A A A C
email
Retornando 26 resultados para o mês de 'Junho de 2016'

Sexta-feira, 24/06/2016

CIEP Pontes de Miranda no Combate ao AEDES: Um Por Todos, Todos Por Um!

Tags: 9ªcre, projeto, aedes, zika, dengue.

 

 

 

 

O CIEP Francisco Cavalcante Pontes de Miranda se mobiliza para evitar a proliferação do mosquito Aedes Aegypti. 

 

Desde o início do ano letivo, a Coordenação Pedagógica, junto à Sala de Leitura e à comunidade escolar, vinham pensando em questões que implicam tanto no individual quanto no coletivo. Dessa forma, foi importante pensar em ações que mobilizassem não apenas os alunos, mas toda a unidade escolar, bem como a comunidade do entorno. Assim, as turmas, desde a Educação Infantil, foram discutindo a importância de uma grande mobilização. Os educadores lançaram mão de vários recursos, explorando diferentes linguagens (vídeos, livros, panfletos, jornais, histórias em quadrinhos, músicas, jogos etc.), a fim de mostrar o quanto era imprescindível conhecer o problema para pensar em ações coletivas de combate ao mosquito Aedes Aegypti e propiciar uma vida mais saudável.

 

 

Aos poucos as ideias foram se solidificando e favorecendo o protagonismo infanto-juvenil. Com as nossas crianças e adolescentes conscientizados e participativos nessa empreitada, o Projeto foi ganhando força e conquistando nossos aliados, ao passo que novas estratégias foram sendo propostas. Logo no início do 1º bimestre, todos os responsáveis foram convidados a participar da Campanha de Mobilização de Combate ao Aedes Aegypti, através de uma palestra, com vídeo e debate, além do compromisso de realizar pequenas ações em sua residência e no entorno.

 

 

No dia da grande Mobilização contamos com parcerias externas e com atividades pedagógicas e recreativas, envolvendo uma abordagem bilíngue (Línguas Portuguesa e Inglesa). Os alunos tiveram a oportunidade de abordar o assunto de forma interdisciplinar, através de: produção de cartazes, tirinhas, charges, tabelas de sintomas, paródias, móbiles, reaproveitamento de materiais, jogos (“Let’s kill Zika!”, jogo da memória, etc.) e dramatização (“Uma visita indesejada”). Na ocasião, tivemos a visita de agentes de saúde da Clínica da Família, que atende a comunidade local, auxiliando na panfletagem e na conscientização acerca das doenças causadas pelo Aedes. 

 

 

Os alunos tiveram a oportunidade de visitar a Estação de Tratamento de Água (ETA Guandu/CEDAE). A discussão não se limitou ao tratamento da água, pelo contrário, os técnicos articularam questões para a conscientização ambiental dos alunos, a fim de evitar a poluição dos rios, o desperdício de água, o desmatamento, etc. Outras ações também foram sendo agregadas, com outros profissionais da saúde (médico, enfermeira, técnicos em Enfermagem), uma vez que o foco principal é a vida saudável: vacinação de meninas, saúde bucal, palestra sobre hanseníase e tuberculose, além da Oficina sobre plantas medicinais, realizada pela SMDS (com técnicos agrícolas da Fazenda Modelo). A saúde mental também foi enfatizada, em parceria com os “Doutores da Alegria”, através do espetáculo “Festa no Céu”, incentivando os alunos a viajarem pelo mundo da leitura e da imaginação, a fim de compreender melhor o mundo em que vivemos.

 

 

Oportunamente, no Dia do Brincar sem Muros, enfatizamos mais uma vez a necessidade do envolvimento de todos nessa mobilização, integrando atividades lúdicas e artísticas, quando os responsáveis interagiram com as crianças através de jogos como: cabra-cega e “Estação de tratamento de combate ao mosquito”, que teve as seguintes etapas: colocar terra nos vaso de planta; retirar a água parada das garrafas pet; colocar água nas vasilhas e tampar; recolher o lixo (bolinhas) e ensacar; tampar as garrafas abertas; bater/matar os mosquitos sobreviventes (produzidos com pet). Em seguida, os responsáveis produziram esculturas com frutas e legumes, junto às crianças, e a sobra (cascas) foi reaproveitada para o processo de compostagem do solo; o que favoreceu discutir alimentação saudável, reaproveitamento de alimento e alimentação alternativa.

 

 

Contato com o CIEP pelos telefones 3394-0622 e 3364-1620, ou pelo e-mail ciepfmiranda@rioeduca.net.

 

 

 


                               

 

 

 

 


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 23/06/2016

“Rio 2016, a vez do Brasil”

Tags: 3ªcre, olimpíada, folclore.

