A A A C
email
Retornando 43 resultados para a tag 'dica'

Segunda-feira, 10/09/2018

Fica a Dica: Música e Meio Ambiente

Tags: dicas, educação musical, meio ambiente, fica a dica.

 

Fica a Dica: Música e Meio Ambiente

 

 

Olá!


Nessa semana, vamos falar um pouco das possibilidades que temos ao trabalhar o Meio Ambiente em sala de aula, associando a disciplina de Música para esse conteúdo.


Antes de começarmos o trabalho, aliando meio ambiente e música, com os alunos (como canto de canções selecionadas, análise de letra, apreciação, interpretação, entre outros) precisamos primeiro falar sobre o tema em sala de aula. Quem sabe podemos fazer um trabalho interdisciplinar com os professores de Ciências? Tratar do uso consciente dos nossos recursos, de ecologia, problemas ambientais, preservação, escassez, soluções para tal... Podemos contextualizar esse conteúdo nos âmbitos da fauna, flora, dos rios, florestas, etc.


A música inspira muitos compositores a falar sobre a destruição do meio ambiente pelo ser humano, sobre a escassez e poluição da água, entre outros.


Esse é um importante trabalho de conscientização que pode ser realizado com os nossos alunos, através de canções selecionadas, contextualizando o tema. Para isso, temos muitas músicas no nosso cancioneiro.


Temos alguns exemplos de músicas possíveis de serem trabalhadas que podem ser encontradas neste site. Aqui você encontra, além das canções, pequena análise do que está sendo falado nas mesmas.


Podemos também trabalhar em sala de aula com reciclagem de materiais e aproveitamento de objetos (como latas, garrafas pet, copos plásticos, tampas de garrafa, etc.) e construir instrumentos musicais. É uma forma de aproveitarmos esses objetos que seriam descartados e termos a possibilidade de produzir sons com eles.


Aqui você encontra exemplos de como podemos aproveitar esses materiais. Nesse outro site, você encontra exemplos de construção de instrumentos com materiais recicláveis.


Após a elaboração desses instrumentos, podemos ensaiar com nossos alunos pequenos acompanhamentos para as canções antes analisadas e cantadas em sala e apresentar para a turma, para a escola como um todo.


Temos também uma sugestão de aula no Portal do Professor do MEC, que utiliza a música como suporte ao desenvolvimento do conteúdo aqui apresentado. Essa aula usa, além da música “Planeta Água”, jogos e vídeos, e sugere uma pesquisa para os alunos sobre sua rotina em casa e a abordagem sobre o consumo consciente da água.


Projetos sobre meio ambiente são sempre muito bem recebidos pelos alunos, responsáveis, professores, por toda a comunidade escolar. Geram trabalhos interdisciplinares, feiras e o que é mais importante: conscientização.

 

Se quiser saber mais sobre "sustentabilidade", nosso portal também tem uma grande dica pra você! É só clicar aqui!

 

Aproveite!! wink

 

 

Gostaram da nossa dica? Escreva pra gente!! smiley

 

Fica a Dica!! 

 


 


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 30/08/2018

Fica a Dica: A importância da Leitura na Educação Infantil

Tags: infantil, sala de leitura, creches, edis, pré-escola, fica a dica.

 

Fica a Dica: A Importância da Leitura

na Educação Infantil

 

As experiências vivenciadas pela criança têm grande influência no seu desenvolvimento e na arquitetura do cérebro. Tudo o que a criança experimenta no mundo externo (vivências, estímulos cognitivos, sensoriais e afetivos) desempenha um papel em sua constituição como indivíduo. Por isso, é importante oferecer afeto, cuidado e estímulos desde cedo.

 

A professora Maria Geralda Pereira , que já exerce há 24 anos a sua paixão na Educação, trabalha, atualmente, na sala de leitura da Escola Municipal Professor Visitação.


Em entrevista com Maria Geralda, pude perceber seu afeto e entusiasmo pelo que realiza com seus alunos, o que determina o resultado positivo no amor pela leitura, na alfabetização e na escrita de seus pequenos leitores.


A professora trabalha com dois projetos que surpreende as famílias e os alunos, pois tornam-se cada vez mais apaixonados pela leitura, são eles: 


PROJETO SACOLA MÁGICA

 

 

Professora Geralda e seus alunos


 

A Sacola Mágica é uma forma de empréstimo dinâmica. Em cada sala de aula da Educação Infantil, há uma bonita bolsa contendo um livro e um personagem do conto em pelúcia.


A cada sexta-feira, um aluno leva seu “pacotinho máginho” para casa, a fim de incentivar a contação de história pelos pais. Na sacola, também há um bilhete simpático com figuras de dedinho para baixo e para cima, perguntando se a criança gostou ou não da história e  uma atividade lúdica sobre o livro.


