A A A C
email
Retornando 37 resultados para a tag 'jogos'

Sexta-feira, 24/06/2011

CIEP Ministro Marcos Freire

Tags: 10ªcre, patronos, jogos, competições.

 

1. Localização e Resumo Histórico

 

O CIEP Ministro Marcos Freire está localizado na Avenida José Fernandes sem número, ao lado da Escola Municipal Felipe Camarão, nas proximidades do CIEP Ulysses Guimarães, área conhecida como “Alagados”, no bairro de Sepetiba, Zona Oeste do Rio de Janeiro.


O acesso ao CIEP tanto pode ser feito pelas ruas paralelas ao trecho litorâneo da Praia de Sepetiba, como pela Estrada do Piai, que se prolonga até proximidades da Praia da Brisa, já no caminho para a Pedra de Guaratiba.


É uma região onde, até princípios da década de 1960, se localizavam acúmulos pré-históricos de moluscos marinhos, formando as concheiras que deram origens aos sambaquis, que evidenciavam a presença humana bem antes da chegada do colonizador europeu, bastante freqüentada por índios que deixaram sepultados seus ancestrais, além de ossos de animais e objetos rudimentares de pedra, cerâmica e chifre.


Na Estrada do Piai existiu uma fazenda e o famoso engenho que faziam parte das propriedades dos padres da Companhia de Jesus e que, após a expulsão dos inacianos, em 1759, foi confiscado pelo governo português.


Na área conhecida popularmente como “Alagados”, onde se encontram os dois CIEPs acima citados e a E.M. Felipe Camarão, havia um sítio de propriedade do senhor Manuel Soares Barbosa, conhecido como “Seu Manduca”. Segundo depoimento de moradores antigos, o terreno onde foi construído o CIEP Ministro Marcos Freire foi doado ao governo do Estado do Rio por descendentes do “Seu Manduca”, que sonhava em ver um ginásio construído no “Alagados”.

 

 

Inspetora Sonia, que está no CIEP Ministro Marcos Freire desde o início das atividades, em 1986, ao centro, em companhia do diretor Edimilson e da coordenadora pedagógica Jane.


O CIEP Ministro Marcos Freire não chegou a ser oficialmente inaugurado, conforme relatou a inspetora Sonia, a mais antiga funcionária daquela unidade escolar, que falou sobre as atividades iniciais, em 1986, sobre as duas primeiras diretoras, professoras Leila e Terezinha, e também sobre as intensas reuniões e atividades pedagógicas, sociais e culturais, incentivadas por Darcy Ribeiro, então secretário de educação do Estado do Rio de Janeiro.


Como trabalhei no CIEP Ministro Marcos Freire no início da década de 1990, ainda guardo boas lembranças da fase de transição dos chamados “Brizolões” da Secretaria Estadual de Educação para a Prefeitura do Rio de Janeiro.


Nos 25 anos de funcionamento, o CIEP Ministro Marcos Freire passou por inúmeras transformações, sendo a mais evidente, a quantidade de alunos matriculados. De menos de 500 alunos em 1986, passou para mais de 1900, em 2011. Tais mudanças podem ser conferidas na excelente dissertação de mestrado de autoria do professor de Geografia Cláudio Homero Diniz, apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense, intitulada “A Evasão/Interrupção dos Alunos Adolescentes do Programa de Educação de Jovens e Adultos (PEJA) em um CIEP da Zona Oeste do Município do Rio de Janeiro”, de 2010.
 

2. O Patrono

 

 

Em texto de autoria da jornalista Andrea Pinheiro, publicado no “Diário de Pernambuco”, em 8 de setembro de 2007, que faz parte do acervo documental da Fundação Joaquim Nabuco, há uma referência biográfica de que Marcos Freire teria se dedicado à luta pela redemocratização do Brasil.


Marcos de Barros Freire nasceu em Recife, Pernambuco no dia 5 de setembro de 1931 e morreu em acidente aéreo no sul do Pará, em 8 de setembro de 1987.


Foi advogado, político e professor da Universidade Federal de Pernambuco, tendo ocupado diversos cargos públicos ao longo da sua vida.


