A A A C
email
Criado pela Secretaria Municipal de Educação, o projeto Rio, uma Cidade de Leitores tem por objetivo incentivar e fortalecer o hábito da leitura por prazer de alunos e professores da rede municipal de ensino.
Retornando 4 resultados para o mês de 'Dezembro de 2017'

Sexta-feira, 22/12/2017

Mensagem de Natal do Programa Rio, uma cidade de leitores!

Tags: rio de leitores, mensagem de natal.

 

Para todos os profissionais da Rede de Ensino Carioca, uma mensagem de Natal do Programa Rio, uma cidade de leitores!
Agradecimentos especiais à escritora Ninfa Parreiras, que gentilmente cedeu fragmentos de seu texto para uma grande reflexão de encerramento das atividades de 2017.


Boas Festas! Boas Leituras! Feliz Ano Novo!
É o que deseja a Equipe de Mídia-Educação da SME-RJ.
Que venha 2018!

 


A um leitor

Para que serve ler? Para que serve viver?

A vida é feita de encontros e de relações. De movimentos. E também de desencontros, desentendimentos, nesta tentativa de viver em grupo. Isso caracteriza a necessidade que temos de nos relacionar. A vida totalmente solitária e retirada é difícil para os humanos. Melhor a companhia de amigos, de pessoas amadas, dos familiares, de colegas. Melhor a companhia de um livro, de uma história que nos captura, de um poema que nos envolve, de uma ilustração que nos distrai. Melhor o confronto subjetivo, proporcionado pela leitura literária.


O trabalho e a criação tornam nossas vidas mais interessantes. Não estamos excluindo o ócio, o fazer nada. A ambiguidade nos caracteriza. Uma gama de sentimentos e de necessidades contraditórias nos realiza. Somos sim racionais, mas não somos de plástico. Somos imperfeitos, falíveis, amadurecemos ao longo dos anos. Não ficamos prontos. Somos construtores (dos outros e de nós mesmos), pela vida afora.


A literatura também não é de plástico, não é solúvel, nem instantânea. Ela custa a ser lida, a ser digerida. A leitura traz um mergulho no desconhecido, em nossas profundezas. A literatura nos provoca, nos coloca frente ao estranho. Ao estranho que permeia as relações e a existência.
Isso vale para as crianças pequenas, os jovens e os adultos. As histórias que lemos para as crianças não são entendidas racional, nem didaticamente. São sentidas, de modos diferentes. Uma obra literária ganha um curso de interpretação e de afetação próprio a cada experiência.


Viveríamos sem a literatura? Gerações anteriores à nossa tinham uma vida, muitas vezes no campo, que não carecia do domínio da língua escrita. As pessoas escutavam e contavam histórias, poucas liam, até porque havia raros materiais impressos. Os povos se comunicavam principalmente pela fala. As histórias eram transmitidas de boca em boca, numa tradição oral que até hoje nos afeta. As pessoas apreciavam escutar histórias, tomar contato com o fantástico e o inexplicável da vida.


O que caracteriza a literatura é a polissemia, os sentidos múltiplos de um texto, os jogos de palavras (sonoridades), as figuras de linguagem. Isso não tem uma repercussão imediata na vida de quem lê. Muitas vezes, demoramos anos a elaborar uma leitura. Lemos porque nos sentimos acolhidos pelo texto. Ou porque algo nos intriga.


No caso das crianças pequenas, o medo, a ameaça de desamparo, a insegurança, a incerteza acompanham as histórias que escutam e que leem. Elas podem gostar de determinadas narrativas que não têm conteúdos diretamente ligados as suas vidas. Os relatos tradicionais, os contos de fadas, trazem representações simbólicas para a experiência do leitor. O conto de fadas ajuda a criança a encontrar significado na vida: para que serve viver? A cada metamorfose de uma personagem, de um cenário, uma mudança ocorre nos sentimentos do leitor.


O que nos faz singulares é essa capacidade de sentir, de se relacionar. As pessoas precisam se comunicar e se envolver: somos seres dos afetos. Precisamos também da arte, como criadores e admiradores de uma obra. A expressão artística, para quem cria, é um trabalho de satisfação e de investimento emocional. De fazer e transformar. Palavras em poesia. Um pedaço de madeira em escultura. Um desenho em ilustração.
Para quem a contempla, a arte traz satisfação também. Distrai, encanta. Possibilita associações do que ouvimos, vemos ou lemos com o que vivemos. Dialoga com a fantasia e a realidade.


