérgio Buarque de Holanda.

 


O termo (homem cordial) é de autoria do escritor Ribeiro Couto, que, segundo Antonio Candido, teria sido usado pela primeira vez em carta de Ribeiro Couto ao embaixador mexicano Alfonso Reys, em 7 de março de 1931, cabendo ao historiador Sérgio Buarque de Holanda dar o fundamento sociológico para a expressão como aparece no livro “Corpo e Alma do Brasil”.

 

 


 

 

Há uma fotografia do patrono na sala da direção da Escola Municipal Ribeiro Couto, e também dados biobibliográficos com informações sobre a vida profissional daquele brasileiro natural da cidade de Santos, Estado de São Paulo, que foi poeta, contista, romancista, jornalista, magistrado e diplomata, tendo pertencido à Academia Brasileira de Letras (ABL) e homenageado, em Paris, com o prêmio internacional de poesia Les Amitiés Françaises, outorgado anualmente a poetas estrangeiros.

 


É muito rica e vastíssima, a produção literária do Patrono da Escola Municipal 10.19.034, mas entre os livros escritos por Ribeiro Couto convém citar “A casa do gato cinzento”, contos, de 1922; “O jardim das confidências”, poesias, de 1921 e “Cabocla”, romance, de 1931, que foi adaptado para a televisão em 1979, com a novela homônima, de autoria de Benedito Ruy Barbosa, cuja apresentação pode ser vista em http://www.youtube.com/watch?v=HnbMiSUHNX4.

 

 

 


4. Direção, Professores e Funcionários

 

 


É início de ano letivo, os professores e alunos já estão em sala de aula, e tudo parece funcionar plenamente na Escola Municipal Ribeiro Couto. O Projeto Político Pedagógico que foi intitulado “Através das metas traçadas, valorizar o ser humano e aplicar as novas tecnologias para elevar o nível de aprendizagem” é um primor de documento com todas as informações e citações que ajudam na leitura e compreensão precisa do “instrumento metodológico definidor das relações da escola com a comunidade a quem vai atender”, já que o PPP “explicita o que se vai fazer, porque se vai fazer, para que se vai fazer, para quem se vai fazer e como se vai fazer”, conforme definição datada de 2003, do Ministério da Educação,citada no texto.

 


O que me surpreendeu positivamente no texto do PPP da Escola Municipal Ribeiro Couto, foi a previsão, em plano de ação, com todas as funções, responsabilidades, atribuições e encargos dos profissionais que atuam na unidade escolar. Recuperação paralela, revisão curricular, capacitação dos professores, organização da gincana, divulgação do desempenho, atribuições da sala de leitura, do laboratório de informática e regências das turmas, tudo previamente definido para posterior acompanhamento dos resultados.

 

 

 

 

 

 

 


A diretora Vera Lúcia dos Reis Silva Salles e a coordenadora pedagógica Mirian Lopes Francisco de Aguiar acompanham-me em visita às salas de aulas, apresentam-me os professores e funcionários, relatam os projetos que serão desenvolvidos em 2012 e mostram orgulhosas todos os espaços da Escola Municipal Ribeiro Couto, embora reforçando a necessidade de uma quadra coberta, para que os alunos possam fazer a educação física em dias chuvosos ou muito ensolarados.
 

 

Atualmente a Escola Municipal Ribeiro Couto conta com 19 professores (Marília Elias; Dany Thomas; Selma da Silva; Adelaide Aparecida; Maria Lúcia; Rosane Luci; Gilcemara Lourenço; André Motta; Irenice Rosa: Érika Suzano; Patrícia Pessoa; Elaine Coelho; Gabriela Paula; Elba de Abreu; Anna Lúcia Gonçalves; Flávia da Silveira; Mirian Acácia; Willian Alcântara e Sandra de Castro).

 


A equipe de apoio é constituída por nove merendeiras, cinco das quais se encontram readaptadas (Sueli Melo; Maria Eni; Jurema da Silva; Clélia Dutra; Marlene Francisco; Odilene Pereira; Géldia Lopes; Kátia Ordunha e Dulcilene Maria).

 


 

Na equipe da Comlurb trabalham os funcionários Espíndola Jorge de Souza e Mauro Renato Cardoso de Souza. Com agente educador, Claudia Scardini Ovídio e na portaria Antonio José e Vânia Lúcia.