Nos dois primeiros anos do governo do presidente Jose Sarney foi presidente da Caixa Econômica Federal e em seguida ministro da Reforma Agrária, quando veio a falecer tragicamente.


Além do CIEP Ministro Marcos Freire, da 10ª Coordenadoria Regional de Educação, há pelo menos mais uma escola municipal que presta homenagem ao político, localizada em Chã de Alegria, estado de Pernambuco.
 

3. Edimilson Luiz Pereira, a liderança de um diretor

 

 

Edimilson nasceu em Pirassununga, perto de Ribeirão Preto, São Paulo, e veio com a família para o Rio de Janeiro quando tinha cinco anos de idade. Estudou o antigo primário, o ginásio e o curso normal em instituições públicas, tendo passado pelas escolas Almirante Saldanha da Gama, Alba Canizares, Deolinda Caldeira de Alvarenga e Instituto de Educação Sarah Kubitschek. Ingressou na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, matriculado no curso de licenciatura em ciências, com habilitação em química, mas não pode continuar por incompatibilidade de horários e porque havia sido aprovado no concurso do magistério da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro. Fez licenciatura em matemática pela Fundação Educacional Unificada Campograndense, mas manteve as suas duas matrículas como Professor II.


Pela sua disposição permanente para o diálogo, competência administrativa e espírito de liderança, o professor Edimilson tem exercido cargos de direção, tendo passado pela Escola Pedro Mota Lima, pelo CIEP Papa João XXIII e pelo CIEP Nelson Hungria, quando foi convidado para responder pelo expediente do CIEP Ministro Marcos Freire, em agosto de 2000, onde está até hoje.

 

“Foi um momento de transição bastante difícil, mas acabei conseguindo superar as dificuldades e, em junho de 2001, fui convidado pela comunidade escolar do CIEP Ministro Marcos Freire para assumir a direção da unidade.” Comenta o diretor.

 

Como a população de Sepetiba tem crescido muito nos últimos anos, a procura por matrículas no CIEP Ministro Marcos Freire também tem aumentado progressivamente. De 800 alunos matriculados quando o professor assumiu pela primeira vez a direção da unidade escolar, houve um aumento para mais de 1900, neste ano letivo de 2011.

 

“Estamos com quarenta e oito turmas de ensino regular e duas turmas de ensino especial, além disso, temos duas turmas do REALFA 2-B, uma turma do REALFA 2-A, quatro turmas do ACELERA 3, além dos Projetos Nenhuma Criança a Menos, Entre Jovens e do Clube Escolar, que também funciona no CIEP Ministro Marcos Freire.” Diz o diretor Edimilson.


Percorro todas as dependências do CIEP com o diretor e percebo que se trata de um líder que conhece bem todos que fazem parte da unidade escolar. Ele diz que gosta do convívio com o ser humano e parte sempre do princípio de que todos precisam ser ouvidos e respeitados de forma igualitária, sem qualquer distinção de cargo ou função, mas quando é preciso tem que fazer valer a sua autoridade de gestor, sempre buscando um caminho harmonioso no relacionamento pessoal.
 

 


4. Márcia e a sua experiência que vem dos Programas Sociais da Divisão de Educação
 

 

A professora Maria Márcia do Nascimento da Silva, diretora adjunta do CIEP Ministro Marcos Freire também tem experiência anterior de direção, tendo passado pela Escola Municipal Franklin Távora de 1990 a 1998, mas antes trabalhou com as chamadas turmas EE (Ensino Especial) na Escola Municipal Nair da Fonseca, em Sepetiba.


Na antiga Divisão de Educação (hoje Gerência de Educação), ela trabalhou diretamente com os programas sociais, época em que começava a implantação do “Bolsa Família”. Em 2002 assumiu o Projeto do Aluno Residente no CIEP Ministro Marcos Freire, em uma de suas matrículas. Em 2007 aceitou compor a chapa como diretora adjunta, cargo que exerce até hoje.
 

“Em 2009 eu me aposentei na primeira matrícula. Como professor II com duas matrículas a carga horária é muito puxada. Aqui no CIEP, que é muito grande, tem muitas turmas e muito trabalho, é impossível imaginar que vamos chegar aqui sem ter o que fazer. Ficamos o dia inteiro resolvendo problemas e atendendo ao público. É muito grande a demanda por declarações, históricos, matrículas fora do período, pedidos de transferências, informações...” Concluiu a professora Márcia.

