A A A C
email
Retornando 65 resultados para o mês de 'Novembro de 2018'

Quarta-feira, 21/11/2018

Disputa acirrada no tênis de mesa e no badminton na Arena 3 nos Jogos Estudantis

Tags: jogos estudantis, badminton, gpec.

 

Disputa acirrada no tênis de mesa e no badminton na Arena 3 nos Jogos Estudantis

 

“O esporte é uma oportunidade imensa. Eu viajo para caramba. Se não fosse o badminton eu não teria saído da favela. Tenho 15 anos e já saí do país, fui para o Peru, e no Brasil conheço vários estados’’. Foram com essas palavras que Camile de Oliveira Andrade, estudante da Escola Municipal Cândido Campos, em Vila Valqueire, que levou o primeiro lugar de badminton na categoria juvenil durante os Jogos Estudantis, na Arena 3, na Barra da Tijuca, no dia 12 de novembro, definiu a importância do esporte em sua vida. Vale lembrar que é a primeira vez em 27 anos de existência que o badminton faz parte dos Jogos Estudantis.

 

 

Camile (ao meio) foi a grande vencedora do badminton

 


Para a maioria dos alunos que participaram da competição de badminton e de tênis de mesa – na faixa etária entre 7 e 14 anos das 11 Coordenadorias Regionais de Educação - o objetivo maior é vencer, mas eles entendem a importância do esporte como aliado à educação e sabem que o comportamento e as notas melhoram. Essa opinião vem de encontro a do professor de Educação Física Rodrigo France, do Ginásio Experimental Olímpico Juan Antonio Saramanch, Santa Teresa. "Nossa experiência de Geo prova que o comportamento melhora, temos boas notas e muita procura pela escola’’, disse ele, satisfeito com a volta do tênis de mesa, do atletismo e do xadrez aos Jogos Estudantis. ‘’Acho que os Jogos Estudantis para os alunos são essenciais. Para a gente que trabalha com as modalidades todas é ruim ter uns participando e outros não. Muito bom essas modalidades terem voltado. Estamos participando dos dois, badminton e tênis de mesa e estou confiante nos meus alunos’’.

 

 

 


Durante toda a competição, alunos estavam ansiosos com os jogos e confiantes na vitória. O estudante Khauã Kerlon, de 13 anos, da Escola Municipal Joaquim da Costa Ribeiro, em Padre Miguel, era um dos mais empolgados no ginásio. ‘’Acho que tenho chance de ganhar, mas é muito difícil porque não sei o jogo do outro, e tem gente que joga mais do que eu. Vou dar o melhor nessa quadra’’, disse ele, que lutou até o fim mas não chegou a semifinal. Sua colega de escola, Beatriz Luiza, 13, que jogou apenas badminton, também não venceu, mas gostou de ter participado. ‘’Perdi, serviu de experiência pra que eu possa melhorar. Dei mole’’, disse ela, que também adora futebol e pensa em se profissionalizar neste esporte.

 

 

Os alunos vencedores do badminton: Diego Rodrigues, Guilherme Maxuel e Rafael da Silva



Já Diego Rodrigues, Pio Décimo, no Tanque, em Jacarepaguá, de 14 anos, era só felicidade. No ano passado tirou em terceiro lugar no Badminton e neste ano chegou ao primeiro. As outras colocações ficaram com Guilherme Maxwel, 13 anos, e Rafael da Silva, 13, ambos do Ginásio Experimental Olímpico Juan Antonio Saramanch. Rafael tem sua definição de esporte: ‘’Para mim esporte é vida, é saúde, é conseguir o direito de ganhar e de ser conhecido. Assim você consegue ser federado num esporte que você gosta’’.

 

Alunos viram juízes

Pela primeira vez no tênis de mesa houve um formato diferente no quesito julgamento deixando para os alunos uma ação de protagonismo, mostrando que eles são capazes de discernir o profissional do pessoal. No tênis de mesa os alunos eram juízes e não houve nenhuma reclamação por parte dos colegas. O estudante Victor Guilherme Simões Sarmento, de 16 anos, do 9º ano do Geo Juan Antonio Saramanch, gostou da experiência de ser juiz, o que já acontece pela segunda vez. ‘’Presto muito atenção’’, afirma ele, que acha imprescindível a prática de esporte e diz que o tênis de mesa ‘’estimula a mente’’. Sábias palavras.

 

Enviado por:

Waléria de Carvalho

E/SUBE/GPEC


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 19/11/2018

Elaboração dos Estatutos dos Grêmios Estudantis da sua Escola

Tags: grêmio estudantil.

 

Atenção Diretorias Executivas dos Grêmios Estudantis, chegou a hora de colocar no papel suas ideias e ações!!!

 

 

O Grêmio já está em atividade há alguns meses, por isso é preciso estabelecer um Estatuto, onde o grupo de estudantes da sua escola, junto com vocês, devem elaborar os acordos e definir as formas do seu funcionamento.


Lembre-se que o Grêmio é um espaço para que todos os alunos exercitem a participação e ajudem a construir uma escola cada vez mais inclusiva e plural.

 

 

Vamos conversar sobre o Estatuto do Grêmio Estudantil

 

 


Para isso, Diretores de Unidades Escolares e Profissionais de Apoio dos Grêmios Estudantis a parceria de vocês é fundamental neste processo, para que os estudantes possam viabilizar espaços de encontros e discussões para a elaboração dos Estatutos dos Grêmios Estudantis da sua Escola.


As orientações para a construção dos Estatutos foram disponibilizadas através da Circular E/SUBE/NIAP nª 02 .