 


5. Projetos
 

 

Como citei acima, o Projeto Político Pedagógico da Escola Municipal Ribeiro Couto, já atualizado para este ano letivo de 2012, é um documento de grande importância para todos que trabalham naquela unidade escolar, principalmente os professores, já que inclui todas as informações essenciais sobre o funcionamento administrativo e pedagógico e transcreve trechos importantes de documentos norteadores dos trabalhos, com objetivos, metodologias, orientação sobre planejamentos, informações sobre documentação escolar e procedimentos para a avaliação da aprendizagem.

 


Na parte destinada aos projetos de trabalho, há referências sobre os subprojetos, que deverão considerar, além das datas culturais, os da Sala de Leitura e oriundos da Secretaria Municipal de Educação, com a descrição das atividades do Programa Mais Educação (Matemática, Letramento, Horta, Dança, Capoeira e Informática).
 

 

De acordo com o que ficou definido em planejamento, os alunos que tiverem baixo rendimento no ano anterior na Escola Municipal Ribeiro couto serão atendidos pelo Projeto Nenhuma Criança a Menos, pelos professores de 40 horas, no contraturno.

 


Além da menção à sala de recursos como suporte para o atendimento educacional especializado para o aluno da educação especial, serão considerados os projetos estratégicos de reforço escolar como meio de atingir a meta de melhoria do desempenho dos alunos.

 


A Escola Municipal Ribeiro Couto ainda participa também dos projetos: “Light”; “Merenda Saudável” “Ciência Hoje” e “Reaproveitamento do óleo caseiro”.

 


6. Alunos e comunidade

 


Para este ano de 2012, a Escola Municipal Ribeiro Couto já possui 586 alunos matriculados, em turmas de Educação Infantil, do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental, Classe Especial da DI e Sala de Recurso.

 


A escola atende aos alunos vindos da comunidade da sua área de entorno e também de localidades mais distantes, sendo bastante procurada pelas famílias por considerarem que o ensino é de muito boa qualidade.

 

 

 

 

 


Por estar localizada em uma região relativamente próxima de áreas consideradas conflagradas, como Antares, Conjunto Urucânia e Vila Paciência, a Escola Municipal Ribeiro Couto acaba tendo como reflexo referências socioeconômicas e situações comportamentais que precisam ser muito bem trabalhadas para se elevar a autoestima e valorizar a confiança nos atos e julgamentos daqueles alunos que são acolhidos com tanta dedicação, carinho e atenção pelos professores, equipe da direção e funcionários da Unidade Escolar.

 


Os resultados têm sido satisfatórios ao final de cada ano letivo na Escola Municipal Ribeiro Couto.

 


7. As novas tecnologias para elevar o nível de aprendizagem

 

 

Em companhia da diretora Vera Lúcia e da coordenadora pedagógica Mirian Lopes visito o laboratório de informática da Escola Municipal Ribeiro Couto, que tem sido sistematicamente usado pelos alunos e professores, enquanto a escola não dispõe de estrutura adequada para a instalação de equipamentos multimídias em suas salas de aulas.

 


Segundo Vera Lúcia, o uso da Educopédia e principalmente do Pé de Vento são expectativas bastante aguardadas na escola que pretende elevar o nível de aprendizagem com o uso das novas tecnologias, como está previsto no seu Projeto Político Pedagógico.

 

 

 


 

 

O interesse de todos é muito grande também em relação ao sistema escola 3.0, quando todo o controle acadêmico e administrativo poderá ser consultado online. Visitei nesta quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012, a Escola Municipal 10.19.034 Ribeiro Couto, e mais uma vez surpreendi-me com o trabalho dedicado dos professores, e com a insistente e exemplar preocupação da equipe da direção, para alcançar as metas de qualidade através da ação educacional.

 

 

 

 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 26/03/2012

Escola Emma D’Ávila de Camillis, uma Década de Educação de Qualidade

Tags: 10ªcre.

 

A Escola Municipal 10.26.018 Emma D”Ávila de Camillis, da 10ª CRE, estará comemorando dez anos de fundação em maio deste ano, com a sua direção e equipe de professores e funcionários antenados às novas tecnologias e permanentemente preocupados com a qualidade da Educação no bairro da Pedra de Guaratiba.

