A A A C
email
Retornando 138 resultados para a tag '11ªcre'

Terça-feira, 04/06/2019

Escola Municipal Rodrigo Otávio - 11ª CRE

Tags: 11ªcre, autoestima, debate, feminismo, gênero.

Jovens levam para os corredores da escola aulas sobre diversidade e pluralismo social

 

 

Alunos e professores da Escola Municipal Rodrigo Otávio (11.20.019) desenvolvem, a partir de um projeto interdisciplinar de português e artes plásticas, atividades sobre respeito, representatividade e protagonismo, trazendo a comunidade escolar para o debate sadio e para troca de experiências.

A partir do protagonismo popular, desenvolvido na narrativa do samba enredo de 2019 da escola de samba Estação Primeira de Mangueira, a professora Flavia Chapetta, regente de Língua Portuguesa das turmas 1901 e 1902 , desenvolveu com os alunos atividades sobre as lutas populares e representatividade. 

A professora trouxe ao conhecimento dos alunos, personalidades importantes na história e cultura do Brasil como Luisa Mahin, Marielle Franco e Dandara, personalidades pouco lembradas pela história oficial. 

Dentro do contexto de pluralidade e minorias, as professoras deram um destaque especial as questões ligadas às mulheres e sua importância histórica. Após discutirem a narrativa trazida pelo samba enredo, os alunos iniciaram produções textuais baseadas na retrospectiva da vida de algumas das mulheres históricas, antes desconhecidas por eles.

 

Placas confeccionadas pelos alunos homenageando personalidades femininas

 

As professoras puderam trazer aos estudantes a compreensão de que há diferentes discursos e pontos de vistas sobre uma mesma realidade social e que todas as abordagens trazem consigo algum juízo de valor.

Apoiados na produção textual, os alunos auxiliados pela professora de Artes Plásticas, Margarete Mencarini, iniciaram a composição das placas de rua valorizando personalidades femininas  brasileiras escolhidas pelos alunos. Utilizando guache, papelão e inspiração os jovens deram a devida notoriedade à grandes mulheres brasileiras.

 

  

           

A professora Flavia Chapeta e as placas confeccionadas pelos alunos 

 

O trabalho das professoras repercutiu de maneira tão positiva entre os estudantes,  que um grupo de alunas da 1901 propôs a confecção de cartazes com frases de empoderamento e valorização para espalhar pelos banheiros da Unidade. As regentes compraram a ideia das alunas e levaram o projeto adiante, a fim de envolver todos os grupos da turma. Meninos e meninas envolveram-se no debate sobre  respeito, direitos, pertencimento, autoestima e representatividade.

 

 

 

Produção dos cartazes propostos pelos alunos

 

 

 

 

    

Alunas colam  seus cartazes nos banheiros femininos da Unidade Escolar

 

As questões levantadas por alunos e professores levaram ao pluralismo de ideias.

 

"Garantir a formação plena e o preparo para a cidadania implica promover participação, exercício de direitos e deveres, solidariedade, cooperação, justiça, respeito aos outros e a si mesmo. Isso não se faz sem liberdade de expressão, sem lidar com as diferenças, com ideias concorrentes e até com pontos de vista contraditórios. E isso só se concretiza por meio do debate franco com pais, comunidade, alunos, educadores." Maria Amábile Mansutti - coordenadora técnica do Cenpec (www.cenpec.org.br) e graduada em Pedagogia pela USP.

 

 

 

 

 

Alunos e professores reunidos com as produções realizadas

 

Segundo a aluna Bruna Lima Barreto da Silva, da turma 1901, "Fazer este tipo de trabalho foi muito enriquecedor para as alunas da turma. Mas também, foi muito importante para elevar a autoestima de todas as meninas da escola." 

As professoras envolvidas no projeto auxiliaram a escola a cumprir a função de contribuir para que os alunos entendam melhor o mundo e possam se posicionar criticamente frente às desigualdades, às discriminações, à diversidade e à pluralidade de pensamento.

O projeto se estenderá ao longo do ano letivo, abordando demandas trazidas pelos alunos, bem como questões pertinentes a formação cidadã deles.

 

 

 

 

Quer saber mais?

 

Escola Municipal Rodrigo Otávio

End.:Rua Antonio de Almeida, 11 Portuguesa 21920-340

e-mail: emotavio@rioeduca.net

Telefone: 3367-7528 3383-8867

Diretora Geral: Margareth Soares da Rocha

Diretor Adjunto: Michel Serpa

Coordenadora Pedagógica: Rita de Cassia Garcia

 


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 21/05/2019

EDI Tenente Pedro de Lima Mendes - 11ª CRE

Tags: 11ªcre, educação infantil, família, projetos.

