A A A C
email
Retornando 51 resultados para o mês de 'Março de 2013'

Sexta-feira, 22/03/2013

Projeto “Bom Leitor” da Escola Municipal IPEG

Tags: 10ªcre, rio, uma cidade de leitores, acolhimento.

  Idealizado pelas professoras regentes da Sala de Leitura, o projeto ”Bom Leitor” vem ampliando o interesse dos alunos pelos livros.

 

A Escola Municipal IPEG não tem um patrono, no sentido usual da palavra. IPEG é a sigla para o extinto Instituto de Previdência do Estado da Guanabara, que foi criado na década de 1960 para proporcionar os benefícios de previdência social aos seus contribuintes.

 

 

Uma década depois, o IPEG foi transformado em IPERJ, mas a escola municipal continuou com a sua designação antiga, na mesma localização - Rua Cabo Saulo Vasconcelos -, quase em frente a uma praça acolhedora e bem arborizada do conjunto Jardim Palmares, instalado numa intercessão da rodoviária da Avenida Brasil, entre Santa Cruz, Paciência e Campo Grande.

 

Inaugurada em 1970, a Escola Municipal IPEG mantém as características arquitetônicas da época, com a fachada tomada pelos elementos vazados em estilo “cobogó”, designação que, conforme nos ensina o “Google”, provém dos sobrenomes dos seus idealizadores: Amadeu Oliveira Coimbra, Ernest August Boeckmann e Antonio de Góis.

 

Decorridos catorze meses da minha visita, eis que retorno à Escola Municipal IPEG para conhecer a atual realidade, no primeiro ano da gestão da diretora Angelina Rodrigues.

 

"Simpatia radiante", é como posso sintetizar o ambiente que se propaga em todos os espaços da Escola Municipal IPEG.

 

 

A diretora Angelina Rodrigues, em entrevista gravada para o Portal Rioeduca, fala das realizações do seu primeiro ano como gestora, em parceria com os professores Jefferson, diretor adjunto, e Ozira, coordenadora pedagógica, fazendo questão de frisar que se as metas têm sido alcançadas e vêm acontecendo de acordo com o planejado, é mérito coletivo, pois a administração é compartilhada pelos professores, funcionários e demais integrantes da comunidade escolar.

 

Angelina também fala de um grande desafio que teve que enfrentar no ano letivo de 2012, pois, com o repentino crescimento populacional do bairro, em razão da construção de novas habitações e vindas de centenas de famílias, a Escola IPEG passou a absorver parte da clientela, tendo que ampliar o número de matrículas ainda nos meses finais do primeiro semestre.

 

 

 

 

Como foram crianças e adolescentes vindos de comunidades com características bem diferentes das dos moradores do Bairro Jardim Palmares, Angelina Rodrigues diz que foi necessário elaborar um projeto específico de acolhimento e adequação dos hábitos de boa convivência já adquiridos pelos alunos da Escola Municipal IPEG.

 

Falando dos projetos, e foram muitos realizados na escola, Angelina Rodrigues cita principalmente o “Bom Leitor”, com ações desenvolvidas durante todo o ano letivo por iniciativa das professoras regentes da Sala de Leitura, contando com o empenho e participação de todo o corpo docente da escola.

 

Sobre o projeto “Bom Leitor”, também em entrevista concedida ao Rioeduca, a professora Diva, uma das regentes da Sala de Leitura, falou com entusiasmo sobre algumas das suas atividades, resumindo com informações sobre o número de alunos que passaram a frequentar aquele espaço privilegiado da escola e a levar livros emprestados para leitura em suas casas.

 

O Projeto “Bom Leitor” tem despertado grande interesse das crianças e jovens pelo acervo da Sala de Leitura. Alguns alunos também solicitam livros para que as suas mães e responsáveis leiam nos finais de semana. E assim vão sendo cumpridos também os objetivos do Programa “Rio, uma Cidade de Leitores”, da Secretaria Municipal de Educação.

