A A A C
email
Blog destinado a grandes especialistas da Educação. Você também pode participar. Veja como.Todos os posts escritos por Erika Augusto Camacho
Retornando 24 resultados para o autor 'Erika Augusto Camacho'

Segunda-feira, 16/07/2018

Fica a Dica: Trilha Sonora

Tags: dicas, trilha sonora, educação musical.

 

Fica a Dica: Trilha Sonora

 

 

Olá! Estamos aqui com o “Fica a Dica” em mais uma semana!! smiley

Hoje vamos falar sobre trilha sonora. Todas as vezes que estamos assistindo ao nosso seriado favorito, filme, novela, etc., estamos sempre percebendo que essas produções envolvem sons. Sons esses que criam um clima de acordo com a cena que está sendo representada.

Uma determinada música pode representar uma cena de suspense, canções mais "suaves" retratam climas românticos, músicas “animadas” propiciam outras passagens. A música, como já dito em publicações anteriores, está ao nosso redor. E, hoje, focaremos onde ela é imprescindível: nas produções televisivas, teatrais, cinematográficas, de games, entre outras.

Trabalhar com a percepção ou criação dessas “trilhas” em sala é sempre um trabalho prazeroso e que desperta emoções. São atividades que envolvem a sensibilidade, nas quais os alunos podem refletir e colocar sua carga emocional nas cenas criadas/imaginadas.

Podemos explorar, assim, a criatividade, a sensibilidade, a percepção, a composição, entre outros.

De acordo com o Dicionário Informal, Trilha Sonora significa “em inglês: soundtrack, uma narrativa em som de filme, novela e seriados”. (https://www.dicionarioinformal.com.br/trilha+sonora/

A trilha sonora acompanha e reforça a mensagem que está sendo passada através de determinadas imagens. Além de novelas, séries, filmes, as trilhas sonoras também estão presentes em jogos de videogames, tão consumidos por nossos alunos. É parte essencial dessas produções, onde intensificam cada momento particular representado.

Podemos trabalhar a percepção dessas canções, que ilustram determinadas cenas.

 

Como sugestões de atividades:

• Que tal se os alunos ouvissem essas canções e produzissem desenhos ou histórias que retratassem tais momentos? Ele pode, ao ouvir as canções selecionadas, imaginar e criar cenas que se encaixem com determinados trechos da música, intensificando, suavizando, reforçando ideias, criando “ambientes”, de acordo com a sua percepção;

• A utilização de determinados instrumentos nas músicas também é um grande fator a ser percebido e levado em consideração, pois cada um deles retrata determinada emoção, para cada cena que está sendo representada;

• Podemos selecionar algumas trilhas sonoras de filmes conhecidos e pedir aos alunos que associem sentimentos e emoções retratados naquele momento, naquela cena;

• Além desta atividade, podemos explorar também o corpo como forma de representação de canções selecionadas, imaginando e criando pequenas produções cênicas, explorando, mais uma vez, a imaginação;

• E, se possível, podemos sugerir que os mesmos criem/produzam trilhas sonoras curtas para cenas/histórias previamente selecionadas ou ainda criadas por eles próprios.

São muitas as possibilidades de atividades com este conteúdo, além da contextualização inicial do tema em si.

As atividades precisam ser ajustadas para cada nível de ensino. Podemos trabalhar este conteúdo com alunos menores até os maiores dos anos finais do ensino fundamental.

Vale ressaltar que, apesar de algumas padronizações - sons graves e intensos para retratar cenas de suspense, sons suaves para climas amenos, entre outros -, devemos considerar que cada sujeito é um sujeito e que isto vai refletir sobre cada um em sua percepção particular.

Os diferentes sujeitos envolvidos terão diferentes respostas para cada estímulo. De qualquer forma, a percepção e a criatividade serão exploradas, além das emoções envolvidas no trabalho.

Temos muitas trilhas sonoras de filmes/jogos/novelas bastante conhecidas. Ao ouvir, conseguimos associar a música a algum registro anterior porque faz-nos remeter a uma memória afetiva, que determinado momento possa ter criado.

O trabalho de percepção do som, associado às nossas emoções, é sempre relevante para que nossa compreensão musical e artística seja ampliada.

Como ilustração da dica da semana, deixo aqui, como exemplo, uma das músicas da trilha sonora de “Sim City” – série de jogos de simulação na qual o jogador constrói e administra uma cidade (https://pt.wikipedia.org/wiki/SimCity):

 

 

Fica a Dica!! 

E aí, gostou da dica da semana?! Sugira, escreva pra gente!! Aguardamos suas sugestões!! wink

 


 


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 02/07/2018

Fica a Dica: É época de Copa! Atividades com o Hino Nacional Brasileiro

Tags: copa do mundo, dicas, hino nacional brasileiro.

