A A A C
email
Retornando 46 resultados para o mês de 'Julho de 2013'

Segunda-feira, 22/07/2013

Projeto Meu Amigo

Tags: 6ªcre, troféurioeduca.

 

A professora regente da Sala de Leitura Dejanira Urbano, do CIEP Anton Makarenko, realizou o projeto "Meu Amigo" com os alunos do 4º ano. Além de trabalhar a educação ambiental, esse projeto também  teve como foco as questões de leitura e escrita dos alunos do reforço escolar. Vamos ver como tudo aconteceu?

 

 

O CIEP Anton Makarenko, situado na Estrada Botafogo, em Costa Barros, funciona em horário integral. Ele atende da Educação Infantil ao 5º ano, além dos projetos Realfabetização 1º e 4º Ano NCM (Nenhuma Criança a Menos).

 

Com o passar do tempo, Costa Barros foi crescendo tanto em relação à violência quanto em relação à população e ao acúmulo de lixo. Hoje, o bairro conta com um complexo de favelas, como: Chapadão, Pedreira, Lagartixa, Quitanda, Final Feliz, Terra Nostra, entre outras. Além disso, é considerado o segundo bairro mais pobre da cidade do Rio de Janeiro.

 

Os alunos do CIEP Anton Makarenko convivem diariamente com todos estes fatores. Buscando proporcionar uma educação formadora de seres humanos autônomos, participativos na sociedade e capazes de mudar a realidade em que vivem, a professora da Sala de Leitura Dejanira Urbano realizou o reforço escolar dos alunos da turma 1.402 através da pedagogia de projetos. Ela contou com a ajuda das estagiárias Suelen de Almeida (Laboratório de Informática) e Aline de Jesus (Reforço Escolar) para organizar a construção dos conhecimentos em torno de metas previamente definidas.

 

A equipe pedagógica do CIEP Anton Makarenko utilizou o projeto como uma forma de dar vida ao conteúdo, tornando a escola mais atraente para os alunos do Reforço Escolar.

 

O vídeo "Há Escolas que são Gaiolas e há Escolas que são Asas" mostra que o professor deve considerar o aluno como uma obra de arte quase inacabada. Amando-o como se fosse um anjo e nunca matando-lhe no peito a vontade de ser livre.

 

O trabalho dos professores do CIEP Anton Makarenko é deles com os alunos e não consigo mesmos. O papel desses educadores, em suas intervenções, é o de estimular, observar e mediar, criando situações de aprendizagem significativa.

 

Iremos conhecer, a partir de agora, uma demonstração dessa aprendizagem a partir do Projeto Meu Amigo. Vamos conhecê-lo?

 

 

Projeto Meu Amigo

 

 

O Projeto Meu Amigo foi realizado tanto dentro da sala de aula, como no laboratório de informática.

 

Para que possamos ter, no futuro, um mundo mais limpo e rico em recursos naturais, a preservação do meio ambiente é muito importante. A preocupação com o meio ambiente e a conscientização deve envolver toda sociedade, inclusive nossas crianças que devem observar o meio ambiente com curiosidade, entendendo que fazemos parte dele, que somos capazes de transformar e, acima de tudo, conservar.

 

A atividade proposta, a seguir, pode ser feita com alunos da educação infantil ao ensino fundamental. Porém, como a escola tem vivenciado um momento em que todas as turmas estão voltadas para a apropriação e ampliação da produção textual e da leitura, a equipe decidiu interdisciplinar os encontros entre sala de leitura, informática e reforço escolar de forma mais lúdica e prazerosa através da confecção do boneco ecológico.


 

 

Objetivos:

 

  • Desenvolver a competência da leitura e escrita;
  • Conscientizar os alunos para com o meio ambiente;
  • Abordar a importância da água para os seres vivos;
  • Apresentar o processo de germinação do vegetal e suas etapas;
  • Despertar a consciência dos alunos para a ecologia;
  • Reconhecer a identidade em interação com o meio;
  • Incentivar o trabalho para organização individual e coletiva;
  • Levar o aluno a aprender como se desenvolve a competência textual;
  • Promover a responsabilidade e a oportunidade de cuidar de um ser vivo.

 

 

Material:

 

  • Meia-calça fina usada;
  • 300 gramas de serragem;
  • 100 gramas de alpiste;
  • Canetas hidrocor;
  • Tintas;
  • Olhinhos de plástico ou botões;
  • Potinhos de iogurte.