 

 

A festa será realizada no início do mês de maio, e se for parecida com a comemoração dos cinco anos, ficará marcada como uma celebração memorável.

 

 

No mês de julho do ano passado estive visitando a Escola Municipal 10.25.018 Emma D’Ávila de Camillis. Naquela ocasião a diretora Simone Simões estava em férias, mas pude ter uma visão bastante abrangente da escola a partir dos depoimentos da diretora adjunta Vanessa Santos da Cruz e da coordenadora pedagógica Raffela Chaves.

 


Da visita feita para o Rioeduca, resultou a postagem intitulada “Emma D’Ávila de Camillis, uma Escola Municipal dentro do Mosaico Carioca”, publicada em 18 de julho de 2011.

 

 

Era dia de centro de estudos, não tive o prazer de encontrar alunos, mas pude manter um contato amistoso e simpático com os professores e funcionários.

 


Retorno agora, neste início do ano letivo de 2012, atendendo ao irrecusável convite da diretora Simone Simões, da qual sou seguidor diário pelo Twitter.

 


Estive com a Simone em algumas reuniões dos diretores da 10ª CRE, e tornei-me seu admirador após ouvir a sua apresentação, no dia 30 de agosto de 2011, no encontro com a secretária de Educação Claudia Costin, no auditório do Planetário de Santa Cruz, na Cidade das Crianças.

 

 

Naquela ocasião a diretora da Escola Municipal Emma D’Ávila de Camillis deu um verdadeiro show sobre gestão escolar, ações, metodologia, projetos, programas e planejamentos, para a superação de dificuldades verificadas na escola, em decorrência ao inusitado “vai-e-vem” de alunos, por força de situações atípicas de transferências que ocorrem naquela área da Pedra de Guaratiba durante boa parte do ano letivo.

 


Simone explica que a região conhecida como Capoeira Grande, onde está localizada a Escola Municipal Emma D’Ávila é ocupada por inúmeras famílias provenientes do Nordeste, ocorrendo ciclos migratórios, com a entrada e saída de muitos alunos, cujos pais nem sempre definem a permanência na região, o que se explica a grande mobilidade e os altos índices de alunos transferidos.

 

 

A presença de famílias vidas da região Nordeste é tão grande naquela área da Pedra de Guaratiba, que as comemorações juninas foram substituídas por festas nordestinas, com direito a danças, indumentárias, ornamentações e comidas típicas, como acontece também na Escola Municipal Myrthes Wenzell.

 


Além da festa nordestina, a Escola Emma D’Ávila também procura valorizar as culturas indígenas, africanas e latino-americanas, promovendo eventos marcantes, como foi o caso da parceria que fez em 2011 com o Museu do Índio.

 


Segundo a diretora Simone Simões, a vinda dos índios foi uma iniciativa do professor de Geografia José Marcelo e contou com o apoio da direção e envolvimento de todos os professores, funcionários e alunos.

 


Os índios de várias etnias, que vivem na área do Museu, em Botafogo, passaram o dia na Escola Municipal Emma D’Ávila, fazendo palestras, expondo seu artesanato, falando sobre os seus costumes e apresentando suas danças típicas.

 


A Festa da Africanidade, que acontece sempre no mês de novembro, em homenagem ao Dia da Cosciência Negra, também inclui atividades culturais que homenageiam os indígenas brasileiros.

 

 

 

 

 

 

Preocupada constantemente com a qualidade do ensino na Escola Municipal Emma D’Ávila, a diretora Simone Simões cita as iniciativas que a sua equipe vem tomando para acabar de vez com a defasagem no aprendizado.

 


Um dos projetos em prática na Escola Emma D’Ávila é o “Entre Jovens”, patrocinado pelo Unibanco. Alunos do 9º ano com grande dificuldade em Matemática, têm aulas de reforço no contraturno.

 


Outra permanente insistência da diretora Simone diz respeito às novas metodologias, como as plataformas de aulas digitais, Educopédia e Pé de Vento, com a capacitação dos professores e troca de experiências entre os integrantes da sua equipe.

 


A Escola Municipal Emma D’Ávila, devido à sua localização em área densamente habitada, e tendo em vista receber crianças e adolescentes para matrículas desde a Educação Infantil até o 9º ano, é muito procurada pelas familias de Pedra de Guaratiba.