 

Fica a Dica:

É época de Copa! Atividades com o Hino Nacional Brasileiro

 

 

Estamos ainda em época de Copa do Mundo. Acho que nossos alunos já devem ter se perguntado sobre todos aqueles hinos cantados no início de cada jogo. São 32 seleções disputando até chegar à final.

Nesse período, podemos aproveitar e fazer várias atividades com o Hino Nacional. Que tal aproveitarmos pra trabalhar o nosso?

Podemos explorar com eles todas aquelas palavras um pouco desconhecidas do nosso vocabulário cotidiano. Fazê-los compreender e ter orgulho de ser brasileiro, despertar o civismo e a cidadania

Hoje, então, trago aqui no “Fica a Dica” sugestão de atividade com o Hino Nacional. Antes de começar o trabalho musical propriamente dito, podemos começar por trabalhar o significado dessas palavras.

Aquilo em que detemos mais conhecimento, sempre desperta a vontade de fazer o melhor. Nossos alunos precisam saber sobre esses significados e se sentir reconhecidos e estimulados ao cantar o hino corretamente.

Sugiro, então, a atividade da professora Elaine Cristine Gonzaga, aula retirada do portal do MEC e consultada em 28/06/2018 (https://bit.ly/2lCEG4S).

Nesta aula, a professora sugere o trabalho de exploração dos significados da letra do Hino Nacional, a reflexão acerca do sentido da letra, o reconhecimento dos contextos sociais nos quais o mesmo é utilizado e, finalmente, o cantar do hino.

É uma sugestão de aula que mescla atividades de música com atividades de língua portuguesa, ampliação do vocabulário e produção de trabalhos para serem expostos na sala e compartilhado com os colegas.

 

Roteiro da aula sugerido pela professora Elaine Cristine:

 

Atividade 1- Ouvindo o Hino Nacional Brasileiro

• Inicie a aula conversando com os alunos sobre o Hino Nacional Brasileiro. Pergunte: Vocês conhecem o hino nacional? Vocês sabem cantar o hino nacional? Vocês entendem o hino? Em quais situações é tocado o hino? Peça aos alunos que façam uma pesquisa sobre a origem do hino para a próxima aula;

• Apresente aos alunos o Hino Nacional, distribua a letra para os mesmos e toque-o novamente, para que eles acompanhem a letra.

 

Atividade 2 – Mural com as pesquisas sobre o hino

• Organize a sala em círculo para discussão sobre as pesquisas trazidas pelos alunos. É importante que os alunos falem o resultado da pesquisa. O que eles aprenderam? Por que a linguagem é formal? Quando foi escrito o hino?

• Monte um mural e afixe as pesquisas. Sugira aos alunos que façam a leitura das pesquisas dos colegas.

 

Atividade 3- Dicionário: Procurando o significado das palavras desconhecidas

• Organize a sala em duplas. Antes de iniciar o trabalho com o dicionário, explique o significado das palavras “Ipiranga” (Rio onde às margens D. Pedro I proclamou a Independência do Brasil) e Cruzeiro (Constelação do Cruzeiro do Sul), depois realize as seguintes etapas:

• Peça aos alunos que circulem as palavras que eles não conhecem e que estão presentes no Hino Nacional;

• Finalizada esta etapa, vá ao quadro/lousa e escreva as palavras circuladas pelos alunos. Peça a eles que escrevam as palavras no caderno e depois as organize em ordem alfabética, pois facilitará o encontro das palavras no dicionário;

• Avalie com seus alunos o significado do uso do dicionário. Vocês já utilizaram o dicionário? Quando o utilizamos? Como está organizado o dicionário? No final da conversa, a turma deve concluir que o dicionário possui o significado das palavras e que as mesmas estão dispostas em ordem alfabética;

• Entregue um dicionário para cada dupla e oriente-os a procurarem as palavras circuladas. Explique que as palavras encontradas no dicionário são chamadas de sinônimos (de acordo com o dicionário Aurélio a definição de sinônimo é: Diz-se de, ou palavra que tem a mesma ou quase a mesma significação de outra).

 

Atividade 4 – Vocabulário

• Registre os sinônimos no quadro/lousa e faça a leitura dos trechos do Hino junto aos alunos com os vários significados encontrados. Escolham o melhor sinônimo para o contexto;

• Encontrados os significados das palavras, explique a eles o significado e a importância do vocabulário. Nele encontramos um conjunto de palavras desconhecidas sobre determinado texto;

• Novamente no quadro/lousa, monte o vocabulário com a turma, inicie a escrita das primeiras palavras para maior compreensão dos alunos.

 

Atividade 5 – Ilustrando o Hino Nacional

• Estimule a compreensão das estrofes do Hino. Para isso, promova uma exploração oral de cada trecho: Vocês entenderam a estrofe? Ficou mais fácil compreender depois de trabalharmos o sentido de algumas palavras?

