A A A C
email

Terça-feira, 16/04/2019

A SMERJ vai levar debate sobre a Lei Maria da Penha para as escolas da Rede

Tags: lei, maria da penha.

 

Secretaria Municipal de Educação vai levar debate sobre a Lei Maria da Penha para as escolas da Rede

 

 

Para sensibilizar a comunidade escolar sobre a questão da violência doméstica, buscando a conscientização como forma de evitar o problema que atingiu 221.238 famílias no Brasil segundo registros do Anuário Brasileiro de Segurança Pública (2017), nesta segunda-feira, 15/4, cerca de 50 professores e servidores da Prefeitura do Rio debateram o programa Maria da Penha Vai à Escola – transformado em lei sob o nº 6.427, em 18 de dezembro de 2018, e sancionada pelo prefeito Marcelo Crivella.

A programação faz parte do seminário “Mulher cidadã: Maria da Penha vai à escola”, uma realização das Secretarias Municipais de Educação e de Assistência Social e Direitos Humanos.

A ação estimula as escolas municipais a incluírem no seu calendário palestras, debates, seminários, vídeos e outros recursos para ampliar a divulgação do tema e difundir a cultura de paz.

Para a chefe de gabinete da SME, Heloísa Sermud Braz, que participou do evento, é importante destacar a temática dentro da sala de aula.

- Nossos alunos formam a base da sociedade e há muitas famílias chefiadas por mulheres. Elas precisam ser valorizadas e ampliar o debate na sala de aula sobre essa lei tão importante permite que os alunos entendam mais sobre direitos e deveres - disse Heloísa, que representou a Secretária Municipal de Educação, a professora Talma Romero Suane.

Também estiveram presentes no seminário a Subsecretária de Políticas para a Mulher da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos, Joyce Braga; a representante do Comitê de Gênero da Educação, Waléria de Carvalho e Carla de Araújo, promotora do Ministério Público, que lançou o livro “As Marias do Brasil” sobre casos de violência doméstica.

 

Texto e fotos: Assessoria de Comunicação Social da SME


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 12/04/2019

5ª CRE em Combate às Arboviroses

Tags: arboviroses, mosquito, dengue, aedes, 5ªcre.

5ª CRE em Combate às Arboviroses

 

As Escolas da 5ª Coordenadoria Regional de Educação se engajaram na Semana de Combate às Arboviroses, que aconteceu no período de 18 a 22 de fevereiro.

O objetivo da semana era conscientizar toda a Comunidade Escolar sobre importância das formas de prevenção ao mosquito Aedes aegypti.

A seguir, confira os trabalhos maravilhosos desenvolvidos em algumas Unidades Escolares.

 

 

Escola Municipal França

A E.M. França desenvolveu o Projeto: “discutindo doença e reciclando lixo, a leitura dos dias atuais”. Esse projeto foi desenvolvido na sala de leitura em parceria com as disciplinas de Matemática e Ciências. O professor

Marcelo Silva Bastos, de Matemática discutiu as formas de calcular, classificar e selecionar lixos para sua transformação em arte.

A professora Valéria, de Ciências,  discutiu o lixo pela perspectiva da necessidade de controle e vigilância sobre o acúmulo de lixo e água. 

O Projeto também contou  com a exibição do filme IIha das Flores,  uma palestra e vídeo sobre lixo e Arboviroses, além da transformação do lixo em arte com a criação de peças artísticas, a partir da reciclagem do lixo.

 

 

Escola Municipal Mestre Darcy do Jongo

A E.M. Mestre Darcy do Jongo desenvolveu várias atividades na Semana da Arbovirose, com o Projeto “Mestre Darcy dá uma Mãozinha Contra o Mosquito da Dengue”.

A Unidade Escolar tinha como proposta incentivar as pessoas da comunidade a pensarem e refletirem coletivamente o problema da Dengue, Zika Vírus e Chikungunya. Para isso foi elaborada e implantada uma sequência de atividades entre os dias 18/02/2019 e 22/02/2019 no intuito de intervir na saúde da comunidade escolar, levando ao grupo questionamentos, são eles:

•Como esclarecer os pequenos sobre os verdadeiros problemas causados pela Dengue?

