A A A C
email
Blog destinado a grandes especialistas da Educação. Você também pode participar. Veja como.Todos os posts escritos por Erika Augusto Camacho
Retornando 24 resultados para o autor 'Erika Augusto Camacho'

Quarta-feira, 09/05/2018

Fica a Dica: Brincadeiras Cantadas

 

 

 

 

Olá, galera! Tudo bem? smiley

Estou aqui mais uma vez e hoje vamos falar sobre as brincadeiras cantadas.

Desde pequenos estamos inseridos nesse universo, ouvindo nossos avós e pais cantando, transmitindo de geração em geração essas canções.

Essas músicas são transmitidas oralmente fazendo parte da cultura local de cada povo. Podemos observar modificação nas letras das mesmas dependendo do local no qual elas estão inseridas, ao contexto cultural e à época em que ela é executada.

Brincamos cantando, aprendemos os números cantando, as cores, entre outros, usando sempre o nosso corpo e voz nessas expressões.

As brincadeiras cantadas são carregadas, inclusive, de muitos significados afetivos. Quando ingressamos na escola, elas continuam nos acompanhando e não podíamos fazer diferente com nossos alunos.

Eles podem aprender muitas coisas apoiados nessas canções, de forma lúdica, deixando o caráter afetivo aflorar, pois as brincadeiras auxiliam na formação cognitiva e emocional da criança.

Geralmente, são músicas fáceis de cantar e assimilar, muitas trabalham com padrões de repetição que auxiliam na memorização. Outras trabalham a questão da concentração, além, é claro, de conteúdos importantes que são transmitidos através das mesmas.

Não podemos encarar as brincadeiras cantadas apenas como recreação e passatempo, mas sim como atividades capazes de trabalhar a coordenação motora, o equilíbrio, a expressão corporal, o desenvolvimento da expressão oral, o aspecto afetivo/emocional e o cognitivo.

Temos muitos modelos de canções que podemos utilizar em sala de aula. Um bom exemplo que pode ser utilizado é o trabalho da cantora/compositora e educadora musical Bia Bedran.

Deixo aqui duas canções que podemos utilizar com os alunos dentre as muitas que nós temos:

 

Sugestão de atividade:

 

"De abóbora faz melão"


De abóbora faz melão
De melão faz melancia (bis)
Faz doce, Sinhá, faz doce, Sinhá
Faz doce, Sinhá Maria (bis)


Quem quiser aprender a dançar
Vai na casa do Juquinha (bis)
Ele pula, ele roda,
Ele faz requebradinha (bis)

 

Como brincar:

As crianças dão as mãos numa roda e giram no sentido horário cantando. No verso “Faz doce, Sinhá, faz doce, Sinhá”, as crianças imitam uma pessoa mexendo com uma colher em uma panela. Depois, dão as mãos e voltam a girar até o verso “Ele pula, ele roda”. Nesse momento, elas fazem o que a letra da música manda: pulam, giram no próprio lugar e requebram com as mãos na cintura.
Fonte: http://vivasustentavel.eco.br/sugestoes-de-brincadeiras-cantadas-para-ensinar-as-criancas/

 

 

Segue mais um vídeo para ilustração do tema:

 

 

Essa é a nossa dica da semana. Quer outros temas? Sugira! Estamos aguardando vocês para essa troca! wink

 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 02/05/2018

Fica a Dica: Atividades com o Corpo e a Percussão Corporal

Tags: dicas percussão corpo.

 

 

Na semana passada, falamos sobre as atividades relacionadas ao uso da voz, quando utilizamos o que temos no nosso próprio corpo para “fazer música”. Hoje vamos continuar falando de atividades com o nosso corpo, como a percussão corporal, a prática rítmica, explorando a sensibilidade, no “sentir a música”.

Dentro de muitas possibilidades para essas criações, podemos fazer atividades com o nosso caminhar, com palmas, estalos, batendo os pés, batendo as mãos em diferentes regiões do corpo, adequando-as a diversas situações. Com o tempo, podemos modificar, ampliar e dificultar esses exercícios.

Essas atividades também propiciam a prática em grupo, no qual cada um depende do outro para realizar determinadas propostas e, assim, possibilitar o trabalho relacionado à concentração.

Podemos, também, criar padrões rítmicos para usar nessas atividades, mas lembrando sempre de adequar essas práticas às faixas etárias e respeitando as peculiaridades do público a que estamos atendendo.

Nos exercícios de percussão corporal realizamos a exploração dos sons, a consequente internalização do ritmo, a melhora na coordenação motora, o desenvolvimento da lateralidade, entre outros. São muitos os benefícios que as atividades corporais podem nos proporcionar.

Há na literatura métodos de educação musical cujo foco é o nosso corpo, na internalização rítmica, na produção de sons, com atividades em conjunto, entre outras, que nos tornam sensíveis à apreciação das práticas musicais.

Dentre os métodos que focam no nosso corpo como meio para um aprendizado ativo da música, podemos citar aqui o método Dalcroze, cujo autor defendia que o aprendizado musical deveria passar pela experiência corporal:
 

 

“O princípio básico do processo de educação musical de Dalcroze é sentir, viver, analisar e intelectualizar, tomando como ponto de partida a relação entre movimentação corporal e ritmo. Dessa forma, em seu método, a prática musical antecede ao aprendizado da teoria, da mesma forma como uma criança aprende a língua materna: primeiro a fala e depois seus símbolos.”

