A A A C
email
Retornando 25 resultados para o mês de 'Julho de 2016'

Segunda-feira, 11/07/2016

A Curiosidade Como Mediadora da Aprendizagem

Tags: 10ªcre, leitura.

 

 

 

Projeto desenvolvido pelos professores da escola trabalha as diversas possibilidades de aprendizagem nas pequenas coisas.

 

A E/SUBE/CRE (10.19.038) E. M. Pedro Mota Lima está localizada à Estrada de Paciência, 368 – Cosmos, zona oeste do Rio de Janeiro. A Unidade Escolar atende atualmente alunos do 1° ao 5° ano e tem como diretora, a professora Maria Ines Bolzan, como diretora adjunta, a professora Sabrina da Silva Ribeiro, e como Coordenadora Pedagógica, a professora Priscila Neves da Silva Moraes.

 

Equipe de direção e professores da E. M. Pedro Mota Lima

 

Em 2015, os professores resolveram unir esforços e abraçar um novo projeto. O tema principal era a curiosidade e o objetivo era mostrar aos alunos as infinitas possibilidades de aprendizagem existentes nas pequenas coisas ao redor deles. O projeto foi elaborado com base no livro “Anapédia em, O caso do Mar Colorido”, escrito pela professora regente Sheila Ramos da própria Unidade Escolar, e para se aventurar por essa história, ser curioso era o principal requisito.

O primeiro contato dos alunos com o projeto foi no segundo semestre de 2015, quando os professores trabalharam a história partindo da apresentação do enredo para o reconhecimento dos personagens e de suas principais características. Além de vivenciarem o momento de autógrafos, os alunos foram estimulados a construir uma sinopse do livro que faria parte das próximas edições.

Pensando na proposta e nas outras histórias da Anapédia, já escritas pela autora, o grupo elaborou diferentes abordagens para, estrategicamente, alcançar todos os alunos.

A primeira estratégia e o ponto central do projeto passaram a ser “O Jornal Mural”: um espaço para descobertas e curiosidades dos alunos, com base em diferentes temas propostos pelo corpo docente e escolhidos por cada turma, individualmente. Com a troca de experiências e sempre com informações “curiosas”, “O Jornal Mural” logo se tornou um elo importante entre os alunos, reunindo todo o trabalho da escola e estimulando a interação entre as turmas.

 

Jornal Mural

 

Outro artifício utilizado foi o material impresso chamado de “Plantão Anapédia”, cujo conteúdo aborda sempre um tema de interesse público escolhido pelo professor da turma. Neste jornal impresso são apresentadas aos alunos diferentes possibilidades de abordagem do tema desenvolvido em cada exemplar.

A “Hora do Conto”, uma atividade já executada pela escola há algum tempo, foi adaptada para fazer parte do projeto. No início do ano, cada turma recebeu a tarefa de elaborar uma “Hora do Conto” para apresentar para a Unidade Escolar. O tema pode ser proposto pelo professor da classe ou pode ser retirado de sugestões existentes no “Jornal Mural”. Pode ser um teatro, um jogral, um coral ou uma música, sempre com o propósito de construir com o grupo um reconhecimento da arte e do artista.

Além disso, foi introduzida no Projeto a chamada “Pesquisa Curiosa”, composta por atividades elaboradas pelo docente para envolver a família do aluno. Atividades como pesquisa, leitura de livro ou a execução de uma simples receita, fazem desta etapa um forte vínculo do responsável com a vida escolar da criança.

 

Alunos na apresentação de teatro

 

— Todo esse projeto nasceu a partir do contato da equipe pedagógica com o trabalho pessoal da professora Sheila Ramos. Desde 2009, ela tem trabalhado para construir uma nova perspectiva de leitura que possa levar seus alunos a conhecer mais do mundo que os cerca e a aprender com ele. Com aproximadamente 14 narrativas, Sheila tem viabilizado a construção de conceitos e abordagens de diversos assuntos a partir do uso do lúdico aliado a uma característica intrínseca de toda criança: a curiosidade. Suas histórias contam com um forte apelo infanto-juvenil de modo que seus personagens são caracterizados para estar o mais próximo possível da realidade do seu público leitor. — afirma a diretora Maria Ines.

Sua personagem principal é Ana Maria (Anapédia), menina de 10 anos que protagoniza a maioria das histórias e também é parte integrante do projeto da escola.

 

Apresentação teatral do alunos da professora Sheila

 

Quer saber mais sobre o projeto?
Entre em contato com a Unidade Escolar.