•O que fazer para combater uma doença que parece tão simples, mas causa tanto mal?

Tendo em vista toda essa problemática, percebeu-se a necessidade de estimular as crianças a buscarem as respostas e se envolverem diretamente no combate a proliferação da doença. Além de conscientizar toda a comunidade escolar de sua responsabilidade no combate e prevenção ao mosquito da Dengue.

 

 

Escola Municipal Barão de Itararé

A E.M. Barão do Itararé elaborou o projeto “Aqui na Barão, mosquito não se cria”, trabalhando o tema das Arboviroses. Com a participação de todas as turmas, o desenvolvimento do projeto abrangeu atividades das mais diversas, como: exibição de vídeo explicativo, visitação do grêmio nas turmas, passeata pela escola, confecção de cartazes, artesanato, maquetes, oficina de mosquitoeiras, exposição de trabalhos, paródias e danças.

A culminância do projeto ocorreu no dia 22 de fevereiro e contou com a participação de todos os segmentos da comunidade escolar.

Todas as turmas realizaram atividades que contemplaram informações como: o significado da palavra arboviroses e quais as doenças dentro desse contexto; quem transmite as doenças; características do Aedes Aegypti; ciclo de vida do mosquito; sua reprodução; como prevenir; os cuidados necessários nos ambientes e tratamento.

A culminância do projeto foi bastante prestigiada pelos responsáveis, que assistiram as apresentações, visitaram os stands e as exposições de trabalhos. Isso só prova que valeu a pena todo o trabalho desenvolvido e realizado. E mais do que isso, que transformamos nossos alunos em multiplicadores nessa batalha contra o Aedes Aegypti.

 

 

Escola Municipal Professor Souza da Silveira

A E.M. Professor Souza da Silveira fez um belo trabalho de conscientização de prevenção contra as Arboviroses junto com a comunidade escolar!

Foram feitas apresentação de vídeo explicativo para os alunos do primário; caracterização das crianças de Aedes e a presença de um médico que distribuiu panfletos informativos; já os alunos do ginásio fizeram belos trabalhos para exposição!

 

 

Escola Municipal Mato Grosso

A E.M. Mato Grosso desenvolveu uma atividade muito bacana dentro do Projeto sobre as Arboviroses. A Professora de Sala de Leitura Rosa Dias promoveu um dia de muitas alegrias passeando pelas salas e contando a história: "Que febre de mosquito!".

Assim, de forma lúdica e divertida, as crianças puderam aprender vários pontos importantes sobre prevenção às Arboviroses, as formas de tratamento e como cada um pode fazer a sua parte tomando os cuidados necessários para acabar com a proliferação do mosquito.

 

 

 

Sobre as Escolas:

 

Escola Municipal França

emfranca@rioeduca.net

3273-1614 1 3073-1614 3273-1587

 

Escola Municipal Mestre Darcy do Jongo

emdjongo@rioeduca.net

3457-0095 3457-7633

 

Escola Municipal Barão de Itararé

emitarare@rioeduca.net

3018-2192 3018-2153

 

Escola Municipal Professor Souza da Silveira

emsouzas@rioeduca.net

2592-6091 2592-6257

 

Escola Municipal Mato Grosso

emgrosso@rioeduca.net

3372-5568 3372-5573

 

 

 


 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 12/04/2019

Escola Municipal Princesa Isabel - 10ª CRE

Tags: 10cre, cre10, games.

 

Professor de Geografia da Escola Municipal Princesa Isabel desenvolve projeto com jogos para estimular o raciocínio dos alunos e aproveita para trabalhar outros componentes curriculares como História, Língua Portuguesa e Artes Plásticas

 

A E/CRE (10.19.015) Escola Municipal Princesa Isabel está localizada na Rua do Matadouro, 44 – Santa Cruz, Zona Oeste do Rio de Janeiro. A unidade atende a 12 turmas, com 450 alunos do 7º ao 9º ano do Ensino Fundamental. Tem como diretora, a professora Cynthia Bulkool Gomes, como diretor adjunto, o professor Bruno Leonardo Gabriel Teixeira e, como coordenador pedagógico, o professor Luís Cláudio.