Quando todos os alunos retornam com a sacola, a professora troca as histórias e os personagens de pelúcia para que comece um novo ciclo de  empréstimo de livro.

 

Os comentários das famílias, afirmam o sucesso da Sacola Mágica:

 

“Este projeto é importante, porque estimula a leitura. Tira as crianças do celular.”
( Relato  de Daniella, irmã de Raphael , do EI 42, da Professora Nicolly)

 

“Eu tive que contar a história três vezes e o Breno gostou muito. Quando o pai chegou do trabalho, o Breno contou do jeito dele a história para o pai. O pai conseguiu entender o que tinha acontecido na história e ele ficou todo feliz.”

( Depoimento de Cintia, mãe do Breno, do EI 31, da Professora Núbia)

 

“A Sacola Mágica é muito muito muito legal, porque a Maria da historinha ri muito.”

(Resposta da aluna Stella, do EI 42, da Professora Nicolly)

 

“ A Sacola Mágica estimula a criança a ler e compartilhar. Até a avó gostou. Todos da família gostaram, porque o projeto é interativo e criativo.”

(Consideração  do pai e da irmã da aluna Pérola, do EI 42, da Professora Nicolly)

 


PROJETO:

CARRINHO DA LEITURA

 

 

"Passava os dias ali, quieto, no meio das coisas miúdas.

E me encantei.“

(Manoel de Barros)

 


Neste projeto, a professora de Sala de Leitura conversa informalmente com o responsável no horário de saída dos dois turnos  e procura incentivá-los a  escolher um livro para realizar uma contação de história ou dramatização em família. Dessa forma, esta experiência  promove o compromisso, a beleza e a paixão das famílias pela literatura.

 


Comentários de responsáveis sobre o projeto:


“ O Breno fica esperando chegar o dia do carrinho para pegar o livro do carrinho. O projeto é excelente!"

( Afirmação de Cintia, mãe do Breno, do EI 31, da Professora Núbia)

“O Carrinho da leitura é uma boa ideia, porque incentiva muito a leitura! 
Eu e a Stella esperamos ansiosamente pela quarta-feira que é o dia de pegar livro no carrinho.”

( Relato  de Francilúcia, mãe da aluna Stella, do EI 42, da Professora Nicolly)

 


 Fica a Dica para Pais e Professores sobre

A Importância da Literatura em casa e na escola.

 


O que a  Contação de Histórias  pode fazer  para tornar ainda mais prazerosa o início da leitura e escrita para as  crianças pequenas?


• Desenvolve a linguagem oral;


• Auxilia na boa qualidade do sono;


• Ajuda a minimizar problemas comportamentais, como agressividade, hiperatividade e comportamento arredio;


• Fortalece o vínculo com quem lê para ela (pais, familiares ou cuidadores);


• Amplifica a atenção, a concentração, o vocabulário, a memória e o raciocínio;


• Desperta a curiosidade, a imaginação e criatividade;

 

. Encorajar sair das redes sociais e ir de encontro ao mundo mágico das palavras.

 

Curtiu a #DICA da Professorsa Geralda?

Então, além de aprimorar seus conecimentos a respeito da importância da literatura na vida dos pequenos, nos envie  também uma Dica de uma experência ou um relato sobre um projeto desenvolvido com as crianças pequenas.

 

Estamos aguardando!

Envie sua experiência para: 

ruteferreira@rioeduca.net

 

 



 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 29/08/2018

Fica a Dica: Meu Livro de Folclore

Tags: fica a dica, livro, folclore.

 

Livro: Meu Livro de Folclore

 

 

Ainda estamos no mês de agosto e o Fica a Dica não poderia deixar de falar um pouco da nossa Cultura popular. O Folclore brasileiro é o conjunto de expressões populares composto pela mistura de tradições típicas das diversas culturas que formam nossa identidade nacional.


A dica dessa semana é o livro, “Meu livro de Folclore” do escritor Ricardo Azevedo, que nos presenteia com as riquezas de nosso folclore, através adivinhas, parlendas, trava-línguas, contos e outras e outras manifestações da literatura oral brasileira.


Logo no início, o escritor apresenta o conto do “Sapo com medo d’água”. Como assim, um sapo com medo de água? Na narrativa, dois fugitivos da prisão param na beira da lagoa para descansar e beber água, quando avistam um sapo dormindo debaixo de uma samambaia e resolvem fazer maldade com ele. “Olha que desengonçado! – disse um deles... É feio que dói! – completou o outro...” Primeiro pensaram em jogar o sapo no formigueiro, mas devido sua indiferença resolveram que seria melhor picar ele todinho, estavam dispostos a fazer o bicho sofrer. Nada feito, o sapo começou a assobiar uma linda melodia. As ideias continuam, jogar de cima da árvore, fazer churrasco de sapo, porém nada abalava a tranquilidade do sapo. Até que um deles teve a ideia de afoga-lo na lagoa. Nessa hora o sapo começou a gritar: “Tudo menos isso!” o sapo dizia que não sabia nadar. Mesmo com todas as súplicas do sapo, ele foi atirado no fundo da lagoa. O que será que aconteceu com o sapo? Quer uma dica? A história do sapo é um conto de esperteza.