 

5. Coincidência ou não, o fato é que houve recuperação nos índices de aprendizado com a chegada da coordenadora pedagógica Jane Brandão Correa

 

 

Jane chegou ao CIEP Ministro Marcos Freire em 2009, por sugestão da sua diretora do CIEP Nelson Hungria. Nos dois anos em que está como coordenadora pedagógica houve certa melhora no aprendizado dos alunos. O CIEP conseguiu superar as metas previstas em 2010 e todos os professores e funcionários receberão o “Prêmio Anual de Desempenho” que corresponde ao 14º salário a ser pago ainda este ano.


A coordenadora pedagógica é bastante comunicativa e gosta de externar a sua sinceridade. Jane tem experiência anterior de direção em escola da rede particular (MV1) e também já atuou como professora regente de Sala de Leitura, quando esteve lotada no CIEP Nelson Hungria. Lá conseguiu organizar, catalogar e disponibilizar o acervo literário, antes de vir para Sepetiba.


Sobre o Projeto Político Pedagógico ela fala que tem sido feitas as atualizações e acréscimos levando em conta as diversas resoluções e projetos enviados pela Secretaria Municipal de Educação e sugestões apresentadas pelos professores.


“Mesmo com todo o calendário de provas já definido pelo nível central da SME, é possível realizar atividades e projetos complementares, e alguns professores, como a Márcia da turma DI, vem desenvolvendo, inclusive com visitas à orla de Sepetiba, em atividades ligadas ao meio ambiente”, informou a coordenadora pedagógica.

Jane também comenta sobre a ajuda que recebe dos estagiários, um de pedagogia, um de matemática e um de educação física, que participam do reforço escolar, tanto em matemática como em atualidades.


“Aqui no CIEP uma professora criou grupo de estudos pela Internet para troca de informações por via e-mail. Diariamente, antes de vir para cá, eu verifico se existem novidades, informações, sugestões, notícias interessantes, que são repassadas aos demais colegas.” Concluiu a professora Jane Brandão,

 

6. Alunos Davi Garcia e Dandara, freqüentadores assíduos da Sala de Leitura

 

Da esquerda para a direita: Alunos Davi Garcia e Dandara, diretor Edimilson, professora Luci, regente de Sala de Leitura e professora e escritora Rita Gemino.

 

Visitando a Sala de Leitura Cecília Meireles do CIEP Ministro Marcos Freire, conheço a professora regente Luci Bastos da Costa e tenho o prazer de reencontrar-me com a professora e escritora Rita Gemino, minha colega da Faculdade Machado de Assis, que também dá aulas de Língua Portuguesa em Sepetiba.


Luci Bastos, que foi aluna da Rita Gemino faz questão de apresentar os alunos Davi Garcia da Silva, de 13 anos, da turma 1809 e Dandara Pereira da Silva, de 14 anos, da turma 1904.


Davi comenta sobre o livro intitulado “Pindorama: a outra história do Brasil”, de autoria de Lailson de Holanda Cavalcanti, que acabara de ler, dizendo que havia gostado muito do livro por contar a história do Brasil de forma leve e bem-humorada.

 

Aluno Davi Garcia da Silva, 13 anos, da turma 1809 do CIEP Ministro Marcos Freire, destaque da Sala de Leitura Cecília Meireles por ser um dos mais frequentes leitores.


Já a aluna Dandara, grande leitora e admiradora da poeta Cora Coralina, fez referência aos livros da série de ficção Harry Potter, criada pela escritora inglesa J. R. Rowling, destacando entre os seus preferidos o livro “A Ordem da Fênix”.

 


Aluna Dandara Pereira da Silva Ferreira, 14 anos, da turma 1904, grande leitora e admiradora da poeta Cora Coralina e das obras de ficção de Harry Potter, destaque da Sala de Leitura Cecília Meireles do CIEP Ministro Marcos Freire.


Segundo informou a professora Luci Bastos da Costa, a Sala de Leitura Cecília Meireles é um ambiente muito freqüentado pelos alunos do CIEP Ministro Marcos Freire.

