A A A C
email
Retornando 33 resultados para a tag 'arbovirose'

Sexta-feira, 12/04/2019

5ª CRE em Combate às Arboviroses

Tags: arboviroses, mosquito, dengue, aedes, 5ªcre.

5ª CRE em Combate às Arboviroses

 

As Escolas da 5ª Coordenadoria Regional de Educação se engajaram na Semana de Combate às Arboviroses, que aconteceu no período de 18 a 22 de fevereiro.

O objetivo da semana era conscientizar toda a Comunidade Escolar sobre importância das formas de prevenção ao mosquito Aedes aegypti.

A seguir, confira os trabalhos maravilhosos desenvolvidos em algumas Unidades Escolares.

 

 

Escola Municipal França

A E.M. França desenvolveu o Projeto: “discutindo doença e reciclando lixo, a leitura dos dias atuais”. Esse projeto foi desenvolvido na sala de leitura em parceria com as disciplinas de Matemática e Ciências. O professor

Marcelo Silva Bastos, de Matemática discutiu as formas de calcular, classificar e selecionar lixos para sua transformação em arte.

A professora Valéria, de Ciências,  discutiu o lixo pela perspectiva da necessidade de controle e vigilância sobre o acúmulo de lixo e água. 

O Projeto também contou  com a exibição do filme IIha das Flores,  uma palestra e vídeo sobre lixo e Arboviroses, além da transformação do lixo em arte com a criação de peças artísticas, a partir da reciclagem do lixo.

 

 

Escola Municipal Mestre Darcy do Jongo

A E.M. Mestre Darcy do Jongo desenvolveu várias atividades na Semana da Arbovirose, com o Projeto “Mestre Darcy dá uma Mãozinha Contra o Mosquito da Dengue”.

A Unidade Escolar tinha como proposta incentivar as pessoas da comunidade a pensarem e refletirem coletivamente o problema da Dengue, Zika Vírus e Chikungunya. Para isso foi elaborada e implantada uma sequência de atividades entre os dias 18/02/2019 e 22/02/2019 no intuito de intervir na saúde da comunidade escolar, levando ao grupo questionamentos, são eles:

•Como esclarecer os pequenos sobre os verdadeiros problemas causados pela Dengue?

•O que fazer para combater uma doença que parece tão simples, mas causa tanto mal?

Tendo em vista toda essa problemática, percebeu-se a necessidade de estimular as crianças a buscarem as respostas e se envolverem diretamente no combate a proliferação da doença. Além de conscientizar toda a comunidade escolar de sua responsabilidade no combate e prevenção ao mosquito da Dengue.

 

 

Escola Municipal Barão de Itararé

A E.M. Barão do Itararé elaborou o projeto “Aqui na Barão, mosquito não se cria”, trabalhando o tema das Arboviroses. Com a participação de todas as turmas, o desenvolvimento do projeto abrangeu atividades das mais diversas, como: exibição de vídeo explicativo, visitação do grêmio nas turmas, passeata pela escola, confecção de cartazes, artesanato, maquetes, oficina de mosquitoeiras, exposição de trabalhos, paródias e danças.

A culminância do projeto ocorreu no dia 22 de fevereiro e contou com a participação de todos os segmentos da comunidade escolar.

Todas as turmas realizaram atividades que contemplaram informações como: o significado da palavra arboviroses e quais as doenças dentro desse contexto; quem transmite as doenças; características do Aedes Aegypti; ciclo de vida do mosquito; sua reprodução; como prevenir; os cuidados necessários nos ambientes e tratamento.

A culminância do projeto foi bastante prestigiada pelos responsáveis, que assistiram as apresentações, visitaram os stands e as exposições de trabalhos. Isso só prova que valeu a pena todo o trabalho desenvolvido e realizado. E mais do que isso, que transformamos nossos alunos em multiplicadores nessa batalha contra o Aedes Aegypti.

 

 

Escola Municipal Professor Souza da Silveira

A E.M. Professor Souza da Silveira fez um belo trabalho de conscientização de prevenção contra as Arboviroses junto com a comunidade escolar!

Foram feitas apresentação de vídeo explicativo para os alunos do primário; caracterização das crianças de Aedes e a presença de um médico que distribuiu panfletos informativos; já os alunos do ginásio fizeram belos trabalhos para exposição!

 

 

Escola Municipal Mato Grosso

A E.M. Mato Grosso desenvolveu uma atividade muito bacana dentro do Projeto sobre as Arboviroses. A Professora de Sala de Leitura Rosa Dias promoveu um dia de muitas alegrias passeando pelas salas e contando a história: "Que febre de mosquito!".

