A A A C
email
Retornando 30 resultados para o mês de 'Novembro de 2017'

Segunda-feira, 06/11/2017

Professor Antônio, Medalhista Carioca da Educação

Tags: 1ªcre, eventos, projetos, educacaofisica, professor.

 

Professor de Educação Física é homenageado com a Medalha Carioca de Educação, por desenvolver projeto de Educação Física Inclusiva.

 

Atuando na Rede Municipal de Ensino, desde 1994, o professor Antônio Carlos Fernandes desenvolve, desde 2015, Projeto de Educação Física Inclusiva na Escola Municipal Floriano Peixoto, escola localizada no bairro de São Cristóvão e que atende alunos da Educação Infantil ao Quinto ano do Ensino Fundamental.

 


Desenvolvido a partir da participação no Curso Portas Abertas para a Inclusão – parceria da SME, através do Instituto Helena Antipoff, Instituto Rodrigo Mendes UNICEF e Função Barcelona – o projeto foi pensado com o objetivo de criar e desenvolver atividades físicas inclusivas em que todos os alunos, com deficiência ou não, pudessem participar ativamente da aula.

 

 

Dentre diversos projetos desenvolvidos nas onze coordenadorias regionais de Educação, o projeto do professor Antônio foi escolhido para representar o Brasil em um Seminário da UNICEF, realizado na cidade de Barcelona.

 

 

E o projeto foi ganhando visibilidade, ultrapassando os muros da escola, levando os conhecimentos e práticas inclusivas à toda comunidade escolar, com envolvimento efetivo de professores, funcionários, responsáveis e alunos, além da rede de apoio que atende à escola.


Hoje, o projeto de Educação Física está incorporado ao Projeto Político Pedagógico da Escola Municipal Floriano Peixoto, com sua metodologia e atividades fazendo parte do cotidiano das aulas de Educação Física desenvolvidas na unidade, completamente integrada à rotina da escola.

 

 


Além de trabalhar ativamente para que a Educação Física inclusiva contribua para o sucesso do processo ensino aprendizagem dos alunos, professor Antônio é um apaixonado pela escola em que atua, sempre ativo na realização de eventos que movimentam e dão vida ao espaço escolar, contribuindo para maior integração entre os diversos atores que atuam na Escola Floriano: realiza Olimpíadas Escolares, incentiva e cria condições para que os alunos participem de torneios, Shows de Talentos, dentre outras atividades de cunho pedagógico e cultural.

 


A coroação do trabalho de qualidade que é desenvolvido pelo professor Antônio Carlos veio recentemente com o recebimento da Medalha Carioca de Educação, honraria concedida pelo Conselho Municipal de Educação e que elege personalidades que contribuem, de forma significativa, para a qualidade do Ensino na Cidade do Rio de Janeiro. A Cerimônia de Premiação ocorreu no último dia 24 de outubro, na Escola de Formação do Professor Carioca Paulo Freire.

 

Participação no Programa Papo Carioca, da Prefeitura do Rio , sobre a Medalha Carioca

Durante a Cerimônia, na Escola Paulo Freire, recebendo a Medalha das mãos da Subsercretária de Ensino, professora Nazareth

 

 

Para Antônio Carlos, “essa indicação veio como reconhecimento desse trabalho que a gente faz com muito amor e muita dedicação. Isso nos motiva, nos faz querer mais, o que é muito bom para os nossos alunos”, afirma.


Para Solange Comerlato, Coordenadora Pedagógica da Escola Floriano Peixoto, “o professor Antônio é um ser humano que acredita no protagonismo do aluno, ousa e permite que o outro ouse também, com credibilidade e sensatez que lhe são peculiares. Tem um ótimo relacionamento com a direção, coordenação, demais profissionais, responsáveis e alunos que atuam nesta unidade escolar. A Escola Floriano sempre investe, dentro do que é possível, para que este professor extravase a sua forma de ser, colaborando e acreditando no seu fazer".

 

São professores como Antônio Carlos que transformam a vida de milhares de crianças cariocas. Parabéns!

 

Pra Saber Mais:

Escola Municipal Floriano Peixoto

Direção: Otília Muller e Fátima Cardoso

Coordenação Pedagógica: Solange Comerlato

Telefone: 3895-8634

E-mail: emfpeixoto@rioeduca.net

 


  


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 03/11/2017

Qual é a Moral da História?

Tags: 10ªcre.

 

Alunos do 4º ano apresentam a peça teatral “Os Saltimbancos” em outras unidades escolares com o seguinte ensinamento: Todos Juntos Somos Fortes!

