A A A C
email
Blog destinado a grandes especialistas da Educação. Você também pode participar. Veja como.Todos os posts escritos por Erika Augusto Camacho
Retornando 24 resultados para o autor 'Erika Augusto Camacho'

Segunda-feira, 19/11/2018

Fica a Dica: Identidade Cultural - O Samba

Tags: dicas, educação musical, cultura, samba.

Fica a Dica: Identidade Cultural – o Samba

 

Olá!


Hoje vamos falar um pouco sobre a nossa identidade cultural. Sabemos que o Brasil sofreu várias influências, principalmente, da cultura europeia, indígena e africana. Outros imigrantes também contribuíram nessa formação.


Nossa música tem em suas raízes muitos reflexos dessas três vertentes. Mas não só na música observamos essas influências. Nossa comida, festas, danças, entre outros, também são formados através da miscigenação de diversas origens.


Aproveitando que estamos na semana da consciência negra, podemos falar um pouco da nossa identidade cultural.


A influência africana na nossa música está presente, principalmente, no nosso gênero musical mais conhecido: o samba.


O samba é considerado um gênero genuinamente brasileiro, um dos elementos culturais mais representativos da nossa cultura. Na sua instrumentação apresenta violão, cavaquinho, percussão, entre outros.


“O samba foi introduzido no Brasil no período colonial pelos escravos africanos sendo, portanto, um estilo que provém da fusão entre as culturas africana e brasileira. Inicialmente, as festas de danças dos negros escravos na Bahia eram chamadas de "samba". A manifestação durante muito tempo foi considerada um estilo de música e dança criminalizado e visto com preconceito, devido às suas origens negras.” (https://bit.ly/2B6h5lu)


Sobre a origem da palavra, alguns autores consideram que a palavra “samba” tem origem em “semba”, que significa “umbigada” e que caracterizava um tipo de dança.


“Geralmente, as letras de sambas contam a vida e o cotidiano de quem mora nas cidades, com destaque para as populações pobres. O termo samba é de origem africana e tem seu significado ligado às danças típicas tribais do continente.” (https://bit.ly/2K38mn3)


Em 1917 foi gravado o primeiro samba no Brasil. Chama-se “Pelo Telefone” e foi composto por Mauro de Almeida e Donga, cantado por Bahiano.


Há diversos tipos de samba, que variam, inclusive, de região para região: samba de roda, partido-alto, samba-enredo, samba-canção, samba-exaltação e pagode são alguns deles.


No Rio de Janeiro, o samba está bastante presente no nosso dia-a-dia. No dia 2 de dezembro, data em que é celebrado o Dia Nacional do Samba, temos o famoso “Trem do Samba”, onde são feitas apresentações de grupos de samba e pagode durante um período determinado e que leva os integrantes até Oswlado Cruz, subúrbio do Rio, onde esses grupos se encontram pra comemorar a data.


Além disso, temos o samba-enredo, presente no nosso carnaval, nos desfiles das escolas de samba, marco tradicional da nossa cultura e considerado o maior espetáculo da Terra.


Nosso patrimônio cultural é riquíssimo e é importante o trabalho em sala de aula com nossos alunos sobre a nossa cultura e as nossas tradições. É relevante que eles saibam quais povos formaram e formam a nossa herança, assim como o respeito à diversidade cultural, tema enfocado, inclusive, pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Precisamos lembrar, também, que os objetos vivem em constante processo de transformação, em circularidades culturais, transformando-se ao longo do tempo.


Nessa dica de maio/2018 (http://www.rioeduca.net/blogViews.php?bid=16&id=6597), falamos sobre o trabalho com gêneros musicais e citamos a aula sobre samba encontrada na plataforma Educopedia (www.educopedia.com.br) e que pode ser acessada com o e-mail institucional Rioeduca ou como visitante. Aproveite!


Deixo aqui mais uma sugestão de leitura pertinente ao tema do Portal do MEC. Clique aqui para acessá-lo.

 

E aí, gostaram da nossa dica da semana? Escreva pra gente!!! smiley

Fica a Dica! 