Assim, de forma lúdica e divertida, as crianças puderam aprender vários pontos importantes sobre prevenção às Arboviroses, as formas de tratamento e como cada um pode fazer a sua parte tomando os cuidados necessários para acabar com a proliferação do mosquito.

 

 

 

Sobre as Escolas:

 

Escola Municipal França

emfranca@rioeduca.net

3273-1614 1 3073-1614 3273-1587

 

Escola Municipal Mestre Darcy do Jongo

emdjongo@rioeduca.net

3457-0095 3457-7633

 

Escola Municipal Barão de Itararé

emitarare@rioeduca.net

3018-2192 3018-2153

 

Escola Municipal Professor Souza da Silveira

emsouzas@rioeduca.net

2592-6091 2592-6257

 

Escola Municipal Mato Grosso

emgrosso@rioeduca.net

3372-5568 3372-5573

 

 

 


 


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 09/04/2019

Combate às Arboviroses nas Escolas da 2ª CRE

Tags: 2ªcre, dengue, arboviroses.

 

As unidades escolares da 2ª CRE estão dedicadas na luta contra às Arboviroses. 

A Creche Municipal Doutor Sobral Pinto realizou o projeto “Sai Mosquito”. O objetivo do projeto foi conscientizar, por meio das brincadeiras e interações, o perigo das Arboviroses e como combatê-las.

 

Atividades desenvolvidas pelos alunos da creche.

 


Os alunos e seus responsáveis participaram das atividades da seguinte maneira:


• Leituras das histórias “A Turma do Bixuxujo”, do autor Ziraldo, e “O Mundinho”, da autora Ingrid Bellinghausen;


• Apresentação de filmes sobre o assunto adequados à idade das crianças;


• Confecção de cartazes coletivos;


• Confecção de máscaras do mosquito transmissor de doenças;


• Palestra sobre Arboviroses ministrada pela enfermeira chefe do CRAS de Irajá. Atividade direcionada aos responsáveis das crianças e a todos os profissionais de educação da Unidade Escolar;


• Mutirão para a limpeza do pátio coberto da escola. Todas as crianças tinham a missão de recolher o lixo para evitar água parada e ,assim, afastar o mosquito. 


Alguns pais e professores relataram que a palestra ministrada na escola foi muito informativa. Outros, levaram panfletos a mais para distribuir entre seus pares.

 

 

Mutirão de limpeza do pátio coberto da escola.

 

 

No EDI Gabriela Mistral, os alunos também participaram de várias atividades e aprenderam a  prevenir as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, dentre elas:


• Conversas sobre o mosquito e as doenças que ele pode transmitir;


• Confecção de cartazes e trabalhos sobre o tema;


• Circuito usando lupas e buscando descobrir possíveis focos de proliferação de mosquito na escola;


• Bloco “Xô Mosquito”, com todas as turmas da manhã.   A letra da marchinha de combate ao mosquito acompanhou as atividades da semana até a culminância que foi o bloco;


• Dramatização feita pelos alunos da turma EI 51, apresentada a todos os alunos da manhã;


• Exibição de vídeo e conversa sobre o mosquito e as doenças que ele transmite, no turno da tarde, feita pela médica do CMS Rocha Maia;


• Confecção de cartazes para expor no refeitório da escola feitos pelas turmas EI 51 e EI 52. 

 

Atividades realizadas sobre a importância do combate às Arboviroses.

 

 

Já a Escola Municipal Menezes Vieira, durante o ano de 2019, terá como foco o tema Sustentabilidade. Dessa forma, na semana do combate às Arboviroses, as turmas do 1º, 2º e 6º anos produziram trabalhos para os murais e para utilizar no dia do Carnaval da escola.

Além do baile de Carnaval realizado, o 6º ano fez uma paródia do samba enredo da Portela de 2008 e as turmas produziram adereços e estandartes para o bloco da escola. Todos se empenharam! Cada turma montou uma ala: “Ala do Mosquito” - 1º e 2º anos, “Cuidado com Nossas Florestas” - 3º ano, “Não Foi Acidente” - 4º ano, “O Agrotóxico nos Alimentos” - 5º ano e “Impacto Ambiental” representada pelo 6º ano.


Importante lembrar que para confeccionar as fantasias para o bloco foi utilizado material reciclado.


Os responsáveis, através da página da escola no Facebook, disseram que os alunos estavam muito animados e que adoraram as atividades e a festa do Carnaval. Os estudantes  gostaram muito de produzir os estandartes e comentaram sobre o significado de suas alas. Os professores também se divertiram muito e puderam interligar conteúdo do bimestre às atividades lúdicas carnavalescas.

 

 

Produção de material sobre o combate às Arboviroses.