 


Atualmente conta com cerca de 800 alunos matriculados nos dois segmentos de ensino, mas a diretora Simone faz questão de reforçar que o seu grupo de professores é perfeitamente coeso. Não há qualquer diferença entre professores I e II. Pelo contrário, uns ajudam os outros, caracterizando a Escola Emma D’Ávila como um corpo unido e familiar.

 


De julho de 2011 para fevereiro de 2012, percebo que a Escola Emma D’Ávila de Camillis mudou para melhor. O prédio foi todo pintado, os murais renovados, a casa do residente foi ocupada e a escola já conta com porteiros e com agente educador. Só fica faltando a chegada, já prometida pela 10ª CRE, dos vigias.

 


Percorro todos os ambientes da Escola Emma D´Ávila com a simpática e atenciosa diretora Simões, que é sempre cumprimentada calorosamente pelos alunos, confirmando as impressões positivas registradas nas enquetes e fóruns que localizo em uma comunidade do Orkut criada em 2005, por Rafael Sena, tendo como mediadora as professoras Ana Paula Trindade e Mônica Augusto.

 

 

Dizem que o Orkut já morreu, mas na Comunidade da Escola Municipal Emma D’Ávila, de ex-alunos, professores e amigos da escola há nada menos que 267 membros, com inserções atualizadas em novembro de 2011, onde verifico que os membros indicaram o nome do professor Marcelo, de Geografia, com 55%, seguido por Ney, de História e Mônica, de Ciências.

 


Na enquete que apresenta a pergunta: “Você gosta da escola?”, entre o “Sim” e o “Sim porque tem muitas garotas”, a soma alcança 83%.

 


Ainda querendo saber um pouco mais sobre a Escola Municipal Emma D’Ávila de Camillis, localizo o Blog http://ememmadaviladecamillis.blogspot.com/ intitulado “Aprendendo a ler o mundo”, criado em agosto de 2011, mas sem nenhuma postagem. O que é uma pena, pois a escola tem muito de positivo para divulgar, a começar pelo trabalho dedicado dos seus profissionais.

 


Ainda nesta peregrinação internética, me deparo com o lindo Blog da professora Marina Gomes http://marinagomes.multiply.com onde foi postado um álbum com as fotografias da festa dos cinco anos de fundação da Escola Municipal Emma D’Ávila de Camillis, em maio de 2007. Tendo sido um sucesso há cinco anos, é de se esperar que em 2012, a comemoração deixe legado para a história daquela Unidade Escolar. É aguardar e confirmar.
 

Ouça o depoimento da diretora Simone, sobre a Escola Municipal Emma D'Ávila de Camillis

http://youtu.be/TZIrAKR_skw

 

Conheça um pouco mais sobre a Escola Municipal Emma D'Ávila de Camillis lendo também a postagem publicada no Portal do Rioeduca, em 18 de julho de 2011, intitulada: "Emma D’Ávila de Camillis, uma Escola Municipal dentro do Mosaico Carioca"  http://www.rioeduca.net/blogViews.php?id=1187
 

 

 

 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 21/03/2012

O be-a-bá da Educopédia

Tags: 10ªcre.

 

Na semana dedicada à capacitação, seguindo calendário da SME/Rio, professores da Escola Municipal 10.19.047 Joaquim da Silva Gomes, participaram de uma oficina sobre Novas Tecnologias na Educação e Educopédia, promovida pela Assessoria de Informática e Tecnologia da 10ª Coordenadoria Regional de Educação.

 

 

Coordenada pelo professor de Matemática Rodrigo José  Abreu dos Santos, assistente de Informática da 10ª Coordenadoria Regional de Educação, a capacitação aconteceu em uma das salas da Escola Municipal Joaquim da Silva Gomes, devidamente preparada com equipamentos multimídia e acesso à Internet, e contou com a presença de todos os professores da unidade escolar.

 


 

Tendo em vista que nem todos os professores da Escola Joaquim da Silva Gomes dispunham do e-mail do Rioeduca, Rodrigo Abreu explicou e fez a demonstração para que todos pudessem descobrir o seu endereço eletrônico a partir do login bit.ly/loginrioeduca.

