A A A C
email
Retornando 30 resultados para o mês de 'Junho de 2017'

Quinta-feira, 15/06/2017

Interações na Pré Escola: faz-de-conta no EDI M. O. Arthur Nory

Tags: 9ªcre, pre, escola, letramento.

 

O EDI M. O. Arthur Nory, nas brincadeiras da turma da Pré Escola EI 51, construiu um “mercadinho”. Através deste faz-de-conta, as crianças aprenderam brincando, conheceram regras e questões de convivência social.

A criança está em processo de desenvolvimento. Dessa forma, a Educação Infantil atua a fim de desenvolvolvê-la na sua integralidade. O professor deve pensar e oportunizar diariamente brincadeiras que contribuam para o desenvolvimento e aprendizado das crianças, contextualizando-as com vivências e experiências das mesmas. 

 

  

 

 


Sabe-se que as crianças se desenvolvem e aprendem a partir das interações (com seus pares, adultos e materias) e das brincadeiras. O brincar permite o desenvolvimento de diversas habilidades e conhecimentos, pois a criança aprende brincando. Desse modo, as brincadeiras preisam estar presentes no planejamento e devem ser oportunizadas durante a rotina na Educação Infantil. “Assim, garantir na Educação Infantil um espaço de brincar é assegurar uma educação numa perspectiva criadora e que respeita a criança e seus modos de estar no mundo. Brincar é uma atividade que se aprende na relação com o outro e que sofre contínuas mudanças ao longo do tempo.” (OCEI, pag. 17)
 

Para começar a brincadeira...

Foi enviado aos responsáveis um bilhete, pedindo para que contribuíssem, enviando embalagens de alimentos, produtos de limpeza, higiene, entre outros. Assim que receberam as embalagens, a turma começou o processo de preparação do nosso mercado. No primeiro momento foi informado à turma, que nosso mercadinho, seria organizado em três espaços (categorias): alimentos, higiene pessoal e limpeza e demarcamos estes espaços nas prateleiras (plaquinhas). Nesta etapa, foi escolhido pela turma, o nome do nosso mercadinho: Mercadinho dos Amigos.

No segundo momento, começamos a preparar os “produtos” para o mercado, com a colocação dos preços. Foram escolhidos somente preços simples, iguais às cédulas em circulação em nosso país (Real). Ex: R$ 2,00 / R$ 5,00 / R$10,00 / R$20,00 / R$ 50,00 / R$ 100,00.

 

Em seguida, começamos o processo de separação dos nossos “produtos” de acordo com as categorias pré-estabelecidas, organizando-os nos seus respectivos lugares.

Nesta etapa, foi explorada a Linguagem Oral e Escrita. Através das embalagens, trabalhamos com a Matemática, com formas geométricas, quantidades, noções de grandeza, comparando o tamanho das embalagens, identificando os numerais presentes nos rótulos e seu respectivo valor, comparando produtos de marcas diferentes (mais caro/barato). Além disso, foi possível avaliar o conhecimento da turma acerca da utilização dos produtos apresentados, no cotidiano (para alimentação, limpeza ou higiene). Não esquecendo do tema “Sustentabilidade”, pois os “clientes” sempre levam suas sacolas/bolsas. 

Assim que todos os produtos já estavam com seus preços e em seus lugares, foi delimitado um espaço que seria onde ficaria o “caixa”, onde as compras seriam pagas. Foram distribuídas cédulas para as crianças comprarem os produtos e a brincadeira começou!

Além de brincadeira, o mercadinho também foi fundamental para abordar temas como Alimentação Saudável e Higiene. Vale lembrar que ele ainda está em “construção”, pois as crianças continuam trazendo embalagens de casa. Importante ressaltar que essa atitude tão simples faz com que as crianças se sintam parte integrante e fundamental não somente do nosso “mercadinho”, mas também da nossa turma!  

 

Do mercadinho ao alfabeto de rótulos

 

 

A construção do alfabeto de rótulos se deu como uma sequência do trabalho com o mercadinho. Dessa forma, foram utilizados rótulos de embalgens trazidas pelas crianças para o mercadinho e construímos o alfabeto de rótulos, identificando as letras iniciais de cada palavra e relacionando-as com o alfabeto (Ex.: A: Ana Maria, N: Ninho, etc.). Também comparando letras iniciais dos rótulos com as iniciais dos nomes das crianças da turma, observamos a composição dos produtos informada nas embalagens.