 

 

Baile de Carnaval com o tema sustentabilidade.

  

 

No período de 18 a 22 de fevereiro, foi realizada a Semana de Combate às Arboviroses da Escola Municipal Pedro Ernesto. Toda a comunidade escolar foi envolvida nas atividades de combate às arborviroses. Esse tema sempre é tratado nas aulas da unidade escolar ao longo do ano, porém se faz necessário um período intenso de reflexão sobre as doenças provocadas pelo mosquito Aedes aegypti e a forma combatê-lo.

 

Alunos e professores realizaram diversos trabalhos manuais, e no dia 22/02, intitulado como Dia D, foram apresentados os trabalhos realizados. Na apresentação a escola contou com a presença dos responsáveis para assistir ao teatro e as músicas ensaiadas. A equipe pedagógica junto com os alunos realizou também uma passeata ao redor do quarteirão distribuindo panfletos confeccionados pelos próprios alunos e gritos de combate ao mosquito.

 

"Esse movimento na escola é muito importante. Com o aumento do número de mosquitos no verão, é necessário chamar a atenção para essas doenças que são graves e muitas vezes deixam sequelas. É importante desenvolver atividades práticas sobre esse tema". Ana Paula Muniz - Agente Educadora

 

"Eu aprendi o que é arbovirose e o que essas doenças podem causar às pessoas. Estou tomando os cuidados que aprendi na escola para combater o mosquito".  Raphael Pontes - Aluno da turma 1401

 

 

 

Passeata ao redor do quarteirão.

 

 

 

Murais com trabalhos desenvolvidos sobre as arboviroses.

 

 

Na Escola Municipal Guararapes Cândido, aconteceram várias atividades com o objetivo de conscientizar os alunos sobre as doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti e como preveni-las. Em cada turma, alunos e professores conversaram sobre as arboviroses, principalmente, sobre as doenças mais conhecidas: Dengue, Zica e Chikungunya.


• Foram exibidos vídeos abordando o tema;


• Algumas turmas produziram cartazes para a confecção de murais;


• A turma do terceiro ano produziu um pequeno vídeo sobre o assunto trabalhado em sala;


• A escola também agendou uma palestra com a Clínica da Família para abordar o tema na próxima reunião de responsáveis.

 

 

 

Vídeos e atividades sobre as arboviroses.

 

 

Agradecemos as Unidades Escolares que compartilharam conosco as atividades e os projetos desenvolvidos para a conscientização da comunidade escolar !

 

 

 

 

 

 

Divulgue também o trabalho de sua escola no portal Rioeduca.

Entre em contato com o representante de sua CRE.

 

 

  •  

   
           



Yammer Share

Terça-feira, 09/04/2019

Combate às Arboviroses - 7ª CRE

Tags: 7ªcre, arboviroses.

 

Combate às Arboviroses na 7ªCRE!

 

As unidades escolares da Secretaria Municipal de Educação realizaram a Semana de Combate às Arboviroses , no período de 18 a 22 de fevereiro, O objetivo era reforçar e conscientizar quanto as formas de prevenção ao mosquito Aedes Aegypti.

O Rioeduca recebeu muitos relatos das Unidades Escolares sobre essa importante ação e mostra mais um pouco do trabalho diversificado realizado em Unidades da 7ªCRE.

 

Escola Municipal Paroquial Nossa Senhora do Loreto


Todas as turmas e professores da escola, bem como, o agente de apoio ao ensino especial e a agente educadora, participaram das atividades de conscientização sobre o enfrentamento às arboviroses através de vídeos e cartazes informativos.

Foram realizadas as seguintes atividades:

  • Produção de cartazes informativos, durante as aulas da Sala de leitura, e divulgação para  toda comunidade escolar;
  • Criação de paródia a partir da música “ Marcha soldado” feita pelas turmas 1201 e 1202 da professora Viviane;
  • Exibição de vídeo sobre arboviroses;
  • Realização da campanha de vigilância. Todos os dias, um grupo com seis crianças de cada turno andava pelos arredores da escola, buscando possíveis focos de mosquito. Desta forma, no 1º turno foi criado o grupo “ Os caçadores do Aedes” e no 2º turno “ Os soldados do mata mosquito”;
  • Confecção de fantoche do mosquito com garrafa de plástico. 

 

"Marcha soldado
Contra esse mosquito
Água parada
Dá dengue no amigo."

 

 

         Escola Municipal Paroquial Nossa Senhora do Loreto.

