A A A C
email
Retornando 403 resultados para a tag '10ªcre'

Sexta-feira, 16/11/2018

Água, Terra, Fogo e Ar: Brincando com a Natureza

Tags: 10ªcre, creche.

 

A Creche Municipal Josepha Ferreira da Costa desenvolve o Projeto “Água, Terra, Fogo e Ar: brincando com a natureza”, com o objetivo de vivenciar as noções que os 4 elementos da natureza nos remete.

 

A Creche Municipal Josepha Ferreira da Costa está localizada ao Caminho do Areal, 12 - Guaratiba, Zona Oeste do Rio de Janeiro. A unidade atende 6 turmas, com 150 alunos do berçário ao Maternal II. Tem como diretora, a professora Tereza Lima, como diretora adjunta, a professora Fabiane Rodrigues e, como Professora Articuladora, a professora Tainara de Moraes.

 

O projeto anual da unidade “Água, Terra, Fogo e Ar: brincando com a natureza” foi escolhido a partir do interesse dos alunos, responsáveis e educadores pela natureza e sua preservação. Interesse esse, que foi alimentado pelo projeto pedagógico do ano anterior “Um planeta habitado por histórias: Mergulhando na aventura ecológica da Josepha”, no qual foram estimulados conceitos de preservação, reciclagem e valorização da natureza.

 

Equipe EI-21 (educadores, alunos e responsáveis) comemorando a chegada da Primavera, com os girassóis que vão brotar na estação 

 

O projeto tem sido desenvolvido durante todo o ano letivo, através de diversas atividades lúdicas como: peças teatrais, exploração da natureza e de seus elementos, cantigas, histórias infantis, visita a áreas verdes, brincadeiras, cineminha, artes, a fim de tornar o aprendizado prazeroso. Reuniões semanais com os educadores servem para planejar, avaliar e replanejar a realização de cada etapa.

A preocupação da instituição é fazer com que alunos, pais e responsáveis tenham consciência sobre a preservação do meio ambiente e a todos os benefícios que ele nos traz. A partir daí, foram apresentados os quatro elementos da natureza de diversas formas.

O projeto desse ano veio para concretizar e reiterar nossa preocupação em trabalhar com temáticas que envolvam o meio ambiente e a sustentabilidade. Toda a comunidade foi envolvida e isso refletiu de forma positiva na aprendizagem das crianças, que começaram a contagiar os pais com tudo o que vivenciaram no ambiente escolar. afirma a diretora, professora Tereza da Conceição Rodrigues Lima.

 

Turma EI-22 em apresentação sobre o Sapo, que é muito importante para o combate ao mosquito da dengue

 

Na educação infantil, a criança aprende, principalmente, através da exploração. Pensando nisso, o projeto proporciona inúmeras descobertas e aprendizagens a partir da prática e da interação com o meio ambiente, além de despertar nas crianças alguns questionamentos: Onde esses elementos existem em nossas vidas? Como podemos senti-los? Estas questões permeiam o projeto da unidade escolar e nos aproxima da natureza, das outras pessoas, dos animais, dos vegetais, e de nós mesmos.

Ao decorrer do projeto anual, o “brincar” e a “natureza” se interligam e se misturam de uma forma encantadora, tornando inesquecível cada descoberta e cada experiência nova na vida dos alunos.