 


“Lembramos que a apropriação da linguagem escrita não pode se dar de maneira descontextualizada para a criança ou de maneira impositiva e arbitrária, pois nossas crianças vivem numa sociedade letrada e percebem a leitura e a escrita em diferentes situações de seu dia a dia, o que torna a leitura e a escrita atividades de seu cotidiano. Devemos, portanto, considerar essas experiências ao planejarmos as ações pedagógicas, para que as situações de aprendizagem sejam significativas e contextualizadas.” (Orientações ao Professor de Pré-Escola I e II, pag. 10)

 

Parabéns à professora Isabele e toda a turma da EI 51!

 

DADOS DA UNIDADE:

EDI Medalhista Olímpico Arthur Nory O. Mariano

Est. do Goiabal, S/N, Inhoaíba

Diretora: Mônica

 


 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 14/06/2017

Somos Incansáveis contra o Aedes aegypti

Tags: 8ªcre, pse, dengue.

 

A conscientização das medidas para prevenir as doenças causadas pelo mosquito Aedes aegypti é algo que passou a fazer parte da vida da cidade do Rio de Janeiro. A Secretaria Municipal de Educação entrou nessa parceria para que o êxito da campanha seja real.

 

Alunos preparando materiais para a campanha "Aqui Mosquito Não se Cria!"

 

Mobilizados de forma sincronizada, as escolas da prefeitura do Rio de Janeiro realizaram a Campanha "Aqui Mosquito Não se Cria!"

Durante a semana de mobilização, as escolas seguem um cronograma feito pela Secretaria Municipal de Educação, com a finalidade de orientar e sugerir ações que envolvam todos os seguimentos das escolas.

O Grêmio Estudantil, o Conselho Escola Comunidade (CEC), os funcionários, os professores e os alunos fazem parte da programação. Além deles, a escola conta com o apoio da Secretaria Municipal de Saúde, que, através do PSE (Programa Saúde nas Escolas), orienta, divulga e informa sobre as arboviroses: Dengue, Zika e Chikungunya.

 

Caminhada ao redor da E.M. Professor Firmo Costa

 

A Escola Municipal  Professor Firmo Costa é uma das escolas da 8ª Coordenadoria de Educação que fez um belo trabalho durante a campanha contra o mosquito.

O início das atividades aconteceu dentro da sala de aula. Alunos e professores pesquisaram e conversaram sobre o mosquito e as doenças que ele transmite.

Em seguida os alunos prepararam alguns materiais de divulgação da campanha, visando a caminhada que aconteceria ao final da semana, que é o ponto de maior interação com a comunidade, pois a escola sai pelas ruas próximas alertando sobre a gravidade das doenças e de como são simples as medidas preventivas que todos nós devemos ter.

No dia da caminhada "Aqui Mosquito Não se Cria" da Escola Municipal Professor Firmo Costa, Agentes de Saúde também estiveram presentes, falaram com os alunos e fizeram buscas de focos do mosquito no pátio da escola e nos arredores. 

 

 

Agentes de Saúde dando instruções aos alunos

 

Não diferente das escolas, a Gerência de Educação (GED) da 8ª CRE também realizou uma ação direcionada aos profissionais que lá trabalham.

Com a presença de representantes da SMS (Secretaria Municipal de Saúde) e da SMASDH (Secretaria Municipal de Assistência Social dos Direitos Humanos), o evento trouxe muitos esclarecimentos aos presentes.

No pátio da Coordenadoria foram montados estandes, onde era possível aprender sobre o trabalho das secretarias e coordenadorias.

A Vigilância Ambiental em Saúde discursou sobre os riscos biológicos e não biológicos presentes nas comunidades.

A equipe dos Educadores em Saúde apresentou seu plano de trabalho, que é todo voltado para a prevenção. Eles formam um grupo que, através do teatro, passa todas as informações pertinentes ao combate ao mosquito. Na 8ª Coordenadoria eles fizeram uma demonstração do trabalho com muita animação e humor!

