A A A C
email
Retornando 32 resultados para a tag 'pse'

Segunda-feira, 08/04/2019

EMOC Juan Samaranch - 1ª CRE

Tags: 1ªcre, arboviroses, emoc, geo, pse.

 

EMOC Juan Samaranch aborda o tema “Doação de Sangue” em turmas do 6º Ano do Ensino Fundamental.

 

Doar sangue é um grande ato de solidariedade, pois cada doação pode salvar até quatro vidas e a escola pode exercer um papel importantíssimo nesse ato. Essa instituição pode promover a compreensão dos adolescentes acerca da necessidade constante desse ato humanitário, pois quando informados e conscientizados, os alunos podem disseminar a cultura da doação, incentivando jovens (com idade mínima de 16 anos) e adultos a serem doadores regulares.

 

De acordo com o Ministério da Saúde (1), entre os países da América Latina, o Brasil é referência na promoção à doação de Sangue. Contudo, possui um índice baixíssimo, pois apenas 1,8% da população doam sangue. Se verificarmos os dados estatísticos do Rio de Janeiro, ficamos ainda mais perplexos. O estado possui apenas 0,97% da população doando sangue.

 

O sangue consiste num líquido viscoso, composto por leucócitos, plasma, plaquetas e hemácias. Sua principal função é transportar o oxigênio e substâncias para todos os órgãos do corpo, através dos vasos sanguíneos, garantindo assim a manutenção da vida.

 

Em uma parceria com o Instituto Estadual de Hematologia Arthur de Siqueira Cavalcanti (Hemorio) alunos das Turmas 1601 e 1602 da Escola Municipal Juan Antônio Samaranch (EMOC II – Santa Teresa) aprenderam sobre as condições para ser um doador, a importância da doação de sangue por meio de uma palestra ministrada pela assistente social do Instituto, Ana Ester Machado Carlos. 
 

.

 

Palestra sobre doação de sangue ministrada pela assistente social do Hemorio.

 


Posteriormente, em sala de aula, panfletos doados pelo Hemorio foram distribuídos e após a leitura das informações contidas neles, os alunos foram orientados para que os levassem a seus respectivos responsáveis, familiares e amigos, com o objetivo de promover a doação de sangue entre eles.

 

 

 Alunos com os panfletos doados pelo Hemorio.

 


Os alunos também receberam uma revista especial da Turma da Mônica (Editora Maurício de Sousa) que abordava o tema “doação de sangue”. Dessa forma,  o assunto foi reforçado através da história em quadrinhos.

 

 

Alunos realizando a leitura da revista da Turma da Monica sobre a doação de sangue.

 

Embora, os alunos soubessem que o laço vermelho é visto como símbolo global de solidariedade e de comprometimento na luta contra a AIDS, eles resolveram usá-lo, como símbolo das atividades, sendo essa cor escolhida justamente por causa de sua ligação ao sangue. Então, alunos envolvidos nas atividades utilizaram laços vermelhos durante um dia inteiro para despertar a curiosidade de outros alunos da escola e abrir oportunidades para divulgarem os conhecimentos aprendidos e a cultura da doação de sangue. 

 

 

Alunos utilizando laços vermelhos para atrair a atenção de outros alunos na escola 

 

 

Os alunos das turmas 1601 e 1602, após as atividades realizadas, elaboraram mini cartazes nos quais demonstraram, com desenhos e frases, o que aprenderam.

 

 

Alunos produzindo mini cartazes sobre o tema “doação de sangue”.

 

 

Pôde-se observar, através dos desenhos elaborados, que os alunos aprenderam bastante sobre o tema “doação de sangue”. Vários desenhos mostraram pessoas doadoras “como heróis”, outros desenhos mostraram a sensibilização deles com o assunto e que se empenhariam em contribuir na divulgação.

 

 

 Desenhos elaborados pelos alunos.