Os principais objetivos do projeto são: reconhecer que a preservação do meio ambiente é a melhor forma de preservação; explorar o meio ambiente, respeitando a natureza; observar os fenômenos da natureza (chuva, sol, ventos, trovoadas...); conhecer e explorar os quatro elementos da natureza; conhecer as estações do ano e suas principais características; conhecer os principais cuidados que devemos ter com o nosso corpo para a preservação da saúde; desenvolver percepções tátil, olfativa, gustativa, auditiva e visual através de experiências; desenvolver o gosto por uma alimentação saudável como forma de preservação da saúde; reconhecer a família e os grupos sociais em que estamos inseridos; explorar onde e como cada elemento existe em nossa vida; desenvolver o espírito investigativo, despertando a curiosidade e o gosto pelas descobertas; estimular a convivência com o outro e com a natureza; registrar, através de vários tipos de textos, modelagens, fotografias, vídeos etc.; vivenciar noções que o fogo nos remete, como temperaturas (quente, frio), dia e noite (claro e escuro); vivenciar noções que a terra nos remete, como a germinação de uma planta e arte produzida com o barro; vivenciar noções que a água nos remete, como seu uso nos hábitos de higiene e limpeza, a água que bebemos, a água que nutre e vivenciar noções que o ar nos remete, como a nossa respiração, o vento, noções de peso (leve e pesado).

 

Alunos da turma EI-31 representando a chuva, que molha nossa terra e faz germinar as plantas

 

A unidade escolar desenvolveu outros projetos no decorrer do ano letivo, são eles: Seja bem-vindo, amigo!, A natureza está em festa! É carnaval!, Maratona de leitura, Os índios são amigos do boi-bumbá e do meio ambiente e Os quatro elementos e a mãe natureza.

Os trabalhos desenvolvidos têm proporcionado aos alunos e à comunidade, ricas experiências e reflexões sobre o cuidado com os recursos naturais e sobre os benefícios à saúde dos seres vivos.afirma a Professora de Educação Infantil Patrocinia Passos.

O projeto se desenvolveu de forma muito positiva no Maternal II. Fizemos um xilofone de águas coloridas, que faz o maior sucesso na nossa banda de percussão e voz! O xilofone faz parte do tema “Sons das Águas”, onde também experimentamos o silêncio e até o som produzido com as mãos tocando uma bacia cheia d’água. Trabalhamos também com o tema “Pé de barro”, onde fizemos impressões de partes do corpo no barro e como também tintas feitas da mistura do barro e guache. O elemento “AR” foi trabalhado a partir do sopro do lobo (da história “Os três porquinhos”), cujo tema “O lobo soprou, soprou e o que voou?”. E a foto do Museu Nacional em chamas no jornal, foi ponto de partida para a pesquisa do elemento fogo, cujo tema ficou: “Fogo toma Museu Nacional”. – afirma a Professora de Educação Infantil Ana Rosa Azevedo.

 

Maternal I (EI-22) no trabalho com as “bolinhas coloridas”


 

Quer saber mais sobre o nosso trabalho?
Entre em contato com a Unidade Escolar.

E/CRE (10.26.604) C. M. JOSEPHA FERREIRA DA COSTA
E-mail: cmjfcosta@rioeduca.net

 

 

Contato para publicações:


 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 02/11/2018

O Brasil Que Eu Quero Para o Meu Futuro

Tags: cre10, 10ªcre.

 

Com o intuito de despertar nos alunos o interesse pela leitura, escrita e expressão verbal, a escola realizou atividades com a temática da Independência do Brasil, onde os alunos expressam anseios de um futuro de paz, respeito e igualdade.

 

A Escola Municipal Haydéa Vianna Fiúza de Castro está localizada a Rua São Gomário, s/n° - Vila Paciência, conhecida como comunidade do Aço, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. A unidade atende 29 turmas, com 874 alunos da Educação Infantil ao 6° ano. Tem como diretor, o professor Leonardo Lopes Leite, como diretora adjunta, a professora Isabel Ribeiro da Silva e, como coordenador pedagógico, o professor Douglas Emanuel Ribeiro Carmo.

A equipe gestora é formada por professores extremamente empenhados que diariamente lutam por uma gestão democrática, que tem como princípio o respeito às diversidades e a responsabilidade social, dando sempre autonomia e suporte necessário para que o trabalho dos docentes seja desenvolvido da melhor maneira possível. Dessa maneira, é possível construir um ambiente que coloca o aluno como parte principal do processo ensino-aprendizagem.