 

Segundo Diva, que trabalha em parceria com a professora Flávia Renata, a Sala de Leitura tem promovido momentos prazerosos para a leitura pelos alunos e também oportunidade para encontros dos profissionais, como o que ocorreu com os professores de Língua Portuguesa, surtindo excelentes resultados.

 

No mês de março, em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, a Escola IPEG estará homenageando uma das mais antigas moradoras do bairro Jardim Palmares, a senhora Haydée Merola Junger, cujo nome foi escolhido pela comunidade escolar para batizar a Sala de Leitura.

 

      

 

Angelina Rodrigues explica que a dona Haydée, ou “Tia Haydée”, como é mais conhecida no bairro e na escola pelos relevantes serviços comunitários prestados, é mãe de duas professoras, Márcia e Mara, que são gêmeas. Ambas foram alunas e deram aulas na Escola Municipal IPEG.

 

Como a visita à Escola Municipal IPEG é feita no segundo dia do ano letivo, já com os alunos enturmados, em sala de aula, aproveito para repetir o “tour IPEG”, conforme descrito pela diretora Angelina Rodrigues, proporcionado aos alunos do 6º ano, em companhia do diretor adjunto, professor Jefferson, que pacientemente apresentou os professores, funcionários, e cada espaço da escola que os novos estudantes passarão a frequentar a partir de então.

 

      

 

      

 

Interação, determinação, coragem, vigor, iniciativa, acolhimento, energia positiva, crença em ideais, metas que serão conquistadas, planejamento e ações compartilhadas são algumas das expressões e palavras que aparecem nos belos murais espalhados pela Escola Municipal IPEG e que dão sentido ao trabalho em busca de uma educação de qualidade pela diretora Angelina Rodrigues, pela sua equipe de gestores e pelos profissionais daquela unidade escolar.

 

Sinvaldo do Nascimento Souza, representante do Rioeduca na 10ªCRE
E-mail: sinvaldosouza@rioeduca.net

Facebook/SinvaldoSouza
Twitter: @SinvaldoNSouza

 

 

 

 

 

                                      

 

 

 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 22/03/2013

O Encanto do Rio É Encanto no Rioeduca

Tags: 5ªcre, rioeduca.

 

O concurso cultural "O Encanto desta Cidade é Meu" despertou nos professores da rede carioca uma grande vontade de escrever sobre a cidade mais linda do mundo: o Rio de Janeiro.

 

O Concurso Cultural "O Encanto desta Cidade é Meu" foi promovido pelo Portal Rioeduca, da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro, no ano em que comemoramos os 448 anos da nossa cidade. Teve como objetivo fomentar a identidade cultural de nossos munícipes, bem como estimular a prática de produção textual.

 

O concurso transformou-se numa verdadeira declaração de amor à cidade maravilhosa: o Rio de Janeiro!

 

Foram dez dias de inscrição, mas o suficiente para reunir mais de 200 pessoas criando textos, culminando em dez vencedores nas seguintes categorias: Aluno, Família, Professores e Funcionários.

 

Professores de Língua Portuguesa da Mídia e Educação e da Equipe de Redatores e de Revisores do portal Rioeduca tiveram uma enorme dificuldade em eleger os vencedores porque outros textos se sobressaíram.

 

Hoje, conheceremos dois textos e suas autoras  representando escolas da 5ª Coordenadoria Regional de Educação.

 

São elas, as professoras Luciane de Assis Almeida e Marcia Joseane Pereira Valença.

 

Professoras Luciane de Assis e Marcia Valença em espaços distintos das suas escolas.

 

 

O Encanto do Rio Encantado aos Olhos da Professora Luciane de Assis


A professora Luciane de Assis Almeida é formada em Língua Portuguesa e regente da Sala de Leitura da Escola Municipal José do Patrocínio.