 

Creche Municipal Emília Joana da Fonseca Marques


A partir de seu Projeto Anual, “Conhecendo nossa história e valorizando nossas raízes em busca da sustentabilidade cidadã”, a creche realiza atividades de conscientização às Arboviroses. As atividades realizadas contaram com a participação de todas as turmas, de seus educadores e da Comunidade Escolar. Todos juntos, formaram os Patrulheiros da Emília Joana.

A boneca Emília, patrulheira oficial da Unidade, também esteve presente conscientizando a todos sobre a importância de um ambiente limpo e sem doenças, por meio de uma cidadania sustentável. 

Atividades realizadas:

  •  Apresentação de vídeos e músicas sobre as Arboviroses;
  • Distribuição de folhetos informativos e passatempo;
  • Caça ao Mosquito com circuito de sucatas para simbolizar os criadouros, na área externa da creche;
  • Oficina de Artes com produção de desenhos, pinturas e confecção do mosquito utilizando sucata; 
  • Confecção de cartazes informativos com desenhos, pinturas e colagens das produções das crianças;
  • Teatrinho coletivo com participação da Equipe e das crianças com exibição para Comunidade Escolar. 

 

 

                Creche Emília Joana da Fonseca Marques.

 

EDI Compositor Roberto Ribeiro

A Unidade Escolar realizou o projeto: Todos contra a Dengue.

Objetivos principais do projeto:


- Conhecer o mosquito transmissor Aedes aegypti;
- Sensibilizar a comunidade escolar sobre a importância da prevenção e combate aos criadouros do mosquito Aedes aegypti;
- Identificar os sintomas das doenças;
- Reconhecer como os hábitos de higiene ajudam a manter a saúde e a prevenção das Arboviroses;
- Promover ações que possibilitem condições necessárias para o controle do mosquito vetor;
- Desenvolver ações de mobilização de modo que possam provocar mudanças de comportamento da Comunidade Escolar.

A turma EI-11, da professora Cláudia, conheceu o mosquito através da história: “O Sapo Bocarrão”. 

No Maternal I, turma EI-21, a professora Mariane promoveu a busca aos mosquitos feitos de garrafa pet e fez um cartaz com a impressão das mãozinhas com a seguinte frase: “Dê uma mãozinha contra a Dengue!”. 


O Maternal II, EI-31, da professora Amanda, vivenciou a música: “Não vamos dar chance pro mosquito da Dengue” da Turma da Mônica contra a Dengue. Numa roda de conversa, falaram sobre onde o mosquito se reproduz, a importância de não deixar água limpa parada, sobre os sintomas da doença e o uso do repelente. Observaram imagens do mosquito e construíram, com material reciclado, plaquinhas para a passeata. Por fim,  com as plaquinhas e um cartaz com o dizer: “Diga não à Dengue!”, os estudantes andaram pelos arredores conscientizando toda a Comunidade Escolar.

A professora Viviane nas turmas EI-51 e EI-52 iniciou a discussão com uma música que falava de catapora. Explorou na roda de conversa quais as doenças que eles conheciam e apresentou as doenças que são transmitidas pelo mosquito. Além disso, brincaram de caçar mosquitos espalhados pelo parque e vivenciaram experiências concretas de como eliminar focos.


As crianças ficaram muito envolvidas com o projeto contribuindo com experiências vivenciadas em seus lares e demonstrando interesse em participar ativamente dos cuidados que devemos ter para prevenir essas doenças e eliminar o seu causador. Além disso, compartilharam suas produções, expondo na unidade escolar o que também possibilitou alcançar aos responsáveis e a todos que passavam pelo EDI.

 

        EDI Compositor Roberto Ribeiro.

 

 

Creche Municipal Luzes do Amanhã


Foi desenvolvido na Semana de Combate às Arboviroses o seguinte projeto: "Na Luzes mosquito não se cria!" Durante a semana, foram desenvolvidas inúmeras atividades, são algumas delas: 

Maternal I / EI-21 - Professora Maria da Penha
Com o recurso de diversas imagens, a professora criou uma história de como o mosquito nasce, os locais que ele gosta de colocar os ovos e como ele se desenvolve. Explicou como ele se alimenta e que sua picada traz doenças. Falou sobre o que sentimos em nosso corpo quando estamos com essas doenças. 

Maternal I / EI-22 - Professora Janaina
A professora Janaina iniciou o projeto com a leitura do livro: "Que mosquito!". Fez uma construção coletiva do mosquito de sucata e saiu com a turma em uma busca coletiva para eliminar possíveis focos de mosquito na área externa da creche. 

Maternal II / EI-31 - Professora Melissa
O Maternal II em uma roda de conversa aprendeu e refletiu sobre os perigos das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti e quais são seus sintomas. A professora também pediu que as crianças desenhassem o mosquito para compor um mural que seria compartilhado com a Comunidade Escolar. 