 


A abordagem do tema “doação de sangue” nas escolas contribui para a compreensão, conscientização e multiplicação das informações corretas, combatendo mitos e promovendo o desejo do adolescente em se tornar um doador de sangue ao atingir 16 anos, a idade mínima para a prática.


A relação entre Educação e Saúde surge como a chave para alterar a realidade e potencializar as ações!


“Acredito que atividades, como as realizadas com meus alunos, podem ampliar a conscientização e, futuramente, as doações voluntárias de sangue. Alterando, assim, caso sejam realizadas em muitas escolas, os atuais índices de doação que são baixíssimos em nosso Estado. Quem precisa, por algum motivo, receber sangue, só pode contar com a ação solidária dos doadores que acabam por lhes salvar a vida.” – diz Lucineia Alves, professora de Ciências responsável pela ação realizada na escola.

 


1 - BRASIL. Brasília, DF: Ministério da Saúde. Manual de Orientações para Promoção da Doação Voluntária de Sangue. 2015.

 


Para Saber Mais:

EMOC Juan Antônio Samaranch

Telefone: 3972-0916

E-mail: geo@rioeduca.net

 

 

 


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 11/03/2019

Cariocas em Ação Contra as Arboviroses

Tags: 1ªcre, arboviroses, nsec01, pse, psecarioca.

 

Alunos do 6º Ano Carioca e dos Projetos Carioca I e II das escolas da 1ª CRE se engajaram na Campanha de Combate ao Mosquito transmissor da Dengue, Chikungunya e Zica.

 

O trabalho expressivo da Campanha "Carioca Saudável, carioca sustentável, em ambiente bem-cuidado, mosquito não se cria", teve o pontapé inicial na Semana de Combate às Arboviroses realizada no período de 18/02/2019 a 22/02/2019.

 


Todas as unidades da 1ª Coordenadoria Regional de Educação se engajaram fortemente na campanha. Da Educação Infantil ao Ensino Fundamental, professores, funcionários e alunos se empenharam em conscientizar toda comunidade da importância de manter o ambiente limpo e saudável, livres dos focos do mosquito Aedes aegypti.

 

Na E.M. Tia Ciata, localizada na Praça Onze e que atende turmas do 1º ao 6º Ano Carioca,  os alunos da professora Silvana Filha, das turmas 1.601 e 1.602, produziram material panfletário e percorreram todas as turmas da escola, levando informação e esclarecimento aos alunos. Nessa ação, os alunos puderam exercer o papel de protagonistas no processo.

 

Alunos do 6º Ano Carioca em Ação Protagonista de Conscientização das outras turmas da escola.

 


Já a professora Vera da turma 1.603, da E.M. Gonzaga da Gama Filho, em Benfica, realizou com seus  alunos uma paródia da Marchinha Carnavalesca Mamãe eu Quero em parceria com o professor Pedro, de Música:


Na E.M. Darcy Vargas, no bairro da Saúde, as professoras Amanda e Milena, das turmas 1.601 e 1.603, respectivamente, construiram com seus alunos jogos de perguntas e respostas sobre a Dengue.

professora Eliane, da E.M. General Mitre, no Morro do Pinto, preparou um jogo de tabuleiro no mural, com seus alunos das turmas 1.601 e 1.602.

 

Na foto acima, alunos em Campanha na E.M. Darcy Vargas. Abaixo, E.M. General Mitre.

 

 

 

 

Em todas as turmas os alunos produziram materiais que foram utilizados e amplamente divulgados, através de apresentações e de exposições no Dia D de Combate às Arboviroses.

 

 

Alunos do 6º Ano Carioca em diversas unidades da 1ª CRE.

 


Nas turmas dos Projetos Carioca I e II o envolvimento não foi diferente! A turma 7201 da E.M. Cardeal Leme, na qual a professora Jaqueline é a regente, confeccionou material informativo para ser exposto e apresentado aos demais alunos da unidade.

professora Ione, da turma 7201, proporcionou atividades lúdicas, como palavras cruzadas e caça-palavras para que os alunos aprendessem mais sobre a temática.