 

Como fazer:

 

  • Corte uma perna da meia-calça do tamanho aproximado de um palmo e coloque o alpiste bem no centro da meia, complete com a serragem úmida. Quando terminar de encher, amarre e corte o que sobrar;
  • Comece a modelar o bonequinho em forma de bola;
  • Puxe um pouco a meia e amarre fazendo o nariz do bonequinho e o formato das orelhas;
  • Em seguida, cole os olhinhos ou botões e faça a boca do bonequinho, montando-os com o gosto da criança;
  • Os potinhos de iogurte servirão como base para os bonequinhos para que, quando regados, não deixem escorrer água. Esses potinhos podem ser decorados de acordo com o gosto da criança;
  • Depois de pronto, o bonequinho deve ser molhado todos os dias para que as sementinhas nasçam dando origem aos cabelinhos dos bonecos. 

 

 

É fundamental que o professor desafie o aluno a pensar a respeito do conhecimento que se espera construir, pois uma das tarefas do educador é, não só fazer o aluno pensar, mas acima de tudo, ensiná-lo a pensar certo.

 

É importante perceber a criança como um ser em desenvolvimento, com vontade e decisões próprias, cujos conhecimentos, habilidades e atitudes são adquiridos em função de suas experiências, em contato com o meio, e através de uma participação ativa na resolução de problemas e dificuldades.

 

O professor deve organizar e estabelecer seus objetivos pensando nas necessidades de seus alunos, para posteriormente se instrumentalizar e problematizar o assunto.

 

 

Desenvolvimento:

 

Em um primeiro momento, os alunos foram levados ao laboratório de informática para pesquisarem em equipe o significado do termo Ecologia. Após a pesquisa, tiveram que debater o significado numa roda de conversa informal e, em duplas ou trios, transcreverem para o Diário de  Bordo a pesquisa.

 

Em outro momento, de posse dos materiais necessários, eles voltaram ao laboratório de informática e começaram  a construção do boneco ecológico. Utilizamos o laboratório de informática para dinamizá-lo como ferramenta pedagógica no processo de ensino-aprendizagem, dando suporte ao projeto, e apresentando a informática como um recurso que pode e deve ser incorporada à prática educativa, sensibilizando os alunos para a importância dessa ferramenta para o desenvolvimento das habilidades.

 

O projeto boneco ecológico Meu Amigo foi intitulado em conjunto com as crianças. Cada aluno confeccionou seu próprio boneco dando um nome para ele (criando uma identidade). Cada aluno tinha um diário exclusivo onde relatava os acontecimentos com seus bonecos, tais como tempo de crescimento, quantas vezes regou, tempo de crescimento do cabelo, enfim, relatando desde a fase inicial até a final. Depois de algumas semanas, cada aluno levou seu boneco para casa.

 

A participação ativa dos alunos deve ser estimulada, pois eles são sujeitos da produção do saber e, afinal, ensinar não é transferir conhecimento, mas criar possibilidades para sua construção.

 

Dando sempre oportunidade ao aluno de verbalizar seus sentimentos sobre o desenrolar do projeto, a turma organiza, constrói saberes e competências, opina, avalia e tira conclusões coletivamente; o que promove crescimento tanto no âmbito cognitivo, quanto no social, afetivo e emocional.

 

“Aprende-se participando, vivenciando sentimentos, tomando atitudes diante dos fatos, escolhendo sentimentos para atingir determinados objetivos. Ensinar não só pelas respostas dada, mas principalmente pelas experiências proporcionadas, pelos problemas criados, pela ação desencadeada” (Escola Plural, 1994).

 

 

Culminância:

 

Uma exposição foi feita no CIEP Anton Makarenko, juntamente com os relatos sobre o desenvolvimento dos bonequinhos de cada aluno.

 

Avaliação:


As professoras avaliaram a participação dos alunos durante a realização do projeto e na exposição final.


Como vimos, a equipe do CIEP Anton Makarenko está de parabéns! Especialmente a professora Dejanira e as estagiárias Suelen e Aline, por exercerem com os alunos uma pedagogia baseada no amor.

 

Amor que move os sonhos de cada criança rumo a um futuro digno. Educar com amor, no sentido que o termo exige: desenvolver, cultivar, fazer brotar, elevar e fazer crescer, não de maneira unilateral, mas de forma integral.

 

Vocês estão um passo à frente para atingir esse grandioso objetivo! É um orgulho ter uma escola com profissionais comprometidos com a educação carioca. Parabéns!

 

 

Você gostou do projeto realizado pelo CIEP Anton Makarenko? Aproveite e deixe o seu comentário! Ele é muito importante para nós! Até a próxima semana!