(REVISTA ESPACO INTERMEDIÁRIO, Sao Paulo, v.I, n.I, p. 78-89, maio, 2010. Consultado em 30/04/2018)
 

 

Temos grupos que trabalham também dentro dessa proposta do emprego do corpo na produção de sons, que utilizam a percussão corporal, como o “Barbatuques”.

O grupo, inclusive, possui um trabalho que alia a percussão corporal à músicas folclóricas do nosso cancioneiro popular. São músicas de fácil assimilação e aceitação entre os nossos alunos, principalmente os pequenos.

Eles sempre gostam de explorar o corpo (quaisquer que sejam as formas, sentados, de pé, utilizando apenas uma parte do mesmo ou a sua totalidade, se possível) tornando-o meio de produção de variados sons.

Deixo aqui um exemplo da performance do grupo “Barbatuques”, com a percussão corporal aliada ao canto, utilizando a música “Samba Lelê”, bastante conhecida: 

 

 

Acredito que a exploração do corpo, como forma de produção sonora através da experimentação, pode ser um caminho bastante favorável para o desenvolvimento musical, além de trabalhar a consciência corporal e nos revelando, também, um meio de muitas possibilidades criativas.


Essa é a dica da semana. Aguardo sugestões! Até a próxima! wink

 


 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 25/04/2018

Fica a dica: Atividades com a Voz

Tags: dicas educação musical voz.

 

Atividades com a Voz

 

 

Olá, pessoal!


Anualmente, no dia 16 de abril, comemora-se o "Dia Mundial da Voz". Hoje trago pra vocês um pequeno texto de reflexão e sugestão sobre atividades que podemos fazer relacionadas ao uso da voz. Vale ressaltar que temos na Educopedia aula específica sobre a “Voz Cantada” (na aba "6º ano", ficheiro de "Educação Musical"), mas nada impede que essas aulas sejam adaptadas para a faixa etária que quisermos. Trabalhar com a voz e o canto coletivo é sempre bastante enriquecedor.

Na aula citada são tratados os tipos de voz que cada um de nós possuímos, como funciona o nosso aparelho fonador (com exemplos em vídeos sobre o funcionamento das nossas cordas vocais). Além, é claro, de sugestões de atividades a serem realizadas com nossos alunos.

Toda vez que fazemos atividades para cantar nas escolas, nossos alunos ficam bastante empolgados com esses momentos de “soltar a voz”. Com isso, tudo pode virar uma grande brincadeira, pois nosso corpo é o nosso primeiro instrumento e podemos explorá-lo de maneira saudável e proveitosa.

 

Através de jogos e brincadeiras, podemos vencer a timidez e trabalhar exercícios para a voz, lembrando sempre que o que importa, aqui, não é só o resultado final, mas todo o rico processo que acontece no desenvolvimento dessas atividades. Os exercícios vocais são benéficos para a nossa voz não apenas para cantar, mas também quando a utilizamos para falar e nos comunicar. Nesses exercícios, tudo pode ser trabalhado: dicção, volume, expressão, intensidade, entre outros.

O repertório escolhido também pode ser bastante variado, alcançando públicos diferenciados e contemplando, também, seus interesses. O importante é que esse repertório esteja compatível com a proposta da escola, com o projeto político-pedagógico e com as atividades planejadas pelo professor.

Como falado anteriormente, essas atividades podem ser adaptadas para vários segmentos, desde os pequenos até os adultos. Soltar o corpo, a voz, se expressar com mais segurança, trabalhar a timidez, a expressão artística, a criatividade e o cuidado com o próprio corpo, trará muitos benefícios para nossos alunos. Os mesmos tornar-se-ão mais confiantes nas áreas afetiva, emocional, de interrelação pessoal, inserção social e cooperação.

Ainda nesse sentido, muitos conteúdos podem ser trabalhados abordando a prática do canto coletivo, como a percepção e identificação dos elementos da linguagem musical, a apreciação, o respeito pela diversidade cultural, os movimentos musicais, entre outros. Contemplando, ainda, a interdisciplinaridade, pois a música pode ser uma aliada para muitas histórias de sucesso!
 

 

Espero que tenham curtido a dica da semana! Aguardamos sugestões! smiley

Até a próxima!

 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 18/04/2018

Fica a dica: Falando sobre Música

Tags: dicas, educação, música.

 

Dicas de Música com Erika Augusto Camacho

 

 

 

Olá, pessoal! Tudo bem?

Eu sou a Erika, licenciada em Música pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, tenho Mestrado em Música também pela UFRJ.

Faço parte da rede municipal do Rio desde 2006. Já atuei em todos os segmentos, desde a Educação Infantil até a Educação de Jovens e Adultos. Participei da Orquestra de Vozes Meninos do Rio, de vários Festivais da Canção (FECEM) e de diversos projetos da rede.

Esses projetos abarcam muitos significados para os alunos e, através deles, os mesmos conseguem alcançar conceitos trabalhados durante as aulas. Além dos conceitos, a música perpassa por outros valores, como a interação, o trabalho em equipe, a disciplina, a busca pelo senso estético, assim como a apreciação artística e cultural.

Atualmente, atuo na Gerência de Inovação e Tecnologia Educacional (GITE), na Secretaria Municipal de Educação.

Procurarei trazer dicas diversificadas, que poderão passar pelas aulas da Educopédia, por textos de reflexão, por curiosidades, entre outros. A cada semana estarei por aqui, para compartilhar essas experiências e também para continuar caminhando junto nessa busca pelo aprendizado.

 

Até lá! 

 

Conto com sua participação, professor(a). Mande também suas dicas e sugestões.

Sinta-se à vontade!

 


   
           



Yammer Share