A A A C
email
Retornando 25 resultados para a tag 'cre10'

Sexta-feira, 01/06/2018

Aprendendo e brincando com o Sítio do Picapau Amarelo

Tags: cre10, 10ªcre.

 

EDI Katia Miranda trabalhando obra de Monteiro Lobato para construção de um aprendizado significativo


O E/CRE (10.19.822) EDI Katia Miranda Santos está localizado à Estrada de Sepetiba, 3.325 bloco 1 - Campus Nova Sepetiba - Santa Cruz, Zona oeste do Rio de Janeiro. A unidade possui 486 alunos, com 19 turmas, sendo 6 de creche (integral) e 13 de Pré escola (parcial). Tem como diretora a professora Shenia Cristina Ferreira da Silva do Pilar Cobra e como diretora adjunta a professora Juliana Campos de Siqueira Paes.


O projeto nasce a partir do planejamento anual do EDI, que tem como tema “Aprendendo e brincando com o Sítio do Picapau Amarelo”. Uma das atividades é a transformação do espaço em um ambiente encantado das fábulas de Monteiro Lobato, onde os alunos se sentem no próprio sítio, em meio a corujas, pintinhos e outros animais.

 

Alunos em atividade no EDI Katia Miranda dos Santos


É nesse mundo de faz de conta, entre Emília e Visconde que construímos juntos, professora e alunos, um ambiente alfabetizador favorável à descoberta de novos conhecimentos, na construção de um aprendizado significativo. — afirma a professora Shirley Nidech Corrêa


Para que os alunos sejam os construtores do saber, nada melhor que os próprios façam parte da confecção do cenário. Sendo assim, a turma EI-41 confeccionou pintinhos com pratos de papelão – eles pintaram pratos (dois tamanhos diferentes) com tinta guache. Em seguida, colaram os olhinhos, bico, crista, pezinhos e as asas confeccionadas com o desenho de suas mãos. Já os alunos da turma EI-43 confeccionaram corujas com sacos de papel e colaram os olhos, bicos, pezinhos e asas. 

 

Alunos com os trabalhos confeccionados em sala de aula

 

O trabalho foi muito proveitoso e despertou grande interesse aos alunos, que puderam, além de exercitar a coordenação motora grossa e fina, e o movimento de pinça, ver seus trabalhos decorando a sala de aula. — afirma a diretora Shenia


A próxima atividade de decoração será colar jabuticabas com bolinhas de papel crepom na árvore, afinal a jabuticabeira é sempre citada nos livros sobre o Sítio do Picapau Amarelo. O livro “As jabuticabas” faz parte do acervo literário da Unidade Escolar. Essa atividade vai envolver duas turmas com um trabalho de coordenação motora fina, amassando as bolinhas de papel; interatividade, pois farão o trabalho em conjunto; percepção visual, ao verificarem onde há necessidade de mais bolinhas e, principalmente, a autoestima, ao ver seu trabalho exposto e elogiado.

 

Alunos em atividade do projeto

 

É gratificante ver o orgulho que nossas crianças mostram aos seus pais o que fizeram para contribuir com o ambiente da sala de aula, que cada dia mais parece com o “Mundo encantado do Sítio do Picapau Amarelo”. — afirma a diretora adjunta Juliana

 

Parabéns a todos os envolvidos no projeto !


Quer saber mais sobre o projeto?
Entre em contato com a Unidade Escolar.

E/CRE (10.19.822) EDI Professora Katia Miranda Santos
E-mail: edipsantos@rioeduca.net

 


 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 18/05/2018

Gincana das Letras

Tags: cre10, 10ªcre.

 

Professor realiza gincana com alunos utilizando o alfabeto para auxiliar aprendizagem dos alunos em Língua Portuguesa

 

A E/CRE (10.19.060) Escola Municipal Manoel Porto Filho, localizada no bairro de Paciência, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, atende a 26 turmas, totalizando 965 alunos, divididos em turmas do 6º ao 9º ano, Projeto Acelera 8 e Classes Especiais (TGD e DI), todas atendidas em horário parcial. A Unidade Escolar possui como diretor, o professor André Luiz de Macedo, como diretora adjunta, a professora Flávia do Nascimento Siqueira Freitas e como coordenador pedagógico, o professor André Luis Ferreira Gomes.