 


Sou o Rio de Janeiro


Sou a Praia de Copacabana, com suas pedras portuguesas ondeando como o mar...
Sou o Aterro do Flamengo, com suas árvores, seus barcos e suas pistas de corrida.
Sou o calor de Bangu, com sua gente acolhedora e alegre.
Sou o Mercadão de Madureira, com suas baianas, ervas, bugigangas e o samba no meio.
Sou a Tijuca, da Praça Saenz Pena, do Maracanã, da universidade.
Sou São Cristóvão, com seus bichos e antiguidades e rapadura com farinha.
Sou o Engenho de Dentro, com suas vielas e o João Havelange.
Sou a Penha, viva Nossa Senhora!, viva a Vila Cruzeiro!
Sou a Vila Isabel, com seu Boulevard e seu samba.
Sou a Barra, com seu concreto e sua praia.
Sou o Alemão, com seu batidão e sua gente simples que anseia pela paz.
Sou o Rio de Janeiro, terra de gente feliz e batalhadora, que vende mate na praia, que leciona, que conserta, que medica, que mendiga, que vende bala no ônibus, que é mais “ishperta” do que você imagina.
Gente que se reinventa a cada dia, que vence a violência, que pacifica seu espírito, que enfrenta trem lotado e mesmo assim não perde o rebolado.
Povo que não cansa de cantar Cidade Maravilhosa como se aqui fosse o Paraíso... opa! Aqui é o Paraíso! Na ensolarada São Sebastião do Rio de Janeiro, terra de contrastes, terra de incongruências, é também terra de confluências: Zona Norte a Zona Sul, carioca é carioca. Diferente mas igual.


Eu sou o Rio de Janeiro.
O Rio de Janeiro é meu!

 

Professora Luciane de Assis

 

A professora Luciane de Assis nos relata como é sua vida na educação e como se deu a inscrição no Concurso Cultural “O Encanto desta Cidade é Meu”.
 

Desde sempre gosto muito de ler. Foi a paixão pelos livros, pela leitura e pela escrita que me levou à faculdade de Letras, após fazer o Curso Normal. Como professora primária, sempre busquei transmitir o sabor das histórias para os meus pequenos. Como professora de Língua Portuguesa e regente de Sala de Leitura, essa tarefa se ampliou, pois tenho, junto a meus colegas (professores e alunos) da escola, a missão de fomentar o gosto pela literatura, a despeito do universo de outras informações e prazeres que a vida moderna (e tecnológica, por que não?) oferecem.

Trabalhar na E. M. José do Patrocínio é muito bom. Os alunos são carinhosos e bons leitores; reconhecem a Sala de Leitura como um espaço agradável e prazeroso. Sou regente desse espaço há três anos, desde que deixei a Coordenação Pedagógica da escola. A Sala de Leitura de minha escola está em mudança. Ganhamos uma sala maior, com a realocação de alguns espaços da escola; com isso, em fevereiro e no início de março, não pude realizar, a contento, as atividades costumeiras, com muitos empréstimos, sala cheia e bem movimentada e a divulgação de eventos da nossa Secretaria ou de nossos parceiros.

Mas apesar desse pouco tempo para atividades externas, como acompanho as postagens do Portal Rioeduca em sua página oficial, além de ser seguidora desse grupo em uma rede social, soube do concurso cultural "O Encanto desta Cidade é meu". Tão logo foi lançado, busquei fazer a divulgação no blog de nossa escola (ver postagem em http://blogdaemjp.blogspot.com.br/2013/02/concurso-cultural.html ) e também em sala em sala, não deixando de participar do concurso na minha categoria, é claro. E ainda dizia, falando com os alunos: já pensaram em escrever um texto falando da nossa cidade e ainda por cima ser entrevistado sobre esse assunto?

Acho que o portal Rioeduca é importante porque mostra todas as coisas boas de que a educação pública é capaz de fazer, apesar de a sociedade, como um todo, ainda não ter comprado essa ideia conosco. O espaço virtual pode mostrar para os alunos que eles podem fazer a diferença, fazendo-se representar em diferentes ambientes, dando vez à sua voz. Basta participar e não se omitir."