• Distribua trechos da letra do Hino Nacional para que os alunos ilustrem o que entenderam. Dica: Faça as cópias em folha A3 e deixe um espaço abaixo para ilustração;

• Finalizado o trabalho, fixe as ilustrações no mural da sala para que os alunos apreciem;

• Peça aos alunos que cantem o Hino Nacional, acompanhando a letra que foi entregue anteriormente.


Trabalhadas essas etapas, podemos focar no canto do Hino, nas nuances de interpretação, nos significados trabalhados anteriormente. Podemos salientar a importância do canto coletivo, a afinação, o trabalho em conjunto, tal qual uma seleção realiza na Copa, onde o coletivo é mais importante do que o individualismo. Nessa atividade, podemos trabalhar diversos valores.

 

Para ilustrar o que hoje falamos, deixo esse vídeo para refletirmos o quanto é importante para a criança ter conhecimento daquilo que ela está querendo representar. E a sensação de pertencimento vem combinada nesses momentos!

 

Acesse vivo.com.br/cantejunto

 

Fica a dica!!! 

Gostou da dica da semana? Escreva pra gente, sugira! Estamos esperando a sua sugestão!! smiley

 

 

 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 20/06/2018

Fica a Dica: Atividades com Paródias

Tags: paródia, educação musical, dicas.

 

Atividades com Paródias

 

 

Olá! Hoje vamos falar das paródias.

A paródia “é uma releitura cômica de alguma composição literária, que frequentemente utiliza ironia e deboche. Ela geralmente é parecida com a obra original, e quase sempre tem sentidos diferentes. Surge a partir de uma nova interpretação, da recriação de uma obra já existente e, em geral, consagrada” (https://pt.wikipedia.org/wiki/Paródia).

Não somente na música que ela pode ser utilizada, mas também na poesia, nas artes plásticas, teatro, entre outras. Vamos enfocar aqui as paródias musicais, pois se trata do objeto desta coluna.

Os alunos sempre se interessam em realizar esse tipo de atividade, que explora a criatividade e ainda estimula a capacidade de produção textual. Além disso, podemos trabalhar, nessas composições, o conceito de prosódia - Conjunto de características que acompanham os sons, como acentuação, duração e entonação (Disponível em: <https://dicionariocriativo.com.br/significado/pros%C3%B3dia>. Acesso em: 18/06/2018).

Não só nas atividades de educação musical vemos a utilização de paródias. Atualmente, temos muitos professores, de diversas áreas do conhecimento, utilizando paródias em suas aulas para trabalhar conceitos matemáticos, regras gramaticais, fórmulas químicas, físicas, entre outras.

Essas práticas, inclusive, vem ganhando bastante notoriedade. Volta e meia vemos na televisão, nas redes sociais, reportagens alusivas a essas ações.

A paródia baseia-se na escolha de uma canção e um tema a ser desenvolvido. A canção escolhida deverá ser bastante conhecida e de fácil assimilação, para que a aprendizagem da música seja facilitada.

Na atividade em si, para trabalharmos em sala, primeiramente, precisamos contextualizar o tema escolhido, suas características, peculiaridades, para que os alunos tenham ferramentas para aplicar na paródia a ser feita.

O tema a ser explorado na música precisa estar claro na letra da canção, respeitando a prosódia musical, ou seja, como relatado anteriormente, adequando as acentuações das palavras à métrica. É também interessante pedir aos alunos que fiquem atentos às rimas e ao desenrolar dos fatos que quer expor na letra da canção.

Essas atividades, feitas em grupos, geram discussões coletivas que enriquecem a reflexão sobre o tema abordado, a valorização da música como fator de aprendizagem na compreensão/reflexão e a análise crítica do meio em que vive.

Apesar da paródia, geralmente, ter um apelo “jocoso” em si, não necessariamente precisamos inserir uma letra que condiz com isso. Como falado anteriormente, podemos simplesmente escolher um tema diferente do que realmente está na canção para trabalhar outras propostas e conceitos.

Apesar da utilização de músicas conhecidas e com seus direitos autorais reservados, esse gênero é respaldado no uso pela lei 9.610/98, que diz o seguinte: “Segundo a lei brasileira sobre direitos autorais (Lei 9.610/98 Art. 47), são livres as paráfrases e paródias que não forem verdadeiras reproduções da obra originária nem lhe implicarem descrédito” (Consultado em: https://www.infoescola.com/generos-literarios/parodia/ e http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/l9610.htm).

Vale muito a pena trabalhar com essas criações em sala. Explore a criatividade ao máximo com seus alunos! 