 


 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 07/11/2018

Fica a Dica: A escrita musical

Tags: dicas, educação musical, escrita musical.

Fica a Dica: A escrita musical

 

Olá! Hoje vamos falar sobre a escrita musical. Um assunto bastante interessante e que causa curiosidade nos alunos, pela leitura de todos os símbolos que cercam a música.


Quando eles veem uma partitura musical, ficam bastante interessados em saber como os músicos conseguem transformar tudo aquilo em sons.


São muitos os símbolos usados para tal. Costumo dizer pra eles que, assim como temos as palavras, que juntas formam textos e que nos trazem significados; ou como na matemática, onde temos os números e diversos outros signos, que também nos trazem outros significados, na música não poderia ser diferente.


Esses símbolos (notas, pauta, claves...), que chamamos de notação musical, denotam significados que, ao serem “lidos”, são traduzidos em sons.


A nossa notação ocidental, baseada na escrita sobre uma pauta de cinco linhas chamada pentagrama, engloba sinais próprios pra nossa cultura, mas outras notações também podem ser encontradas ao redor do mundo. Outras podem ser criadas de forma muito particular dependendo do trabalho que estamos realizando ou ainda para ser utilizada na música contemporânea, por exemplo.


Junto com nossos alunos, podemos criar partituras próprias que, dentro daquele grupo, vão ter significados e, com elas, poderemos executar de forma individual ou coletiva músicas das mais diversas formas. São as escritas não convencionais, não tradicionais.


Segundo a wikipedia:

“Notação musical é o nome dado ao sistema de escrita que representa graficamente uma peça musical, ou um conjunto de sinais gráficos que representam uma organização de sons, permitindo que um intérprete a execute semelhante a ideia do escritor, compositor ou arranjador” (https://bit.ly/2Dm1wIP)


A escrita musical como conhecemos hoje é fruto de modificações ocorridas ao longo do tempo. Evidências de tipos de escrita musical foram encontradas no Egito e na Mesopotâmia. Outros povos também desenvolveram seus sistemas de notação, como os gregos. Já o sistema moderno teve sua origem nos “neumas” (símbolos que representavam as notas musicais em peças vocais do canto gregoriano, por volta do século VIII - https://bit.ly/2zuISu7).


Neste sistema, porém, não era possível representar a altura e duração das notas com precisão.


“Para resolver este problema, as notas passaram a ser representadas com distâncias variáveis em relação a uma linha horizontal. Isto permitia representar as alturas. Este sistema evoluiu até uma pauta de quatro linhas, com a utilização de claves que permitiam alterar a extensão das alturas representadas.” (https://bit.ly/2zuISu7)


“Grande parte do desenvolvimento da notação musical deriva do trabalho do monge beneditino Guido d’Arezzo (aprox. 992 - aprox. 1050). Entre suas contribuições estão o desenvolvimento da notação absoluta das alturas (onde cada nota ocupa uma posição na pauta de acordo com a nota desejada).” (https://bit.ly/2zuISu7)


A música ocidental baseia-se no sistema tonal e o sistema de notação musical com pautas de cinco linhas tornou-se padrão para a mesma.


Referindo-me sobre a escrita não convencional, trago aqui sugestão de aula do Portal do Professor do MEC, que trata da representação dessas grafias.


De acordo com os autores, os objetivos aqui propostos são:

  • Pesquisar sons com instrumentos musicais e objetos sonoros disponíveis;
     
  • Criar maneiras de registrar as ideias musicais graficamente;
     
  • Conhecer tipos de notações gráficas;
     
  • Organizar um esboço de composição musical em uma ‘partitura’ de notação gráfica.

 

Ainda segundo os mesmos:

“Este tipo de notação se aplica em grande parte à música contemporânea, a partir da necessidade de registrar sons que escapam aos limites da escrita tradicional. Sons que não são expressos em alturas (notas) precisas ou ritmos métricos e que para serem interpretados convenientemente precisam de outros recursos visuais para além da pauta. É possível também a combinação do sistema tradicional com formas plásticas de representação no intuito de nos aproximarmos de um mesmo objetivo: música”.