 

A E/CRE (10.19.081) Escola Municipal Walquir Pereira está localizada na Estrada de Sepetiba, 3175 – Bloco 1, conjunto Nova Sepetiba, Zona Oeste do município do Rio de Janeiro. A Unidade atende a 20 turmas, sendo 10 turmas em horário integral e 10 turmas em horário parcial, com um total de 637 alunos, do 1º ao 6º ano do ensino fundamental. A unidade escolar tem como diretora, a professora Carolina Thiele Azeredo, como diretor adjunto, o professor Julio Cesar Salino de Sousa, e como coordenadora pedagógica, a professora Tatiana Oliveira.

 

Diretora Carolina Thiele e alunos da unidade escolar

 

A escola foi inaugurada no dia 6 de maio de 2016 para atender a grande demanda da região do conjunto da Nova Sepetiba e Sepetiba. Na mesma comunidade, foram construídas mais 2 escolas com atendimento ao primário, 2 escolas com atendimento ao ginásio e 3 EDI.

O ano letivo de 2017 começou com o projeto “Qual é a moral da história?” com a finalidade de refletirmos atitudes e princípios morais nos alunos. As turmas de 1º ao 6º ano a cada bimestre realizam um trabalho a respeito da fábula trabalhada. Os alunos não só despertam o hábito pela leitura, interpretação, produção textual, como, também, assimilam regras de pontuação, ortografia e expressam suas concepções oralmente a cada moral da fábula apresentada.

A equipe da escola acredita que pode fazer a diferença na vida dos alunos, sendo assim, busca sempre implementar práticas que levem os mesmos a refletir sobre uma sociedade melhor e valores que enriqueçam e contribuam no processo de aprendizagem. Para eles, os alunos necessitam de oportunidades de participarem de atividades interessantes e planejadas com carinho, contribuindo para o seu desempenho escolar. Com isso, todos os professores trabalham fábulas com alunos, de forma a refletirem sobre a moral da história.

A turma 1402, da professora Priscila Ramos Firmino Lopes, fez um excelente trabalhou sobre a fábula “Os Saltimbancos” e apresentou uma peça teatral para todos os alunos da escola e das demais unidades escolares (escola e EDI) do entorno. A fábula fala de quatro animais que não aguentavam mais os maus tratos de seus donos e fogem em busca de um sonho.

 

Apresentação dos alunos da turma 1402

 

— Na peça, os quatro animais tentam caminhar cada um em uma direção, mas no decorrer da história eles percebem que ambos apresentam muitas dificuldades em andar sozinhos em busca do mesmo sonho; serem artistas. Logo, descobrem que a caminhada para a grande realização se tornará mais fácil se todos se unirem. Assim como a fábula dos Saltimbancos, a equipe da Escola Municipal Walquir Pereira, chamada também de equipe fabulosa, acredita que para a realização do mesmo sonho, precisamos caminhar juntos para a educação de qualidade, pois Todos Juntos Somos Fortes! — afirma a diretora Carolina.

 

Alunos do EDI Katia Miranda dos Santos assistindo a apresentação da peça.

 

— Recebemos a visita dos alunos e professores do EDI Professora Kátia Miranda dos Santos. Foi uma oportunidade de integrar alunos e professores de ambas unidades. O evento ocorreu na sala de encontros e os alunos puderam conhecer as dependências da escola. Foi uma tarde bem agradável, um clima harmônico onde partilhamos diversos conhecimentos. — afirma o diretor adjunto Julio Cesar.

O projeto “Qual é a moral da história?” é trabalhado por todos os professores da escola, onde os valores e princípios trabalhados nas fábulas são expostos em diversas atividades a cada bimestre.

 

Professora Priscila Ramos o elenco (alunos da turma 1402) e a Coordenadora Pedagógica Tatiana

 

Quer saber mais sobre o projeto?
Entre em contato com a Unidade Escolar.

E/CRE (10.19.081) Escola Municipal Walquir Pereira
Email: emwpereira@rioeduca.net

 

 


 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 03/11/2017

Um Abraço Negro

Tags: 1ªcre, eventos, projetos.

 

Blog criado por aluno da E.M. Uruguai recebe prèmio na categoria Mídia Digital.


Numa parceria entre a Secretaria Municipal de Educação e o Conselho Municipal de Defesa dos Direitos do Negro, o Premio COMDEDINE tem por objetivo fomentar a discussão crítica sobre temas afro-brasileiros.


