A A A C
email
Retornando 6 resultados para a tag 'letramento'

Sexta-feira, 15/11/2013

Alfabetização e Letramento: Conceitos para o Século XXI

Tags: blogsderioeducadores, educopédia, mídias, especialistas, alfabetização, letramento.

Muito se fala atualmente sobre as crianças não serem somente alfabetizadas, mas também letradas para entender o mundo que as rodeia. Entretanto, ainda há muitas dúvidas sobre a definição e diferenciação entre estes termos.

 

E. M. Delfim Moreira - 3ª CRE.

 


Tem-se por alfabetização o processo de descoberta do código escrito e dos procedimentos de leitura, aceitando-se como alfabetizados, por exemplo, aqueles que conseguem grafar e ler um bilhete simples.

 

 


Segundo Soares (1999), a palavra letramento é uma tradução para o Português da palavra inglesa literacy; os dicionários definem assim essa palavra: "Literate é, pois, o adjetivo que caracteriza a pessoa que domina a leitura e a escrita, e literacy designa o estado ou condição daquele que é literate, daquele que não só sabe ler e escrever, mas também faz uso competente e frequente da leitura e/ou da escrita (grifo nosso).

 

E. M. Estado da Guanabara - 3ª CRE.

 


Em outras palavras, letramento é ampliar o uso da leitura e da escrita a fim de interagir tais práticas com os diálogos que a criança trava com outros indivíduos, com materiais escritos (livros, rótulos de embalagens, entre outros) e por meio da mediação de um par mais experiente no que tange os símbolos comunicativos criados pela sociedade em que vivem.

 

E. M. Ana Maria Cristina Marques Ribeiro - 6ª CRE.

 


Em resumo, ainda citando palavras de Soares: "Se alfabetizar significa orientar a criança para o domínio da tecnologia da escrita, letrar significa levá-la ao exercício das práticas sociais de leitura e de escrita. Uma criança alfabetizada é uma criança que sabe ler e escrever; uma criança letrada (tomando este adjetivo no campo semântico de letramento e de letrar, e não com o sentido que tem tradicionalmente na língua, este dicionarizado) é uma criança que tem o hábito, as habilidades e até mesmo o prazer de leitura e de escrita de diferentes gêneros de textos, em diferentes suportes ou portadores, em diferentes contextos e circunstâncias".


_____________________________________________________

Referências:
SOARES, Magda B. Letramento, um tema em três gêneros. Belo Horizonte, Editora Autêntica, 1998.

RAMOS, F. M. E.; SOARES, Magda B. Letrar é mais que alfabetizar. Entrevista com Magda Soares.

 

 

Thaís Duarte Passos Teixeira do Amaral é Professora I de Língua Inglesa na SME/RJ, Articuladora da 6ª CRE e Pós-graduanda pelo CEFET/RJ (Ensino de Línguas Estrangeiras)

Lattes: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4485024A7

e-mail: thaisdteixeira@rioeduca.net

Blog: languagesapprentice.wordpress.com

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 18/10/2013

Letramento Digital: a Tecnologia na Sala de Aula como Aliada no Processo de Alfabetização

Tags: blogsderioeducadores, educopédia, mídias, especialistas, letramento digital.

A alfabetização é tema de muitas pesquisas sobre métodos e soluções. Recentemente, um elemento tem interferido nos debates em todas as áreas da educação e também faz parte do estudo do processo de alfabetização: o uso das tecnologias em sala de aula.

 

 

Como o computador, o celular e muitas outras tecnologias, a que inúmeras crianças estão expostas, podem atuar com o processo de alfabetização?

Para responder a esta questão, vamos examinar um conceito que se torna cada vez mais importante: o letramento digital. Teremos que ir para além da alfabetização digital, pois com o letramento trazemos o contexto social e cultural e a perspectiva de leitura de mundo para a sala de aula.

 

 

Para compreender a alfabetização e diferenciá-la do conceito de letramento, Valente coloca:

 

Primeiro, é preciso saber diferenciar alfabetização e letramento. Alfabetização é o processo no qual o aluno adquire a tecnologia de ler e escrever. Já o letramento, é quando, uma vez adquirido o método, o aluno precisa saber como utilizá-lo nas práticas sociais. Dessa mesma forma se enquadra o letramento digital, que pode ser fraco (conhecimento básico e uso banal das mídias) ou forte (utilização das mídias para tomar consciência da realidade e transformá-la) (2006, s/p).

 

http://www.espiraldigital.com/letramento-digital/.

 

Assim, entender a diferença entre o letramento digital e a alfabetização é o primeiro passo para integrar esses processos e trazê-los também para o cotidiano da sala de aula. E mais importante, ainda, para o currículo, ocupando um papel central na educação.

 

 


Nesse sentido, o letramento digital atende aos anseios também dos pais dos estudantes. Participar da educação contemporânea e compreender o contexto social é saber lidar com as tecnologias. A escola prepara para a vida, para o mercado de trabalho, para se ter criticidade diante dos espaços de informação, tais como de mídias e ferramentas digitais.

 

 


Criar narrativas digitais é o próximo passo do processo de letramento. Construir um panorama de retratos do cotidiano com o uso crítico das tecnologias deve ser o objetivo, conforme Almeida e Valente (2012). As narrativas digitais podem ser trabalhadas com diversos métodos e soluções educativas, assim como a alfabetização. O letramento digital complementa e contextualiza o processo de alfabetização ajudando a criar as narrativas digitais da vida do estudante.
 


 

_____________________________________________________

Referências:

ALMEIDA, M. E. B. VALENTE, J. Integração currículo e tecnologias e produção de narrativas digitais. Revista Currículo sem Fronteiras. Vol. 12, n. 3, p. 57-82, Set/Dez 2012. Disponível em: http://bit.ly/almeival. Acesso em: 20/07/13.

VALENTE, J. Letramento Digital: O uso das novas tecnologias no processo de ensino-aprendizagem. Entrevista no portal Universia (04/10/2006). Disponível em: http://bit.ly/entreval. Acesso em: 20/07/13.
 

 

Renata Aquino Ribeiro é Doutora em Educação: Currículo – Tecnologia na Educação (PUC-SP), Mestre em Artes: Hipermídia (Univ. of Westminster – UK), graduada em Jornalismo (PUC-SP). Faz parte da comissão organizadora do evento Web Currículo PUC-SP.

 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share