 

 

Orientações para elaboração do Estatuto

 

 

Lembre-se que os Estatutos elaborados pelos estudantes devem ser enviados para as Coordenadorias Regionais de Educação com cópia para o Núcleo Interdisciplinar de Apoio às Unidades Escolares – NIAP, através do e-mail gremio.sme@rioeduca.net até o dia 19 de dezembro.


No início do ano letivo de 2019, as Diretorias Executivas dos Grêmios Estudantis receberão de volta seus Estatutos certificados pelo Selo dos Grêmios Estudantis SME/RJ.


Então...Vamos Conversar sobre Estatuto?


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 19/11/2018

Fica a Dica: Identidade Cultural - O Samba

Tags: dicas, educação musical, cultura, samba.

Fica a Dica: Identidade Cultural – o Samba

 

Olá!


Hoje vamos falar um pouco sobre a nossa identidade cultural. Sabemos que o Brasil sofreu várias influências, principalmente, da cultura europeia, indígena e africana. Outros imigrantes também contribuíram nessa formação.


Nossa música tem em suas raízes muitos reflexos dessas três vertentes. Mas não só na música observamos essas influências. Nossa comida, festas, danças, entre outros, também são formados através da miscigenação de diversas origens.


Aproveitando que estamos na semana da consciência negra, podemos falar um pouco da nossa identidade cultural.


A influência africana na nossa música está presente, principalmente, no nosso gênero musical mais conhecido: o samba.


O samba é considerado um gênero genuinamente brasileiro, um dos elementos culturais mais representativos da nossa cultura. Na sua instrumentação apresenta violão, cavaquinho, percussão, entre outros.


“O samba foi introduzido no Brasil no período colonial pelos escravos africanos sendo, portanto, um estilo que provém da fusão entre as culturas africana e brasileira. Inicialmente, as festas de danças dos negros escravos na Bahia eram chamadas de "samba". A manifestação durante muito tempo foi considerada um estilo de música e dança criminalizado e visto com preconceito, devido às suas origens negras.” (https://bit.ly/2B6h5lu)


Sobre a origem da palavra, alguns autores consideram que a palavra “samba” tem origem em “semba”, que significa “umbigada” e que caracterizava um tipo de dança.


“Geralmente, as letras de sambas contam a vida e o cotidiano de quem mora nas cidades, com destaque para as populações pobres. O termo samba é de origem africana e tem seu significado ligado às danças típicas tribais do continente.” (https://bit.ly/2K38mn3)


Em 1917 foi gravado o primeiro samba no Brasil. Chama-se “Pelo Telefone” e foi composto por Mauro de Almeida e Donga, cantado por Bahiano.


Há diversos tipos de samba, que variam, inclusive, de região para região: samba de roda, partido-alto, samba-enredo, samba-canção, samba-exaltação e pagode são alguns deles.


No Rio de Janeiro, o samba está bastante presente no nosso dia-a-dia. No dia 2 de dezembro, data em que é celebrado o Dia Nacional do Samba, temos o famoso “Trem do Samba”, onde são feitas apresentações de grupos de samba e pagode durante um período determinado e que leva os integrantes até Oswlado Cruz, subúrbio do Rio, onde esses grupos se encontram pra comemorar a data.


Além disso, temos o samba-enredo, presente no nosso carnaval, nos desfiles das escolas de samba, marco tradicional da nossa cultura e considerado o maior espetáculo da Terra.


Nosso patrimônio cultural é riquíssimo e é importante o trabalho em sala de aula com nossos alunos sobre a nossa cultura e as nossas tradições. É relevante que eles saibam quais povos formaram e formam a nossa herança, assim como o respeito à diversidade cultural, tema enfocado, inclusive, pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Precisamos lembrar, também, que os objetos vivem em constante processo de transformação, em circularidades culturais, transformando-se ao longo do tempo.


Nessa dica de maio/2018 (http://www.rioeduca.net/blogViews.php?bid=16&id=6597), falamos sobre o trabalho com gêneros musicais e citamos a aula sobre samba encontrada na plataforma Educopedia (www.educopedia.com.br) e que pode ser acessada com o e-mail institucional Rioeduca ou como visitante. Aproveite!


Deixo aqui mais uma sugestão de leitura pertinente ao tema do Portal do MEC. Clique aqui para acessá-lo.

 

E aí, gostaram da nossa dica da semana? Escreva pra gente!!! smiley

Fica a Dica! 

 


 


   
           



Yammer Share

Domingo, 18/11/2018

Curso Alertas a Riscos de Saúde Mental em Jovens

Tags: curso, redes sociais, internet.

 

Curso Alertas a Riscos de Saúde Mental em Jovens decorrente do uso de redes sociais e smartphones

O uso de tecnologias comunicação, tais como smartphones e redes sociais, tem causado uma série de mudanças comportamentais e problemas de saúde mental. Um estudo publicado pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) mostrou que 40% dos professores de escolas localizadas em áreas urbanas já ajudaram algum aluno a enfrentar situações desconfortáveis ocorridas durante o uso da internet, como bullying, discriminação, assédio e compartilhamento de imagens sem consentimento.

Instituto Nacional de Psiquiatria do Desenvolvimento para Crianças e Adolescentes (INPD) e Telemedicina FMUSP, através do Eixo de Transferência do Conhecimento para a Sociedade, lançam o curso Alertas a riscos de saúde mental em jovens decorrente do uso de redes sociais e smartphones. O objetivo é conscientizar jovens e seus responsáveis sobre os perigos envolvendo tecnologias de comunicação, bem como desenvolver senso de responsabilidade e boas condutas.  

 

As incrições ainda estão abertas até essa semana.

Inscreva-se aqui!


   
           



Yammer Share