Falamos da arte como manifestação do belo, do que foi cuidado, lapidado ao ser feito. Belo para admirar, mesmo que o conteúdo seja a feiura. É um alimento para o nosso espírito e para a nossa alma. Na vida contemporânea, a literatura ocupa um papel preponderante nas nossas relações, nos trabalhos, na vida social.


Texto (fragmentos) de Ninfa Parreiras para o Encontro Anual de Professores de Sala de Leitura e Bibliotecários. Rio de Janeiro, Editora Rovelle. 08/12/2017.

 

 

 

 

 


 


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 12/12/2017

Twittaço Literário!

Tags: twittaço, mídias.

 

 

 

Sexta-feira, 15/12, é dia de Twittaço Literário!

 

A grande homenageada é Angela Lago, uma das mais importantes escritoras da literatura infantil brasileira!


Ao longo do dia vamos trocar mensagens sobre a escritora e ilustradora, cujo desejo de inovação a conectou com a tecnologia digital, sem deixar de defender a experiência do livro impresso.


Participe! Basta seguir @RiodeLeitores e usar #Riodeleitores!


Vale Twittar e Retwittar citações, depoimentos, fotos, dicas de livros, vídeos, sites, links, blogs e curiosidades. Twitte também fotos de atividades sobre a temática da autora realizadas em sua unidade escolar!


Um excelente Twittaço! Boas leituras! Até SEXTA!

 

 

 

Angela Lago
 

 

A escritora deixou obra com mais de 30 títulos, em que expande os limites do “texto visual” na literatura infantil e juvenil, brasileira e internacional. “Sempre foi em busca da experiência proporcionada pelo livro. A pesquisa girava em torno de como usar e explorar as potencialidades do livro. Era uma busca insistente”, afirma Marlette Menezes, artista plástica.

O desejo de inovação a conectou com a tecnologia digital, sem deixar de defender a experiência do livro impresso. Admiradora de Angela, Marlette pontua que o traço da amiga mudou ao longo do tempo, mantendo a identidade da escritora-ilustradora. “Você reconhece o fio contínuo do trabalho. Fio que se transforma o tempo todo”, afirma.

Premiada no Brasil e no exterior, a artista criou um universo próprio e singular e deu nova dimensão à literatura infantil brasileira. “Angela realmente foi uma pioneira, proporcionou um salto de qualidade muito grande, que puxou uma geração inteira atrás dela. Uma das qualidades era o esmero, o tratamento artístico do trabalho, tanto no texto quanto na imagem”, afirma o escritor e ilustrador Marcelo Xavier, autor de vários livros infantis. Marcelo e Marlette destacam como ela se dedicou a buscar inovações para a literatura. “Tinha uma vontade pela novidade, ela tinha, teve preocupação grande com o projeto gráfico. Entre uma publicação e outra, a gente sentia a novidade”, diz Marcelo lembrando que usava as mais diversas técnicas. “Ultimamente, usava o computador com muita sabedoria, sabia a medida certa para não esfriar a ilustração”.

 

___________________________________________________________________

 

O QUE É?

 O “Twittaço Literário” é uma iniciativa do Programa Rio, uma cidade de Leitores, voltada para a mobilização virtual, a partir das Salas de Leitura e Bibliotecas Escolares Municipais, em torno de um autor ou tema sugerido, realizada desde 2015. 

 

COMO FUNCIONA?

- As Salas de Leitura e Bibliotecas Escolares Municipais convidam todos os interessados na sua própria unidade a participarem do Twittaço, publicando, ao longo do dia indicado, citações, dicas de links ou comentários sobre o autor ou tema definido previamente pela Gerência de Mídia-Educação.

- Os Twittaços serão realizados sempre na última sexta-feira de cada mês, de acordo com cronograma específico. O próximo Twittaço acontecerá no dia 15 de dezembro/2017, em homenagem à querida Angela Lago, escritora e ilustradora da literatura infantil e juvenil.

