A A A C
email
Retornando 77 resultados para o mês de 'Maio de 2013'

Quinta-feira, 23/05/2013

Hoje em dia

Tags: família.

Hoje em dia, muitos pais que não têm muito tempo para passar com os filhos acham que definir uma rotina de atividades, além das habituais, para suas crianças é uma demonstração de afeto e carinho.

 

Levar e buscar os filhos na escola, matriculá-los em aulas de judô, inglês, música e computação e deixar as crianças irem às festinhas de amigos são atividades que muitos adultos sentiam falta na infância. Assim, acham que ao providenciar isso aos filhos estão sendo pais presentes e amorosos. O resultado disso: mães e pais cansados com essa maratona que parece não ter fim e crianças que passam mais tempo longe dos pais do que com eles.

 

 

A criança quer se sentir amada pelos pais de forma individual, e não como mais um membro da família.

 

E o problema não é só esse. Esses hábitos nem sempre tornam os pais mais presentes nas vidas dos filhos. Embora esses cuidados sejam importantes, pode-se compensar o tempo longe dos filhos com formas mais prazerosas e produtivas de fazer as crianças se sentirem amadas.

 

Vamos ver algumas dicas para melhorar o relacionamento com seus filhos:

 

  • O mais importante não é a quantidade de tempo que os pais passam com as crianças e sim a qualidade do tempo. Que tal um sorriso e um abraço carinhoso no caminho da escola? Ou uma boa conversa, olhos nos olhos, sobre os acontecimentos do dia no jantar?

 

  • Outras atividades como cantar e contar histórias antes de ir dormir, brincar com elas fora de casa mais tempo, conversar sobre qualquer assunto, com tempo, calma e mostrando real interesse.

 

  • Aproveitar o jantar para traçar planos para o fim de semana juntos, assistir com elas seus programas favoritos;

 

  • Colocar na lancheira, escrivaninha, cama e banheiro mensagens carinhosas e cuidar pessoalmente de sua alimentação são algumas demonstrações de afeto que as crianças guardam na memória durante a vida inteira.


 

  • Outra dica é tratar cada filho como um indivíduo importante na família. A criança quer sentir-se amada pelos pais de forma individual, e não como mais um membro da família. Tente arranjar tempo para sair com cada uma das crianças individualmente. Sair de vez em quando com um filho de cada vez dá mais liberdade para a criança se comunicar, além de aumentar a sensação de segurança e autonomia. Nesses momentos, pergunte o que cada filho gosta e o que eles gostam de fazer e mostre interesse no programa.

 

É importante os pais aproveitarem toda e qualquer ocasião para criar laços com seus filhos, isso melhora a maneira como eles veem a si mesmos e o mundo. Criar esses momentos com seus filhos não depende apenas de ter tempo: é preciso que também se esteja emocionalmente disponível. 

 

O mais importante para seu filho é o quanto você demonstra que gosta da companhia deles e se diverte com eles, não necessariamente o que fazem juntos. Não se trata de bancar os pais: trata-se do prazer de ser pai.

 

Procure transformar esses hábitos em rotina. Esse esforço vale à pena quando percebemos que os filhos estão mais sorridentes, amigáveis, próximos de nós e felizes.

 

Maria Delfina é Professora da Rede Municipal

e responsável pelo Blog Família do Portal Rioeduca.

E-mail: mariadrodrigues@rioeduca.net

Twitter: @mariadelfina11

 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 23/05/2013

Realfa 2B, Pressão do Ar em Experiências

Tags: 5ªcre, projetos.

Na Escola Municipal Cecília Meireles, o professor de Ciências José Mauro dos Reis desenvolveu um experimento da pressão do ar, envolvendo seus alunos da Realfa 2B.

 

O professor José Mauro Lopes dos Reis é professor da rede municipal há 21 anos e trabalha utilizando diferentes recursos e metodologias. Atua no Laboratório de Ciências da Escola Municipal Cecília Meireles com turmas do 6º ao 9º ano e CEST na turma do Realfa 2B.

 

Com o intuito de envolver os alunos do Realfa 2B, o professor desenvolveu um experimento sobre a pressão do ar. Seu objetivo foi o de que seus alunos reconhecessem a pressão do ar gerando movimento.

 

Segundo o professor: “os alunos perceberam que o ar comprimido, quando liberado, ocasiona o deslocamento do foguete, comprovando de forma lúdica que o ar pode ser utilizado para diversos fins como encher pneu de bicicleta, de veículos, etc.”.