Quando falamos de Folclore as lendas como a do Saci, menino arteiro que mora na floresta, usa gorro vermelho e anda com uma perna só, são as primeiras lembranças em nossa mente, mas a literatura popular não para por aí.


Quem nunca brincou de “Uni duni tê”, ou cantou bem alto, “Um, dois, feijão com arroz; Três, quatro, feijão no prato; Cinco, seis, no fim do mês; Sete, oito, comer biscoito; Nove, dez, comer pasteis.”?


Quem nunca ouviu frases como “Dar nó em pingo d’água”, “Tirar água do joelho”, ou “Maria-vai-com-as-outras” ? Ah! E os famosos ditados populares, “Em terra de cego, quem tem olho é rei” ou o famoso “Em boca fechada, não entra mosca”. O que será que elas querem dizer?

Que tal exploramos um pouco as brincadeiras de adivinhações e aguçar a curiosidade dos seus alunos? Essa é fácil!

O que é, o que é,
Não consegue andar sozinho
Corre até quando não quer
Pode ser grande ou pequeno
Mas tem o tamanho do pé?

 

Nem preciso dizer que esse tema dá “pano pra manga”, né?!

 

 

Fica a Dica! 


Conto com sua participação, professor(a). Mande também suas dicas e sugestões e vamos explorar o mundo literário!
Até a próxima semana!


 
 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 15/08/2018

Fica a Dica: Livro Tenho Monstros na barriga

Tags: fica a dica, livros, monstros.

 

Livro: Tenho Monstros na Barriga

 

 

 

Em consonância com a Semana de Educação Socioemocinal que ocorrerá no final do mês de agosto, a dica de hoje é o livro, “Tenho Monstros na barriga”, da Tonia Casarin.


O livro conta a história de Marcelo, um menino que afirma sentir um monte de coisas na barriga. Sua mãe sempre diz: “Você deve estar com fome. Ou com vontade de ir ao banheiro.” Ele tentava ir ao banheiro, comia fruta, mas nada acontecia.


Um dia, enquanto contava para a mãe do golaço que fez na escola, sentiu de novo alguma coisa na barriga, e logo sua mãe identificou o que era e disse que o que ele estava sentido tinha um nome e se chamava sentimentos. Entretanto, Marcelo resolveu chamá-los de monstrinhos.


Quando fazia um gol no futebol ou brincava com seu pai no parque, o monstrinho da Alegria apontava na sua barriga, mas quando se machucava ou seu melhor amigo não emprestava o brinquedo que ele queria era o monstrinho da Tristeza que aparecia.


As vezes sentia um monstrinho agitado na barriga, principalmente quando sua irmã mudava o canal da televisão ou seus pais não lhe davam atenção. Nessas horas, quando o monstrinho da Raiva despontava queria gritar e mostrar para todos o tamanho da sua força.


Havia também o monstrinho do Medo, que deixava as pessoas iguais a estátuas e as impedia de aprenderem coisas novas, porém percebeu que a Coragem podia surgir junto com o Monstrinho do Medo. “Ué, tem espaço pra mais de um monstrinho ao mesmo tempo na minha barriga!” E quando isso acontecia se sentia igual aos heróis com super-poderes para enfrentar o Medo.


E para cada novo sentimento que experimentava, nascia um novo monstrinho. Ele conheceu o monstrinho da Curiosidade, o monstrinho do Orgulho, o monstrinho do Ciúme e percebeu que já que convivia com eles dentro da sua barriga, por que não poderia virar amigo deles.

 


Agora é nossa vez. Vamos falar de sentimentos?

 


Sentimento é um ato de sentir, é um estado afetivo, uma emoção que se produz em decorrência de distintos acontecimentos, sejam eles positivos ou negativos, atuais ou já vividos. Todos nós somos dotados de sentimentos. As emoções nos acompanham no decorrer de nossas vidas e quanto mais cedo soubermos distingui-las melhor para entendermos e trabalharmos suas causas e consequências no nosso cotidiano.


O primeiro passo para desenvolver nossa inteligência emocional é saber dar nomes aos nossos sentimentos. Então, vamos criar os nossos monstrinhos? Pergunte a seus alunos o que te deixa feliz? Você já sentiu medo? O que aguça a sua curiosidade?

 

 

Saiba mais sobre a Semana de Educação Socioemocional clicando aqui

 

 

 

Fica a Dica! 

 

Conto com sua participação, professor(a). Mande também suas dicas e sugestões e vamos explorar o mundo literário!
Até a próxima semana!

 


 


   
           



Yammer Share