 

Neste ano, o professor de Língua Portuguesa, Edson Vinicius de Barros Cavalcanti, colocou em prática um projeto criado por ele, com suas turmas de 6º ano (1602 e 1605), chamado “Gincana das Letras”  Esse projeto visa melhorar o vocabulário e a escrita dos alunos de forma lúdica e dinâmica. Além disso, ajudar na interação social, uma vez que são alunos novos, provenientes de diversas escolas da região.

 

Alunos confeccionando alfabetos

 

Com o total apoio da direção e da coordenação pedagógica, foi realizada a primeira fase do projeto. Nela foram produzidas, pelos alunos divididos em grupos, letras a partir do molde cedido pelo professor. Cada grupo ficou responsável pela produção de um alfabeto completo e, posteriormente, nomeado pela cor correspondente ao material. Ao todo, foram feitos 16 alfabetos pelas duas turmas do 6º ano.

 

Alunos confeccionando alfabetos

 

"Depois da confecção das letras em EVA, foi colocada em prática a segunda fase do projeto, que consistia na própria gincana. Essa atividade foi realizada no pátio interno da unidade escolar, durante as aulas do referido professor, mas sempre intercalada com as aulas teóricas em sala de aula, visando, dessa forma, não prejudicar o conteúdo disciplinar e auxiliar na aprendizagem dos alunos em relação aos conteúdos de Língua Portuguesa." afirma a diretora adjunta Flavia

 

Com o auxílio de um dicionário, as palavras usadas na “Gincana das Letras” são sorteadas na hora pelo professor. A cada rodada, dois grupos precisam montar a palavra que foi sorteada corretamente. O grupo que conseguir montar a palavra de maneira correta e em menor tempo ganha a rodada. Claramente, as dúvidas surgem na hora, com isso, percebe-se que a interação entre os membros de cada equipe melhora a cada jogo, pois eles percebem que um grupo que pensa junto tem mais chances em cumprir a tarefa de maneira mais rápida.

 

Alunos participando da gincana

 

"A participação e o interesse dos alunos nas aulas de português melhoraram muito e até mesmo a relação entre eles. Fico feliz em poder contribuir com uma atividade diferente, onde o resultado é gratificante não só para os próprios alunos, mas também para mim e para a escola toda. É muito bom trabalhar numa escola onde conseguimos colocar em prática nossos projetos e temos o apoio de todos." declarou o professor Vinicius.

 

Professor Vinicius e seus alunos

 

Quer saber mais sobre o projeto?
Entre em contato com a Unidade Escolar.

E/CRE (10.19.060) Escola Municipal Manoel Porto Filho
E-mail: emportofilho@rioeduca.net
Telefones: 3407-8915

 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 04/05/2018

Água: Dona da Vida

Tags: cre10, 10ªcre.

 

A água potável é um bem precioso e cada dia está mais escasso. Por isso, a Escola Municipal Álvaro Valle, com o intuito de conscientizar todos os seus alunos, promoveu um evento em comemoração ao Dia Mundial da Água.

 

 

A E/CRE (10.19.064) Escola Municipal Álvaro Valle está localizada à Estrada Linha de Austin, n° 03 – Santa Cruz, Zona Oeste do Rio de Janeiro. A Unidade atende a 12 turmas, totalizando 392 alunos do 1° ao 6° ano Experimental, sendo 4 turmas integrais e 08 turmas parciais. Tem como diretora, a professora Ester da Silva Machado Amaral, como diretor adjunto, o professor Cristiano dos Santos Lemos e, como coordenadora pedagógica, a professora Amanda Guimarães Torres.

 

Equipe gestora da E. M. Álvaro Valle

 

O projeto foi idealizado pela coordenadora pedagógica, que pediu a colaboração de todos os professores da Unidade Escolar, trabalhando junto às turmas a importância da água para todos os seres vivos. Os professores abraçaram o projeto e desenvolveram inúmeras atividades com os alunos, de forma individual e em grupo.

 

No pátio da escola, aconteceu uma grande exposição de trabalhos feitos pelos próprios alunos. As turmas de 1º e 2º anos expuseram desenhos sobre como utilizamos a água em nosso dia a dia. As turmas de 3º e 4º anos expuseram cartazes com explicações de hábitos que poderiam evitar o desperdício da água. Já as turmas de 5º e 6º anos fizeram maquetes e apresentações musicais sobre o desperdício de água.
 