Acreditamos que o trabalho com a escrita não tradicional pode ser um bom começo para trabalhar essas notações e para aguçar o desejo de conhecer símbolos, convencionais ou não, e que serão traduzidos em sons.

 


E aí, gostaram da nossa dica? Aguardamos suas sugestões!! smiley

Fica a Dica!! 

 


 


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 08/10/2018

Fica a Dica: Instrumentos de Cordas

Tags: dicas, educação musical, instrumentos de cordas.

 

Fica a Dica: Instrumentos de Cordas

 

 

Olá!


Dando continuidade às famílias dos instrumentos musicais, essa semana vamos falar dos instrumentos de cordas.


O primeiro instrumento de corda do qual se tem conhecimento é o “Arco musical” cuja origem é situada entre 35 e 15 mil anos a.C. Os instrumentos de corda tensionada mais antigos registrados são nove liras e três harpas encontradas numa tumba em Ur, na Mesopotâmia, datando de 2600 a.C. (https://pt.wikipedia.org/wiki/Instrumento_de_cordas).


O som desses instrumentos, basicamente, é gerado pela vibração de uma corda tensionada. Como acontece nos instrumentos de percussão, os instrumentos de cordas maiores são os instrumentos que produzem os sons mais graves. E os menores, produzem sons mais agudos.


A família dos instrumentos de cordas se dividem em instrumentos de cordas dedilhadas, de cordas friccionadas e de cordas percutidas.


Os instrumentos de cordas dedilhadas são aqueles em que o instrumentista usa os próprios dedos (ou ainda uma palheta) para tanger as cordas do violão, da guitarra, do contrabaixo, entre outros.


Os instrumentos de cordas friccionadas são os que utilizam um arco, com um feixe de filamentos (alguns com crinas de cavalo), para que o som seja produzido, como no violino, violoncelo, viola, entre outros. Porém, como no caso do violino, as cordas também podem ser “beliscadas” (como na técnica do pizzicato).


Os de cordas percutidas são aqueles que misturam a vibração das cordas com a percussão (o choque, o embate entre os corpos). É o caso do piano, no qual uma corda é “atacada” por um martelo, que é “atacado” pela movimentação mecânica da tecla do piano. O som do piano é produzido dessa forma: a tecla aciona um martelo que “bate” na corda e faz com que a mesma vibre e produza o som.


Para alguns autores, as cordas são consideradas o principal grupo de instrumentos dentro de uma orquestra devido à sua expressividade. O violino é a principal “voz” nesse contexto.


Uma curiosidade interessante é que existe um instrumento de corda responsável pela criação dos mais modernos que conhecemos hoje, como é o caso do violão, guitarra, violino e violoncelo. Ele é o alaúde. (https://www.resumoescolar.com.br/artes/instrumentos-de-corda/)


É importante que nossos alunos conheçam esses instrumentos e seus timbres, sua inserção na formação das orquestras, etc. Muitos são próximos deles, como o violão, a guitarra e o violino. É importante que conheçam os sons desses instrumentos.


O violão é um instrumento bastante conhecido por ser um instrumento mais popular e muito presente na música brasileira. Muito utilizado na Bossa-Nova, no Samba e no Choro. Temos muitos exemplos de canções utilizando o violão, de bandas, cantores que são ouvidos cotidianamente.


É sabido que nem todas as escolas possuem esses instrumentos para serem utilizados em sala, mas podemos usar sons gravados dos mesmos para a realização de atividades voltadas para a percepção sonora, para o reconhecimento de timbres, conhecer as características e função de cada um deles, sua história, propiciando uma formação cultural ampla.


Assistir a espetáculos em teatros, concertos, também é importante para a formação de plateia.


Deixo aqui uma sugestão de aula do Portal do Professor (https://bit.ly/2OBmiti), voltada para a Educação Infantil, na qual a professora traça como objetivos:

 

  • Explorar e conhecer as características externas dos instrumentos musicais;
     
  • Perceber de que forma o som é produzido nos diferentes instrumentos;
     
  • Classificar os instrumentos de acordo com o modo de produção sonora: sopro, corda, percussão, eletrônico, etc.