 

 

 

 


As noções preliminares para o acesso aos e-mails e à Educopédia, que poderíamos definir como uma espécie de “bê-á-bá” das novas tecnologias na Educação, foram claramente explicitadas pelo professor Rodrigo Abreu que, além de fazer a demonstração prática durante a realização da oficina, distribuiu uma apostila ilustrativa com todos os passos que devem ser seguidos pelos usuários da plataforma de aulas digitais.

 

 


 

Rodrigo lembrou que a Educopédia, mesmo não sendo de uso obrigatório, tem se mostrado uma grande aliada dos professores, porque, além de despertar a curiosidade e o interesse dos alunos, possui conteúdos disponíveis para todos os níveis de escolaridade do Ensino Fundamental e segue as orientações curriculares da Secretaria Municipal de Educação em nova proposta metodológica.

 


Os professores da E.M. Joaquim da Silva Gomes também conheceram as novidades da Educopédia, cujas aulas são divididas em quatro bimestres, sendo oito aulas em cada um, todas elaboradas por professores da Rede Municipal de Educação do Rio de Janeiro.

 

 


 

Entre as novidades apresentadas, o professor Rodrigo Abreu destacou as seguintes: 1- Novo layout, com novos ícones e ferramentas; 2 – Bússola para auxiliar na localização das aulas; 3 – Cursos extras: Educopédia para professores, Educopédia para gestores, Educação Inclusiva e Surdez; 4 – Diversas possibilidades de trabalho, independente de disciplina ou nível em que a turma esteja; 5 – O professor pode criar atividades e incluir as mesmas em seus planejamentos; 6 – Os temas das aulas relacionam-se aos conteúdos das orientações curriculares do Município do Rio de Janeiro; 7 – Relação com as demais ferramentas produzidas pela Rede, inclusive as indicações das aulas da Educopédia inseridas nos cadernos pedagógicos; 8 – Planos de aula com atividades além do conteúdo digital, referenciais teóricos e sugestões de textos que ampliam o conteúdo desenvolvido durante a aula digital.

 

 


 

Para os professores da Escola Municipal Joaquim da Silva Gomes, a capacitação sobre Novas Tecnologias na Educação e Educopédia foi bastante proveitosa, e mesmo aqueles que ainda demonstravam certa resistência ao uso da plataforma de aulas digitais, passaram a se interessar pela nova metodologia e já planejam novos encontros, palestras e oficinas para explorar da melhor forma possível a Educopédia.
 

 

Agradecimentos ao professor Rodrigo Abreu e a todos integrantes da Assessoria de Informática e Tecnologia da 10ª Coordenadoria Regional de Educação, e aplausos pelos excelente trabalho que estão desenvolvendo no sentido de disseminar informações e práticas sobre as novas metodologias e tecnologias na Educação.

 

Não deixem de ver o vídeo com o subsecretário de Projetos Estratégicos e Novas Tecnologias Educacionais da SME Rio, Rafael Parente, que explica detalhadamente o que é e para que veio a Educopédia http://migre.me/81b7a

 

 

Leia outros textos e conheça algumas das experiências com a Educopédia já relatadas no Portal do Rioeduca

 http://www.rioeduca.net/blogViews.php?id=1915
EDUCOpédia e RioEDUCA na EDUCAparty

 http://www.rioeduca.net/blogViews.php?id=1910
Rioeduca Participando da Oficina Educopédia 2012

 http://www.rioeduca.net/blogViews.php?id=1901
Semana de Capacitação Educopédia na 5ª CRE

 http://www.rioeduca.net/blogViews.php?id=1829
Aulas Digitais, um Marco na Educação!

 http://www.rioeduca.net/blogViews.php?id=1837
Inovando com Recursos Educativos – a Educopédia na 7ª CRE

 http://www.rioeduca.net/blogViews.php?id=1797
Educopédia, Uma Inovação que Mudou a Minha Vida!


 

 

 

 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 19/03/2012

Escola Municipal Espanha, Construindo um Mundo Mais Irmão

Tags: 10ªcre.

 

Escola Municipal Espanha
Igual a ti nunca se viu
És base do futuro
Desta parte do Brasil


Teus alunos e teus mestres
Com carinho e muito amor
Dividem o aprendizado
Demonstrando o seu valor


 

No próximo mês de abril a Escola Municipal Espanha estará completando 58 anos de existência. É uma das mais antigas da 10ª Coordenadoria Regional de Educação e do bairro de Paciência, Zona Oeste do Rio de Janeiro.