 

   

 

 

O PPA do EDI 03.12.804 Professora Tania Martins Novo Lenz, neste ano, tem como tema as OLIMPÍADAS 2016, e, no projeto do 1º bimestre “Rio 2016, a vez do Brasil”, foram vivenciadas as diferentes regiões do Brasil. Vamos conhecer esse trabalho?

 

 

Celebrando a diversidade do nosso país, cada segmento ficou responsável por uma região. A divisão ficou da seguinte forma após um sorteio: Berçário (Região Norte), Maternal I (Região Nordeste), Maternal II (Região Centro-Oeste), Pré I (Região Sul) e Pré II (Região Sudeste). As cores do Brasil foram bem exploradas decorando as salas e EDI, o Hino Nacional e a Bandeira. Os mapas do país e regiões foram apresentados de forma lúdica, de acordo com a criatividade de cada educador.

Para conhecer melhor o Brasil, seus estados, costumes e cultura, iniciamos uma grande jornada de pesquisa para conhecer as danças, hábitos alimentares, vestimentas, lendas, etc. Durante a realização do projeto, houve a participação de toda a comunidade escolar. 

A mãe de uma aluna gaúcha da Pré Escola, que estava responsável pela Região Sul, veio contar a história do chimarrão e as crianças aprenderam como preparar e depois saborearam esta iguaria. Também brincaram de pisar em bolas com tintas, dentro da bacia, imitando a festa da uva e logo após beberam o suco de uva preparado pela professora. Na festa, a turma EI-22 apresentou a dança do Pezinho e o Xote Carreirinho  e a Turma EI-21 além de estudar as lendas e costumes, apresentaram a Dança do Pau de Fita.

 

 

A Turma do EI-11 (Pré II), responsável pela Região Sudeste, experimentou o pão de queijo de Minas Gerais, sentiu o cheirinho do café das fazendas do Espírito Santo e conheceram um pouco da arquitetura da metrópole da maior cidade urbana - São Paulo. 
Conheceram também um pouco mais da nossa cidade - o Rio de Janeiro - com seus pontos turísticos.

A Turma do EI-11 (Pré II), responsável pela Região Sudeste, experimentou o pão de queijo de Minas Gerais, sentiu o cheirinho do café das fazendas do Espírito Santo e conheceram um pouco da arquitetura da metrópole da maior cidade urbana - São Paulo.
Conheceram também um pouco mais da nossa cidade - o Rio de Janeiro - com seus pontos turísticos.
Nesse momento, estudaram e demonstraram a face do Rio de Janeiro como cidade olímpica, apresentaram os mascotes olímpicos , e desfilaram no “Calçadão de Copacabana” representando a beleza das cariocas e dos meninos do Rio. Escolheram o samba para representar a região estudada.

As turmas do Maternal II exploraram o Pantanal Mato-Grossense e se divertiram aprendendo sobre a flora e a fauna, montando um cenário lindo com sucatas e atividades artísticas. Assistiram vídeos relacionados à região e os índios que vivem no local . Apresentaram a música do Grupo Palavra Cantada “Ciranda dos Bichos” para representar a região.

 

 

O Berçário apreendeu sobre a cultura indígena e suas pinturas corporais, sobre os animais e a vegetação da região Norte e as lendas. Degustaram um pouquinho do guaraná natural com açaí, experimentaram o aipim/mandioca da cultura amazonense, dançaram o Carimbó e as músicas de festa de Parintins e brincaram com o Boi confeccionado de caixa de papelão.

O Maternal I adorou trabalhar a Região Nordeste, brincaram de pipa e o Bonecão de Olinda adaptado, provaram a tapioca, confeccionaram o chapéu e sanfonas para dançar a música do Rei do Baião, Luiz Gonzaga.

E neste mesmo ritmo, o dia 27 de abril , da nossa Avaliação, foi palco de uma  homenagem para  a Região Nordeste, com decoração, artesanato, músicas de Luiz Gonzaga, tapioca e Literatura de Cordel; que emolduraram as discussões dos  textos propostos pela SME/CRE.


 

 

Um pouco sobre o  EDI 03.12.804 Profª Tania Martins Novo Lenz e sua patronesse:

Inaugurado no dia 17 de abril de 2012, o EDI 03.12.804 Profª Tania Martins Novo Lenz recebeu esse nome para homenagear a professora que tanto se destacou no cenário da educação da cidade do Rio de janeiro.

A carreira profissional da professora Tania Martins Novo Lenz teve início nos anos 80. Foi a primeira diretora do complexo escolar foi CIEP Pres. João Goulart (E/2ª CRE). Nos anos 90, como diretora, abriu o espaço do complexo escolar, então conhecido como Brizolão de Ipanema, para diversas parcerias. Por suas mãos chegaram aos alunos e também à comunidade do morro de Cantagalo projetos importantes, tais como: Afro Regae, Ballet –Dançando para não dançar, Boxe, capoeira, oficinas de Prancha de Surf, Teatro e o primeiro embrião do Projeto Criança Esperança na comunidade, dentre outros.