 

Desde o início do ano letivo, o professor de geografia Jorge Jacoh Ferreira vem desenvolvendo com os alunos do 9º ano diferentes maneiras de conhecer conteúdos diversificados utilizando o Card Game: Magic The Gathering. A ideia é tentar enriquecer e proporcionar outras atividades extracurriculares e, assim, desenvolver habilidades, conhecimentos e competências que visam o enriquecimento do aluno, alargando o seu currículo com experiências e vivências, juntamente com o desenvolvimento de valores como responsabilidade, organização, respeito e coletividade.

 

 

Alunos em ambiente do projeto disputando uma Liga intitulada Princesa do Infinito. 

 

 

— Quando eu era da rede pública do Rio de Janeiro queria que fossem apresentados conteúdos diferenciados e que eles envolvessem jogos com muita interatividade. Foi com esse pensamento em mente que hoje, como professor da rede pública do Rio de Janeiro, tento levar atividades diferenciadas para meus alunos. — afirma o professor Jorge

 

A característica instigante e desafiadora de raciocínio tem agregado um prestígio especial para o aluno que consegue ser indivíduo e agente de seu próprio esforço e de seu futuro. Além disso, a questão da competitividade estimula a necessidade do aprendizado, sobretudo ao aprendizado da derrota. Já que, dentro do jogo, é perceptível a necessidade de uma maior dedicação para se atingir resultados positivos nas partidas. 

 

— O jogo Magic: the gathering foi criado no ano de 1993 pelo matemático Richard Garfield. Foi o primeiro TCG (Trading Card Game) produzido e continuado até hoje, quando conta com aproximadamente 12 milhões de jogadores ao redor do mundo. Trata-se de um jogo baseado na mecânica de turnos, o qual se baseia no duelo entre dois personagens. Cada jogador possui seu livro de mágicas (representado por um deck composto geralmente de 60 cards) que é utilizado para derrotar seus oponentes. Cada card representa uma mágica ou um recurso. — afirma o professor Jorge

 

Por ser um jogo de fantasia, estimula-se múltiplas temáticas históricas e o desenvolvimento da imaginação literária através das artes temáticas dos cards. 

Dos alunos são exigidos a interpretação das regras dos cards. Ou seja, existe também um conteúdo pedagógico ligado a Língua Portuguesa no sentido que as regras do jogo estão constantemente “burladas” pelos textos dos cards que precisam ser interpretados. A facilidade com que os textos são formatados nos cards facilita ainda a sua interpretação em outras línguas (como a língua inglesa).

 

 

Alguns alunos do 9° ano que participam do projeto

 


A Matemática se faz presente dentro do jogo através da necessidade de cálculo e estratégias de ataque e defesa, os quais estão relacionados aos “pontos de vida” de cada jogador e também ao poder e resistência de cada criatura utilizada em combate.

 

As Artes Plásticas são abordadas nos artistas que ilustram os cards. Artistas profissionais que são influenciados pelos grandes mestres das artes históricas, ilustrando tanto a dinâmica do jogo como os recursos artísticos.

 

— Os cards foram adquiridos para o projeto através de doações de jogadores profissionais e semiprofissionais que apoiam o projeto desde o início, em 2015. São caixas e mais caixas com milhares de cards que foram oferecidos por esses jogadores de todo o Brasil, graças a influência e divulgação dos próprios jogadores e de uma mídia especializada no jogo, que divulga e estimula as doações e todo o suporte. — afirma o professor Jorge

 

 

Alunos durante o jogo

 

 

Para conseguir mais cards para o jogo é necessária aprovação de vários professores por meio de um documento intitulado “atestado do digno”. Para consegui-lo, os alunos precisam atingir, semanalmente, rendimentos mínimos comportamentais e acadêmicos com a aprovação de 7 professores e um agente educador, cujas assinaturas aparecem no documento.