 

O Encanto do Rio Encantado aos Olhos da Professora Marcia Valença
 

O segundo texto é da professora Marcia Joseane Pereira Valença, diretora do CIEP Augusto Pinheiro de Carvalho.

 

O Encanto desta Cidade é Meu

 

Cidade Maravilhosa, metonímia que virou sinônimo do Rio de Janeiro.

Esse adjetivo foi dado pelo escritor maranhense Coelho Neto, como uma homenagem às suas belezas naturais, aos seus “encantos mil”, cujas montanhas, floresta, bosque, lagoas e oceano marcam o território da exuberância natural e de matizes típicos da Cidade do Rio.

Internacionalmente conhecida por diversos ícones culturais e cartões postais, como o Maracanã, Pão de Açúcar, Arcos da Lapa, Cristo Redentor, além das belíssimas praias de Copacabana e Ipanema, onde o pôr do sol é uma experiência rara e arrebatadora, a cidade do Rio de Janeiro apresenta uma especificidade que é o espírito alegre do povo carioca. Somado a isso, caminhar pelas ruas do Rio é reviver a riqueza da história do Brasil, revelado nas arquiteturas de prédios antigos do centro da cidade e arredores, que carregam em si a memória de grandes momentos da Cidade plural, híbrida, multifacetada. Ao olharmos com cuidado para sua totalidade, como em um caleidoscópio formado por diversas peças refletidas, percebemos a Cidade Maravilhosa encantada pela própria natureza e por monumentos históricos que chegam a tirar o fôlego, contudo repleta de submundos e problemas estruturais.
Apesar de toda diferença social, dos contrastes "morro x asfalto", ainda assim, concordamos com Gilberto Gil que “o Rio de Janeiro continua lindo”.

Lindo e fonte de inspiração como identificamos nos versos de grandes personalidades como Carlos Drummond de Andrade, Tom Jobim e Vinícius de Moraes, entre tantos outros, que desenharam poeticamente a beleza da geografia física e sentimental da Cidade Maravilhosa. Rio, de janeiro a dezembro segue compondo um cenário de eventos e diversão, onde Carnaval, Rock in Rio, futebol, teatro, festas religiosas, baladas noturnas, bares, praia e sol são presenças marcantes no cotidiano carioca.

Agraciada por nascer, viver e trabalhar na Cidade do Rio de Janeiro, todo este encanto é meu, é seu e de todos que amam, se orgulham de pertencer a esta cidade esfuziante e desejam compartilhar espaços com este povo dinâmico, guerreiro, solidário, acolhedor que multiplica carinho e otimismo.

 

 Professora Marcia Valença.

 

 

A professora Marcia Valença nos relata sua paixão pela escrita e como emergiu o desejo de participar deste concurso, em que ela declara seu amor pela cidade maravilhosa.  

“Adquiri muito cedo o hábito de escrever. Minha avó sempre me requisitava para registrar suas cartas e me incentivava a mergulhar em minhas emoções, sentimentos, ideias e pensamentos através da escrita em diários e redações. Mais tarde, esse hábito me motivou a participar de vários concursos, dentre eles, cito o concurso de monografia sobre administração pública e gestão governamental, apresentada à Secretaria Municipal de Administração da Cidade do Rio de Janeiro e Escola de Leitores, da Secretaria Municipal de Educação.