EDI traz gincana para aproximar as famílias da Escola

 

Através do Projeto Gincana, o EDI Tenente Pedro de Lima Mendes (11.20.803), vem mostrar a importância da parceria FAMÍLIA e ESCOLA e trabalhar a troca de saberes e o respeito mútuo. A partir da ideia da Professora Articuladora Alexandra Paixão, a escola criou estratégias para estabelecer relações mais próximas junto aos responsáveis dos alunos:

 

"Desde sempre levanto a bandeira da importância de termos os responsáveis como nossos parceiros. Com a função de articuladora, não pensei duas vezes em continuar a fazer o que sempre fiz só que, agora, com todos os responsáveis da U.E." - diz a professora articuladora Alexandra Paixão
 

 

 

Integração entre escola e família

 

O EDI Tenente Pedro de Lima Mendes é carinhosamente chamado de Tijolinho por toda a comunidade há décadas. O apelido se deve as suas paredes de tijolo envernizado. A Unidade conta com 14 turmas, sete delas de PRÉ- 1 e outras sete de PRÉ- 2.
O Projeto Gincana iniciou em março e seu término está previsto para novembro, momento em que acontecerá a última etapa. A cada fase da gincana, as turmas que mais pontuam ganham 'Um dia especial na U.E.". O objetivo da escola é promover a solidariedade por meio de atividades que estimulem a integração, a amizade e a parceria. Além disso, o projeto tem como objetivo fazer com que as famílias participem mais ativamente da vida escolar das crianças, construindo com elas recursos que enriqueçam ainda mais o trabalho pedagógico.
 

 

 

As famílias e as crianças construíram suas casas completando uma das etapas do projeto

 


Segundo a professora articuladora, no desenrolar do projeto, todos têm sua função:


• As crianças devem ter participação efetiva junto as famílias, já que uma das regras da gincana é que a criança participe de toda e qualquer construção a ser entregue;
• Os Professores devem divulgar e incentivar a participação das suas turmas;
• Direção junto a Articuladora dão o suporte, fazem a divulgação e acolhimento dos responsáveis.
 

No momento em que pais, professores e comunidade estreitam seus laços, eles tornam a educação um processo mais coletivo e democrático. Dessa forma, a participação da família vai além da preocupação com resultados e comportamento. A escola torna-se um espaço democrático ao estar aberta às falas dos pais e à participação deles na construção da educação dos alunos.

 

Alunos acompanham a exposição dos trabalhos elaborados pelas famílias


Quando pais e profissionais trabalham juntos os resultados têm impactos positivos no desenvolvimento da criança e na sua aprendizagem para vida. O desejo de aprender um com o outro e o respeito mútuo transformam-se numa verdadeira parceria, na qual o propósito comum é o sucesso do aluno.
 

 

Pais e alunos participaram da exposição dos trabalhos


No início do projeto, poucas famílias aderiram a ideia, mas os professores do EDI Tenente Pedro de Lima Mendes não desistiram. Continuaram a convocar os pais por meio de bilhetes, conversas e vídeos gravados pelos alunos. Segundo o artigo "A indisciplina no contexto escolar", os pais devem tomar consciência de que a escola não é uma entidade estranha, desconhecida e que sua participação ativa nela é a garantia da boa qualidade da educação escolar. E é nesse viés que o EDI vem tentando modificar e aprimorar suas práticas educativas.
 

 

A professora articuladora junto aos trabalhos desenvolvidos em parceria com as famílias. Ao todo foram 139 famílias participando ativamente.

 

 

Alguns dos trabalhos elaborados e o Dia Especial na U.E. com a turma vencedora.

 

 

Relato da escola com mensagem deixada para as famílias:

 

"E, mais uma vez, agradecemos a participação das famílias que se empenharam nos 3 dias de atividades. Foi tão bom ver nossas crianças entrando no nosso EDI orgulhosos de estarem levando algo construído com as famílias. Foi lindo de ver, sentir e, acima de tudo, fortalecer cada vez mais a parceria escola/família.
Com relação a todo material construído com as famílias e dando continuação ao subprojeto que está sendo realizado "NOME: FAMÍLIA, SOBRENOME: RESPEITO", a partir da próxima semana, estaremos pendurando todos os móbiles em nossos corredores, as casinhas ficarão a disposição de nossas professoras para que elas tenham um rico material para abordarem tipos de moradia existentes na nossa comunidade e, com as famílias de sucata, trabalharemos os diferentes contextos de família. Vale lembrar que, no encerramento do subprojeto, previsto para final de maio, todo material arrecadado irá fazer parte de uma exposição.