Maternal II / EI-32 - Professora Marcia Cristina
Para conhecer o mosquito Aedes aegypti, a turma assistiu vídeos. A professora Marcia fez uma roda de conversa falando sobre os cuidados com o lixo e do cuidado em não acumular água parada. Também construiu mosquitos com pintura e colagem para a realização de uma passeata.

 

"Nossas crianças estiveram interessadas, curiosas, participativas e questionadoras durante o desenvolvimento do projeto. Compartilharam suas produções, realizaram passeatas e conversaram com os demais adultos da creche a respeito do assunto. Se mostraram solícitas em compartilhar o que aprenderam com seus familiares. Foi um momento enriquecedor e de conscientização."

 

Creche Municipal Luzes do Amanhã.

 

 

Escola Municipal Naturalista Augusto Ruschi

As atividades da Semana de Combate às Arboviroses foram:

  • Caça ao mosquito no entorno da escola;
  • Distribuição de panfletos confeccionados pelos alunos;
  • Promoção da palestra do PSE para os alunos sobre o tema;
  • Confecção de cartazes e mosquitos com material reciclado.

Os responsáveis, também, assistiram a palestra do PSE, realizada na hora da entrada. Os moradores do entorno foram receptivos com os alunos que entregaram panfletos com esclarecimentos sobre às Arboviroses. 

 

 Escola Municipal Naturalista Augusto Ruschi.

 

CIEP Luiz Carlos Prestes

 

O trabalho teve como ponto de partida informações de cartazes da Revista da Educação Infantil, depois a visualização de imagens da história da Casa de Dona Maria e o Sr. João, um vídeo interativo sobre a história do mosquito Aedes Aegypti.


Na participação ativa das crianças foram realizadas atividades práticas como:


- Representação artística do mosquito com tinta guache e papel color set preto e com o uso de massa de modelar.
- Pintura da letra inicial do nome científico do mosquito.
- Grafismo com giz de cera na produção de uma viseira.
- Roda de conversa sobre o tema.


A outra ação envolveu parte da comunidade escolar. Uma roda de conversa no pátio com as turmas: 1401 da professora Liz; 1402 da professora Fabiana; 1501 da professora Naura e 1601 da professora Ana Lucia. “A roda foi articulada pelas diretoras tendo como ponto de partida o vídeo.” O ciclo de vida do Aedes Aegypti. Após o vídeo, houve  a participação da professora Naura relatando como uma pessoa da família adoeceu após ser picada pelo mosquito, os sintomas, duração da doença e o tratamento. Também aconteceu o relato do aluno Guilherme Santos que teve uma das doenças transmitidas pelo mosquito assim como seus responsáveis. A  funcionária Fabiana e o agente de apoio à educação especial também contribuíram para enriquecer este momento que foi um sucesso!Ao final de tudo, a bandinha do professor de música Thiago se apresentou com o Rap do Mosquito.
 

 

 

CIEP Luiz Carlos Prestes.

 

 

Escola Municipal República da Colômbia

 

Na semana de enfrentamento às arboviroses,  a abordagem se inciou a partir da visualização de vídeos informativos e lúdicos. Dentre as diversas atividades realizadas na escola aconteceram: a confecção de cartazes e murais com apontamentos para a prevenção e sintomas das doenças, dramatização, paródia, registro escrito e gráfico com as características do mosquito, confecção do mosquito de dobradura, passeio pela escola em busca de possíveis focos, dentre outras propostas.A comunidade mostrou-se participativa e interessada na temática, isto é, na prevenção e no combate as doenças.
 

 

                       Escola Municipal República da Colômbia.

 

 

Escola Municipal Frei Gaspar

 

Além do desenvolvimento do sentimento de pertencimento e tendo em vista as questões urgentes envolvendo as arboviroses, partiu-se para ações coletivas na rotina pedagógica dos professores. E, com a finalidade de alertar aos alunos sobre os perigos da Dengue, Chicungunha e Zika vírus, foram feitos estudos, pesquisas de como ocorrem e quais são as formas de prevenção.


Ações coletivas realizadas :


- Apresentação de vídeos e discussão sobre seus temas;
- Pesquisas;
- Leitura e interpretação de textos;
- Produção de textos variados: acrósticos, cartazes, ilustrações, livretos, paródias;
- Exposição em murais;
- Aula de campo (ronda orientada)
- Mural de Notícias sobre os casos de Dengue, Chikungunya e Zika Vírus na nossa Região.