 

Direção da escola com alguns alunos que participaram do projeto

 

Com o objetivo de estimular o hábito pela leitura e escrita, a direção da Unidade Escolar sempre busca promover a exposição das atividades feitas pelos alunos nos ambientes da escola, visando à valorização da autoestima e integração com o espaço.

— Acompanho os alunos das turmas 1301 e 1304 há dois anos, e no primeiro momento muitos apresentavam dificuldades no processo da leitura e escrita, e consequentemente nas produções textuais. Não havia o hábito pela leitura e alguns alunos apresentavam pouco interesse pelos trabalhos que fossem relacionados à produção textual. Porém, essa realidade foi modificando com o tempo, pois comecei a introduzir diariamente pequenas leituras e produções: do cotidiano, bilhetes, cartinhas, frases, receitas, músicas, tirinhas, notícias e entre outros gêneros textuais, até finalmente chegarmos às produções mais extensas, sendo estas voltadas sempre para a realidade mais próxima possível dos alunos, pois acredito que para a aprendizagem ter significância é importante que o aluno faça parte do processo de ensino aprendizagem, sendo assim de extrema relevância a valorização da sua cultura e história.  afirma a professora Suzana

 

Professora Suzana e alguns alunos do 3° ano

 

Em virtude da data comemorativa, dia da Independência do Brasil (7 de setembro) e todo o cenário político atual com as Eleições 2018, a direção organizou uma pesquisa para que os alunos pudessem levar para sala de aula os últimos acontecimentos noticiados em revistas e jornais sobre o Brasil. Com isso, além da socialização de variadas informação, os alunos puderam ter acesso às leituras jornalísticas, manifestações de críticas, construção de debates e posicionamento diante das notícias expostas.

 

Alunos socializando as reportagens e realizando debates

 

 Este projeto permitiu muita reflexão entre os alunos, pois muitos desconheciam o atual cenário da economia do país e lamentaram muito sobre a falta de segurança que estamos vivenciando por gerar um alto índice de homicídios.  afirma o diretor Leonardo

 

O trabalho foi finalizado com a produção de um vídeo, onde os alunos transmitiram uma mensagem de esperança sobre o Brasil que almejam para o seu futuro, sendo um Brasil diferente, um país de paz, respeito às diferenças, maiores oportunidades de emprego e amor ao próximo. Os vídeos foram realizados pelas turmas de terceiro, quarto e quinto ano.

 

 Em sala de aula, eu comecei a falar sobre o tema cidadania, uma vez que esse ano teremos eleições para diversos cargos públicos, inclusive, Presidente. Os olhos da república se voltam, justamente, para as propostas dos presidenciáveis. As crianças levam esse assunto para sala de aula, então, eu disse para eles que havia uma campanha chamada "O Brasil que eu quero" e que foi muito bem recebida por eles, porque já sabiam do que se tratava e ficaram felizes ao saber que cada um poderia fazer um pequeno texto, ler e gravar, assim como ocorre na mídia. E ficou por conta desse bonito vídeo que foi compilado.  afirma o professor Guilherme

 

 Acreditamos que o projeto, em ano eleitoral, desenvolve uma conscientização politica sem a participação dos partidos, trabalhando a leitura e a escrita de forma critica e contemporânea, dentro de um processo interacionista (professor X aluno X família).  afirma a diretora adjunta Isabel

 

Produções textuais das turmas 1301 e 1304

 

Quer saber mais sobre o nosso trabalho?
Entre em contato com a Unidade Escolar.

E/CRE (10.19.018) E. M. Haydea Viana Fiúza de Castro
E-mail: emhaydea@rioeduca.net
Telefone: 3305-3142

 

 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 19/10/2018

Negritude: Orgulho e Respeito Também se Aprendem na Escola

Tags: cre10, 10ªcre.

 

Escola Municipal IPEG promove mais uma edição da Gincana do Conhecimento com o objetivo de estimular o resgate da identidade dos alunos e fomentar a valorização da raça e da cultura negra através de atividades interdisciplinares.