 

 

Professora Patrícia Fernandes - Representante do Rioeduca na 6ª Cre

Twitter: @Paty_PFF

Facebook: Patrícia Fernandes

E-mail: pferreira@rioeduca.net

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 19/07/2013

Ouvindo e Contando, Estou só Começando

Tags: 6ªcre, educaçãoinfantil.

 

O projeto "Ouvindo e Contando, Estou só Começando" surgiu do programa "Minha Primeira Biblioteca", da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro. Ele envolve toda a comunidade e tem por objetivo inserir alunos e responsáveis em um ambiente letrado, a fim de formar futuros leitores.

 

 

A Creche Municipal Zilka Salaberry atende cerca de 150 alunos entre quatro meses e três anos e onze meses (berçário e maternal). No andar superior, encontram-se as salas do maternal, a secretaria, a cozinha, a lavanderia, um pátio coberto, o parquinho e a horta comunitária. Também funciona o lactário e as salas do berçário. Todas as salas possuem ar-condicionado, ventilador de parede, TV de 29 polegadas, rádio com CD e aparelho de DVD.

 

As salas das turmas do Maternal possuem o Cantinho da Leitura com variado acervo de livros infantis e um colchonete para cada aluno. Essas salas foram ambientadas para funcionar como oficinas no período da tarde, sendo utilizadas num sistema rodízio de atividades: Brinquedoteca, Videoteca, Sala de Artes e Sala de Música.

 

A Creche Municipal segue a seguinte rotina de trabalho: entrada das crianças às sete horas com desjejum, atividades de rotina na rodinha, atividades pedagógicas e recreativas livres e/ou dirigidas ao ar livre, banho, almoço, escovação de dente, repouso, lanche, atividades nas salas/oficinas, arrumação das crianças, jantar e saída às dezessete horas.

 

A comunidade atendida pela creche é extremamente carente, apresentando uma grande quantidade de famílias numerosas e desestruturadas, em que o convívio com o alto índice de violência é uma realidade indiscutível. As mães, em sua maioria, são muito jovens e devido ao seu baixo nível de escolaridade, poucas estão inseridas no mercado de trabalho formal.

 

Mesmo assim, a procura por uma vaga na creche é muito grande, seja pelas dificuldades financeiras ou pela própria inexperiência e despreparo das mães. Em geral, elas não demoram a engravidar novamente, o que tende a agravar cada vez mais a situação de carência dessas famílias.

 

O vídeo "A Importância da Educação Infantil" resume, através de algumas palavras e imagens, a importância do trabalho realizado na Creche Municipal Zilka Salaberry na vida dos alunos e, consequentemente, dos responsáveis.

 

As mães que têm seus filhos atendidos nessa creche criam uma expectativa muito grande em relação ao trabalho desenvolvido com seus filhos, acreditando que a mesma poderá suprir integralmente toda e qualquer necessidade das crianças; inclusive no que diz respeito às atribuições pertinentes à família.

 

Muitas destas mães ainda não possuem uma clara compreensão sobre o seu papel e responsabilidades em relação aos filhos. Além disso, muitas crianças não possuem qualquer vínculo com a figura paterna, visto que os pais são desconhecidos, ausentes, omissos ou ainda possuem outra família dentro da mesma comunidade.

 

O trabalho com a comunidade é desenvolvido no sentido de oferecer-lhes diversas alternativas para que seus membros se tornem cidadãos atuantes, conscientes e participativos dentro e fora dos muros da creche. A cada dia, o trabalho educativo se amplia, pois ele traz novas experiências e aprimora tudo o que obteve bons resultados, visando atender às necessidades da comunidade da melhor forma possível.

 

Ele enfoca também uma participação solidária e atuante dos seus responsáveis, num trabalho conjunto, contando com a intervenção dos mesmos nas tomadas de decisões e na interação com o Projeto Político Pedagógico. Projeto esse que visa o desenvolvimento global da criança, na construção de um indivíduo com consciência crítica e capacidade de ação.

 

Tendo em mente todas essas questões, a Creche Municipal Zilka Salaberry criou o projeto "Ouvindo e Contando, Estou só Começando". Vamos conhecer o projeto e ver como ele está transformando a vida de alunos e professores, estimulando a criatividade, o espírito inventivo e formando uma geração de leitores.