 

 


 

Logo na entrada, no caminho de acesso para a sala da direção e secretaria, vejo uma placa de bronze com as informações sobre a inauguração do prédio, em 15 de abril de 1954, no governo do presidente Getúlio Dornelles Vargas, tendo como prefeito do Distrito Federal, o professor Dulcídio do Espírito Santo Cardoso e como secretário geral de Educação e Cultura, o professor Roberto Bandeira Accioli.

 

 


Há uma segunda placa, já na cor azulada da Prefeitura do Rio, de maio de 1985, que registra a execução de obras de reforma e ampliação, na administração do prefeito Marcello Nunes de Alencar e da secretária de Educação, a professora e historiadora Maria Yedda Leite Linhares, recentemente falecida.

 


Além da designação 10.19.033 EM. Espanha, a escola também cultua o nome do engenheiro e geólogo João Pandiá Calógeras, que foi patrono do antigo Centro Cívico, e do padre José de Anchieta, escolhido como patrono da Sala de Leitura.

 


 

Conversando com a diretora Janete Fernandes da Costa Freitas, com a diretora adjunta Denise Santos da Silva Reis, com a coordenadora pedagógica Fátima Regina Dib Gomes de Lima e com a professora regente da Sala de Leitura, Mirian de Albuquerque Lopes, além de outras professoras mais antigas, como a professora Fátima Helena Braga Davi, constato que o vínculo afetivo daqueles profissionais com a Escola Espanha exprime sentimentos enraizados de amizade fraterna. Vários professores, funcionários e pais de alunos estudaram ali e guardam excelentes lembranças do convívio escolar daqueles tempos.

 

 


 

Há em exposição, uma fotografia antiga, provavelmente da década de 1960, que parece confirmar o laço de afeição e de amizade daqueles alunos, em companhia da sua professora, alguns dos quais ainda freqüentam a escola em momentos festivos, ou mesmo fazem parte do corpo docente, como é o caso da diretora Janete e da professora Fátima Helena, que estudaram na Escola Espanha.

 


No Projeto Político Pedagógico intitulado “Somos amigos, construindo um mundo mais irmão”, a equipe da direção e professores da Escola Municipal Espanha propõem que se faça uma reflexão para mudanças de atitudes. Que sejam mudanças para atitudes saudáveis, onde se possa mostrar que os seres humanos são capazes de transformações em busca da paz, do amor, da justiça e da solidariedade.

 

 

 

 

 

 

 


A preocupação da equipe gestora e dos demais profissionais da Escola Espanha para a construção de um mundo mais fraterno, pressupõe, segundo objetivos do PPP, que tanto o aluno como a comunidade escolar se reconheçam como seres humanos em crescimento permanente, no conhecimento da informação e formação integral.
 

 

Existe uma preocupação de todos para que a comunidade escolar conheça, participe e vivencie o Projeto Político Pedagógico da Escola Municipal Espanha.

 


Para que as ações da direção possam refletir nos alunos e nos responsáveis o compromisso do que está planejado no PPP, a equipe gestora e os professores da unidade escolar promovem encontros, realizam palestras, estabelecem parcerias com órgãos e instituições da comunidade, organizam passeios, estimulam competições esportivas saudáveis e dão impulso a uma série de atividades pedagógicas visando o aprendizado do aluno e o cumprimento das metas estabelecidas pela Secretaria Municipal de Educação.

 


Para este ano letivo de 2012, a Escola Municipal Espanha conta com 366 alunos matriculados, em turmas que vão da Educação Infantil ao 5º ano. São dezoito professores, incluindo a diretora Janete, a adjunta Denise e a coordenadora pedagógica Fátima Regina e dez funcionários que exercem cargos diversos.

 


Na visita que faço à Escola Municipal Espanha para esta postagem do Rioeduca tenho o imenso prazer em conhecer a professora Fátima Helena Braga Davi, regente da turma 1402 e autora da música do Hino da escola, cuja letra é de autoria da professora aposentada Maria Leonor Rodrigues Ferreira Vaz.


 

 

 

Ouça o Hino da Escola Municipal Espanha na interpretação das professoras Fátima Regina e Fátima Helena clicando em  

http://youtu.be/3cNjUaHUKhg

 

 

 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share