E/SUBE/CRE (10.19.038) E. M. Professora Pedro Mota Lima
Telefone: 3394-2916
Email: empmota@rioeduca.net

 

Rodrigo Abreu
é Professor da Rede Municipal
e Representante do Rioeduca da 10ª CRE
Contato: rodrigosantos@rioeduca.net
WhastApp: 98848-6724

 


 

                               

 

 

 

 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 08/07/2016

Aventura pela Ásia: Conhecendo a China e o Japão

Tags: 9ªcre, creche, educação infantil, projeto.

 


 

 

 

Aventura pela Ásia: Conhecendo a China e o Japão – Os alunos da Creche Municipal Professora Flora Santina Ferrari Braz, da 9ª CRE, viajaram pelo oriente para conhecer esta cultura milenar.

 

 

Na companhia do personagem Kung Fu Panda e seus amigos, os alunos da Creche Flora Santina descobriram as riquezas da Ásia. Desembarcaram na China, lugar onde vivem o maior número de pessoas no mundo com a missão de conhecer uma nova Cultura, novos jeitos e costumes, bem diferentes dos nossos. Empolgados na companhia do Panda, o grande dragão guerreiro, conheceram as artes marciais e descobrimos o corpo através do kung fu. Imitando o amigo Panda, as crianças se divertiram e descobriram o corpo através dos movimentos e aprenderam o valor da amizade. Aprenderam sobre a Festa do Dragão, animal símbolo da Cultura Chinesa que representa o esforço necessário para superar obstáculos até alcançar seus sonhos e sucesso.

 

 

Conheceram ainda a arte chinesa do Tangran. Descobriram as cores e formas geométricas e, através dessa arte chinesa, que se parece com um quebra-cabeça de 7 peças, aprenderam a formar diferentes figuras e desenhos. No desafio do Tangran, as crianças puderam desenvolver noções matemáticas de cores, formas, contagem e ainda, desenvolver o pensamento, o raciocínio lógico e a resolução de problemas.

 

 

Continuando a aventura pela Ásia, é hora de visitar o Japão. Em japonês Nihon koku que significa "Origem do Sol". Um país onde a Cultura e os jeitos de viver misturam as riquezas dos antepassados e as tecnologias do Novo Mundo. O Japão se destaca pela qualidade de vida, pelas inovações tecnológicas e ainda pela preocupação em proteger o meio ambiente diante do progresso e desenvolvimento. No Cantinho conectados, as crianças foram incentivadas a desenvolver novas habilidades como a coordenação motora, a autonomia, a concentração e a linguagem através de divertidas brincadeiras. Curiosas e empolgadas, experimentaram novas tecnologias e fizeram grandes descobertas.

 

 

Os alunos observaram que a forma de falar e escrever dos japoneses é muito diferente da nossa, combina o Kanji de origem chinesa com dois alfabetos silábicos japoneses, o hiragana e katakana. As crianças puderam praticar registros japoneses através do desenho e suas simbologias relacionando-os a nossa forma de linguagem habitual através do letramento. Nessa aventura, conheceram muitas histórias e lendas.

 

 

Aprenderam a fazer origami, a arte tradicional e secular japonesa de dobrar o papel, criando diferentes figuras e objetos sem cortá-lo ou colá-lo. No desafio do Origami as crianças puderam desenvolver a concentração, a imaginação e construíram conceitos matemáticos importantes.

 


 

Terminando essa viagem, os alunos conheceram e experimentaram os sabores da culinária tradicional japonesa, que tem como alimento principal o arroz branco, que lá é chamado de hakumai. Ao contrário de nossa cultura, não utilizam talheres e para comer. Eles usam o hashi, originário da China, consiste em dois pequenos bastões de madeira, plástico ou metal. Os japoneses se alimentam de frutos do mar, como peixes e outros produtos marinhos (como algas) e na maioria das vezes os comem cru e chamam de sashimi. Empolgados com essas descobertas, as crianças prepararam receitas deliciosas para a Mostra de sabores do Oriente:

  • Yakisoba, cujo nome significa, literalmente, "macarrão de sobá frito". O prato, conhecido internacionalmente, é composto por legumes e verduras que podem ou não ser fritos juntamente com o macarrão e aos quais se agrega algum tipo de carne;
     
  • Hakumai, tradicional arroz branco cozido em forma de bolinhos;
     
  • Sushi de frutas;
     
  • Umeboshi ou chá verde, como conhecemos;
     
  • E os famosos biscoitos da sorte chineses!

 

 

Para ver mais trabalhos realizados pela creche, acesse o blog

 

Contato com a U.E. pelos telefones 2415-7907 e 3462-7237 ou pelo e-mail cmpferrari@rioeduca.net.