 

A Escola Municipal IPEG está localizada a Rua Cabo Saulo de Vasconcelos, s/nº - Jardim Palmares – Paciência, zona oeste do Rio de Janeiro. A unidade atende 26 turmas, com 937 alunos do 6° ao 9° ano. Tem como diretora, a professora Angelina Rodrigues, como diretor adjunto, o professor Jefferson Leite Maia e, como coordenadora pedagógica, a professora Flávia Renata Figueira de Freitas.

Desde 2012, a equipe gestora busca desenvolver um trabalho que contemple a construção de um espaço democrático, no qual todos participem ativamente e que viabilize, além do processo de ensino-aprendizagem, a promoção de valores como Respeito, Responsabilidade, Paz e União.

A partir da observação dos alunos, perceberam que os mesmos possuem um perfil competitivo e que apresentam melhores resultados quando são submetidos a atividades desafiadoras. Entretanto, nas relações interpessoais revelam dificuldades de aceitar a diversidade nas suas múltiplas formas.

Em consonância com os ideais propostos pelo programa “Rio – Escola sem Preconceito”, a gestão também defende que é fundamental a compreensão de que a diversidade das culturas e etnias que formam a sociedade brasileira é fator de enriquecimento do qual devemos nos orgulhar.

Assim, as atividades propostas na gincana visam ao desenvolvimento de uma convivência mais saudável, a fim de promover a conscientização sobre a importância do respeito a todos os indivíduos independentemente de sua origem, raça, cor, idade, gênero ou religião para que tenhamos uma família, uma escola e uma sociedade melhor.

 

"A escola foi dividida em doze equipes multisseriadas. Desse modo, os alunos tiveram inicialmente o desafio de interagir com colegas de outras séries e turmas com os quais deveriam se unir para realizar com êxito as tarefas da gincana. Cada equipe possuía cinco alunos líderes que demonstraram na prática o quanto o protagonismo juvenil é importante no contexto escolar. Percebemos, ainda, que a motivação de muitos conflitos escolares deve-se ao fato de nossos alunos não reconhecerem sua própria identidade étnico-cultural, o que os impulsiona a terem atitudes racistas e preconceituosas. A fim de minimizar tais conflitos e promover a valorização dos negros e de sua importância tanto no cenário nacional como internacional, cada equipe representou um ícone negro escolhido pelos docentes. As tarefas da gincana foram relacionadas à divulgação dessas personalidades negras. O resultado foi maravilhoso, pois os alunos envolveram-se com a temática e produziram trabalhos incríveis valorizando as personalidades homenageadas." afirma a coordenadora pedagógica Flávia Renata.

 

Alunos do 9º ano caracterizando as personalidades:
Obama, Mariele Franco, Conceição Evaristo, Carolina de Jesus e Martin Luther King

 

 

A gincana aconteceu nos dias 5 e 6 de setembro e ao longo do evento os alunos participaram de diferentes atividades que propiciaram a construção do conhecimento através de diferentes áreas, respeitando e valorizando as habilidades intelectuais, artísticas ou esportivas de nossos educandos. Na abertura do evento, os alunos do nono ano emocionaram a todos com a caracterização das 12 personalidades e com o coral e a dramatização da música “Cota não é esmola” da compositora Bia Ferraz. As personalidades homenageadas foram: Mandela, Martin Luther King, Zumbi, Mariele Franco, Dona Ivone de Lara, Tia Ciata, Obama, LeBron James, Martinho da Vila, Conceição Evaristo, Elza Soares e Carolina de Jesus.

 

 

Alunos do 9º ano após apresentação do coral e da dramatização
“Cota não é esmola”

 

 

Na atividade da trilha do conhecimento, os alunos revelaram de forma lúdica, o conhecimento adquirido sobre as personalidades homenageadas. No show de talentos, cada equipe apresentou de forma artística a personalidade representada e a riqueza da cultura negra.