 

Nessa aula, não são tratados apenas os instrumentos de cordas, mas os de todas as famílias (que ainda vamos conhecer em outras oportunidades), onde os alunos experimentam esses instrumentos, e é também sugerida a visita à Conservatórios ou Escolas de Música, com o intuito de os alunos os conhecerem de perto, assim como também é proposta a visita de pais músicos à escola para um “concerto didático”.


Essa aula foi escolhida, pois achei bastante interessante e pertinente trabalhar essas habilidades de escuta, conhecimento e reconhecimento com os menores, através de jogos, brincadeiras e vivência com os instrumentos.


Deixo também um vídeo, que apresenta os principais instrumentos da família das cordas e que pode ser utilizado nas suas aulas com os alunos maiores:

 

 

E aí? Gostaram da nossa dica? Esperamos suas sugestões! wink

Fica a Dica! 

 


 


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 08/10/2018

Fica a Dica - Instrumentos de Sopro

Tags: fica a dica, educação musical, instrumentos de sopro.

 

 

Fica a Dica: Instrumentos de Sopro

 

 

Olá!

Estamos aqui, mais uma vez, trazendo dicas sobre Educação Musical. Começamos, há algumas semanas, falando sobre os instrumentos musicais e suas famílias. Falamos dos instrumentos de percussão, dos instrumentos de cordas e hoje, vamos falar sobre os instrumentos de sopro.


Esses instrumentos, como o próprio nome já diz, tem seus sons produzidos pelo sopro, pela vibração de uma coluna de ar dentro do corpo do instrumento.
 

“Os instrumentos de sopro surgiram quando os homens primitivos sopraram ossos e bambus e descobriram que podiam emitir sons similares ao cantar dos pássaros. Em geral, são formados por um tubo, sendo o som produzido pela passagem de ar em seu interior. Quanto maior e mais largo é o tubo, mais grave é o som que produz. Pertencem a esta família as madeiras, instrumentos originalmente construídos em madeira, e os metais.” (https://bit.ly/2ODXW33)

 

Como todos os outros instrumentos, os maiores emitem sons mais graves; enquanto os menores, sons mais agudos. Eles se dividem em madeiras e metais. Para alguns autores, por considerarem essa uma classificação eurocêntrica, preferem classificá-los baseado apenas no meio produtor de som: embocadura, palhetas simples, duplas e livres, arestas, etc.


Se nos atentarmos à classificação entre madeiras e metais, podemos dizer que os instrumentos de sopro de madeira são assim classificados quando o som é produzido pela vibração direta dos lábios do executante sobre um bocal ou sobre uma palheta simples ou dupla.
 

Os instrumentos de sopro de metais são os que produzem o som pela vibração direta dos lábios do executante sobre um bocal de metal.


Outros autores discordam dessa afirmação e consideram que essa classificação se dá de acordo com a forma como as notas são executadas. Nas madeiras, abrindo e fechando orifícios existentes no corpo do instrumento; enquanto nos metais, os sons saem pela campânula. (https://bit.ly/2q5JW3g).

Apesar de alguns instrumentos serem classificados como sendo do grupo das madeiras (flautas, clarineta, oboé, entre outros), não necessariamente eles são construídos com esse material. Como vimos, não é o material utilizado que vai classificá-lo como um ou outro, mas, sim, a forma pela qual o som é produzido. 


Os instrumentos de sopro de metal apresentam uma sonoridade muito potente. Exemplos: a trompa, o trompete, o trombone e a tuba, que fazem parte de orquestras, assim como de bandas.


O número de instrumentos de sopro é bastante extenso. E, para a sua execução, há muitas técnicas por detrás, como a técnica da surdina (“ao serem encaixadas na campânula do instrumento, criam uma obstrução à saída do ar e, ao absorver algumas frequências, tornam o som abafado” - https://bit.ly/1QrGqYb) e a respiração circular (“Uma das técnicas mais difíceis de dominar. O músico armazena na boca e libera lentamente o ar, sem interromper o sopro, ao mesmo tempo que inspira pelo nariz”. - https://bit.ly/1QrGqYb). Existem outras técnicas, mas aqui citei apenas essas duas.

