A A A C
email
Retornando 52 resultados para o mês de 'Novembro de 2014'

Segunda-feira, 24/11/2014

Musicarte: Construindo o Futuro... Essa é a Nossa Melodia!

Tags: 6ªcre.

 

 

 

O CIEP General Augusto César Sandino está realizando com os alunos do Maternal o projeto “Musicarte: construindo o futuro, essa é a nossa melodia”. Vamos conhecer um pouco mais sobre ele?

 

O projeto “Musicarte: construindo o futuro, essa é a nossa melodia” está sendo trabalhado por meio das relações e interações e a partir dos interesses dos alunos do Maternal I. Esse grupamento é comporto por crianças novas na unidade escolar que estão na faixa etária de dois anos.

 

Algumas crianças fazem uso de fraldas e necessitam de estímulos constantes para o desenvolvimento da linguagem e autonomia. Em sua rotina, as professoras contemplam as seguintes atividades: chamadinha, janelinha do tempo, roda de conversa, brincadeiras livres, músicas, movimentos corporais, entre outras vivências.

 

As professoras trabalharam com a turma 43 - Maternal I a música “O Pato”, de Vinícius de Moraes. Através dela, abordaram com as crianças conceitos matemáticos, cores, figuras geométricas e realizaram contagem com patinhos feitos com tampinhas de garrafa pet.

 

Alunos do Maternal I confeccionam o pato da música trabalhada.

 

Foram construídos também, com materiais reciclados, o rostinho dos patos e cada criança atribuiu um nome para o seu. Brincaram de modelagem, no qual os patinhos foram feitos pelas crianças com as forminhas. Nesse movimento todo, não poderia ficar de fora a brincadeira mais esperada: a caça ao patinho! 

 

As crianças ficaram do lado de fora da sala enquanto escondíamos o pato. Ganhava a brincadeira quem o achasse mais depressa. As atividades foram bem enriquecedoras, pois, além de proporcionar uma boa interação e alegria entre o grupo, auxiliou na ampliação do vocabulário das crianças, o que é bastante significativo para a faixa etária.

 

Alunos do Maternal I escrevem nomes para seus patos.

 

A turma 41 - Maternal I conheceu a música “Animal de Estimação”, do grupo Cria. Ela proporcionou inúmeras atividades: rodinha de conversa sobre quais animais as crianças tinham em casa; recorte e colagem de animais domésticos e selvagens; registro, através de desenhos e pinturas, sobre o animal preferido; livros e vídeos para conhecer os nomes dos animais, habitat e alimentação.

 

O contato com o objeto concreto é fundamental para uma aprendizagem efetiva, por isso as professoras proporcionam aos pequeninos a oportunidade de conhecer de perto alguns animais. Nessa proposta, a criança pode tocar, sentir e vivenciar sua própria experiência, adquirindo uma aprendizagem prazerosa e significativa.

 

Alunos do Maternal I entram em contato com os animais.

 

Entrar em contato direto com os animais é uma forma de aprender sobre suas características.

 

Já a turma 25 - Maternal I, da professora Rafaela, trabalhou com a música “Borboleta Pequenina”, disponível no Youtube. A partir dela, foi realizada a confecção de um jogo de tabuleiro no formato de uma borboleta, em que o objetivo foi explorar as cores, limites, alto-relevo, quantidades, regras e registro de pontuação individual e coletiva.

 

No primeiro momento foi apresentado o material ao grupo, bem como a ideia do jogo. Depois, a turma foi separada em pequenos grupos para ajudar a professora na montagem das regras do jogo. As regras foram testadas e a brincadeira começou!

 

Uma criança com uma tampinha de garrafa pet lançou a mesma sobre o tabuleiro. Todo o grupo observou o lugar em que a tampinha caiu (cor e parte do tabuleiro) para depois registrar em sua ficha a sua pontuação. Após todas as jogadas, foi feita uma escala para descobrir quem marcou mais pontos.

 

Alunos do Maternal confeccionam o jogo de tabuleiro.

 

Maternal I coloca em prática o jogo de tabuleiro.

 

O trabalho desenvolvido pelas professoras do CIEP General Augusto César Sandino contribui para a formação integral do indivíduo, reverencia os valores culturais, difunde o senso estético, promove a sociabilidade e a expressividade, introduz o sentido de parceria e cooperação e auxilia o desenvolvimento motor, pois trabalha com a sincronia de movimentos.

 

Parabéns, professoras, por utilizar a musicalidade para produzir conhecimento e promover a criatividade, concentração, imaginação, memória e atenção. Seus alunos estão sendo preparados para conhecer a si mesmos, desenvolvendo sua noção de esquema corporal e comunicação com o outro.