O aluno Átila Cavalcante, da Escola Uruguai, foi vencedor deste ano na Categoria Mídia – Digital , pela criação do Blog “Um Abraço Negro da E.M. Uruguai”.


A personalidade escolhida pelo aluno para ser a homenageada no blog foi a merendeira Shirlei José dos Santos, que é servidora do município e trabalha na escola desde o fim da década de 1980.

 

O aluno Átila recebendo o prèmio das mãos da homenaegada. Ao lado, a Diretora da E.M. Uruguai, professora Renata

 

Shirlei foi escolhida por ser uma mulher negra moradora da comunidade da Mangueira, lugar onde reside a maioria dos alunos da escola. D. Shirlei é uma referência de luta, esperança, alegria e sucesso.

 

Professora Renata, D. Shrilei, Átila e Renata Penajóia, orientadora e Coord. Pedagógica da Unidade.


O blog contou com elementos da cultura africana, o símbolo Sankofa, ideograma utilizado no sistema de escrita Adinkra, pelo povo Akan, da África Central. Sua simbologia traduz o que a história da homenageada representa para a comunidade, a compreensão de que o tempo presente passa por nunca esquecermos o passado. O blog traz ainda um desenho da D. Shirlei feito pelo próprio aluno, que é desenhista, link com um vídeo de entrevista com a homenageada, algumas leis brasileiras importantes na permanente luta do combate ao racismo, e claro, algumas receitas da  querida merendeira homenageada.

 

No centro da foto, a homenageada ao lado do presidente do COMDEDINE, Sr. Antônio Ricardo.


A premiação ocorreu dia 25 de outubro, no Centro de Artes Calouste Gulbenkian, que contou com a representante da 1ªCRE/GED, Silvana Huguenin, da Professora Orientadora e Coordenadora Pedagógica da E.M.Uruguai, Renata Penajoia, da regente da Sala de Leitura, professora Ana Lobianco e a servidora pública homenageada, a merendeira, D. Shirlei, que recebeu o prêmio no lugar do aluno Átila, que não pôde comparecer por motivos de força maior. Mais tarde na escola, o aluno recebeu das mãos da própria homenageada o prêmio entregue na cerimônia.

 

CLIQUE NA IMAGEM ABAIXO PARA VISITAR O BLOG:


Para Saber Mais:

Escola Municipal Uruguai

Direção: Renata da Silva Pinto

Coordenação Pedagógica: Renata Penajoia

Telefone: 2589-3478

E-mail: emuruguai@rioeduca.net

 

 


 


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 02/11/2017

O ciclo de vida da borboleta: alfabetização e natureza no CIEP Darcy Ribeiro

Tags: 9ªcre, alfabetização, natureza, ciencias, ciep.

 

Movidos pela curiosidade, os alunos da alfabetização, observaram e investigaram lagartas e ovinhos num pé de maracujá no espaço do CIEP Darcy Ribeiro. A partir desta situação, a Professora Sandra Barros realizou o projeto "Ciclo de vida da Borboleta", integrando as diferentes disciplinas do currículo nas situações em que observaram mudanças e transformações dos elementos naturais. A experiência de sucesso na articulação das ciências com a alfabetização foi apresentada na mesa “Ensino de Ciências como elemento partícipe da alfabetização plena”, na V Semana da Alfabetização da SME, que aconteceu em setembro.

 

 

Tudo começou quando as crianças estavam com a Prof Sandra na Pré Escola e soltaram borboletas na área externa da escola, Este ano, na alfabetização, ao passarem no refeitório, elas perceberam lagartas e ovinhos num pé de maracujá. Aproveitando o momento, a professora Sandra disse que poderiam criar os ovinhos até virarem lagartas e depois borboletas. “Será que isto é possível?”, indagaram as crianças. A curiosidade foi a propulsora de uma sequência didática cheia de sentidos para as crianças que iniciam sua aventura no mundo da leitura e da escrita e puderam documentar tudo isto em livros confeccionados por eles.

 

 

Primeiro, dois ovinhos foram coletados e levados para a sala de aula. Guardados num pote, foram acomodados e tampados com um filó. A partir de então, as crianças começaram a observar diariamente o que acontecia com os mesmos. As lagartas eram alimentadas com as folhas do pé de maracujá da escola.

 


A professora Sandra relata que as crianças ficavam muito empolgadas com a experiência e cada dia era uma novidade. Por exemplo, quando viram o casulo, ficaram impressionadas.

 


Porém, algumas lagartas não viraram borboletas, o que foi uma grande decepção. As crianças sofreram e ficaram muito tristes. Conversamos bastante sobre o ciclo da vida, a partir deste fato. E compreenderam, que ainda assim devemos cuidar das lagartas.