 

Para este experimento foi usado um foguete construído com sucatas, que impulsionado com a pressão do ar comprimido através de uma bomba de água, pudesse fazer os alunos perceberem a existência do ar e a pressão que esta exerce, seguindo as etapas do método científico.

 

Professor José Mauro Lopes dos Reis e alunos do Realfa 2B: reconhecendo a pressão do ar gerando movimento.

 

Passos para a construção do foguete:

 

• Utilização de uma garrafa pet inteira, atendendo ao princípio da reutilização;

• Montagem das asas (aletas) do foguete com cartolina e fita crepe;

• Lançamento do foguete utilizando uma base composta de tubos e bomba de bicicleta.


Conheça mais trabalhos que alunos e professores desenvolvem na Escola Municipal Cecília Meireles, clicando no link http://emcecilia2011.blogspot.com.br/


 

Escolas e professores, participem das publicações do portal Rioeduca enviando para o representante da sua CRE projetos desenvolvidos e/ou atividades que impactaram a aprendizagem de seus alunos.

 

Clique aqui para saber o e-mail do seu representante.

 

Professora Regina Bizarro _ Representante do Rioeduca na 5ªCRE.

Twitter: @rebiza

Facebook: Regina Biza

E-mail: reginabizarro@rioeduca.net

 

 

                               


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 23/05/2013

Professora Alzenate: Sucesso no Alfabetiza Rio

Tags: 4ªcre, projetos, concursos.

 

Garantir que as crianças aprendam a ler e a escrever assim que entram na escola é o seu grande desafio, professor alfabetizador. Nessa pespectiva, a Secretaria Municipal de Educação divulgou os resultados do Alfabetiza Rio 2012 em abril, mostrando que 90% dos alunos foram alfabetizados no final do 1° ano. 

 

"Alfabetize letrando sem descuidar da especificidade do processo de alfabetização, a especificidade é ensinar a criança e ela aprender"

Magda Soares

 

Dentro dessa visão, a alfabetização é, sem dúvida, uma das prioridades nacionais no contexto atual, pois o professor alfabetizador tem a função de auxiliar na formação para o bom exercício da cidadania de nossas crianças, levando-as a ter o hábito de ler, desenvolvendo as habilidades necessárias para adquirir o prazer pela leitura e pela escrita de diferentes gêneros de textos, em diferentes suportes ou portadores, em diferentes contextos e circunstâncias.

 

Conheçam a trajetória da Professora  Alzenate que trabalha na  Escola Municipal Luiz Cesar Sayao Garcez e foi destaque no ALFABETIZARIO da 4ª CRE

 

 

 

Atualmente, encontro-me como coordenadora pedagógica na Escola Municipal Luiz César Sayão Garcez e precisei assumir a turma 1403 por falta de professor. Na Páscoa, realizei junto à turma um teatro, o qual os deixou bem motivados e isso gerou um aumento na autoestima e possibilitou o desenvolvimento de habilidades como: autonomia, organização, concentração e responsabilidade.


No ano de 2012, fui regente das turmas 1.101 e 1.102, e acredito que em turmas de 1º ano, o professor precisa estar aberto a novas propostas e firme no propósito de alfabetizar. O ponto que destaco de positivo em minha atuação como professora é que não desisto de nenhum aluno, e não me dou por satisfeita em ter metade da turma já lendo. Tenho como objetivo que todos os alunos se apropriem da leitura e da escrita.

 

 

Para conseguir, diariamente, utilizo-me de textos de onde extraímos os objetivos relacionados naquele dia como: letras, palavras e informações. Quando letras, relacionamos aos nomes; às listas; à chamadinha etc. Quando palavras, pensamos nos sons, em qual letra a palavra começa e termina, contamos as letras e as sílabas das palavras relacionando com outras palavras que começam com a mesma letra.

 

 

Criamos listas de palavras que terminem com o mesmo som, desta forma, trabalhando a rima. Depois de estarem bem avançados na leitura, fazemos banco de palavras que apresentam as mesmas dificuldades. Ex.: palavras só com LH ou NH; RR; SS: S com som de Z; Ç; etc. No início fazemos listas, onde as palavras têm uma relação. Ex.: Listas com os alunos da turma, frutas, animais, material escolar; etc. Assim, eles identificam as palavras por dedução utilizando dos recursos que já dominam como a letra inicial, quantidade de letras.