 

No segundo dia da gincana, a Unidade Escolar recebeu a ilustre visita de atletas consagrados do Clube de Atletismo da 10ª CRE. Dentre eles, Chayenne Silva, ex-aluna da IPEG, ela é um exemplo de atleta, jovem e negra que está conquistando o mundo com seu talento, mostrando aos nossos alunos que eles também podem realizar seus sonhos com disciplina e determinação.

 

 

Alunos da IPEG com os atletas do Clube de Atletismo da 10ª CRE

 

 

"Outro ponto alto da gincana é o estímulo à solidariedade. Nossos alunos conseguiram arrecadar junto à comunidade de Jardim Palmares 1 tonelada de alimentos que foram distribuídos para quatro instituições de caridade. É gratificante testemunharmos a alegria de nossos alunos ao entregarem as doações às instituições. Assim aprendem que respeitar o próximo e ser solidário é algo que nos faz muito bem e torna esse mundo um lugar melhor para todos." — afirma a coordenadora pedagógica Flávia Renata.

 

 

Equipe gestora e alunos que expressam o valor do protagonismo juvenil na IPEG

 

 

Quer saber mais sobre o nosso trabalho?
Entre em contato com a Unidade Escolar.

E/CRE (10.19.035) Escola Municipal IPEG
E-mail: emipeg@rioeduca.net

 

Contato para publicações:


 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 05/10/2018

Vamos Abraçar o Mundinho

Tags: cre10, 10ªcre.

 

A Creche Municipal Adalto Bastos conscientiza a todos da comunidade escolar que é necessário uma mudança de hábitos que venha melhorar a qualidade de vida, o respeito e a preservação do meio ambiente através de ações positivas e significativas.

 

A Creche Municipal Adalto Bastos está localizada a Estrada Santa Eugênia, s/n – Paciência, zona oeste do Rio de Janeiro. A unidade atende 8 turmas com 208 alunos do Maternal a Pré-Escola. Tem como diretora, a professora Rosangela Trindade da Silva, como diretora adjunta, a professora Maria da Conceição Bastos Moreira e como articuladora, a professora Maria de Lima Rodrigues Souza.

 

A equipe gestora é formada por professores que acompanham a trajetória da Unidade. A diretora, professora Rosangela, está há 5 anos na creche, empenhada em construir um espaço democrático, organizado e propício para acolher os alunos da primeira infância com respeito, honestidade e compromisso. Além disso, promover o desenvolvimento pleno através de aprendizagem significativa, trabalhando valores e formação de cidadãos solidários, autônomos e competentes.

 

 

Equipe da Creche Municipal Adalto Bastos

 

 

Para esse ano foi proposto o projeto “Vamos Abraçar o mundinho”, baseado no livro de Ingrid Biesmeyer, com o intuito de propiciar aos alunos experiências diferenciadas. O objetivo era conscientizar sobre a importância de se preservar o meio ambiente e ensinar o respeito pelos animais e seres vivos.

 

A professora da turma EI-43 conversou informalmente com os alunos sobre o projeto e realizou uma roda de leitura com o livro, explicando sobre a importância do respeito pela natureza e da reciclagem para um mundo mais sustentável. Foram utilizados materiais recicláveis para criar em uma tartaruga.

 

Os alunos da turma EI-21 experimentaram brincar com elementos naturais colhidos por eles no quintal da própria creche. As crianças passearam e podiam tocar nas folhas, pedrinhas, terra e tudo aquilo que fosse natural e chamasse a atenção delas. Eles brincaram, mexeram na terra, interagiram com as árvores e folhas.

 

 

Alunos preparando o casco da tartaruga com material reciclado

 

— Sabemos que hoje em dia devido às mudanças ocorridas no modo de viver, modificou a forma como as crianças brincam e interagem com o mundo. Hoje com tecnologias e toda modernidade brincar no quintal para alguns de nossos alunos é algo que quase inexiste e nossa intenção é trazer para eles essa experiência de brincar num espaço aberto, ou seja, em contato com a natureza. — afirma a professora Deiseane

 

Outras experiências marcantes foram vividas pela professora Luciana com as turmas EI-33 e EI-31, tendo como objetivos a conscientização da necessidade de reduzir o desperdício na alimentação, sugerir receita elaborada a partir da casca de frutas e construir noções de grandezas, medidas e raciocínio lógico como uma das possibilidades de conscientização.