 

Entre no mundo da música você também! Conheça um pouco mais do trabalho das professoras do CIEP General Augusto César Sandino

 

Você quer ver a sua história publicada no Portal Rioeduca? Entre em contato com a professora representante de sua CRE! Até a próxima semana!

 

Prof.ª Patrícia Fernandes – Representante do Rioeduca na 6ª CRE
Facebook: patrícia_pff@yahoo.com.br
E-mail: pferreira@rioeduca.net

 

 

                               

 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 21/11/2014

A E. M. Malba Tahan na Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica

Tags: oba, 5ªcre.

 

A Escola Municipal Malba Tahan participou da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) e da Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG) no mês de setembro, possibilitando despertar a curiosidade dos alunos envolvidos nesse tema.

 

A Escola Municipal Malba Tahan 05.14.029 participa pela segunda vez da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA). Em 2013, após a escola receber comunicado da 5ª Coordenadoria Regional de Educação, divulgando as inscrições, a Coordenadora Pedagógica professora Valéria Valentim mobilizou os professores. As professoras Juliana Lessa, de Geografia, e Luciana Araújo, de Ciências, organizaram a primeira Olimpíada da escola: a XVI Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica.

 

 

 

Em 2014, a professora Aparecida de Fátima, Coordenadora da disciplina de Ciências, foi a responsável em organizar a XVII OBA através da divulgação e sensibilização dos alunos para que participassem do evento. Ela gerenciou as inscrições, a aplicação e correção das provas, além de informar os resultados no site da OBA.

 

 

"Os alunos se envolveram mesmo sabendo que só ganhariam um certificado de participação e uma medalha. Esse ano, o aluno Brendo Alexander de Souza dos Santos foi premiado com a medalha de Bronze", relata a professora Aparecida de Fátima.


E continua: "registrei alguns relatos dos alunos participantes e constatei que a maioria participa por ter afinidade com o tema Astronomia. Eles querem aprender mais e também testar seus conhecimentos fazendo a prova".

 

 

 

 

 

 


"Como professora de Ciências na rede municipal há 26 anos, sempre observei que os alunos adolescentes gostam muito de saber sobre o Universo", diz a professora Aparecida.

E conclui: "a OBA dá oportunidade para que os alunos participem buscando e testando seus conhecimentos sobre o tema".

 


A Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) e a Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG)

 

A Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) e a Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG) são organizadas anualmente pela Sociedade Astronômica Brasileira (SAB) em parceria com a Agência Espacial Brasileira (AEB).


A OBA e a MOBFOG são eventos abertos à participação de escolas públicas ou privadas, urbanas ou rurais, sem exigência de número mínimo ou máximo de alunos, os quais devem preferencialmente participar voluntariamente. Podem participar da OBA e da MOBFOG alunos do primeiro ano do ensino fundamental até os do último ano do ensino médio.

A OBA e a MOBFOG ocorrem totalmente dentro da própria escola, numa única fase e é realizada em um único ano letivo. Desse modo, os certificados e medalhas são recebidos pela escola no mesmo ano. Ao final da OBA e da MOBFOG todos os alunos recebem um certificado de participação impresso com o seu nome e os primeiros vencedores ganham alguma medalha cunhada em metal ou acrílico. O tipo da medalha também consta no certificado. Todos os professores envolvidos no processo e também os diretores de escolas recebem os seus certificados, além da própria escola.


Para participar anualmente da OBA e ou da MOBFOG, basta preencher a ficha de cadastro que consta no link "cadastro de escolas". A realização da prova acontece na escola e no horário mais conveniente. A MOBFOG também tem uma única fase. Ela ocorre na própria escola e consiste no lançamento de foguetes de quatro tipos diferentes, conforme o nível do aluno. Anualmente a OBA organiza cerca de uma dúzia de Encontros Regionais de Ensino de Astronomia (EREA).

 

 

 

 

Agradeço a colaboração da professora Aparecida de Fátima C(oordenadora de Ciências da E. M. Malba Tahan) pelo envio dessas informações.

Parabéns aos alunos pelo desafio de participar desse importante evento: a Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica.

Parabéns aos professores e direção da Escola Municipal Malba Tahan pelo incentivo ao estudo das Ciências.

 

Acompanhe a Fanpage no Facebook da Malba Tahan em Movimento:

https://www.facebook.com/groups/233749486778518/?fref=ts

 

 

Regina Bizarro _ Professora representante do Rioeduca/5ªCRE.

Acompanhe os Blogs das escolas e professores da 5ª Coordenadoria Regional de Educação, clicando aqui.

Curta, compartilhe e comente na nossa página no Facebook https://www.facebook.com/groups/rioeduca5cre/

 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 21/11/2014

Leio, (Re)leio e Passeio no 6º Ano Experimental

Tags: 6ªcre.