Todavia, devido às inúmeras demandas, essa prática ficou inativa, até que em um dos acessos ao Rioeduca, atividade que executo diariamente, ao ler sobre o concurso cultural “O Encanto desta Cidade é meu”, emergiu o desejo de participação. Mediante isso, orgulhosa por pertencer à Cidade Maravilhosa, transitei com a escrita em espaços históricos, alegres, dinâmicos e arborizados do Rio de Janeiro, aproveitando para declarar o meu amor à Cidade e, concomitantemente, na expectativa de estimular professores, funcionários, alunos e responsáveis a participarem dos eventos culturais da SME, oportunizando a nossa rede de ensino conhecer a prata desta casa, a riqueza de talentos que circulam nos pátios, corredores e salas do CIEP Augusto Pinheiro de Carvalho. Escola linda, viva, plural, com mulheres e homens unidos e comprometidos com uma escola pública de qualidade para todos.

E, finalizo, ressaltando que o Portal do Rioeduca tem propiciado às escolas um novo/outro olhar para a Educação Carioca, promovendo movimento, troca de saberes e fazeres em um ritmo “oxigenado”, vivaz e multifacetado. Parabéns à equipe do Rioeduca!“.


Parabéns, professoras Luciane de Assis e Marcia Valença pela oportunidade dos leitores do Portal Rioeduca em conhecê-las.

Parabéns a todos os vencedores, aos classificados e a todos os participantes!

Que venham mais concursos culturais como esse!!

 

 Escolas e professores, participem das publicações do portal Rioeduca enviando para o representante da sua CRE projetos desenvolvidos e/ou atividades que impactaram a aprendizagem de seus alunos. Clique aqui para saber o e-mail do seu representante.

 

Acompanhem e comentem nos blogs das Escolas da Rede Municipal de Educação da Cidade do Rio de Janeiro.

Representante do Rioeduca na 5ªCRE _ Professora Regina Bizarro

Twitter: @rebiza

Facebook: Regina Biza

E-mail: reginabizarro@rioeduca.net

 

                                


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 21/03/2013

Acolhendo as Diferenças e Respeitando a Diversidade

Tags: 9ªcre, edi, blogdeescolas.

Em seu Projeto Pedagógico Anual, o EDI Ludmila Máximo desenvolverá o tema “Acolhendo as diferenças e respeitando a diversidade, com a Turma da Mônica fica bom em qualquer idade”. O objetivo é construir uma imagem positiva da criança e promover o respeito às diferenças através das histórias dos personagens da Turma da Mônica.

 

 

O Espaço de Desenvolvimento Infantil (EDI) Ludmila Máximo Moreira Cardoso é uma das unidades da 9ª Coordenadoria Regional de Educação e atende a 150 crianças com idade entre 6 meses e 5 anos e 11 meses. Tem como objetivo promover o cuidado e a educação de qualidade, num processo educacional sólido que contribua qualitativamente para a formação de hábitos, entendendo a criança como um ser humano integral, protagonista da sua própria história, que aprende a ser sujeito de direitos e deveres para se tornar um cidadão crítico, criativo e consciente de seu papel na transformação da sociedade.

 

 

No Blog da Unidade, podemos acompanhar a trajetória deste projeto que já vem mostrando resultados.

 

 

 

 

Acreditamos que cada criança é capaz de desenvolver-se integralmente na medida em que se sente acolhida, querida, que se conhece e reconhece o outro, nas trocas e experiências. O trabalho na Educação Infantil tem como prioridade partir do interesse das crianças, contando com a ludicidade e a criatividade dos envolvidos. Assim, transitaremos pelo respeito às diferenças com a parceria dos personagens da Turma da Mônica.

 

 

 

 

 

Durante o acolhimento, exploramos os espaços externos do EDI Ludmila. Para brincar, socializar e tranquilizar nossas crianças, nada melhor do que o contato com a natureza em atividades no quintal. No pátio ou no parque, com brinquedos ou com brincadeiras, quando estamos ao ar livre fica mais divertido aprender!

 

 

 

 

"As crianças na creche têm a experiência de viver cotidianamente em uma coletividade de meninos e meninas de idades diversas. Desde muito cedo, os bebês procuram as outras crianças com olhares, esboçando sorrisos e sons, tentando tocar o colega com o corpo. A ação pedagógica na turma de bebês deve favorecer o encontro entre eles em diferentes espaços e momentos do dia."