 

 

Uma nova informação trouxe mais urgência ao combate ao mosquito Aedes aegypti: o surgimento da Febre Amarela! Nas cidades esse mosquito, previamente contaminado, é o transmissor da doença.

Em algumas pessoas não há manifestação de sintomas da Febre Amarela, porém em outras, o quadro se apresenta bastante sério com febre, náuseas, dor de cabeça e nos músculos. Esses sintomas podem aparecer associados ao amarelamento da pele e dos olhos do paciente.

A Febre Amarela pode levar à morte, por isso é tão importante conscientizar a população da necessidade de vacinar-se e de prevenir a proliferação do mosquito.

 

Representantes das equipes da Secretaria de Saúde e da Assistência Social

 

Doutora Marluce Santana respondeu perguntas sobre os sintomas das arboviroses

 

O Rioeduca parabeniza à E. M. Professor Firmo Costa e também à Gerência de Educação da 8ª CRE.

Um especial agradecimento à professora Leila Soares, que colaborou com essa publicação e foi a organizadora do evento.

 

Para entrar em contato com:

E.M. Professor Firmo Costa: empcosta@rioeduca.net

Gerência de Educação da 8ªCRE: gedcre08@rioeduca.net

 

 

 


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 13/06/2017

III FLIG - Feira Literária da Gastão

Tags: 7ªcre, projetos.

 

 

 A terceira feira literária da Escola Municipal Gastão Monteiro Moutinho (III FLIG) aconteceu no dia 6 de maio, apresentando a temática dos contos de fadas.

 

A III FLIG (Feira Literária da Gastão) apresentou o mundo dos contos de fadas, trazendo para o espaço escolar o encantamento, o sonho e o retorno de elementos da infância dos alunos, dos pais e de todos.

 

       Entrada da III FLIG.

 

A primeira edição da feira literária da Escola Municipal Gastão Monteiro Moutinho aconteceu em 2015. Em meio a tantos sonhos, propostas e realizações, surgiu a necessidade de trazer os pais para dentro da escola, num momento de puro prazer, onde pudessem interagir, aprender e usufruir do espaço escolar, entendendo todas as suas nuances.

 

   Primeira edição da FLIG.   

 

 

        Segunda edição da FLIG.

                                                   

Em 2015, o tema foi autores cariocas e em 2016, o tema "Viagem de um cavaleiro andante em terras maravilhosas", que foi uma homenagem ao centenário de Dom Quixote e ainda contou com outros autores.

A III FLIG aonteceu com a presença da equipe escolar, alunos e com a presença dos responsáveis. Mais de 400 pessoas visitaram a feira literária. No evento teve contação de histórias, oficinas de arte, doação de livros , espaço lúdico, cineminha , exposição de trabalhos e estandes com os diversos clássicos da literatura infantil.

 

 

 

 

 

   Estande da história Rapunzel.

 

          Estande da história Chapeuzinho Vermelho.

 

 

             Estande da história Cinderela.

 

 

      Estande da história Branca de Neve.

 

As turmas de Educação Infantil trabalharam as histórias da Rapunzel e João e Maria. No primeiro ano foi trabalhado a história da Branca de Neve e os 7 anões. O segundo ano, a história da Chapeuzinho Vermelho. O terceiro ano, a história da Cinderela. Os músicos de Brenem foi a história tema do quarto ano. No quinto ano, a escolha foi a a pequena vendedora de fósforos. E o sexto ano trabalhou com a história da Bela Adormecida.

A III FLIG envolveu toda a comunidade escolar, sendo um momento único para a Escola Municipal Gastão Monteiro Moutinho. A equipe escolar já está pensando na edição de 2018.

 

 

    Equipe da escola reunida.

 

Parabéns a todos os envolvidos pelo trabalho realizado!

 

 

Visite o blog da escola e veja mais sobre a III FLIG e outras atividades:

http://emgastao.blogspot.com.br/

Contato da escola:

emmoutinho.rioeduca.net

Contato para publicações:

robertavitagliano@rioeduca.net

 

 


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 12/06/2017

Um País se faz com Homens e Livros

Tags: 6ªcre, leitura, monteiro lobato.