 

 

 

 

 


                               

 

 

 

 


   
           



Yammer Share

Postado por Rita Faleiro Ver Comentários (0)

Quinta-feira, 07/07/2016

Ampliando o Vocabulário – Atividade de Leitura e Escrita

Tags: 3ªcre, alfabetização, leitura, escrita.

 

 

 

 

A Professora Flávia Rodrigues de Oliveira e sua Turminha, a 1201, encontraram, através do processo "Ampliando o Vocabulário", uma divertida maneira de (RE)descobrir/construir coletivamente a escrita de novos vocábulos. O trabalho deu tão certo que envolveu toda a Escola José Marti.

 

 

O processo é realizado ao longo do ano letivo toda vez que um fonema com maior dificuldade é identificado ou novo é lançado.

Na implementação do projeto, a professora definiu com a Coordenadora Pedagógica os seguintes objetivos:

1) Estimular a criatividade incentivando a escrita;
2) Trabalhar as dificuldades ortográficas de forma lúdica;
3) Desenvolver a estrutura da frase (iniciar com letra maiúscula, ponto final, evitar a repetição de palavras e conectividade).

 

 

1º) Na Roda de Leitura a escolha de um livro/história que possibilite a exploração dos fonemas a serem trabalhados (Além de outras questões como: autor, ilustrador, tema, editora e interpretação com informações explícitas e implícitas no texto). Neste dia a história escolhida foi: "No barraco do carrapato" e os fonemas RR e R (brando).

2º) A professora faz duas colunas e incentiva os alunos a falarem palavras com “RR e R brando” (as intervenções vão acontecendo naturalmente e de forma interativa).

3º) Os alunos constroem individualmente frases que devem conter uma palavra de cada coluna. Há algumas regrinhas para essas construções. São elas:
1- Não é permitido usar "é bonito" e "é do".
2- Uma vez usada a palavra ela não pode ser repetida em outra frase.

 

 

4º) Esgotadas todas as palavras, a professora coloca ao lado de cada frase uma cor, que será a legenda do gráfico. Inicia-se então a votação. Os alunos escolhem a frase que mais gostaram e cada um recebe um quadradinho em branco, devendo pintá-lo da cor correspondente a frase escolhida.

5º) A professora chama cada aluno e este cola o seu voto no gráfico(que vai sendo construído pelos alunos).

6º) Análise do gráfico. Com a exploração de tantos dados forem possíveis: qual a frase mais votada, qual a menos votada, qual a diferença da mais votada para a menos votada, teve empate, dentre outras.


 

7º) Os alunos copiam todas as frases no caderno.

8º) Outros desdobramentos: ilustrar as frases construídas (em dupla ou individualmente); Construir uma história (texto individual, em dupla, em grupo ou coletivo) a partir de uma das frases dentre outras.

Aí é com você, professor!!! O importante é começar. As ideias vão brotando, desabrochando. 

 

 

“...Com os vídeos da MultiRio que temos assistido em nossos Centro de Estudos, relatando experiências bem sucedidas e estudo de temas pedagógicos, as professoras têm se mostrado bastante satisfeitas e entusiasmadas em realizar algumas das atividades exibidas com suas turmas, fazendo as devidas adaptações e criando a partir do visionado...” Renata Dutra (CP da E. M. José Marti).

 

 

Localizada no bairro do Engenho da Rainha, a Escola Municipal 03.12.029 José Marti foi fundada em 04 de junho de 1964 e tem como missão “Proporcionar uma educação de qualidade aos alunos da E. M. José Marti, promovendo um trabalho cooperativo, oportunizando vivências e buscando práticas inovadoras que favoreçam o seu desenvolvimento integral”.

Sobre o patrono:

José Julián Martí Pérez, nascido em Havana no dia  28 de janeiro de 1853 e falecido em Dos Ríos, em 19 de maio de 1895, foi um político, pensador, jornalista, filósofo, poeta e maçom cubano. Foi organizador, em 1895 da Guerra Necessária. Seu pensamento transcendeu as fronteiras de sua Cuba natal para adquirir um caráter universal. Em seu país natal, também é conhecido como «El apóstol».

Em 1869, com apenas dezesseis anos, publicou a folha impressa separatista "El Diablo Cojuelo" e o primeiro e único número da revista "La Patria Libre". No mesmo ano, passou a distribuir um periódico manuscrito intitulado "El Siboney". Mais tarde, dedicou-se ao estudo do Direito, obtendo o doutorado em Leis, Filosofia e Letras da Universidade de Saragoça em 1874.