 

Ouvindo e Contando, Estou só Começando

 

O projeto "Ouvindo e Contando, Estou só Começando" visa inserir a criança em um ambiente letrado, incentivando e despertando nela o gosto pela leitura, a fim de formar futuros leitores. O projeto surgiu do programa "Minha Primeira Biblioteca", da Secretaria Municipal de Educação (SME) e envolve toda a comunidade escolar.

 

 

Ele será desenvolvido durante todo o ano de 2013 com culminâncias trimestrais. Para sua realização, serão necessários livros, CD's, DVD's, TV de papelão, fantoches, fantasias, giz de cera, entre outros.

 

Em primeiro lugar, a equipe pedagógica apresentou o projeto aos responsáveis, convidando-os a participarem com seus filhos. Essa foi a forma encontrada pela creche para ajudar os pais a valorizarem a leitura, foco principal do projeto.

 

Os objetivos traçados pela equipe foram os seguintes:

 

  • Levar os responsáveis a perceberem a importância da leitura em suas vidas e na dos filhos a fim de desenvolver a criatividade e a potencialidade de cada um;
  • Criar o hábito da leitura, desde a primeira infância, buscando formar leitores autônomos e críticos;
  • Incentivar os responsáveis a lerem junto com seus filhos, criando um momento prazeroso e enriquecedor para ambos;
  • Apreciar os diferentes tipos de leitura apresentando livros variados;
  • Perceber as múltiplas possibilidades que a leitura proporciona;
  • Ouvir e contar histórias a fim de desenvolver a memória visual e auditiva, levando-os  ao imaginário e à criatividade;
  • Conduzir os responsáveis a abraçarem o projeto, dando continuidade em casa ao que for iniciado na creche, envolvendo-os de tal forma que haja aprendizagem de ambas as partes (pais e filhos);
  • Despertar o gosto pela leitura de modo a cuidarem com carinho dos livros, preservando-os.

 

Os alunos levam os livros para casa dentro da Sacola Literária para que seus responsáveis possam fazer a leitura da história para as crianças.

 

 

Colocando o Projeto em Prática

 

Os responsáveis conheceram os objetivos e a importância do projeto para o futuro dos seus filhos. Um livro foi apresentado a eles e a história foi contada. Depois desse momento, várias perguntas foram feitas, levando-os  a recontarem a história ouvida. Algumas perguntas foram feitas com o objetivo de envolvê-los: Podia ter sido diferente? Que final você daria à personagem? Você acha que a personagem agiu certo?

 

Em um segundo momento, outro livro foi oferecido aos pais e uma dinâmica diferente foi realizada. Cada página do livro foi mostrada com muita tranquilidade para que eles pudessem apreciar as cenas. Foi solicitado que eles escrevessem ou desenhassem o que estava acontecendo nas imagens que acabaram de observar. Por último, eles tinham que contar a história escrita ou desenhada por cada um.

 

Essa dinâmica foi realizada para estimulá-los a fazerem o mesmo com seus filhos. Os responsáveis combinaram com a direção da creche o melhor dia da semana para levarem os livros para casa e realizarem a mesma experiência vivenciada por eles.

 

Os responsáveis conheceram a Sala de Leitura, onde manusearam os livros e observaram como eles são arrumados. Essa visita serviu como exemplo para organizarem um espaço em casa para guardarem os livros que as crianças receberam do programa "Minha Primeira Biblioteca".

 

Oficinas de Contação de Histórias serão ministradas pelas educadoras com o objetivo de fazer com que os pais possam desenvolver habilidades de ler para seus filhos de forma prazerosa, motivadora e interessante.

 

No Sarau do Livro, realizado uma vez por semana nas turmas, é utilizado um baú contendo fantasias, fantoches e diversos livros. No final da contação de história, as crianças têm acesso a todos esses objetos. E aí a imaginação e a criatividade são colocadas em prática.

 

A cada sexta-feira, cinco crianças de cada turma levam dois livros para casa dentro das sacolas literárias. Os livros são lidos pelos responsáveis para a criança. Na segunda-feira, os livros retornam e as crianças contam as histórias na roda de leitura. Vários trabalhos são realizados com os alunos a partir dos livros levados para casa e da contação feita pelos alunos.

 

Os alunos realizam a contação de histórias através da dramatização. Com essa atividade, eles podem sentir importantes emoções, como a tristeza, a raiva, a irritação, o bem-estar, o medo, a alegria, a insegurança. Vivenciam profundamente tudo o que as narrativas provocam em quem as ouve, com toda a amplitude, significância e verdade que cada uma delas pode despertar nos pequenos ouvintes. Além de ser um recurso valioso e agradável para a predisposição à aprendizagem e para sua complementação.