 

Em rodinha conversaram sobre o lixo, reciclagem, enfatizando o reaproveitamento da casca de alguns alimentos. A professora explicou a proposta de atividade seria uma aula de culinária com uma parte de uma fruta que iria para o lixo. Aproveitaram a casca da banana e fizemos um delicioso bolo, sinalizando assim uma das maneiras positivas para a redução do lixo, além de uma deliciosa degustação do bolo.

 

A professora aproveitou para abordar a letra inicial da palavra banana e a cor da casca (amarela). Através da escrita da receita do bolo, muitos conceitos foram sinalizados como: quantidades, formas (a partir do tabuleiro/forma do bolo), gosto (ao provarem o sabor do açúcar), cheiro, texturas, muito/pouco, da transformação da mistura de todos os ingredientes em uma única massa, assim como uma massa líquida se transformará em uma massa sólido e etc.

 

 

Alunos das turmas EI-31 e EI-33

 

 

— Falamos da questão da higienização: de lavarmos as mãos, já que todos participariam da elaboração da culinária; da utilização da touca na cabeça para não cair cabelo na massa durante a preparação do bolo, de lavarmos a casca da fruta conforme a solicitação da receita. — afirma a professora Luciana

 

A professora Jéssica da turma EI-41 realizou atividades sobre o cuidado com as praias e mares, cujo objetivo era conscientizar sobre o cuidado e a importância de não jogar lixo no mar. Ela mostrou aos alunos que o lixo jogado nos mares faz mal aos animais marinhos, uma vez que eles não sabem que é lixo e o ingere, causando sérios problemas, inclusive a morte.

 

Os alunos fizeram cartazes ilustrativos de mar limpo com peixes, baleias e tubarões e mar cheio de lixo com a água suja. Em seguida, a professora propôs uma atividade com a cantiga “Peixe Vivo”.

 

— Confeccionei para cada aluno um “peixe articulado” para utilizarem na hora da cantiga. Sentei com as crianças na rodinha e perguntei se conheciam a música “Como pode um peixe vivo”. Eles responderam que sim, e propus que cantássemos, dei um peixe para cada criança e mostrei como o peixe podia se movimentar. Cantamos a música e brincamos com os peixinhos. — afirma a professora Jéssica

 

Cartazes ilustrativos sobre os mares

 

Nas turmas EI-22 e EI-32, as atividades foram feitas em continuidade ao projeto. A professora começou a aula com a rodinha e através da conversa, falou sobre alguns alimentos saudáveis e como eles nascem na natureza. Além disso, mostrou diversos tipos de frutas e legumes usados na alimentação escolar, onde eles puderam manusear.

 

Após esse momento, a professora explicou que alguns deles nascem por meio de sementes e mostrou alguns exemplos aos alunos. Em seguida, as crianças foram para o pátio da Creche onde havia sido preparada previamente uma horta suspensa feita de garrafas pet e já com a terra adubada. Com isso, as crianças puderam ter a experiência de plantar e regar as sementes.

 

 

Horta suspensa

 

— As crianças regaram a horta e observaram seu desenvolvimento, ansiosos para verem brotar. Com o passar dos dias, as sementes brotaram e todos ficaram muito empolgados. Eles levaram uma mudinha para casa. — afirma a professora Rosangela

 

A professora Rosangela contou com ajuda das agentes de Educação Infantil Debora Siqueira, Andrea Cristina e Priscila Dornele para o sucesso da atividade.

 

Quer saber mais sobre o projeto?
Entre em contato com a Unidade Escolar.

E/CRE (10.19.607) Creche Municipal Adalto Bastos
E-mail: cmabastos@rioeduca.net
Telefones: 3403-8399

 

Contato para publicações:


 


   
           



Yammer Share