A turma 1604 da professora Cristina Santos confeccionou cartazes com desenhos produzidos pelos alunos  com base no vídeo XÔ, dengue! Foi formado o Bloco Carnavalesco Xô, dengue! O objetivo desta atividade foi  fazer com que os alunos aprendessem sobre a eliminação dos focos de proliferação do mosquito aedes aegypti, evitando assim as doenças causadas por ele.A  turma 1402  da professora Beth Macabu assisitiu o vídeo Detona Aedes do  Portal Multirio . Logo após, participaram de atividades de artes: pintura, recorte e colagem para a produção de mosquitos.


A turma 1101, professora Ana Maria Luz, fez belas ilustrações sobre as arboviroses, com frases e expôs as produções no mural. A culminância foi como mostra a foto ao lado. Máscaras e muita alegria.As turmas dos 7º anos produziram acrósticos na aula de Língua Portuguesa, professora Maria da Conceição Monteiro. O produto final, partiu de atividades com uso de dicionários sobre o conceito e os tipos de Arboviroses. Os alunos também assistiram a uma projeção sobre os sintomas e os cuidados para evitar as doenças causadas pelo mosquito Aedes Aegypti
 

 

Escola Municipal Frei Gaspar.

 

 

Escola Muncipal Vice Almirante Alvaro Alberto da Motta e Silva

 

Em virtude da SEMANA DE COMBATE ÀS ARBOVIROSES, a unidade escolar realizou várias atividades relacionadas ao tema, tais como: pesquisas, elaboração de cartazes, músicas e uma caminhada de mobilização contra a proliferação do mosquito aedes aegypti. A escola tem turmas da educação infantil até o 6º ano, todos participaram desta mobilização.

Na caminhada, os alunos levaram cartazes e cantaram músicas que foram compostas pelos próprios alunos. A diretora adjunta, Claudia Lima, se caracterizou de mosquito Aedes Aegypti e a diretora, Marise Pereira e a coordenadora pedagógica, Michelle Gomes, se caracterizaram de agente de combate ao mosquito. Durante a caminhada elas fizeram uma divertida encenação de “caça” ao mosquito.Toda a comunidade escolar se envolveu nesta importante mobilização.

 

 

 

Escola Municipal Álvaro Alberto Motta da Silva.

 

Escola Municipal Joaquim Pimenta

 

Objetivos das atividades realizadas na unidade escolar:

-Diminuir os focos dos mosquitos aedes além de fornecer informações sobre a Dengue,Zika,Febre Amarela e Chikungunya , com o objetivo de diminuir a incidência da doença na comunidade.

Atividades desenvolvidas:

Confecção de cartazes e murais,exibição de vídeos, produção de armadilhas para mosquitos, passeio em torno da escola, debates, enquete teatral, palestra para o ginásio, música,placas de sinalização e maquetes.

 

 

 

Escola Municipal Joaquim Pimenta.

 

Escola Municipal Joaquim Fontes

 

A concepção do Projeto Político Pedagógico está centrado “nas questões de respeito às diferenças, a prática do diálogo como mediador de conflitos e sustentabilidade da não violência nas relações e de resgate da confiabilidade da Comunidade no Ensino que esta Escola oferece”.


O  período letivo  foi iniciado acolhendo os alunos, resgatando a identidade individual e social com ações de sustentabilidade, para tanto, a abordagem sobre o combate sobre às Arboviroses se fez necessária, principalmente na localidade onde nossa escola está inserida, Cidade de Deus. Durante à Semana de Combate às Arboviroses, os alunos de 1º ao 5º ano puderam assistir à vídeos no pátio da Escola com informações importantes como: “Dez minutos contra a Dengue”.(https://www.youtube.com/watch?v=7g9Iwcf0Tj4) e participar de debates.

Turmas do quinto ano das professoras Karla e Angela, em parceria com as professoras de Educação Física, Juliana e de Artes, Nathalia, em ação confeccionaram cartazes. As  atividades desse período foram concluídas com uma passeata de conscientização contra às Arboviroses na rua da escola, com apresentações sobre a temática.
 

 

Escola Municipal Joaquim Fontes.

 

Escola Municipal Átila Nunes Neto

 

O Projeto Pedagógico Anual da Escola Municipal Atila Nunes Neto, este ano será "Um mergulho na história do Canal do Anil". Tendo como objetivo geral o conhecimento de si mesmo e da comunidade onde está inserido, oportunizando a descoberta de fatos históricos importantes sobre a composição social, física, econômica e cultural do bairro.

Todas as turmas e professores se envolveram nas atividades de combate às Arboviroses, desde a Educação Infantil ao 6° ano do Ensino Fundamental, que contaram com exibição de vídeos, confecção de cartazes, murais, viseiras, teatro, desfile na área interna e externa da escola, além de demonstrações de combate e prevenção e visita dos alunos do 6° ano as demais turmas da escola.