Maria Carmen Barbosa


 

 

 

Para ampliar o trabalho de respeito às diferenças, o coelho Sansão nos trouxe as dúvidas de um coelho curioso, que diz: "Menina Bonita do Laço de fita, como você faz para ser tão pretinha?".


Conversar com as crianças sobre a diversidade étnica do povo brasileiro e mostrar referenciais de origem negra são tarefas de um espaço de desenvolvimento infantil que respeita as diferenças. A partir da curiosidade do coelho, abordaremos este assunto com nossas crianças. Assim, iremos conhecer o resultado da união de diferentes raças e mistura de cores.


A EI-41 recontou a história da Menina Bonita do Laço de Fita de uma forma bem diferente: eles criaram o "panô", maneira usada na África para encantar as crianças.

 

 

 

 

Parabéns a toda equipe do EDI Ludmila Máximo Moreira Cardoso pelo excelente trabalho que vem desenvolvendo e pela parceria na divulgação de suas atividades.

 

 

 

Conheça estas e outras atividades do EDI Ludmila acessando o Blog da Unidade.

 

 

Profª Márcia Cristina Alves Representante da 9ª CRE:

E-mail: marciacerqueira@rioeduca.net

Twitter: @marciacrisalves
 

 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 21/03/2013

Rio, o Lugar onde Eu Vivo!

Tags: 11ª cre, projetos.


 

A importância da aprendizagem de História e Geografia nos Anos Iniciais, dimensionadas entre o local e o global, reside na possibilidade do aluno se perceber e se posicionar como sujeito dentro dos processos sociais.  Assim, conhecer o Rio de Janeiro é um meio de valorizar a história local dentro do contexto mundial, no que tange a construção  da nossa identidade.

 

 

"O sujeito que se abre ao mundo e aos outros inaugura com seu gesto a relação dialógica em que confirma como inquietação e curiosidade, como inconclusão em permanente movimento da História."

Paulo Freire

 

Mural com as produções dos alunos.

 

A Escola Municipal Holanda valoriza esta temática e entende que o ensino de História e Geografia nos Anos Iniciais devem promover a reflexão do aluno, além de motivá-los a conhecer a história do mundo e do povo que fazem parte. 

 

 

Exposição de maquetes.

 

E o Rio continua lindo...

"Os alunos da Escola Holanda retornaram das férias empolgados com o início de um novo ano e, como primeira tarefa, conhecer melhor o Rio de Janeiro. A culminância foi na comemoração do aniversário da Cidade do Rio de Janeiro, com a exposição dos trabalhos das turmas e com os alunos cantaram o hino da cidade."  Professora Regina, Gestora dessa Unidade.

 

 

Maquetes dos pontos turísticos da cidade.

 

Seguindo essa ótica, a aula de História possibilita a construção do saber histórico através da relação interativa entre educador e educando, transformando essa  prática em ato político, no sentido de transformação consciente do fazer histórico.

Nesse contexto, salienta-se a importância do professor ser também um pesquisador e produtor do conhecimento e não apenas um mero executor de saberes já produzidos. O que enfatiza a compreensão do “sentir-se sujeito histórico” e sua contribuição para a “formação de um cidadão crítico”, ou seja, um cidadão pensante, capaz de analisar e de se posicionar diante das situações vividas em cada momento pela sociedade.

 

Parabéns a todos da equipe Holanda por promover a História Local atuando no resgate da autoestima de sua comunidade escolar como um todo. Afinal, ao desnudar o seu passado histórico, tem-se um novo sentido à questão de pertencimento local para todos que fizeram parte desse projeto. 

 


Ana Accioly é Professora da Rede Municipal

e Representante Rioeduca da 4ª Coordenadoria Regional de Educação

E-mail: anaaccioly@rioeduca.net

Twitter: @Ana_Accioly

 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share