A A A C
email
Retornando 14 resultados para o mês de 'Abril de 2015'

Sexta-feira, 03/04/2015

Três Historias na França, Rio 450 Anos

Tags: 5cre, leitura, leitores.

 

 

A Escola Municipal 05.15.038 França participou do Projeto Redação Rio 450 Anos, do Jornal Folha Dirigida em parceria com o Ministério da Cultura, através da Fundação Biblioteca Nacional. Três alunas foram destaques e, como prêmio, um tablet, incentivo para escrever cada vez mais.

 

Em parceria com o Ministério da Cultura e através da Fundação Biblioteca Nacional, o Jornal Folha Dirigida criou o Projeto Redação que objetiva um incentivo à criação literária entre estudantes de escolas públicas e particulares no Estado do Rio de Janeiro.

Com o projeto, os alunos têm a oportunidade de expressar suas ideias que, mais tarde, farão parte de dois livros: um com o nome da escola e 50 redações de seus alunos. E outro com as três melhores redações de cada uma das instituições participantes.

A Escola Municipal França, localizada no bairro de Piedade, teve três alunas premiadas com um tablet no Projeto Redação Rio 450 Anos, da Folha Dirigida.

São elas: Evellyn Mota Pereira, Daniella Baptista de Oliveira e Rayssa Gonçalves que aceitaram ser entrevistadas e vão nos contar tudo sobre o concurso e a premiação.

 

Aluna Evellyn Mota Pereira

 

RIOEDUCA: De onde veio o estímulo para você se tornar uma grande leitora e escritora?

Evellyn Pereira: Meus pais sempre me estimularam a ler, desde que eu era muito pequena. Compravam livros infantis e gibis para que eu lesse e me aconselhavam a ler bastante se quisesse ouvir e falar bem. Acho que é por isso que falo tanto e gosto muito mais de escrever do que ler. Adoro conversar!

 

RIOEDUCA: Qual tipo de leitura você mais gosta?

Evellyn Pereira: O tipo de leitura que eu mais gosto são os romances infantis porque eles contam histórias de jovens adolescentes. Também gosto de crônicas e alguns tipos de contos.

 

RIOEDUCA: Qual o livro que você mais gostou de ler e o que você aproveitou para sua vida?

Evellyn Pereira: O livro que mais gostei de ler chama-se “Meninos Não Entram”, de Michelle M. Adams. Este livro dá boas dicas de como as meninas devem se comportar para se relacionarem bem com os meninos.

 

RIOEDUCA: Por que você acha que ganhou o Prêmio da Folha Dirigida?

Evellyn Pereira: Acredito que ganhei o Prêmio da Folha Dirigida porque me considero boa escritora, pois tenho apoio dos meus pais e fui muito bem orientada pelos meus professores. Além disso, amo a minha cidade, o Rio de Janeiro, porque dá pra contar muitas histórias e escrever bastante sobre ele.

 

RIOEDUCA: O que você sentiu ao saber que foi uma das premiadas?

Evellyn Pereira: Senti um grande orgulho em ter ganhado o prêmio. Minha mãe até chorou de emoção quando lhe contei pelo telefone.


 

Aluna Daniella Baptista de Oliveira

 

RIOEDUCA: De onde veio o estímulo para você se tornar uma grande leitora e escritora?

Daniella Oliveira: Minhas tias e minha mãe foram as pessoas que mais estimularam a leitura na minha vida. A professora Lourdes Loureiro também me incentivava bastante e lia muitas histórias pra minha turma. Lembro-me das visitas que sempre fazíamos à Sala de Leitura.

 

RIOEDUCA: Qual tipo de leitura você mais gosta?

Daniella Oliveira: Gosto muito de ler livros sobre Mitologia, mistérios e aventuras. Harry Potter e suas histórias me encantam bastante.

 

RIOEDUCA: Qual o livro que você mais gostou de ler e o que você aproveitou para sua vida?

Daniella Oliveira: O livro que eu mais gostei foi “A hospedeira” e “Teorema de Katherine”, escrito por John Green. São leituras envolventes e despertam em nós o desejo de ler e ansiedade por terminar cada história.

 

RIOEDUCA: Por que você acha que ganhou o Prêmio da Folha Dirigida?

Daniella Oliveira: Creio que ganhei o prêmio da Folha Dirigida pelo fato de ter lido bastante, ter sido bem orientada pela Professora da Sala de Leitura e pelo simples fato de gostar muito da Cidade onde moro. A premiação foi uma motivação a mais para que eu continue a escrever.

 

RIOEDUCA: O que você sentiu ao saber que foi uma das premiadas?

Daniella Oliveira: Sinto-me feliz em ter participado da coletânea de textos sobre o Rio de Janeiro, no ano da comemoração dos seus quatrocentos e cinquenta anos. Valeu a pena ter participado e sinto-me orgulhosa em saber que posso continuar tentando escrever melhor e buscando vencer sempre as barreiras que aparecerem diante de mim.
 