 

“Há dias em que os alunos chegam a formar filas na entrada da Sala de Leitura, o que mostra o grande interesse deles pelos livros, contrariando a versão de que os jovens não gostam de ler”, diz a professora Luci.
 

 

7. Clube Escolar Professor Sesme Ramada da Silva

 

Professora Ana Cláudia Polycarpo Ribeiro, Chefe 1 do Clube Escolar Professor Sesme Ramada da Silva, com o diretor do CIEP Ministro Marcos Freire, professor Edimilson Luiz Pereira.

 

O Clube Escolar que funciona no CIEP Ministro Marcos Freire tem por objetivo desenvolver atividades de lazer, ocupação do tempo livre, promover vivências em espaços culturais e esportivas, atendendo prioritariamente aos alunos da Rede Municipal em horários do contraturno.


A professora Ana Claudia Polycarpo Ribeiro, chefe 1 do Clube Escolar Professor Sesme Ramada da Silva, da 10ª Coordenadoria Regional de Educação, informa que, além de alunos do CIEP Ministro Marcos Freire, há muitos outros matriculados, vindos do CIEP Ulysses Guimarães e das escolas municipais Felipe Camarão, Nelson Romero, Nair da Fonseca e Bertha Lutz.

 

Professora Carla Alves Goulart dos Anjos, auxiliar Chefia 1 (sentada à esquerda), Rosemere Figueiredo (sentada à direita) Oficina de Artes Literárias, Ana Claudia Polycarpo Ribeiro, Chefe 1 e professor Edimilson Luiz Pereira, diretor do CIEP Ministro Marcos Freire.


Sendo um espaço de extensão escolar que se propõe a oferecer oportunidade para o enriquecimento cultural, conhecimento do corpo, busca constante de informações e dar oportunidade para o desenvolvimento de atividades físicas de qualidade, o Clube Escolar Professor Sesme Ramada oferece atualmente as oficinas de Ginástica Artística, Judô, Tênis, Karatê, Dança, Futsal, Futebol de Campo e Handebol.

 

 

                              

 


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 20/06/2011

E.M. Ceará - 3ª CRE - e o projeto Vôlei em Rede

Tags: 3ªcre, eventos, jogos, competições, projetovôleiemrede.

A Rádio Ceará documentou o lançamento do projeto Vôlei em Rede do Instituto Compartilhar na E.M. Ceará.

 

 

A 3ª CRE foi escolhida para abrigar este projeto piloto e a escola Ceará foi visitada. A quadra poliesportiva foi considerada satisfatória para os interesses do projeto e a diretora mostrou-se interessada em acolher o projeto e a se envolver nele. Segundo Nando, gerente executivo do projeto, “ não interessa somente o espaço físico, é necessário que haja envolvimento por parte da gestão.” Para ele, “a importância do projeto é, além do exercício da prática do voleibol, estimular valores, criar união entre os alunos, comprometimento e respeito.”

 

 

Grande estrela do projeto, o treinador Bernardinho esteve presente e, entrevistado pela Rádio Ceará, elogiou o núcleo de Inhaúma , um “núcleo de excelência” que o projeto apresenta. Disse ainda, em seu nome e em nome do Instituto Compartilhar, que espera muitos destaques aparecendo a partir deste projeto. As crianças estão gostando, se desenvolvendo e aprendendo coisas novas.

 

 

A Secretária Cláudia Costin e a Coordenadora da 3ª CRE Maria do Amparo Reis estiveram presentes apoiando o projeto. Segundo a secretária, para que uma pessoa cresça de forma equilibrada, ela precisa desenvolver a mente e o corpo também. Um jovem que faz esporte tende a ser mais equilibrado em seus estudos. Sendo assim as duas coisas se retroalimentam.

 

 

 

Confiram as imagens do evento e as entrevistas concedidas à Rádio Ceará:



 

 

Aproveitamos a oportunidade para parabenizar a diretora Isaura Fernandes pela Coruja de Prata recebida do projeto ISMART em homenagem aos maiores colaboradores do projeto. A Escola Ceará - única escola da 3º CRE homenageada- foi representada pelo aluno Wanderson que passou para Engenharia Civil para UFRJ, UERJ, UFF, PUC e escolheu ficar na Uerj. Ele agradeceu à escola Ceará e a todos os professores que o ajudaram na sua formação.