 

 

 

 

Acima, fotos dos trabalhos nas turmas do Projeto Carioca, na E.M. Cardeal Leme

 


A turma do Projeto Carioca II na EMAC Vicente Licínio Cardoso, do professor José, confeccionou máscaras de papier marche, no Ateliê com o professor Marco Aurélio, de Artes. Na sexta-feira, “Dia D do Combate às Arboviroses”, a turma realizou o “Bloco do Mosquito”, que desfilou pelo Boulevard Olímpico, na Praça Mauá, alertando os transeuntes acerca dos perigos da Dengue, Zica e Chikungunya.

 

 

Alunos do Projeto Carioca na EMAC Vicente Licínio Cardoso preparando material para o Bloco do Mosquito.

 


A Mobilização foi geral. Afinal... Nas Escolas da 1ª CRE o Mosquito Não se Cria! Nunca!

 

 

Desfile do Bloco da EMAC Vicente Licínio Cardoso no Boulvard Olímpico

 

 

E você, ainda tem dúvidas sobre o combate ao Aedes? Clique na imagem abaixo fique por dentro:

 


 


Para Saber Mais:

E/1ªCRE/GED

NSEC01 – Educação

Telefone: 2233-4839

E-mail: gedcre01@rioeduca.net

 

Contato para publicações:

 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 23/11/2018

Novembro Azul

Tags: 1ªcre, eventos, projetos, pse, nsec01.

 

O Ginásio Olímpico de Santa Teresa na campanha “Novembro Azul”, como um movimento de prevenção e combate ao câncer de próstata.

 

Novembro Azul é uma campanha de conscientização a respeito de doenças masculinas, com ênfase na prevenção e no diagnóstico precoce do câncer de próstata (1). O movimento surgiu na Austrália, aproveitando as comemorações do Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata, realizado em 17 de novembro. No Brasil, o Novembro Azul foi criado pelo Instituto Lado a Lado pela Vida (2).

 

 

Estima-se que serão mais de 68 mil novos casos da doença ainda em 2018. As maiores vítimas são homens a partir dos 50 anos, além de pessoas com presença da doença em parentes de primeiro grau (3). No nosso país, um homem morre a cada 38 minutos devido ao câncer de próstata, na qual consiste em uma glândula do sistema reprodutor masculino. No início, o câncer de próstata não apresenta sintomas e quando alguns sinais começam a aparecer, os tumores já estão em fase avançada, dificultando a cura. Dessa forma, a única forma de garantir a cura é o diagnóstico precoce. Os homens, a partir dos 45 anos com fatores de risco, ou 50 anos sem estes fatores, devem ir ao urologista para o exame de toque retal e o exame de sangue PSA (antígeno prostático específico) os quais permitem ao médico avaliar alterações na glândula (4).

 

A Escola Municipal Juan Antonio Samaranch, conhecida como GEO Santa Teresa, está realizando a Campanha Novembro Azul, com a participação dos professores, funcionário e alunos, através da iniciativa da Professora de Ciências Lucineia Alves. De acordo com a Professora, um vídeo sobre o Movimento Novembro Azul está sendo exibido aos alunos, com o objetivo de que estes aprendam sobre o assunto para que assim se tornarem multiplicadores de informações para os familiares e amigos.

 

Alunos asssitem ao video sobre o Movimento Azul

 


Os alunos prepararam panfletos que serão distribuídos e levados aos familiares e amigos e laços azuis foram feitos para toda a comunidade escolar .

 

Alunos confeccionando material da campanha

 

Os alunos realizaram uma miniapresentação aos professores e à gestão da escola sobre o que haviam aprendido sobre o Novembro Azul. Foi combinado, previamente, que toda a equipe usaria blusa/camisa azul em alguns dias.

 

Alunos falando sobre o que aprenderam

 


Tanto os professores da área acadêmica, quanto os da esportiva, aderiram a Campanha na escola .