 

A produção de livros literários é uma importante atividade realizada a partir do projeto. Através dela as crianças  ficam cada vez mais familiarizadas com os livros, a forma correta de manuseio e de sua conservação, já que com as histórias elas aprendem brincando a respeitar regras, divertirem-se, seja através da imitação, socialização, interação ou dificuldade a ser superada.

 

Para que as crianças em iniciação hoje e para que os adultos de amanhã tenham gosto pela leitura, é preciso iniciar desde cedo a leitura, tanto em casa, com as famílias, quanto na Educação Infantil.

 

Bakhtin (1992) diz que por ser um instrumento motivador e desafiador, a literatuta infantil é capaz de transformar o indivíduo em um sujeito ativo, responsável pela sua aprendizagem, que sabe compreender o contexto em que vive e modificá-lo de acordo com a sua necessidade.

 

 

A leitura, como o projeto demonstra, é uma atividade frequente na Creche Municipal Zilka Salaberry. Incentivar o desenvolvimento de comportamentos leitores, antes mesmo da turma aprender formalmente a ler, é um grande passo para a formação de futuros leitores.

 

O hábito de ler, oferecido pelo projeto "Ouvindo e Contando, Estou só Começando", aproxima crianças e responsáveis do mundo letrado. A leitura alimenta o imaginário de pais e filhos e o processo de aprendizagem será estimulado naturalmente.

 

 

 

Acredite! Não é perda de tempo ler para quem ainda não aprendeu a falar. Vamos colocar essa ideia em prática?

 

Parabéns a toda equipe da Creche Municipal Zilka Salaberry por desenvolver com seus alunos e responsáveis um projeto de tamanha relevância social e pedagógica. Para alguém se interessar por livros na vida adulta, é fundamental que a palavra escrita esteja a seu alcance desde cedo. 

 

 

Deixe um comentário sobre o projeto realizado pela Creche Municipal Zilka Salaberry. Sua opinião é muito importante para nós! Até a próxima semana!

 

 

Professora Patrícia Fernandes - Representante do Rioeduca na 6ª Cre

Twitter: @Paty_PFF

Facebook: patricia_pff@yahoo.com.br

E-mail: pferreira@rioeduca.net

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 19/07/2013

25º Aniversário da E. M. Emiliano Galdino - 10ª CRE

Tags: 10ªcre.

A Escola Municipal Emiliano Galdino, da 10ª CRE, comemorou mais um ano desde a sua criação, no dia 10 de julho. São 25 anos de existência, dedicados ao atendimento à comunidade e à formação educacional.

 

A cerimônia de confraternização de mais um ano direcionado à Educação desta Unidade Escolar foi organizada com muito carinho pelos Gestores, Docentes e Alunos, que fizeram um roteiro de apresentações e agradecimentos para todos que fizeram e fazem parte dessa história...


A Unidade, que recentemente ganhou uma quadra coberta, aproveitou o espaço para receber toda a comunidade escolar com toda pompa, colocando cadeiras no ambiente, palco e ornamentação ao redor.


Para dar início à referida celebração, a Bandeira do Brasil foi hasteada no mastro e todos se colocaram de frente para cantar o Hino Nacional.

 


Quadra da E.M. Emiliano Galdino.

O Diretor Adjunto Átila Hernandes hasteando a Bandeira do Brasil.

 

Posteriormente, a Diretora Andréa Fernandes convidou todos os Docentes e homenageados para compor a mesa de cerimônia. Os primeiros Gestores da Unidade estavam presentes e foram saudados com um belíssimo poema, declamado pelo Diretor Adjunto Átila Hernandes.

 

Ser líder

Passado e presente...
Presentes todos,
Presente a todos...

Uma jovem:
Vinte e cinco primaveras...
Várias histórias, tantas lutas, conquistas diversas...

Incessantemente unidas
Mãos que construíram
Mãos que ajudaram a construir
Mãos que continuam construindo...
Mãos, mães, mulheres

Ser líder:
Carinho,
Amor,
Dedicação,
Trabalho...
Muito trabalho...

Gerir,
Gerar,
Gestação,
Gestão...

Garra, coragem, determinação.
O que constrói um líder?
O que um líder constrói?

Não.
Não há receitas nem mágicas.

A vocês, verdadeiras guerreiras
Tenazes e capazes
Admiração, respeito e carinho

As bodas são de prata,
Vocês, de ouro...