Em pouco tempo sua liderança foi reconhecida e respeitada por todos na comunidade. E a professora do asfalto da Zona Sul, que subiu o morro para trabalhar, passou a ser reconhecida como Tania do Brizolão do Cantagalo; nome e sobrenome do qual se orgulhava.

Agora a professora se faz reconhecer como Tania Lenz; nome e sobrenome que jamais esqueceremos. Professora Tania Novo, Tania do Brizolão do Cantagalo, Tania Lenz, não importa como a conheceram, hoje sentiremos muitas saudades.

 

 

Parabéns para o EDI ProfªTania Martins Novo Lenz pelo trabalho de excelência que vem sendo desenvolvido com seus alunos e motivo de orgulho para a sua  comunidade escolar.

 

 

 

 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 22/06/2016

Todos Contra o Aedes aegypti

Tags: 2ªcre, dengue.

 

 

 

As ações que combatem ao mosquito Aedes Aegypti precisam ser praticadas por todos os cidadãos. E nossas escolas estão trabalhando para formar cidadãos conscientes e responsáveis pelo ambiente coletivo.

 

A Creche Municipal Winnie Mandela e a Escola Municipal Matta Machado, desenvolveram projetos cujos objetivos eram fazer com que os educandos compreendessem a importância da participação de todos no combate ao mosquito Aedes Aegypti. Assim, os alunos também poderão multiplicar as informações recebidas na escola, auxiliando na melhora da vida em sociedade.

 

 


A Creche Municipal Winnie Mandela desenvolveu o projeto na Semana de Mobilização da Família e da Comunidade Escolar, visando informar ações que combatam do Aedes Aegypti e ao Zica. Houve a participação das famílias e os estudantes foram os protagonistas desse momento.


Através de conversa informal as crianças foram conscientizadas sobre a importância de combater esse mosquito. A equipe pedagógica realizou atividades para que as crianças internalizassem esse conhecimento por meio de uma aprendizagem cheia de significados. Dentre as atividades realizadas estão: a construção do mosquito vilão com materiais reciclados e uma passeata dentro da creche.

 

Atividades sobre o projeto.

 

Além disso, a equipe pedagógica levou os alunos para observar o Rio Joana, que fica ao lado da creche. Após a visita, foram confeccionados cartazes, maquetes do rio poluído e latas de lixo.

Para enriquecer as atividades do projeto, os alunos, junto com os professores, dramatizaram tudo que esse mosquito é capaz de fazer e brincaram de pique mosquito.

E para encerrar esta semana as famílias foram convidadas para participar de uma passeata dentro da comunidade.

 

Aprendendo lições de cidadania.

 

A Escola Municipal Matta Machado desenvolveu o projeto “Xô Aedes”, propondo ações compatíveis com as diferentes faixas etárias as quais atende. E também a dinamização de estratégias capazes de despertar a consciência da comunidade escolar em seus diferentes segmentos.


As turmas de primeiro e segundo anos desenvolveram atividades sobre os sintomas causados pelo Zika Vírus e pesquisas sobre a forma de combater o mosquito e apresentaram a paródia “Era uma Casa”. Já as turmas do terceiro e quarto anos pesquisaram e desenvolveram atividades abordando o tema prevenção.

 

Murais com atividades sobre o projeto.

 

Alunos participando das atividades do projeto.

 

Os alunos do quarto, quinto e sexto anos pesquisaram e desenvolveram atividades sobre as causas da dengue, contágio, ciclo de transmissão do vírus, diagnóstico das doenças, tratamento, prevenção e a relação Zika Vírus com a microcefalia.

 

Apresentação de trabalhos realizados ao longo do projeto.

 

No encerramento do projeto, a escola recebeu os responsáveis para conhecerem os trabalhos realizados pelos alunos.

Parabéns às unidades escolares por desenvolverem ações que promovam a cidadania e o cuidado com o ambiente coletivo. Agradecemos as equipes pedagógicas que compartilharam conosco esta rica experiência.

 

Contatos das unidades escolares:

Creche Municipal Winnie Mandela cmwinnie@rioeduca.net

E. M. Matta Machado ccmatta@rioeduca.net

 

 

 

Divulgue também o trabalho de sua escola no portal Rioeduca.

Entre em contato com o representante de sua CRE.

 

 

Renata Carvalho - Professora da Rede e representante do portal Rioeduca na 2ª CRE

renata.carvalho@rioeduca.net


 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 22/06/2016

Trabalhando com projetos: O trabalho no Formigueiro

Tags: 11ªcre, especial, projetos.