 

 

Alunos, funcionários e professores tiraram também fotos com um minicartaz “Novembro Azul Eu apoio!" Essas foram postadas em seus respectivos Facebook, com objetivo de ampliar e propagar a campanha aos seus familiares e amigos .

 


A Professora Tania Regina Pinto de Almeida, da Sala de Leitura - Projeto de Vida, também aderiu à campanha e está lendo textos, exibindo um vídeo e realizando debates sobre o tema em suas aulas.

 

“O interesse foi grande e todos participaram com alguma contribuição sobre o assunto. Os alunos do 6º Ano disseram que vão falar com seus responsáveis sobre o assunto. Fiquei muito contente com a reação deles!” Diz a Professora Tânia Regina.

 


“A Campanha Novembro Azul ainda está em andamento na Escola e esperamos conscientizar o máximo de pessoas, tanto dentro quanto fora da escola, pois o câncer de próstata é uma doença grave, que leva muitos homens à óbito, mas que pode ser evitada, caso seja diagnosticada precocemente. Para isso, a divulgação de informações, a conscientização e a prevenção são ações importantíssimas e a escola tem seu papel nesse contexto”. – Diz a Professora Lucineia, idealizadora da Campanha Novembro Azul no GEO Santa Teresa.

 

Referências:

(1) - Wikipédia - https://pt.wikipedia.org/wiki/Novembro_Azul
(2) - Instituto Lado a Lado pela Vida - https://www.ladoaladopelavida.org.br/a-campanha-novembro-azul
(3) - Fundação do Câncer - https://www.cancer.org.br/novembro-azul-a-importancia-de-se-cuidar/
(4) - Ministério da Saúde - http://bvsms.saude.gov.br/ultimas-noticias/2535-novembro-azul-mes-mundial-de-combate-ao-cancer-de-prostata

 


PARA SABER MAIS:

E.M. JUAN ANTONIO SAMARANCH

Telefone: 3972-0916

E-mail:geo@rioeduca.net

 

 

Contato para publicações: 

 

 

 

 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 02/11/2018

#ForaAedes na E.M. Mendes Viana

Tags: 5ªcre, aedes, aegypti, pse.

 

A Escola Municipal Mendes Viana, comprometida com o trabalho pedagógico colaborativo e em estimular o protagonismo dos alunos, desenvolveu o projeto #foraaedes com a finalidade de criar uma campanha de combate ao mosquito Aedes aegypti. O projeto foi um sucesso!!! Confira:

 

 

A Escola Municipal Mendes Viana, comprometida com participação da comunidade escolar no combate à proliferação de mosquitos e a consequência mais assustadora que é a grande incidência de doenças causadas, em especial pelo Aedes aegypti, todo ano promove palestras e falas de agentes de saúde sobre esse assunto. Dengue, Febre Chikungunya, Zika e a Febre Amarela são doenças muito graves e de alguma forma precisamos combatê-las. Mas como combater? Através da informação! E como informar sem ser chato e repetitivo?

 

 

Dentro desta conjuntura, a professora Danielle Moura, juntamente com os alunos da turma 1802 da E.M. Mendes Viana, nesse ano de 2018, tiveram a ideia de aliar o conhecimento à diversão e daí surgiu o jogo de tabuleiro gigante, o #ForaAedes.

O jogo funcionou como um de tabuleiro comum, porém, em determinadas partes deste existiam frases que nos faziam refletir sobre o nosso dia a dia, como “Você deixou água acumulada no pratinho da planta - Volte 2 casas” ou ainda, “Mosquitos com Wolbachia foram soltos no seu bairro - Que sorte! Ande 5 casas!”. Dependendo do número que caísse no dado gigante, o aluno poderia parar em um desses espaços e então, se adiantaria no tabuleiro ou retornava algumas casas.