Contamos com todos vocês garantindo o sorriso de nossas crianças na próxima etapa da GINCANA! PARABÉNS, FAMÍLIAS! "
 

 

 

Quer saber mais? 

 

Artigo " A indisciplina no contexto escolar"

http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2180-8.pdf

 

EDI Tenente Pedro de Lima Mendes 

Estrada das Canárias, 297 Galeão  CEP: 21941-480

emtmendes@rioeduca.net

Telefones: 2463-8957 3393-0052 

Diretora: Catia Plata Medeiros

Diretora Adjunta: Claudia Virgínia Pinto da Silva

Professora Articuladora: Alexandra Paixão

 

 


 


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 07/05/2019

Escola Municipal Jornalista Orlando Dantas - 11ª CRE

Tags: 11ªcre, bullying, paz, sala de leitura, mediação de conflitos.

Semana de Combate ao Bullying na JOD!

 

Na semana de 04 a 11 de abril,  a Escola Municipal Jornalista Orlando Dantas (11.20.004) promoveu ações e atividades de prevenção ao Bullying na escola. O projeto “Diferente também é igual” foi idealizado pelas professoras Fátima TherezinhaAna Maria Silveira e Isabel Araújo e foi desenvolvido com as turmas de 4º e 5º anos da Unidade.

 

 

 

 

Segundo a coordenadora pedagógica Heloísa Coelho"o projeto quis mostrar aos alunos que apesar de aparentemente sermos todos diferentes, somos iguais na nossa convivência, por isso temos que ser respeitados em nossas diferenças. Dessa forma, todos nós devemos aceitar o outro sem distinção, destruindo assim, a prática do bullying."

 

Os alunos tiveram contato com a história do livro “O Pintinho Pelado”, de Noel Pádua Filho. O trabalho foi iniciado por um debate, depois foram desenvolvidos trabalhos escritos e maquetes, reproduzindo a ambientação da história.

 

Os alunos ainda produziram ilustrações e reescreveram a narrativa, construindo, assim,  um livro coletivo sobre o mesmo tema. 

 

 

 

 

A escola  procurou articular as práticas de escrita autoral, de revisão ortográfica e da percepção sequencial da narrativa com práticas voltadas para promoção da cidadania, empatia e respeito, em uma cultura de paz e tolerância mútua. 

 

As atividades foram desenvolvidas a partir da produção de texto coletivo e do trabalho com duplas produtivas. Desse modo, todo o processo foi pautado no estímulo de atitudes que valorizavam o respeito e a aceitação da qualidade da produção do outro.

 

 

Alunos e professores debatem sobre o Bullying e desenvolvem atividades

 

 

O bullying e a violência nas escolas tornaram-se grandes problemas. O Ministério da Educação tem atuado para combater isso, uma de suas medidas é o Pacto Universitário pela Promoção do Respeito à Diversidade, da Cultura da Paz e dos Direitos Humanos.  Além disso, dia 7 de abril foi  instituído como o Dia Nacional de Combate ao Bullying e à Violência nas Escolas. A data foi criada em 2016, por meio da Lei nº 13.277. (http://portal.mec.gov.br/component/tags/tag/34487)

 

O trabalho das turmas culminou com a confecção do livro " A Bruxa e o Gato", totalmente confeccionado pelas crianças.

 

 

 

 

Mas... o que é bullying?


Bullying é uma situação que se caracteriza por agressões intencionais, verbais ou físicas, feitas de maneira repetitiva, por um ou mais alunos contra um ou mais colegas. O termo bullying tem origem na palavra inglesa bully, que significa valentão, brigão. Mesmo sem uma denominação em português, é entendido como ameaça, tirania, opressão, intimidação, humilhação e maltrato.

 

E o cyberbullying?


É o bullying que ocorre em meios eletrônicos, com mensagens difamatórias ou ameaçadoras circulando por e-mails, sites, blogs (os diários virtuais), redes sociais e celulares. Dessa forma, o anonimato pode aumentar a crueldade dos comentários e das ameaças e os efeitos podem ser tão graves ou piores.
 