 

 

Escola Municipal Átila Nunes Neto.

 

EDI Ana Carolina Pacheco da Silva

 

Ao longo do projeto foram desenvolvidas  atividades para conscientizar e desenvolver na comunidade escolar hábitos de combate e controle da proliferação dos mosquitos transmissores das arboviroses, e ações e situações cotidianas que contribuem para o cuidado da sua saúde promovendo a compreensão do ciclo de vida dos vetores.Foram elaborados atividades de conscientização, como a visita ao entorno da unidade em busca de possíveis focos de proliferação do Aedes Aegypti.
 

Com a exibição do filme: Um reino sem Dengue, foi possível conhecer melhor o ciclo de vida do mosquito Aedes Aegypti e as melhores formas de combatê-lo, sendo realizada por todas as turmas da unidade.Realizou-se a culminância através de uma passeata, no entorno da unidade e uma roda de conversa com os responsáveis, trazendo mais informações sobre as arboviroses, seus sintomas e formas de combate.
 

 

     EDI Ana Carolina Pacheco da Silva.

 

 

 

            

Escola Municipal Professora Helena Lopes Abranches

A fim de chamar a atenção dos moradores da Gardênia Azul para a necessidade de ações preventivas e de combate à Dengue, os alunos da Escola Municipal Professora Helena Lopes Abranches realizaram uma passeata nas ruas próximas à escola, culminando uma semana de reflexão e atividades voltadas à conscientização. 

Durante a caminhada, alunos e os professores distribuíram nas residências e nas ruas do bairro folhetos informativos sobre a importância da prevenção contra a formação de focos do mosquito transmissor da Dengue.

As Turmas 1601 e 1602, da Professora Zênia Cortez, prepararam um esquete que foi apresentado a outras turmas da escola. Uma maneira lúdica de abordar os perigos das doenças trazidas pelo mosquito.

Embalados pela canção "Vamos combater a Dengue", composta pela Professora Márcia Malta, os alunos alertaram a todos sobre os perigos da doença e a necessidade de realizar ações preventivas.

Os alunos do Grêmio Estudantil da Unidade também estiveram presentes nessa luta, promovendo uma ação com a marca do protagonismo desenvolvido na escola. 

 

Escola Professora Helena Lopes Abranches.

 

 

 

Parabéns a todos os envolvidos pelo trabalho realizado!

 

Contato para publicações:

robertavitagliano@rioeduca.net

 

Contato das unidades escoares:

 

Escola Municipal Paroquial Nossa Senhora do Loreto

E-mail :emloreto@rioeduca.net

Telefone:3327-4649

 

Creche Municipal Emilia Joana da Fonseca Marques

E-mail :cmemarques@rioeduca.net

Telefone:3327-5148

 

EDI Compositor Roberto Ribeiro

E-mail:ediribeiro@rioeduca.net

Telefone:3342-9208

 

Creche Municipal Luzes do Amanhã

E-mail: cmlamanha@rioeduca.net

Telefone:3432-7626

 

Escola Municipal Naturalista Augusto Ruschi

E-mail: emruschi@rioeduca.net

Telefone:3392-2978

 

CIEP Luiz Carlos Prestes

Email: ciepprestes@rioeduca.net

Telefone: 3432-4281

 

Escola Municipal República da Colômbia

Email : emcolombia@rioeduca.net

Telefone:3388-5338

 

Escola Municipal Frei Gaspar

Email : emfgaspar@rioeduca.net

Telefone:2035-5815

 

Escola Municipal Vice Almirante Álvaro Alberto Motta da Silva

Email:emalvaro@rioeduca.net

Telefone: 2498-0892

 

Escola Municipal Joaquim Fontes

Email: emjfontes@rioeduca.net

Telefone: 3342-7829

 

Escola Municipal Joaquim Pimenta

Email: cieppimenta@rioeduca.net

Telefone:2427-2117

 

Escola Municipal Átila Nunes Neto

Email:emaneto@rioeduca.net

 

EDI Ana Carolina Pacheco da Silva
 

Email:edianasilva@rioeduca.net

Telefone:3413-1082

 

Escola Municipal Professora Helena Lopes Abranches

E-mail :emabranch@rioeduca.net

Telefone:3388-5446

 

 

 


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 08/04/2019

EMOC Juan Samaranch - 1ª CRE

Tags: 1ªcre, arboviroses, emoc, geo, pse.

 

EMOC Juan Samaranch aborda o tema “Doação de Sangue” em turmas do 6º Ano do Ensino Fundamental.