 

 

Parabéns a todos os colegas que ajudaram na formação desse aluno e, em especial, a professora Lúcia Valéria que trouxe a idéia do Projeto Ismart e muito insistiu para que a Escola inscrevesse seus alunos. Parabéns a toda a comunidade escolar da E.M. Ceará!


Agradecimentos pelo texto e imagens cedidas pela profª da Sala de Leitura Luciana Barreto.

 

 

                              

 


   
           



Yammer Share

Domingo, 10/04/2011

O XEQUE MATE DA ESCOLA MUNICIPAL SUÉCIA

Tags: oficinadexadrez, 3ªcre, jogos, eventos.

 

A professora Ana Cristina escreveu para nos contar sobre castelos, reis, rainhas, bispos, torres e peões que estão povoando a Escola Municipal Suécia. Isso mesmo, os alunos de lá já se acostumaram a conviver com esses personagens de livros e aprendem muito com eles.

 

É o resultado das oficinas de xadrez que a Profª. Ana, com a ajuda do gari Sidnei, desenvolve na escola desde maio de 2010. Apoiados pela direção da escola, eles acreditam na contribuição do xadrez para a melhoria da disciplina, da concentração, memória e raciocínio lógico dos alunos. 

Profª Ana, Sidnei e a direção da escola

 

As regras do jogo são passadas de maneira lúdica e não tem quem não se interesse. O gari Sidnei, que já jogava xadrez antes e chegou a disputar torneios, auxiliou a professora que iniciou o projeto com alunos do 1º segmento. As oficinas deram tão certo que culminaram com o Primeiro Encontro de Xadrez da Escola Municipal Suécia.

 

 

As competições foram realizadas com 16 duplas, chegando a 8 duplas. Em seguida, realizamos as semifinais com 4 duplas, terminando com a final para a escolha dos 3 primeiros colocados. Os alunos eram das turmas 1501 e 1502 e mais uma aluna da 1301 para compor as duplas.

 

 

As oficinas deste ano já estão em andamento contando agora com a participação de alunos do E.I. ao 5º ano. E o Segundo Encontro já está no planejamento incluindo desta vez alunos do 3º ao 5º anos.

 

 

Se depender da empolgação e do amor da profª Ana Cristina, muitos encontros e partidas de xadrez virão.

 

 

Deu até vontade de aprender xadrez também! Será que ainda tem vaga?

 

Parabéns a todos os participantes das oficinas e do encontro! Com certeza, todos saíram vencedores!


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 05/04/2011

CAPOEIRA É MUITO MAIS EDUCAÇÃO

Tags: 1ªcre, educaçãofisica, jogos.

 

 

O professor Niverton Antunes, diretor da Escola Municipal Vicente Licínio Cardoso,

da 1ª Coordenadoria Municipal de Educação, compartilhou com o Rioeduca.net

algumas novidades de sua escola.

 


A unidade faz parte do Mais Educação, programa que visa fomentar, por meio de sensibilização, incentivo e apoio, projetos ou ações de articulação de políticas sociais e implementação de ações sócio-educativa oferecidas gratuitamente às crianças e adolescentes.

Algumas de suas principais orientações são:

 

- Contemplar a ampliação do tempo e do espaço educativo nas escolas, pautada pela noção de formação integral;

- Integrar as atividades das oficinas ao Projeto Político Pedagógico da escola;

- Contribuir para a formação e o protagonismo de crianças e adolescentes;

- Fortalecer a participação das famílias nas atividades desenvolvidas;

 

A oficina de capoeira, também parte do programa, tem como incentivo a motivação para o desenvolvimento cultural, social, intelectual, afetivo e emocional de crianças e adolescentes, enfatizando os seus aspectos culturais, físicos, éticos, estéticos e sociais, a origem e a evolução da capoeira, seu histórico, fundamentos, rituais, músicas, cânticos, instrumentos, jogo e roda de seus mestres.

 

 

 

O professor Niverton e toda comunidade escolar estão felizes com o trabalho desenvolvido e garantem que a oficina de Capoeira,  comandada pelo Mestre Caíque é um SUCESSO!
 


   
           



Yammer Share