 

 


O mais importante na dinâmica do jogo foi a relação causa-efeito. No jogo, quando o aluno caía numa casa do tabuleiro a qual informava que não havia acúmulo de água no pratinho da planta, por exemplo, ele entendia que aquilo era correto e sendo assim, ao fazer a coisa certa, o aluno obtinha vantagens, como adiantar 5, 2 casas. Mas, quando o aluno jogava o dado e o mesmo indicava uma casa do tabuleiro com a informação de que ele teria feito algo equivocado, como não ter colocado terra nos pratinhos das plantas ou ainda não ter utilizado repelente, o aluno precisava retroceder algumas casas, entendendo que apesar do mosquito ser importante na cadeia alimentar, ele é transmissor de doenças e por isso é preciso ser combatido!

 

 

 


A turma participou ativamente, auxiliando os jogadores, entregando-lhes o dado e explicando as regras do jogo. Ver o entusiasmo na preparação do jogo, assim como, o cuidado em explicar aos alunos que estavam participando da atividade, foi muito importante. O aluno Kauan (1802) auxiliou no desenvolvimento da imagem a ser colocada no cartaz de convite para a participação do jogo e alguns alunos puderam falar sobre as suas impressões sobre, como o Rodrigo (1802) - “O jogo foi muito bom! Aprendemos muito contra a dengue e sobre a matéria Ciências.

Outro aluno, o Cauã (1802), também falou um pouco sobre suas impressões – “Nós aprendemos bastante e o mais legal foi interagir com alunos e professores que participaram”

Um aluno que participou do jogo #ForaAedes, o Artur da turma 1702, também quis contribuir e relatou um pouco sobre sua experiência, assim como de sua turma - “O jogo foi muito legal! Aprendemos bastante”.

 

 

 


A equipe de gestão da escola muito apoiou e contribuiu para que este projeto pudesse ser realizado.

 

O diretor adjunto Gonzaga comentou um pouco sobre a atividade desenvolvida: “Trabalhos como o da professora são fundamentais, pois tiram os alunos de sua zona de conforto e fazem com que eles deixem de ser meros repetidores para se tornarem criadores. Vemos que o ensino tradicional de mera exposição de conteúdo para os alunos é muito menos proveitoso do que o ensino onde os alunos geram o conhecimento, onde o professores se colocam como orientadores e os alunos pesquisadores, desenvolvedores e construtores do conhecimento. Todos os alunos com quem conversei conheciam os mínimos detalhes do trabalho tanto da parte teórica quanto da parte prática, pois foram eles que desenvolveram, aprendendo algo que vão levar para o resto da vida”.

 

Os professores também auxiliaram neste processo, disponibilizando alguns de seus tempos para o desenvolvimento do jogo com as turmas participantes, em especial a professora de Educação Física (Kattia), Matemática (Felipe) e Artes (Murilo).


Com este trabalho, os alunos se dispuseram a aprender mais, a buscar informações sobre as doenças, uniram-se para o desenvolvimento do trabalho em comum e buscaram o bom relacionamento entre outros alunos da escola. O jogo #ForaAedes, foi além do esperado!


"Agradeço, à turma 1802, pela disposição no desenvolvimento do trabalho, às outras turmas participantes, à direção e coordenação da E.M. Mendes Viana, assim como aos amigos professores que são os companheiros do dia a dia. Além de todos mencionados acima, gostaria de agradecer também à GITE pelo auxílio no desenvolvimento do cartaz-convite do jogo, assim como, na divulgação do jogo na página RioEduca (#AgiteSuaEscola) – #ForaAedes." Professora Danielle Moura , desenvolvedora do jogo

 

Parabéns Escola Municipal Mendes Viana!

 

Sobre a escola:

Unidade Escolar:  Escola Municipal Mendes Viana 
Diretor: CARLOS EDUARDO HERMSDORFF
Endereço: Estrada do Colégio 940 - Colégio
Telefone: 3373-3204
E-mail: emviana@rioeduca.net
 


 


   
           



Yammer Share