 

 

O projeto Leio, (Re)leio e Passeio foi criado pela Gerência de Educação da 6ª CRE especialmente para os alunos do 6º Ano Experimental. Vamos conhecê-lo?

 

Ele tem por Objetivo Geral:


Proporcionar ao aluno do 6º Ano Experimental o prazer e o encantamento de ouvir o texto literário, possibilitando o manuseio do objeto livro e, também, outros olhares, percepções, opiniões, argumentações e passeios.

 

Seus Objetivos Específicos são:

 

  • Levar o educador a refletir sobre o encantamento e o prazer causado ao leitor no momento da leitura;
  • Levar o educador a discutir as evidências e os possíveis ladrões das tramas;
  • Pensar sobre as situações reais de leitura e escrita a partir dos textos em anexo dos livros;
  • Conhecer o Paço Imperial e alguns bairros cariocas, assim como o autor da obra.

O projeto Leio (Re)leio e Passeio é realizado em todas as turmas de 6º Ano Experimental da 6ª CRE.

 

O projeto se justifica na necessidade de se refletir sobre o uso do texto literário no cotidiano escolar dos alunos do 6º Ano Experimental, sabendo-se que a sua realização possibilitará contar uma história num clima de envolvimento e encanto.

 

Mas como despertar nos alunos esse encantamento pelo texto literário? Na busca da resposta para essa e outras questões, pensou-se no projeto Leio, (Re)leio e Passeio!

 

No primeiro semestre, o projeto foi apresentado a todos os Diretores, Coordenadores Pedagógicos e Regentes das turmas do 6º Ano Experimental. Os livros foram comprados pela Coordenadoria de Educação da 6ª CRE e entregue nas escolas.

 

O cenário da tarde de autógrafo foi preparado de acordo com a leitura dos livros.

 

Em seguida, cada escola organizou uma festa para a entrega do livro "O Roubo no Paço Imperial" aos alunos. Nesse livro, o escritor Luís Eduardo Matta conta a história de Dona Olga, dois netos e um amigo das crianças que vão a uma exposição numismática. Enquanto estão lá, a valiosa “Peça da coroação”, moeda de ouro comemorativa da coroação de D. Pedro I, é roubada. Inconformada com o roubo e com a recusa do proprietário em acionar a polícia, a ex-agente da Interpol Olga resolve colocar suas habilidades profissionais em ação novamente, auxiliada pelos garotos.

 

Foi feita a leitura do primeiro capítulo pelo regente da turma. As outras partes do livro foram lidas pelos alunos, sabendo que, num determinado dia, um aluno voluntário deveria ler um capítulo para os colegas de sua turma.

 

Alunos do 6º Ano Experimental visitam o Paço Imperial e conhecem o cenário do livro "O Roubo no Paço Imperial".

 

Durante a leitura do livro "O Roubo no Paço Imperial", várias atividades foram sendo realizadas pelos alunos do 6º Ano Experimental. Dentre elas: o passeio ao Paço Imperial e aos bairros cariocas citados na obra; atividades de pesquisa no computador sobre a história do Rio de Janeiro; e o encontro com o autor da obra, o escritor Luís Eduardo Matta.

 

No segundo semestre, os alunos receberam o livro "O Rubi do Planalto Central". Ambientado em Brasília, o autor Luís Eduardo Matta convida o leitor a participar da trama resolvendo enigmas junto com os personagens, ao mesmo tempo em que conhece um pouco mais sobre a capital brasileira e desvenda alguns dos muitos segredos da Índia.

 

O autor dos livros Luís Eduardo Matta visitou todas as turmas de 6º Ano Experimental para conversar com os alunos sobre as histórias lidas.

 

A entrega e a leitura deste título seguiram o mesmo padrão do primeiro livro recebido. Foram realizadas conferências para resolução dos enigmas. Assim, a professora pôde verificar o fluxo da leitura e garantir que todos estivessem próximos ou na leitura do mesmo capítulo.

 

Pesquisas sobre a história de Brasília e de Pernambuco foram realizadas na rede virtual. As novas palavras adquiridas com a leitura foram manipuladas de forma a ganhar sentido e significado para os alunos. Várias atividades de hipertextualidade e interdisciplinaridade, contemplando o uso de mapas, dicionários e outros textos que abordem o mesmo tema foram utilizadas pelos alunos.

 

O autor dos livros Luís Eduardo Matta autografa os livros dos alunos do 6º Ano Experimental.

 

O que se buscou no processo avaliativo com os alunos foi a participação e a integração de todos durante as leituras e atividades propostas mediante as competências e habilidades de cada um. A partir daí, os regentes conduziram os alunos na realização de cada etapa do projeto, observando-os durante sua atuação e envolvimento.

 

Os resultados obtidos e a participação dos alunos demonstraram que o projeto é um sucesso! Ele veio apoiar os professores para que estes possam tornar a leitura um hábito prazeroso dentro e fora da escola.