 

Fonte: https://www.facebook.com/ministeriodaeducacao/

 

Sobre o tema, a Associação Brasileira Multiprofissional de Proteção à Infância e Adolescência (ABRAPIA) sugere as seguintes atitudes para um ambiente saudável na escola:

 

  • Conversar com os alunos e escutar atentamente reclamações ou sugestões;
     
  • Estimular os estudantes a informar os casos;
     
  • Reconhecer e valorizar as atitudes  no combate ao problema;
     
  • Criar com os estudantes regras de disciplina para a classe em coerência com o regimento escolar;
     
  • Estimular lideranças positivas entre os alunos, prevenindo futuros casos;
     
  • Interferir diretamente nos grupos, o quanto antes, para quebrar a dinâmica do bullying.

 

 

 

 

“- A gente só conhece bem as coisas que cativou - disse a raposa.
- Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma.
Compram tudo já pronto nas lojas. Mas como não existem lojas de
amigos, os homens não têm mais amigos. Se tu queres um amigo,
cativa-me!”

O Pequeno Príncipe

 

 

Quer saber mais?

 

MEC: http://portal.mec.gov.br/component/tags/tag/34487

Revista Nova Escola: https://novaescola.org.br/conteudo/1432/3-o-bullying-e-um-fenomeno-recente

 

Escola Municipal Jornalista Orlando Dantas

Rua Benedito Patrício, 248 Bancários 21910-220

emdantas@rioeduca.net

3368-8362 2463-7615

 

Diretora: Eliane de Araujo Gerbas

Diretora Adjunta: Jusie Lazaro alves do Nascimento

Coordenadora Pedagógica: Heloísa Coelho

 

 

 


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 23/04/2019

Creche Municipal Stella Maris - 11ª CRE

Tags: 11ªcre, projetos, educação infantil, identidade, lúdico, arte, bncc.

 "Luz, câmera...todos em ação!"

 

A partir do Projeto, "Luz, câmera...todos em ação!" a Creche Municipal Stella Maris (11.20.601)  vem trazendo a ludicidade dos filmes infantis para desenvolver as potencialidades dos alunos.  Através da proposta da Creche, as orientações curriculares são desenvolvidas e articuladas com o lúdico, permitindo a participação dos alunos nas escolhas, desenvolvendo as habilidades de forma agradável, colorida, estruturada, trazendo sentido e significado à sequência didática.

 

 

Um dos objetivos da proposta é despertar sentimentos e construir valores, a partir das histórias contadas nos filmes. De modo, que as crianças possam perceber a si mesmo e ao outro, encontrando  igualdades e diferenças. 


A Professora Articuladora Michelle Moreira, conta que toda as turmas da unidade estão envolvidas neste projeto, no qual, por meio da linguagem da arte, possibilita a descoberta da sensibilidade para compreender o mundo e suas culturas. "Os pequenos exploraram a capacidade de atenção, coordenação motora, concentração, percepção, dentre outras habilidades, favorecendo a construção e formação da identidade, a partir de um processo de familiarização da imagem do próprio corpo, por meio da criatividade e da expressão artística."

 

 

Os alunos da EI 31 sendo personagens do cinema. 

 

 

O projeto foi iniciado com o primeiro filme escolhido: Toy Story. A partir da escolha, os personagens começaram a ser conhecidos pelas crianças e identificadas suas características físicas, culturais e emocionais.

O projeto desenvolvido permeia as rotinas diárias da creche, atendendo aos  5 Campos de experiência fundamentais para o desenvolvimento das crianças segundo a BNCC: Eu, o outro e o nósCorpo, gestos e movimentosTraços, sons, cores e formasEscuta, fala, pensamento e imaginação; e Espaço, tempo, quantidades, relações e transformações.

 

Conheça os  campos de experiência estabelecidos pela BNCC para Educação Infantil:

 

1) O EU, O OUTRO E O NÓS:

Destaca experiências relacionadas à construção da identidade e da subjetividade, as aprendizagens e conquistas de desenvolvimento relacionadas à ampliação das experiências de conhecimento de si mesmo e à construção de relações, que devem ser, na medida do possível, permeadas por interações positivas, apoiadas em vínculos profundos e estáveis com os professores e os colegas. O Campo também ressalta o desenvolvimento do sentimento de pertencimento a um determinado grupo, o respeito e o valor atribuído às diferentes tradições culturais.