No Youtube, canal muito acessado por eles, temos muitos exemplos de paródias. É uma abordagem que não está distante das crianças e dos adolescentes. É uma realidade próxima do contexto em que eles, atualmente, se inserem e sempre será uma atividade muito divertida de se fazer e, depois, de apresentar para o restante da turma.

Vale a reflexão, vale o incentivo, vale a discussão sobre infinitos temas nas nossas aulas! Inclusive, em tempos de Copa do Mundo, é uma ferramenta que pode ser experimentada e utilizada para o aprendizado de variados conteúdos, envolvendo, inclusive, diferentes disciplinas. wink

 

Gostou da nossa dica da semana? Escreva pra gente! Estamos aguardando suas sugestões!!! smiley

Fica a Dica! 

 

 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 13/06/2018

Fica a Dica: o trabalho de percepção sonora

Tags: percepção, sons, ambiente sonoro.

 

Fica a Dica: o trabalho de percepção sonora

 

 

 

Olá!

Estamos aqui, mais uma semana, falando sobre atividades em Educação Musical!

Hoje, escolhi falar sobre o trabalho de percepção do som. Este exercício propicia ampliar o conhecimento musical do aluno e sua percepção dos sons ao seu redor, além, é claro, da percepção musical propriamente dita.

A percepção do ambiente sonoro, próximo ou distante, desenvolve a capacidade de entendimento dos elementos da música. Crianças estimuladas auditivamente tendem a criar impactos positivos na capacidade de um indivíduo de conhecer a música. (Segundo RCNEI – Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - BRASIL, 1998).

Em sala de aula, ressalto aqui uma atividade simples e muito interessante que podemos fazer para explorar/observar esses sons que nos rodeiam.

Podemos pedir aos alunos, inicialmente, que fechem os olhos e “abram” os ouvidos e, assim, eles conseguem perceber o menor dos sons que os cercam.

Faça isso ressaltando que eles observem os sons que os rodeiam dentro da sala de aula, depois na escola como um todo (fora da sala), e depois, ainda, uma observação dos sons que rotineiramente ocorrem em suas casas, mas nunca percebidos com tanta atenção. Vale também pedir que eles façam, em casa, uma observação e relato desses sons. 

Essa atividade faz com que os alunos comecem a prestar atenção nos menores sons/ruídos possíveis e conseguem, assim, “abrir” seus ouvidos e prestar atenção no mundo que os cerca. Aquilo que sempre é tão normal e pouco percebido no dia-a-dia, acaba sendo mais um elemento para observação, revelando significados nunca antes explorados.

Ao abordar esses elementos, acabamos por trabalhar, também, as propriedades dos sons: altura, duração, intensidade e timbre, que são parâmetros de classificação.

Altura se refere ao que é grave, médio ou agudo (e não ao que é “alto” ou “baixo”, pois isto trata-se de “volume”); intensidade refere-se ao som forte ou fraco, a intensidade na qual o som é produzido; duração do som refere-se a sons longos e curtos, o tempo que o som “dura” em nossos ouvidos num determinado período de tempo, representados pelas figuras musicais de som/silêncio; timbre refere-se à característica peculiar de cada som.

A voz humana possui timbres diferentes entre si, assim como, os instrumentos musicais. Mesmo de longe, ao ouvir determinado som, conseguimos identificar de qual fonte sonora o mesmo está sendo produzido. Essa classificação se dá graças ao timbre.

Esses parâmetros podem ser trabalhados de diversas maneiras: podemos fazer relações associando um som grave ao som de um carro, por exemplo, e comparando-o com o cantar de um pássaro, que denota um som mais agudo. Fazendo uma comparação entre um e outro, podemos chegar a algumas conclusões e exemplificar isso em sala.

Podemos, também, demonstrar esses parâmetros com instrumentos musicais simples, fazer jogos musicais relacionando sons graves/agudos numa brincadeira de morto x vivo. Uma dica é explorar a intensidade dos sons também com instrumentos simples da bandinha, pedindo para que os próprios alunos realizem essas ações, assim como, ao ouvir músicas explorar as  "nuances" e acompanhar com gestos corporais, ou grafando essas "nuances" com grafias alternativas de registro musical, ressaltando, ainda, as mudanças que ocorrerem na duração, na altura, na intensidade. 

Futuramente, esse ouvido mais apurado será uma grande ferramenta na prática musical em si, pois somos capaz de executar melhor, se soubermos escutar com atenção. . 

Portanto, o trabalho de ampliação da percepção sonora é importante para a execução musical. Fazer uma apreciação atenta dos sons da natureza, dos sons do ambiente próximo e distante, do som musical propriamente dito, só corrobora para a melhora da prática em si.

 

Essa é a nossa dica da semana! Gostou? Esperamos sua sugestão! smiley

Fica a Dica! 

 


   
           



Yammer Share