 

Aluna Rayssa Gonçalves

 


RIOEDUCA: De onde veio o estímulo para você se tornar uma grande leitora e escritora?

Rayssa Gonçalves: Minha mãe foi a maior incentivadora da leitura, juntamente com meu pai. Antes de dormirmos meus pais iam ao quarto onde minha irmã gêmea e eu aguardávamos ansiosamente o momento em que eles chegavam felizes, trazendo sempre um livro nas mãos para lerem para nós. Eram lindas histórias de fadas, princesas, Branca de Neve e muitas outras. Minha professora também lia e contava lindas histórias que eu adorava ouvir.

 

RIOEDUCA: Qual tipo de leitura você mais gosta?

Rayssa Gonçalves: Gosto muito de ler romances e histórias de terror.

 

RIOEDUCA: Qual o livro que você mais gostou de ler e o que você aproveitou para sua vida?

Rayssa Gonçalves: O livro que mais gostei de ler foi “A Ternura”, de Pedro Bandeira, pois me identifiquei muito com a história.

 

RIOEDUCA: Por que você acha que ganhou o Prêmio da Folha Dirigida?

Rayssa Gonçalves: Creio que ganhei o Prêmio porque sempre tive vontade de participar de um concurso, tenho muito amor pelo Rio de Janeiro e gostaria de contribuir de alguma maneira para melhorar a minha cidade.

 

RIOEDUCA: O que você sentiu ao saber que foi uma das premiadas?

Rayssa Gonçalves: Senti-me imensamente gratificada e muito feliz por ter ganhado um tablet e não esperava ganhar, porque foi a primeira vez que escrevi para concurso. Meus pais também ficaram muito felizes, é claro!

 

 

Alunas e professoras na entrega da premiação junto à Secretária Municipal de Educação, professora Helena Bomeny.

 

Agradeço a presteza da professora Ruth Macedo, regente da Sala de Leitura da Escola Municipal França, no envio das entrevistas, assim como agradeço a direção da escola, professora Marilia Leal.
 

Regina Bizarro é a professora Representante do Rioeduca/5ªCRE.

Contatos: reginabizarro@rioeduca.net

Facebook: https://www.facebook.com/rebiza

 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 02/04/2015

Sons e Movimentos para Bebês

Tags: 4ªcre.

 

 

 

A primeira infância é decisiva para a aquisição das bases do desenvolvimento, por isso a importância da estimulação e da troca sob a pespectiva do afeto dedicados aos bebês são essenciais para incentivar o seu desenvolvimento neurológico, cujo cérebro se continuará a expandir até aos 5 anos de idade.

 

 

É sob essa pespectiva que se desenvolve o trabalho com as crianças do Berçário EI-51 no Espaço de Desenvovimento Maria de Loures Ferreira, confiram!

 

 

Vídeo da atividade realizada na EI-51 pela Professora Camila 

 

Pensado nisso, nada melhor do que o estimulo oferecido através da música e do movimento. A música possui um papel importante na educação das crianças. Ela contribui para o desenvolvimento psicomotor, sócio afetivo, cognitivo e linguístico, além de ser facilitadora do processo de construção do conhecimento.  

 

 

Quanto mais cedo a música for introduzida no ambiente da criança, maior será o seu potencial para aprender. As crianças que vivem rodeadas de palavras adquirem mais fácil e rapidamente um discurso fluente e claro.

Como podemos observar,  os bebês do berçário, reagem de maneiras diferenciadas aos sons que são apresentados durante a rotina de trabalho. Sendo assim, faz-se necessário explorar junto a eles as variedades sonoras que podemos executar com os materiais em sala, buscando também utilizar e confeccionar objetos a fim de encontrar e realizar múltiplas possibilidades sonoras.

 

 

Vídeo da atividade realizada na EI-51 pela Professora Fernanda 

 

 

O poder de concentração que a música traz para a criança é um dos grandes benefícios em introduzí-la desde cedo em algum instrumento. Outro fator importante é que a música é pura matemática e certamente aqueles que a estudam desenvolvem maior capacidade de aprendizado nessa matéria.

 

 

 

 

Finalmente, quero lembrar que a música deve ser uma atividade  realizada com prazer, pois somente assim os benefícios serão obtidos de forma natural, como sempre deve ocorrer na relação entre bebês e adultos

 

Parabéns para todos da equipe do Berçário EI-51 (Camila, Raquel, Alexandra, Agata, Heloisa, Carla e Fernanda) do EDI Maria de Lourdes Ferreira por promoverem esse diferencial no desenvovimento de nossas crianças. Certamente, elas crescerão mais sensíveis, humanas e felizes.

 

 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Postado por Ana Accioly Ver Comentários (0)