 

 

 

A professora Fernanda Xavier tem respondido muitas perguntas da sua turminha de educação infantil regular, na E. Especial Municipal Rotary Club, localizada na Ilha do Governador. CONFIRA!

 

 

Tudo começou com um pássaro imóvel no chão coberto de formigas que chamou a atenção dos alunos, que levantaram diversas questões: formiga come passarinho morto? Para onde o estão levando? Elas voam? Põe ovos? São do bem ou do mal? 

Partindo dessas perguntas a professora tem desenvolvido um trabalho através da metodologia de projetos, intitulado "O trabalho no formigueiro".

 

Alunos pesquisadores: Observação de formigas

 

Na verdade, este é um recorte do projeto que começou com o nome de "Mundo das formigas", porém atualmente já se chama "Mundo do trabalho: Aprendendo com as formigas", pois a proposta do itinerário do projeto, como relata a professora, é feita à base de poucas fixações, com trajetória mutável oportunizando uma postura investigativa em relação ao mundo natural e social, através de diferentes fontes de pesquisa, segue arriscando novos caminhos e ampliando visões de mundo.

A turma tem demonstrado bastante interesse em saber cada vez mais sobre o mundo das formigas, munidos de lentes de aumento, passaram a procurá-las pelo parquinho, coletando-as para observação.

 

Mãos na massa, ou melhor, argila! Criação do formigueiro

 

Através dos conhecimentos compartilhados foi criado um planejamento coletivo, onde os alunos começaram, então, a trazer fotos, livros, filmes, potinhos com o inseto e pesquisas feitas na internet por mães muito participativas. O enorme envolvimento do grupo deixou clara a importância do planejamento participativo.

 

Formigas, ovos, larvas feitas com massinha de modelar

 

Seguindo o planejamento coletivo, iniciaram com muita empolgação a construção, por toda a turma, de um grande formigueiro de argila com suas diversas câmaras, onde cada formiga representava sua respectiva função. O inseto, ovos e larvas foram feitos com a massinha de modelar produzida pelas próprias crianças com farinha de trigo e sal.

Como haviam combinado que o formigueiro faria parte de um lindo jardim, a professora apresentou o livro “Lineia no jardim de Monet” para inspirá-los nessa atividade. Foi então, recriado na maquete o lago, a ponte e as ninfeias de uma de suas obras, com cores vivas e fortes, pois decidiram que, se Monet fosse pintá-lo, escolheria fazê-lo em um dia ensolarado.

 

Desenho dos alunos. Conhecimento adquirido através de muita pesquisa e observação 

 

Para construir o Sol, que também estava nos combinados e queriam que fosse bem diferente, o aluno Rafael foi influenciado pela observação de uma pintura da artista Tarsila do Amaral, onde o Sol lembrava uma laranja cortada e que conheceram através do livro “Uma aventura no mundo de Tarsila”.

“Tudo isso cria uma trama que faz com que indaguem, busquem e sigam um fio condutor que não surge de maneira espontânea nem pré-fixada, mas sim da interação, do diálogo pedagógico...” - Profª Fernanda

A culminação aconteceu com a confecção, pelas crianças, do bolo formigueiro em uma festa muito animada que contou com a presença das mães.

 

Professora Fernanda juntamente com seus alunos da educação infantil

 

As descobertas sobre as diferentes funções dos membros do formigueiro, o trabalho exaustivo das operárias, o fato da rainha e do macho não trabalharem nem cuidarem dos filhos, faz com que reflitam, agora, sobre diferentes tipos de família: mas e em nossas casas, como é o trabalho? Começa aqui, então, outra história... Ou seria a mesma??

 

O trabalho por projetos visa a re-significação do espaço escolar, transformando em um espaço vivo de interações aberto ao real e as suas múltiplas dimensões. Aprender deixa de ser um simples ato de memorização e ensinar não significa mais repassar conteúdos prontos. (Dewey)

 

 

Quer saber mais sobre o projeto?

Unidade Escolar: E. Especial Municipal Rotary Club

E-mail: emrotaryc@rioeduca.net

Telefone: 2463-0156 ou 3393-4215

 

 

 

Parabéns, professora Fernanda, por proporcionar aos alunos uma aprendizagem significativa, de forma lúdica e construtiva, que com certeza levarão para a vida toda!

 

 

Laura Fantti Davilla Serpa
Representante Rioeduca da 11ª CRE
Facebook: https://www.facebook.com/groups/1607751852842237
Twitter: https://twitter.com/laurafanttini
E-mail: lauradavilla@rioeduca.net

 

 

 

                            

 

 

 


   
           



Yammer Share