 

— É perceptível o interesse dos discentes pelo jogo. A capacidade do jogo de agregar uma comunidade de jogadores tem sido utilizada como moeda de troca em prol de seu desenvolvimento cognitivo e comportamental. Associar interesse pelo jogo aos conteúdos tem despertado o envolvimento pelas disciplinas curriculares. Além disso, o próprio material do jogo tem diversas inserções de conteúdo curricular, inclusive algumas edições são inspiradas na Grécia Antiga, Egito, Idade Média europeia, entre outros períodos e temáticas de relevância Geo-Histórica. — afirma o professor Jorge

 

 

Quer saber mais sobre o nosso trabalho?
Entre em contato com a Unidade Escolar.

E/CRE (10.19.015) Escola Municipal Princesa Isabel
Diretora: Cyntia Bulkool Gomes
Diretor adjunto: Bruno Leonardo Gabriel Teixeira
E-mail: empisabel@rioeduca.net
Telefone: 3395-1613

 

 

 

 


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 11/04/2019

Escola Municipal Alzira Araújo - 9ª CRE

Tags: 9ºcre, ginásio carioca, esportes, basquete.

 

Atletismo e basquete transformam escola em Campo Grande 

 

A Escola Municipal Alzira Araújo, localizada na rua Ari Lobo, n° 430, no bairro Adriana em Campo Grande, dispõe de duas quadras: uma coberta, com ampla arquibancada e outra descoberta, que fora recém reformada com recursos do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE- Qualidade). Criado em 1995 pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), o programa tem por finalidade prestar assistência financeira às escolas, em caráter suplementar, a fim de contribuir para manutenção e melhoria da infraestrutura física e pedagógica. 

 

 

Equipe gestora da escola

 

 

Assim que assumiu a Direção da escola, a professora Simone Pralon de Oliveira percebeu a vocação dos estudantes para a prática esportiva e não pensou duas vezes: fez da vocação natural o princípio filosófico e pedagógico que norteiam a Unidade de Ensino. A equipe gestora, com o apoio dos professores e da comunidade local, investiu pesado na proposta e construiu uma pista de atletismo onde os alunos já dão os primeiros passos sob a orientação da professora Carla Faleiro.

 

 

Discentes treinando sob o olhar atento da professora

 

 

O projeto NBAA (Novo Basquete Alzira Araújo), sob o comando do professor Rafael Andrade, acontece durante as aulas regulares de Educação Física. O objetivo do projeto é possibilitar ao aluno uma maior vivência desta modalidade olímpica, através da aprendizagem das regras que norteiam o desporto, assim como o desenvolvimento de técnicas e habilidades básicas. Paralelo a isso, o estudante começa a ganhar autonomia e melhorar o rendimento dentro de sala de aula. O nome NBAA foi pensado como uma forma de criar um link entre a maior liga mundial de basquete da atualidade e a identidade da UE, possibilitando assim um maior estímulo à prática desta modalidade esportiva. As primeiras aulas do ano letivo de 2019 já mostram como profissionais dedicados transformam a unidade, possibilitando que os alunos sonhem e alcancem seus objetivos de vida.

 

 

 

Alunos treinam com o professor Rafael Andrade

 

 

O Projeto Político Pedagógico da unidade lança mão da prática esportiva como estímulo da cognição, desenvolvimento das habilidades psicomotoras e socialização. Certamente, serão grandes talentos em nossa escola. A cada dia usamos mais vezes e falamos mais alto nosso lema: "orgulho de ser Alzira", afirma a gestora Simone Pralon.

 

 

Para saber mais sobre a Escola Municipal Alzira Araújo:

Direção Geral: Simone Pralon de Oliveira
Direção Adjunta: Marcia Andreia Mendonça de Carvalho 
Coordenação Pedagógica: Lorena Lopes da Fonte
Telefone: 3394-1961
Email: emaaraujo@rioeduca.net

 

 


Não esqueça de deixar o seu comentário! Ele é muito importante para nós!

Até a próxima semana!

 

Contato para publicações

 


   
           



Yammer Share