 


 

Parabéns à professora  Flávia Oliveira e toda a  Turminha 1.201 pelo excelente  trabalho de alfabetização que vem sendo feito. 

 

 

 

                               

 

 

 

 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 06/07/2016

Livros em Movimento

Tags: 2ªcre, literatura.

 

 

 

O projeto Livros em Movimento é uma parceria entre a Mídia Educação e as Salas de Leitura.

 

O relato que vamos conhecer hoje foi enviado pela professora Denise Senhora, regente da Sala de Leitura da Escola Georg Pfisterer. Ela nos conta como o projeto foi realizado na unidade escolar e sua contribuição para que os alunos adquiram gosto pela leitura.


O Projeto Livros em Movimento é um Projeto da Mídia e Educação, e como o próprio nome diz, o objetivo é levar os livros para o maior número possível de Salas de Leitura, criando um movimento de leitura criativo e lúdico para os alunos. A escola que recebe a sacola pode ficar com a mesma por um mês e escolher a atividade que pretende realizar, depois de realizada a atividade, ela seguirá para outra unidade escolar, criando assim um movimento contínuo de leitura.

 

Iniciando o Projeto com a leitura de um Conto de Fadas escolhido pelo aluno.

 

O livro escolhido pela Sala de Leitura Polo Georg Pfisterer foi Contos de Fadas, de Ana Maria Machado. Neste livro a autora faz uma coletânea de vários autores clássicos de contos de fadas e seus contos mais conhecidos, dentre eles: Charles Perrault, Hans Christian Andersen e Irmãos Grimm.


O trabalho foi realizado usando as técnicas de Roda de Leitura e Roda de Conversa  com a participação dos professores de Língua Portuguesa nas turmas de 7, 8º e 9º anos.

 

Parceria com os Professores de Língua Portuguesa.


A roda de leitura se iniciou com o esclarecimento do que seria feito. Os alunos conversaram sobre a origem dos contos de fada e sobre os “autores”. Foi perguntado aos alunos se eles tinham lembranças de alguém que lia histórias para eles em casa. As turmas se encantaram com a proposta da leitura dos contos. Os livros foram distribuídos e o objetivo era que escolhessem um conto para ser lido individualmente e em silêncio que , aliás, foi total. Após a leitura, a proposta era que falassem do conto lido, a maioria contou sua história e no decorrer dessa conversa foi verificado que alguns alunos não conheciam o conto, outros, uma versão diferente e também dos desdobramentos que os contos tiveram atualmente, como filme e animações. O professor de Língua Portuguesa pediu que os alunos, ao relatarem seus contos, gravassem em áudio nos celulares para verem a diferença entre a linguagem oral e escrita.

 

Roda de conversa sobre o conto lido e utilização do celular para a gravação da fala, que depois será escrita e entregue para o professor.

 

Numa outra turma a conversa girou entre as diferenças das versões dos contos de fadas. No depoimento dos alunos percebe-se o estranhamento diante da versão do livro e para eles a visão que tinham dos contos de fada mudou. Antes achavam que tudo era “lindo” e agora viram que as histórias originais nada tinham de bucólico. Entenderam que essas histórias eram de um tempo que o estágio da infância não era considerado.


Interessante perceber que alguns alunos só conhecem a versão da Disney (Cinderela), segundo comentários dos próprios alunos.

 

Nas turmas de 9º ano o começo da conversa foi sobre a origem dos contos de fada, as características principais e os elementos dos contos. Os livros foram distribuídos para que olhassem o sumário, verificando os autores e os contos que cada um escreveu e que escolhessem um para ler.

 

Alunos participando da atividade.

 

Após a leitura, a roda de conversa girou em torno do conhecimento que tinham dessas histórias e suas versões. Posteriormente leram um trecho da história, além de a contarem para os colegas. Nessa turma, o professor de Língua Portuguesa também pediu para que gravassem a fala para depois transcrever para a linguagem escrita, percebendo a diferença entre uma linguagem e outra.

 

Agradecemos a professora Denise Senhora e aos professores participantes do projeto por compartilharem conosco esta rica experiência de incentivo ao gosto pela leitura.
 

O contato da unidade escolar é: empfisterer@rioeduca.net

 

Divulgue também o trabalho de sua escola no portal Rioeduca.

Entre em contato com o representante de sua CRE.

 

Renata Carvalho - Professora da Rede e representante do portal Rioeduca na 2ª CRE

renata.carvalho@rioeduca.net

 

 

 

                               

 

 

 

 


   
           



Yammer Share