Buscamos palavras que possam substituir a palavra destacada do texto sem mudar o sentido da frase. Utilizo uso de cruzadinhas e caça-palavras. Faço a rodinha onde conversamos livremente, para fortalecer o vínculo de confiança e afetividade e para apresentar diferentes tipos de textos que satisfaçam a curiosidade e o interesse dos alunos. Desenvolvo diariamente atividades de leitura e escrita onde possa observar o desenvolvimento de cada aluno e intervir sempre que se faça necessário.


Trabalho constantemente com o uso de material concreto como: jogos, projeto trilhas, blocos lógicos e material dourado para auxiliar o processo de alfabetização e letramento. Pratico semanalmente junto aos alunos desafios que para mim fazem com que a criança aguce seu raciocínio e assim levante hipóteses até que se ache a resposta correta.

 

 

A relação aluno-professor deve ser baseada em muita confiança e amor. Porque quando o aluno está seguro em uma fase da escrita e necessita avançar, o professor interfere e gera um desequilíbrio naquilo em que o aluno estava seguro de estar certo e o passo adiante que ele precisa dar. Havendo confiança e amor, esse aluno avança no seu desenvolvimento cognitivo, afetivo, social com maior segurança.


Vale ressaltar que o professor alfabetizador sente uma angústia enorme no início do ano letivo achando que não irá conseguir. No decorrer do período o alívio diminui, por começar a colher os frutos do seu trabalho, feito com responsabilidade e dedicação, então a angústia começa a dar lugar a uma enorme satisfação e orgulho.

Texto da Professora Alzenate Ancelme Dias

 

O Rioeduca da 4ªCRE parabeniza a Professora Alzenate por levar seus alunos a alcançarem conquista tão importante, conquista essa que será usufruída pelo resto da vida deles.

 

Ana Accioly é Professora da Rede Municipal

e Representante Rioeduca da 4ª Coordenadoria Regional de Educação

E-mail: anaaccioly@rioeduca.net

Twitter: @Ana_Accioly
 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 23/05/2013

Semeando e Cultivando a Leitura em Família

Tags: 9ªcre, cidadedeleitores, leitura, saladeleitura.

O EDI CAMPO GRANDE, da 9ª CRE, comemorou o Dia Nacional do Livro Infantil com o desdobramento do Projeto da Sala de Leitura “Semeando e Cultivando a Leitura em Família”, em que convidou os responsáveis para serem os protagonistas do evento.

 

No dia 18 de abril, o EDI Campo Grande comemorou esta data tão importante para todos nós: “O Dia Nacional do Livro Infantil”. Foram covidados os responsáveis para participar deste dia junto com a comunidade escolar.
 

 

As crianças puderam ouvir diversas histórias contadas por eles: vovôs, titias, mamães, papais e professores. Foi um momento muito alegre e criativo, pois utilizaram, além do livro, suas habilidades e a linguagem corporal para contação.


Dessa forma, este dia tão especial contribuiu para fomentar o processo de construção da leitura, tornando mais efetiva a participação de toda a comunidade escolar.


Podemos dizer que neste dia, toda a comunidade escolar vivenciou o que Monteiro Lobato um dia escreveu: “para crianças um livro é todo um mundo.”


Vamos ver alguns momentos deste envolvente evento:

 

 

A professora Marcia Verli Alves nos enviou um breve relato para que pudéssemos conhecer melhor o Projeto da Sala de Leitura do EDI Campo Grande: 


O "Projeto Semeando e Cultivando a Leitura em Família", que está sendo desenvolvido pela Sala de Leitura com as famílias de nossas crianças, já nos mostra o início de bons frutos. Nele realizamos o empréstimo de dois livros, em que a criança leva os mesmos para casa dentro de uma sacola. Junto à família, a criança decide qual livro será lido. Nesta sacola também acompanha um caderno para ser registrado pela pessoa que contou a história como foi este momento. A sacola retorna para a escola no dia seguinte para que outra criança possa levá-la para casa.


Este envolvimento da família na vida escolar das crianças é fundamental. A família é capaz de despertar o interesse e a curiosidade delas e incentivar a sua aprendizagem. Por isso, o seu compromisso é indispensável!
      
 

Parabéns a toda equipe do EDI Campo Grande pelo belo trabalho de envolver a família na escola através da leitura!

 

 

Profª Márcia Cristina Alves Representante da 9ª CRE
E-mail: marciacerqueira@rioeduca.net
Twitter: @marciacrisalves

 

 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share