 

As regentes da Sala de Leitura Polo Professora Marina Paes da Silva, da E.M. Monte Castelo,  realizaram com os alunos do 9.º ano várias atividades de reflexão sobre a discriminação racial e o desenvolvimento da competência leitora, tendo como pano de fundo as obras do escritor Monteiro Lobato.

 

Lobato conscientiza com a sua literatura denunciadora, que envolve fatos políticos, econômicos e sociais. 

 

Os alunos construíram um painel contendo dados bibliográficos do escritor e sugestões de leitura, lembrando não só da sua importância na literatura infantil, mas também para o púbico adulto. Seu trabalho foi tão relevante que o Dia Nacional do Livro Infantil foi marcado na data de seu nascimento, 18 de abril. Encantador e ao mesmo tempo polêmico, deixou uma obra numerosa e brilhante que jamais deixará de estar viva na literatura brasileira. A leitura de seus textos é responsável pelo desenvolvimento da criatividade, imaginação e pela prática de contação de histórias e aperfeiçoamento da escrita de muitas pessoas.

A leitura do conto “Negrinha”, publicado em 1920, por Monteiro Lobato, foi feita pelos alunos do 9.º ano sob a orientação das regentes da Sala de Leitura Polo. Considerado um dos seus melhores contos, reflete a indignação do autor perante a crueldade humana nos tempos da escravidão. Como estamos vivendo um momento de reflexão e busca pela paz na escola, no bairro, na cidade e em nós mesmos, este texto foi escolhido de forma muito pertinente para a realização de debates acerca de situações racistas, preconceituosas e de desigualdade. 

 

Professora Regente da Sala de Leitura

 

Em primeiro lugar, os estudantes receberam uma cópia do conto para uma leitura prévia e marcação dos pontos a serem debatidos posteriormente. No dia 18 de abril, a professora regente de Sala de Leitura foi até a sala de aula realizar o trabalho com o texto. Fez uma apresentação da bibliografia de Lobato e de sua obra, partindo do que os alunos já conheciam. Propôs ao grupo uma leitura compartilhada do conto “Negrinha”, que já havia sido lido por eles em momento anterior, e uma troca de ideias e discussão dos temas: discriminação; assédio moral, castigos físicos, mudanças sociais, culturais e históricas que ocorreram e continuam acontecendo na sociedade em que vivemos. Ao final desta conversa, os estudantes fizeram um breve relato escrito das impressões que o conto lhes causou, que será postado no próximo “Twittaço”.

Com este trabalho, as professoras  contribuiram para a ampliação dos conhecimentos dos alunos a respeito da vida e obra do escritor Monteiro Lobato, indo além dos livros que envolvem os já famosos personagens do Sitio do Pica-Pau Amarelo. Provocaram discussões importantes, atuais e mudanças de atitudes que são essenciais para a busca da paz tão sonhada.

 

Alunos do 9.º ano da E.M. Monte Castelo

 

O trabalho com a leitura parece estar alcançando novos patamares nas escolas nos últimos anos. Ela atingiu o “horário nobre” e vem sendo vista como uma atividade essencial para o desenvolvimento acadêmico e moral dos alunos. Diante do quadro de violência e de falta de valores que vivemos atualmente, a leitura abre um leque de resultados positivos, pois ajuda a construir indivíduos com novas perspectivas de atuação na sociedade em que estamos inseridos. 

Parabéns à toda equipe da E.M. Monte Castelo e, em especial, às professoras regentes de Sala de Leitura que realizaram um trabalho de formação do aluno cidadão leitor, que vai além das paredes da escola. É um desafio que vem sendo abraçado com muita competência diante da urgência de conquista da cidadania e participação social que é imposto aos nossos jovens. É um orgulho tê-las na 6.ª CRE!

 

Quer saber um pouco mais sobre o trabalho desenvolvido pela Sala de Leitura Polo da E.M. Monte Castelo? Entre em contato! 

Escola Municipal Monte Castelo
E-mail: emcastelo@rioeduca.net
Telefone: 2407-0330

 

Não esqueça de deixar o seu comentário! Ele é muito importante para nós!

Até a próxima semana!


 


   
           



Yammer Share