 

Trabalhando as características físicas do corpo e identidade

 

 

2) CORPO, GESTOS E MOVIMENTOS:

Coloca ênfase nas experiências das crianças em situações de brincadeiras, nas quais exploram o espaço com o corpo e as diferentes formas de movimentos. A partir daí, elas constroem referenciais que as orientam em relação a aproximar-se ou distanciar-se de determinados pontos, por exemplo. O Campo também valoriza as brincadeiras de faz de conta, nas quais as crianças podem representar o cotidiano ou o mundo da fantasia interagindo com as narrativas literárias ou teatrais (...)

 

 

Representando o mundo de Toy Story

 

3) TRAÇOS, SONS, CORES E FORMAS:

Ressalta as experiências das crianças com as diferentes manifestações artísticas, culturais e científicas, incluindo o contato com a linguagem musical e as linguagens visuais, com foco estético e crítico. (...). Ao mesmo tempo, foca as experiências que promovam a sensibilidade investigativa no campo visual, valorizando a atividade produtiva das crianças, nas diferentes situações de que participam, envolvendo desenho, pintura, escultura, modelagem, colagem, gravura, fotografia etc. 

 

O Universo congelante de Frozen serviu como base para explorar o esquema corporal, texturas, temperaturas e animais que vivem no frio.

 

4) ESCUTA, FALA, PENSAMENTO E IMAGINAÇÃO:

Realça as experiências com a linguagem oral que ampliam as diversas formas sociais de comunicação presentes na cultura humana (...) Dá destaque, também, às experiências com a leitura de histórias que favoreçam aprendizagens relacionadas à leitura, ao comportamento leitor, à imaginação e à representação e, ainda, à linguagem escrita, convidando a criança a conhecer os detalhes do texto e das imagens e a ter contato com os personagens, a perceber no seu corpo as emoções geradas pela história, a imaginar cenários, construir novos desfechos etc. O Campo compreende as experiências com as práticas cotidianas de uso da escrita, sempre em contextos significativos e plenos de significados, promovendo imitação de atos escritos em situações de faz de conta, bem como situações em que as crianças se arriscam a ler e a escrever de forma espontânea, apoiadas pelo professor, que as engaja em reflexões que organizam suas ideias sobre o sistema de escrita.

 

 

 

 

 

 

5) ESPAÇO, TEMPO, QUANTIDADES, RELAÇÕES E TRANSFORMAÇÕES:

(...). Envolve também experiências em relação à medida, favorecendo a ideia de que, por meio de situações problemas em contextos lúdicos, as crianças possam ampliar, aprofundar e construir novos conhecimentos sobre medidas de objetos, de pessoas e de espaços, compreender procedimentos de contagem, aprender a adicionar ou subtrair quantidades aproximando-se das noções de números e conhecendo a sequência numérica verbal e escrita.(...) O Campo ressalta, ainda, as experiências de relações e transformações favorecendo a construção de conhecimentos e valores das crianças sobre os diferentes modos de viver de pessoas em tempos passados ou em outras culturas. Da mesma forma, é importante favorecer a construção de noções relacionadas à transformação de materiais, objetos, e situações que aproximem as crianças da ideia de causalidade.

 

 

A professora Fernada da turma EI-32 utilizou o personagem Senhor Cabeça de Batata para desenvolver suas atividades,

.

 

Partindo do pressuposto de que a criança aprende por meio das experiências vividas no contexto escolar, as professoras da Creche Municipal Stella Maris, Sirlene Juviniano (EI11) , Lecy Carvalho (EI12), Janaína Pessanha (EI21), Natalia Ferreira (EI22), Caroline Mello (EI31), Fernanda França (EI32), Soraia Vidal (EI33) juntamente com Professora Articuladora idealizaram este projeto, cada uma respeitando o momento e os interesses de seus alunos, trabalhando assim, de forma lúdica todos os campos de experiência enfatizando  os avanços  principais de desenvolvimento na primeira infância.

 

 

Quer saber mais?

BNCC e Educação Infantil

https://novaescola.org.br/bncc/conteudo/58/o-que-sao-os-campos-de-experiencia-da-educacao-infantil

 

Creche Municipal Stella Maris 

Estrada de Maracajá 973, Galeão 21941-395

cmsmaris@rioeduca.net

2465-4786

Diretora: Maria Helena da Silva Fontoura

Professora Ariculadora: Michelle Moreira

 

Contato para publicações:

 

 

 

 


   
           



Yammer Share