- Os interessados podem participar com a publicação de mensagens relativas ao tema definido, ao longo do dia estabelecido, usando uma hashtag (#): #RiodeLeitores e seguindo o perfil @Riodeleitores no Twitter. Vale Twittar e Retwittar citações, depoimentos, fotos, dicas de livros, vídeos, sites, blogs e curiosidades sobre o autor e sua obra ou sobre o tema indicado.

-Todas as Salas de Leitura e Bibliotecas Escolares Municipais da Rede devem participar com seu twitter próprio (institucional), já existente ou criado para a atividade.

- A participação de alunos, professores e demais interessados é voluntária, com seus próprios endereços de twitter ou com o twitter da sua Sala de Leitura/Biblioteca. Poderão ser utilizados os computadores existentes nas escolas (salas de aula, sala de leitura e laboratório de informática) e Bibliotecas ou, ainda, participar por meios próprios com celulares ou tablets, por exemplo.

- Os professores podem aproveitar o Twittaço para a realização de atividades de preparação ou de desdobramento com os alunos, por exemplo: realização de pesquisas prévias nas salas de leitura para organizar as mensagens que serão postadas; discussão sobre as postagens lidas ao longo do dia; tabulação de número de mensagens postadas pela escola que foram retwuittadas, etc.

 

PASSO A PASSO PARA PARTICIPAR DO TWITTAÇO LITERÁRIO:

1- Criar o Twitter da Sala de Leitura/Biblioteca Escolar Municipal ou seu próprio perfil;

2- Seguir, pelo Twitter criado, o perfil @RioedeLeitores;

3- Divulgar a atividade, convidando a comunidade escolar e os leitores em geral para participarem;

4- No dia combinado, publicar suas mensagens sobre o autor/ tema indicado, sem esquecer de colocar #Riodeleitores ao final da mensagem. Também é possível retwittar as mensagens de outros participantes.

5- Todos podem participar com quantas postagens desejar. Bom twittaço! Boas leituras!

 



 


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 07/12/2017

Encontro Anual: A importância da Leitura na construção do sujeito

Tags: encontro anual, sala de leitura, bibliotecários, mídia, educação, leitura.

 

 

 

Prezados (as) Gerentes de GED,
Prezados (as) Professores (as) de Sala de Leitura e Bibliotecários (as),

 

Temos a honra de convidá-los para o nosso Encontro Anual, cujo tema será "A importância da Leitura na construção do sujeito".
Será um momento para trocar saberes com especialistas, colegas, estudantes e refletir sobre nosso papel no desenvolvimento integral das nossas crianças e jovens.

 

 

Dia: 08/12/17
Horário: 9h
Local: Editora Rovelle/Livraria Florecer
End: Rua Sacadura Cabral, 144h - Praça Mauá

 

 

Link de inscrição:

http://bit.ly/2io44K0

 

Vagas limitadas!

 

 

Palestrantes:

Ninfa Parreiras (Escritora, Psicanalista, Mestre em Literatura) em composição de mesa com Heveny Mattos (Gerente de Mídia-Educação da SME), Cilene Oliveira (Mestre em Biblioteconomia), Thatiane Cunha (Sala de Leitura do IHA), Maurina Bispo (Monitora de Sala de Leitura do CREJA), Vera Bastos (Diretora da Escola Cuba) e Andréa Neves (Representante de GED da 2ªCRE e Sala de Leitura da Escola Friedenreich).

 

 

  Gerencia de Mídia-Educação


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 01/12/2017

Comemoração dos 10 Anos do Lançamento do Primeiro Longa-Metragem Produzido Na Rede Pública

 

 

Sessão em Comemoração dos 10 Anos do Lançamento do Primeiro Longa-Metragem Produzido Na Rede Pública Municipal do Rio De Janeiro

 

No próximo dia 5 de dezembro (3a feira), às 14h, será realizada uma sessão em comemoração dos 10 anos de lançamento do primeiro longa-metragem produzido na Rede Pública Municipal do Rio de Janeiro. Trata-se do documentário "Alma Suburbana".

A sessão encerrará a programação de 2017 do Cineclube do Professor e Bibliotecário.


Faça sua inscrição pelo link abaixo:

https://goo.gl/i9GFVB
 


   
           



Yammer Share