Átila Hernandes Lourenço
 

Os Diretores da E. M. Emiliano Galdino: 

Átlia Hernades (Diretor Adjunto) e Andréa Fernandes (Diretora Geral).

 

Dando prosseguimento à cerimônia, a biografia de Emiliano Galdino foi contada pelos Professores Edvaldo e Margaret que, em homenagem ao Patrono, convidou os alunos da turma 1602 para dançar uma música de festa junina, festa tão adorada por Emiliano.

 

E falando em festa, a Unidade Escolar tem muito o que comemorar! Atual vencedora do Festival da Canção das Escolas Municipais (FECEM) da 10ª CRE, o grupo que trouxe mais esse título para a escola fez uma belíssima apresentação, emocionando a todos os presentes.

 

Alunos vencedores da Etapa Regional do FECEM da 10ª CRE.

 

O encerramento dessa celebração comemorativa foi recheado de alegria, emoção e presenças das mais ilustres pessoas que contribuíram e contribuem para o crescimento da Unidade Escolar no dia a dia.
 

Parabéns aos Gestores!


Parabéns ao Corpo Docente! Parabéns a toda Comunidade Escolar!

 

Suelen Corrêa

é professora da rede municipal

e representante do Rioeduca da 10ªCRE

 

suelencorrea@rioeduca.net

twitter: @suelencorrea29
 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 18/07/2013

Vernissage Pintores do Amanhã

Tags: 4ªcre, projetos, eventos.

A arte tem papel fundamental na formação do conhecimento e requer grande consideração no sentido de ser valorizada desde o início da vida da criança. Isso porque, ao desenhar, ela desenvolve a autoexpressão e atua de forma afetiva com o mundo através da utilização de cores, formas, tamanhos, símbolos, etc.

 

"Arte é uma coisa imprevisível, é descoberta, é uma invenção da vida.

(...) A arte existe porque a vida não basta”.


Ferreira Gullar

 

 

 

O desenvolvimento pleno da criança na primeira infância apresenta direta relação entre o conhecimento e a compreensão que esta venha a ter do mundo das artes, uma vez que só o ser humano é capaz de produzir cultura, de deixar legado histórico e cultural para outras gerações.

 

 

A Arte ganha importância dentro do  espaço escolar à medida que fomenta a criatividade e a autonomia, a prática dialógica, a construção de um coletivo que valorize a diversidade e fortaleça o indivíduo. Assim, faz-se fundamental despertar nas crianças o gosto pela pintura e pelas artes.

 

Sob essa pespectiva, o Espaço de Desenvolvimento Infantil Professor Moacyr de Góes apresenta todo o glamour das produções artísticas de seus Pintores do Amanhã. É dessa forma que arte é levada às crianças, ou seja, através do contato com diversas formas de arte e cultura, ouvindo e experimentando, em contato direto com o maior número de elementos reais para efetivamente contribuir com a experiência individual de cada criança, tornando realmente considerável e produtiva a imaginação infantil.

 

Levar as crianças a conhecerm e valorizarem a Arte é, na verdade, incentivar a descoberta da vontade em si próprio, é fazer o indivíduo se perceber como sujeito vivo, capaz de escolhas e mudanças, é descobrir o potencial de expansão interior e de ação exterior. 

 

 

O ser humano que conhece a Arte tem uma experiência de aprendizagem ilimitada, adquire dimensão do sonho, dá força comunicativa aos objetos a sua volta, dá sonoridade instigante à poesia, envolve-se com criações musicais, cores e formas, gestos e luzes, que buscam o sentido da vida. E, dessa forma, chega ao desenvolvimento pleno de suas habilidades, valores e conhecimentos.

 

Parabéns à equipe do Espaço de Desenvolvimento Infantil Professor Moacyr de Góes, por promover o movimento da aprendizagem vivida de maneira saudável, tendo como meta alcançar a autoidentificação de cada criança na construção constante do ser.

 

Para saber mais, conheçam o http://edimdgmare.blogspot.com.br/

 

Ana Accioly é Professora da Rede Municipal e

Representante Rioeduca da 4ª Coordenadoria Regional de Educação

E-mail: anaaccioly@rioeduca.net

Twitter: @Ana_Accioly

 

 

Professor, queremos conhecer e divulgar o blog e os projetos desenvolvidos por sua escola. Aproveite este espaço que é feito para nós!

Entre em contato com o representante do Rioeduca em sua Coordenadoria e participe

 

 

COMPARTILHE E COMENTE!

 

 

                              

 

 

 


   
           



Yammer Share