 

A embocadura (“Uso dos músculos faciais e dos lábios contra uma boquilha ou bocal de um instrumento de sopro. A embocadura apropriada permite ao instrumentista tocar o instrumento na sua completa extensão, a manter o som limpo e a evitar possíveis danos aos seus próprios músculos” - https://bit.ly/2CXAtn2), o controle do sopro, a intensidade são aspectos trabalhados ao se estudar a execução desses instrumentos.


Temos muitos exemplos de instrumentos de sopro. Nossos alunos, inclusive, conhecem muitos deles, como a flauta doce, a flauta transversa, o saxofone, o trombone, a gaita, e muitos outros.
 

A flauta doce é muito utilizada em algumas escolas, pois é um instrumento funcional na musicalização de crianças e adolescentes e também por ser um instrumento de maior facilidade de aquisição, fácil de ser transportado, implicando, assim, na sua utilização na iniciação musical.

 

“Por ser um instrumento de sopro e de emissão simples, funciona como a extensão da própria voz. Até um bebê, se bem estimulado, pode tirar som da flauta doce. Já nas primeiras lições, a criança obtém um resultado imediato, conseguindo tocar pequenas músicas com duas ou três notas. Tocando e cantando as canções do repertório, o aluno vai ajustando a afinação, trabalhando a respiração, vivenciando o fraseado musical e desenvolvendo a percepção auditiva.” (https://bit.ly/2Cu1SvI)

 

A flauta doce é assim chamada por causa do seu som suave e aveludado. Apresenta-se de variados tamanhos e, consequentemente, com extensões de altura variadas.

 

“A flauta doce mais conhecida é a flauta soprano, que tem uma sonoridade aguda. Na verdade, pertence a uma família que conta ainda com as flautas contralto, tenor e baixo, maiores e de som mais grave. É o quarteto de flautas-doce, com formação semelhante à família das cordas: violino, viola, violoncelo e contrabaixo.” (https://bit.ly/2Cu1SvI)

 

Enfocando na utilização da flauta doce, deixo aqui, como sugestão, uma aula do Portal do Professor do MEC que inclui atividades com a flauta e execução de percussão com copos (https://bit.ly/2PQxtff)

De acordo com os autores, com essa aula, os alunos serão capazes de: 

1) Desenvolver a percepção rítmica através da percussão com copos de plástico;
2) Desenvolver a percepção melódica através da prática instrumental com a flauta-doce;
3) Desenvolver habilidades para tocar a flauta-doce e os copos de plástico;
4) Tocar as notas musicais SOL-LÁ-SI-DÓ-RÉ na flauta-doce através da execução da música “When the saints go marching in” e dos exercícios propostos;
5) Executar arranjo para flauta-doce e percussão com copos de plástico.

 

A utilização dos copos nesses arranjos musicais traz também à tona a questão da reutilização e o aproveitamento de materiais como objetos de produção sonora em locais onde não há instrumentos musicais disponíveis.


Os autores trazem também nessa aula, além da partitura tradicional, uma partitura adaptada, com recursos gráficos idealizados por eles, para alunos que ainda não leem as notas na pauta tradicional de cinco linhas (pentagrama).


Acredito que essa aula seja bastante pertinente e pode ser uma grande aliada em trabalhos musicais, tanto da flauta doce quanto da percussão.

Além disso, você poderá trabalhar a percepção sonora, a leitura de partituras, o tocar em conjunto, a concentração. O trabalho prático com instrumentos ou vocal propicia esses aspectos.


Deixo aqui, também, um vídeo demonstrativo de alguns instrumentos de sopro para ilustrar esse relato:

 

 

E aí, gostaram da nossa dica da semana? Estamos sempre aguardando sugestões. Escreva pra gente!! smiley

 

Fica a Dica!! 

 



 


   
           



Yammer Share