 

Parabéns à Gerência de Educação da 6ª CRE, às Unidades Escolares e aos Professores do 6º Ano Experimental pela contribuição para que o 6º Ano Experimental seja um verdadeiro sucesso! 

 

Você quer ver o seu trabalho publicado no Portal Rioeduca? Entre em contato com o professor representante da sua CRE! Até a próxima semana!

 

Prof.ª Patrícia Fernandes – Representante do Rioeduca na 6ª CRE
Facebook: patrícia_pff@yahoo.com.br
E-mail: pferreira@rioeduca.net

 

 

                               

 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 21/11/2014

O Ser Humano em 1º lugar – Construindo Pontes para o Futuro

Tags: 10ªcre.

 

   

O Seminário do Projeto 6º Ano Experimental foi idealizado com o objetivo de compartilhar as atividades pedagógicas ao final de cada ano letivo.

 

As professoras regentes do projeto, cujo desempenho profissional baseia-se na polivalência, trazem para esse encontro experiências didáticas que foram significativas para o aprendizado de seus alunos.


O seminário que inclui a 10ª Coordenadoria foi sediado no Centro Cultural de Santa Cruz e envolveu um tema específico: “CIÊNCIAS EM PROSA E VERSO”. Todos os trabalhos apresentados tiveram como “inspiração” o manuseio com kit de Ciências que foi enviado às escolas do projeto pela SME. O CIEP 1º de Maio trouxe o projeto “O SER HUMANO EM 1º LUGAR – CONSTRUINDO PONTES PARA O FUTURO”.

 

Alunos participantes do projeto.

 

O projeto foi criado partindo do princípio de que a vida na Terra depende do equilíbrio entre todos os seres da natureza, pois o planeta funciona como um enorme organismo vivo, complexo, em que todos os componentes estão interligados e cada espécie, das bactérias aos seres humanos, desempenha uma função importante na manutenção desse equilíbrio. 

Seguem os seguintes aspectos do projeto:


Objetivo

  • Compreender a importância da presença e da preservação dos biomas para a biodiversidade do planeta;
  • Noções básicas sobre diversidade biológica;
  • Conceitos iniciais sobre classificação dos seres vivos;
  • Noções básicas de ecologia;
  • Desenvolvimento da capacidade de observação e interpretação.

 

Habilidades

  • Distinguir cadeia e teia alimentar, relacionando-as aos conceitos de energia e matéria;
  • Avaliar a importância da adoção das unidades de conservação como uma das medidas que visam à preservação e ao uso sustentável da biodiversidade;
  • Formular, elaborar métodos para investigar e resolver problemas individualmente ou em grupo.


Materiais Utilizados

  • Microscópio Estereoscópico
  • Fita métrica
  • Rolo de barbante
  • Lupa de mão
  • Balança de precisão
  • Bússola topográfica
  • Frascos plásticos e placas de petri


Local de Investigação

  • Aproveitamos o quintal da escola pela amplitude do local e pela vasta oportunidade de pesquisa e coleta de seres vivos.


Procedimentos Adotados

  • Dividimos as turmas 1601 e 1602 em quatro equipes de trabalho;
  • Com a fita métrica, delimitamos e demarcamos o espaço para investigação e coleta com o barbante (de três metros por três metros);
  • Utilizamos a bússola para localizar a área em relação ao nascer e pôr do sol;
  • Anotamos as condições e aparência climáticas e interferências humanas no local;
  • Utilizamos gravetos para afastar as folhas do chão e para escavar. Com a lupa de mão, pudemos observar os seres vivos que ali se encontravam;
  • Com cuidado, coletamos os seres vivos encontrados e armazenamos em placas de petri ou frascos plásticos;
  • Analisamos cores, estaturas, formas, peso, locomoção e características específicas de cada ser vivo encontrado no quintal da escola;
  • Levamos os animais coletados para o Laboratório de Ciências da escola, para que pudéssemos analisar criteriosamente;
  • Em seguida, na sala de aula, realizamos um registro em forma de relatório de investigação. Cada aluno utilizou um gênero textual no qual mais se identificava.

 

Momentos do Projeto

 

 

 

 

 

 

 


Conclusão

  • Ao término da pesquisa de campo, foi realizada uma conversa informal, na qual foram abordado assuntos relacionados à biodiversidade, aos biomas brasileiros, à importância da preservação ambiental para a manutenção da vida;
  • Foi constatado maior interesse dos alunos pelos temas abordados mediante o trabalho em campo.

 

 

Suelen Corrêa
é Professora da Rede Municipal
e Representante do Rioeduca da 10ª CRE

Contato:
suelencorrea@rioeduca.net
twitter: @suelencorrea29


 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share