A A A C
email
Blog destinado a grandes especialistas da Educação. Você também pode participar. Veja como.
Retornando 1 resultado para o mês de 'Dezembro de 2016'

Quarta-feira, 28/12/2016

O Cinema visita a aula de Matemática

Tags: matemática, cinema.

 

 

As aulas de Matemática, em grande parte das escolas, tem um caráter mais formal, ou seja, os professores não arriscam muito em inovações. A técnica é bem parecida: exposição do conteúdo, listas de exercícios e provas. A questão é como unir a Matemática e o cinema? Temos alguns filmes famosos como por exemplo: Uma mente brilhante (2001), Gênio Indomável (1997), O jogo da imitação (2014) e Rain Man (1988), este último com ênfase no autismo e também o inesquecível desenho da Disney Donald no País da Matemágica. Outros filmes não biográficos tais como Matrix, Tron, Jurassic Park e outros em que a Matemática existente não está tão evidente, mas pode ser extraída mediante uma análise mais aprofundada. No entanto, a questão principal é verificar se eles se enquadram em nossa proposta didática.

Para poder escolher filmes adequados à proposta tem que se ter em foco quais as utilidades do filme. Conforme Cortês (2010, p.69) “[...] o critério essencial da escolha deste ou daquele filme é pautado pelas finalidades pedagógicas que balizam a organização de seu plano de ensino [...]”. No caso específico das aulas de Matemática nossos estudos indicam que os filmes podem ter um caráter contextualizador, servindo para introduzir ou desenvolver o conteúdo, apresentar um problema matemático em sua trama que necessite de conhecimentos específicos para sua resolução (que nesse caso teria ligação com o conteúdo em desenvolvimento) ou instigassem a curiosidade para fatos matemáticos e também podem ser úteis para uma revisão da matéria. Uma ajuda valiosa é encontrada em NAPOLITANO (2005, p.19): 

Algumas perguntas básicas ajudam a orientar a escolha e a abordagem dos filmes: a) Qual o objetivo didático-pedagógico geral da atividade? b) Qual o objetivo didático-pedagógico específico do filme? c) O filme é adequado a faixa etária e escolar do público-alvo? d) O filme pode e deve ser exibido na integra ou a atividade se desenvolverá em torno de algumas cenas? e) O público-alvo já assistiu a algum filme semelhante?

Para ilustrar as ideias e inspirar novas aplicações trazemos na sequência alguns exemplos que presenciamos durante a nossa pesquisa de mestrado desenvolvida junto ao grupo de professores em formação. 

 

Na prática

Estes estudantes tiveram que produzir propostas de aula com a utilização de filmes de ficção associados à resolução de problemas. Para embasar esse inicio foram realizadas duas palestras sobre o uso do cinema em sala de aula e resolução de problemas e cinco oficinas nas quais foram exibidos os filmes Matrix (1999), O Cubo (1997) e um episódio da série Numb3rs. Os licenciandos foram organizados em grupos, e então elaboraram suas propostas didáticas de utilização de filmes de ficção associados à Resolução de Problemas Matemáticos (Silva, 2014) . Os filmes escolhidos pelos futuros professores foram: “A corrente do bem” (2000), “Casino Royale” (2006), “A Fantástica Fábrica de Chocolate” (2005) e dois episódios da série Numb3rs. 

 

Sugestões para futuros projetos

Com o intuito de inspirar a criação de outras aulas deixamos algumas sugestões. Na relação abaixo, algumas exemplos de filmes que podem ser utilizados com exibição completa ou apenas um trecho que ilustre o que queremos, e algumas possíveis aplicações ao plano de aula. 

Filmes de ficção-científica: Star Wars (1977, 1980, 1983, 1999, 2002, 2005 e 2015), Star trek (2009,2013), Eu robô (2004). Discussão dos conceitos envolvidos no filme, problemas envolvendo conceitos de física, comparações com a realidade e também como tema de pesquisa em relação aos avanços da ciência. 

Filmes de ficção-fantástica: 2012 Terremoto: A Falha de San Andreas (2015), Everest (2015). Trabalhar com dados estatísticos, gráficos, probabilidades, uso do computador (planilhas eletrônicas). Filme como contextualizador. 

Filmes épicos: Êxodo: Deuses e Reis (2014), Gladiador (2000), Alexandria (2009). Conceitos de geometria, história da Matemática, traçar linha do tempo para fazer um paralelo do que estava ocorrendo no mundo nesse período, pesquisa sobre a construção dos efeitos do filme. 

Filmes relativos a esportes: Invictus (2009), O Homem que Mudou o Jogo (2012), Rush - No Limite da Emoção (2013). Probabilidades, gráficos (construção, leitura e análise), tabelas. Pesquisa sobre a Matemática envolvida nos esportes, quais e como são feitos os cálculos realizados nos esportes retratados nas produções. 

Filmes de ação: Velozes e furiosos (vários filmes, 2003), Missão impossível (vários filmes, 1996), Corações de ferro (2014). Explorar o uso de tabela, gráficos, comparações entre veículos (velocidade, dimensões, conversões de unidades), pesquisa sobre o uso do GPS, baseado nos países visitados nos filmes e com ajuda de programas como Google Earth, ângulos de lançamento de projéteis, estudo da balística. 

 

Algumas considerações (não finais)

A lista acima não esgota as possibilidades, novas produções surgem a todo o momento, devemos continuar assistindo e verificando quais são passiveis de serem utilizadas na escola. Dessa maneira podemos construir um catálogo com as obras que iremos utilizar. Outro cuidado importante é a dosagem, não devemos incluir mais que um filme completo por ano para que a atividade não se torne repetitiva.

Algumas mudanças precisam de tempo para ocorrer, tanto para os alunos como para os professores. Obviamente que as propostas não são fáceis de executar, no entanto o retorno que podemos ter em sala de aula nos convida à tentativa. 

 

Referências

CÔRTES, Helena Sporleder. O uso pedagógico do cinema: estratégias para explorar e avaliar filmes em sala de aula. In: GRILLO, Marlene Correro; GESSINGER,Rosana Maria ; FREITAS, Ana Lúcia Souza de ... [et al.] organizadoras. Por que falar ainda em avaliação? [recurso eletrônico] – Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010. Disponível em: http://www.pucrs.br/orgaos/edipucrs/

NAPOLITANO, M. (2005). Como usar o cinema na sala de aula. 2 ed. São Paulo: Contexto.

SILVA, Leandro Millis da. A FICÇÃO E O ENSINO DA MATEMÁTICA: análise do interesse de estudantes em resolver problemas. Dissertação de Mestrado. 2014. 207 f. Dissertação (Mestrado em ensino de Ciências e Matemática) – Faculdade de Física, PUCRS, Porto Alegre, 2014.

 

________________________________________________________________________________________

 

Nome: Leandro Millis da Silva

Formação acadêmica: Mestre em Educação em Ciências e Matemática pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS (2014), Especialista em Educação Matemática (2006) e Licenciatura em Ciências - habilitação: Matemática (2004) pela Universidade Luterana do Brasil ULBRA.

Tel. (051) 8588 2719 / 9854 09 12/ WhatsApp 9843 2121
http://goo.gl/Z7iC4S
https://twitter.com/ProfMillis
https://www.facebook.com/prof.millis

 

 

 

 

 

 

 

 

 


   
           



Yammer Share