 

Porém, outras sofreram a metamorfose e se transformaram em borboletas. E quando elas viram borboletas, os alunos vão à área externa do CIEP e as devolvem à natureza.

 

 


Essa experiência foi documentada em forma de livro confeccionado pela turma e em outras experiências bem sucedidas que alegram muito a turma quando saíram para soltar outras borboletas no espaço externo do CIEP Darcy Ribeiro. E o projeto não pára. Na apresentação da experiência ocorrida no CIEP Darcy Ribeiro, durante a V Semana de Alfabetização, a professora Sandra disse que as crianças da alfabetização continuam confeccionando livros, o último foi intitulado "Lagarta é inseto?".

 

"Ensinar Ciências pode ser uma tarefa fácil. Basta desenvolver aquilo que já é próprio nos alunos, por exemplo: vontade de conhecer, o uso da tentativa e erro na busca de solução para um problema, capacidade de compreensão de explicações científicas. Isso significa vivenciar aspectos ou características do “fazer Ciência”. A alfabetização científica, desse modo, passa a ser prazerosa, tanto para alunos quanto para professores. Os alunos, especialmente as crianças, são bons pesquisadores, curiosos, imaginativos, criativos e trabalhadores. Assim, o Ensino de Ciências na escola pode ser empolgante, dinâmico, estimulante, e permitir, tanto ao aluno quanto aos professores, explorar, compreender, atuar e transformar a sua realidade." Ciências da Natureza no Ciclo de Alfabetização - PNAIC Caderno 8, 2015, p. 105

 

O projeto da Prof. Sandra Barros com a turma 1101 mostra como pode ser significativo e empolgante aprender ciências na escola e ainda acompanhar o movimento dos alunos e seus interesses para uma alfabetização dialógica e significativa.

 

Tema: O Ciclo de vida da borboleta.

 

Problematização: Como nascem as borboletas?


Objetivo Geral: Criar condições para que os alunos venham conhecer como se dá o ciclo das borboletas e qual a sua importância para o meio ambiente.


Objetivo específico: Conhecer o processo da metamorfose.


Ações:

• Coletar dados referentes a produção das borboletas através da observação dos ovos e do casulo em sala de aula.
• Proporcionar condições de vincular o processo a linguagem oral e escrita. Observando e fazendo o registro diariamente.
• Desenvolver as habilidades relacionadas a leitura e interpretação de diferentes tipos de texto.
• Realizar trabalhos em grupos.
• Observar diariamente, todo o processo da metamorfose.
• Confecção pelos alunos de um livro sobre o ciclo da vida da borboleta.
• Produção textual sobre a experiência vivida em sala de aula.
• Leitura das histórias: Lagarta na primavera e Borboleta no verão (Susan Hood) e Dona Marta a Lagarta (Girassol)

Levantamento das hipóteses:

• O que a borboleta come?
• Onde ela vive?
• Ela nasce da lagarta?

Dúvidas provisórias:

• Há diferença entre a borboleta e a mariposa?
• Toda lagarta vira borboleta?


Metodologia:

• Roda de conversa.
• Pesquisa bibliográfica.
• Pesquisa de campo.
• Desenho livre.
• Leitura do livro confeccionado pela turma.


Habilidades a serem desenvolvidas:
• Reconhecer que tudo que se fala ou se vê pode ser registrado.
• Reconhecer a leitura como produção de significados.

• Identificar a finalidade do texto, gêneros e características.
• Utilizar a oralidade como forma de interação social.
• Coordenação motora.
• Observar as imagens e registrá-las através de desenho.
• Produzir e interpretar textos e dados.
• Contar, classificar, registrar quantidade.
• Criar histórias coletivas e individuais.
• Reconhecer-se como parte da sociedade que interage com a natureza.
• Perceber a importância da preservação da natureza e do Meio ambiente.
• Diferenciar: Insetos, espécies tipos de alimentação.

 

 

Parabéns à Prof Sandra e às crianças curiosas do CIEP Darcy Ribeiro pelos cuidados e postura científica nas experiências com o Meio Ambiente. 

 

 

SAIBA MAIS SOBRE UNIDADE, ENTRE EM CONTATO:

CIEP PROFESSOR DARCY RIBEIRO

Endereço: R. Conchas, s/n - Campo Grande, Rio de Janeiro - RJ, 23073-330

Contato: (21) 3394-3349

 

 


 


   
           



Yammer Share