 

Doar sangue é um grande ato de solidariedade, pois cada doação pode salvar até quatro vidas e a escola pode exercer um papel importantíssimo nesse ato. Essa instituição pode promover a compreensão dos adolescentes acerca da necessidade constante desse ato humanitário, pois quando informados e conscientizados, os alunos podem disseminar a cultura da doação, incentivando jovens (com idade mínima de 16 anos) e adultos a serem doadores regulares.

 

De acordo com o Ministério da Saúde (1), entre os países da América Latina, o Brasil é referência na promoção à doação de Sangue. Contudo, possui um índice baixíssimo, pois apenas 1,8% da população doam sangue. Se verificarmos os dados estatísticos do Rio de Janeiro, ficamos ainda mais perplexos. O estado possui apenas 0,97% da população doando sangue.

 

O sangue consiste num líquido viscoso, composto por leucócitos, plasma, plaquetas e hemácias. Sua principal função é transportar o oxigênio e substâncias para todos os órgãos do corpo, através dos vasos sanguíneos, garantindo assim a manutenção da vida.

 

Em uma parceria com o Instituto Estadual de Hematologia Arthur de Siqueira Cavalcanti (Hemorio) alunos das Turmas 1601 e 1602 da Escola Municipal Juan Antônio Samaranch (EMOC II – Santa Teresa) aprenderam sobre as condições para ser um doador, a importância da doação de sangue por meio de uma palestra ministrada pela assistente social do Instituto, Ana Ester Machado Carlos. 
 

.

 

Palestra sobre doação de sangue ministrada pela assistente social do Hemorio.

 


Posteriormente, em sala de aula, panfletos doados pelo Hemorio foram distribuídos e após a leitura das informações contidas neles, os alunos foram orientados para que os levassem a seus respectivos responsáveis, familiares e amigos, com o objetivo de promover a doação de sangue entre eles.

 

 

 Alunos com os panfletos doados pelo Hemorio.

 


Os alunos também receberam uma revista especial da Turma da Mônica (Editora Maurício de Sousa) que abordava o tema “doação de sangue”. Dessa forma,  o assunto foi reforçado através da história em quadrinhos.

 

 

Alunos realizando a leitura da revista da Turma da Monica sobre a doação de sangue.

 

Embora, os alunos soubessem que o laço vermelho é visto como símbolo global de solidariedade e de comprometimento na luta contra a AIDS, eles resolveram usá-lo, como símbolo das atividades, sendo essa cor escolhida justamente por causa de sua ligação ao sangue. Então, alunos envolvidos nas atividades utilizaram laços vermelhos durante um dia inteiro para despertar a curiosidade de outros alunos da escola e abrir oportunidades para divulgarem os conhecimentos aprendidos e a cultura da doação de sangue. 

 

 

Alunos utilizando laços vermelhos para atrair a atenção de outros alunos na escola 

 

 

Os alunos das turmas 1601 e 1602, após as atividades realizadas, elaboraram mini cartazes nos quais demonstraram, com desenhos e frases, o que aprenderam.

 

 

Alunos produzindo mini cartazes sobre o tema “doação de sangue”.

 

 

Pôde-se observar, através dos desenhos elaborados, que os alunos aprenderam bastante sobre o tema “doação de sangue”. Vários desenhos mostraram pessoas doadoras “como heróis”, outros desenhos mostraram a sensibilização deles com o assunto e que se empenhariam em contribuir na divulgação.

 

 

 Desenhos elaborados pelos alunos.

 


A abordagem do tema “doação de sangue” nas escolas contribui para a compreensão, conscientização e multiplicação das informações corretas, combatendo mitos e promovendo o desejo do adolescente em se tornar um doador de sangue ao atingir 16 anos, a idade mínima para a prática.


A relação entre Educação e Saúde surge como a chave para alterar a realidade e potencializar as ações!


“Acredito que atividades, como as realizadas com meus alunos, podem ampliar a conscientização e, futuramente, as doações voluntárias de sangue. Alterando, assim, caso sejam realizadas em muitas escolas, os atuais índices de doação que são baixíssimos em nosso Estado. Quem precisa, por algum motivo, receber sangue, só pode contar com a ação solidária dos doadores que acabam por lhes salvar a vida.” – diz Lucineia Alves, professora de Ciências responsável pela ação realizada na escola.

 


1 - BRASIL. Brasília, DF: Ministério da Saúde. Manual de Orientações para Promoção da Doação Voluntária de Sangue. 2015.

 


Para Saber Mais:

EMOC Juan Antônio Samaranch

Telefone: 3972-0916

E-mail: geo@rioeduca.net

 

 

 


   
           



Yammer Share