Trabalhos confeccionados pelos alunos

 

As atividades foram desenvolvidas no decorrer de março do ano corrente e no dia 23 foi organizada uma exposição de todos os trabalhos. O maior objetivo foi desenvolver nos alunos a responsabilidade com relação a utilização consciente da água.

O dia de exposição começou com uma palestra da professora convidada, doutora Luciana Mattos, para dividir com os alunos seu conhecimento. “Dona da Vida”, assim ela denominou este líquido tão importante para os seres vivos.

A palestrante mostrou a importância da água na nossa vida, relatou que a água é um componente importante, presente em todos os organismos vivos e necessário ao funcionamento de reações químicas e do metabolismo das células. Depois, explorou a questão do meio onde a mesma pode ser encontrada: água doce, água salgada, estados físicos da água e água no solo. Abordou, ainda, a questão dos aquíferos e de sua preservação. Ressaltou  que a água em estado gasoso forma rios aéreos e influem no clima de vários estados brasileiros.

 

Dessa forma, foi explorado de diversas formas a discussão sobre o uso da água, o mau uso, a necessidade de um uso mais racional, o tratamento adequado e a importância de entender que cada gota de água conta. A doutora Luciana finalizou sua palestra cantando com os alunos a música “Chega de mágoa”, do Djavan.

 

Palestra com a doutora Luciana Mattos

 

Após a palestra, a professora da Sala de Leitura, Isabel Cristina Miranda de Carvalho, fez a leitura interpretativa do livro “Um dia, um rio”, de Léo Cunha, que conta a história trágica do desastre em Mariana – MG.

 

Contação de histórias com a professora Isabel

 

 

Após a contação de história, a turma 1501 cantou o Rap da Água, da novela Carinha de Anjo. E, dando sequência, houve a exposição das maquetes do 6º ano.

 

— É muito importante que, desde pequenininhos, aprendam a usar a água de forma consciente, esse recurso essencial para a sobrevivência de todos os seres vivos e que pode tornar-se escasso em qualquer região do mundo. — reforça a diretora Ester

 

— A possibilidade de trabalhar temas importantes como a água, articulando-os aos conteúdos e habilidades previstos nas Orientações Curriculares com práticas significativas favorece ao aluno tecer conhecimento, sendo protagonista de sua própria aprendizagem. — comenta a professora Jhennifer de Oliveira de Paula de Castro, do 4° ano

 

Quer saber mais sobre o projeto?
Entre em contato com a Unidade Escolar.

 

E/CRE (10.19.064) Escola Municipal Álvaro Valle
E-mail: emavalle@rioeduca.net
Telefones: 3395-1025

 


 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 20/04/2018

Água, nosso bem mais precioso!

Tags: cre10, 10ªcre.

 

A Escola Municipal Mario Lago desenvolve projeto com os alunos sobre a importância da água


A E/CRE (10.19.065) Escola Municipal Mario Lago está localizada à Rua Nilton de Souza Filho, s/n° - Conjunto Manguariba - Paciência. A unidade atende a 19 turmas em horário parcial, com 540 alunos do 1° ao 6° ano experimental do Ensino Fundamental, Classe Especial e Sala de Recursos. Tem como diretora, a professora Katia Gonçalves Bezerra, como diretora adjunta, a professora Jeane Catizano Fortunato Costa, e como Coordenadora Pedagógica, a professora Maria Cristina Machado Inácio.

 

Parte da equipe da E. M. Mario Lago

 

Em 1993, a Organização das Nações Unidas, ONU, institui o Dia Mundial da Água, buscando alertar a população mundial em relação a importância deste mineral para a vida de todos os ecossistemas e destacando a necessidade de cuidado e proteção deste bem comum.

 

Preocupada em formar cidadãos atuantes e conscientes, para a construção de uma sociedade mais digna, equilibrada e feliz, a equipe da Escola Municipal Mário Lago organizou, em consonância com o Projeto Político Pedagógico da Unidade Escolar, o projeto: “Água, nosso bem mais precioso”, com o objetivo de desenvolver nos alunos a consciência global assim como alertar a comunidade interna e externa sobre as responsabilidades individuais no cuidado com este mineral para o bem coletivo.

 

Todas as turmas, do 4° ao 6° ano Experimental, realizaram pesquisas sobre o tema e, além disso, aconteceram debates, apresentações e seminários. Como conclusão de toda esta investigação e produção, os discentes organizaram um estande externo apresentando o resultado de todo o trabalho desenvolvido ao longo do mês.

 

Alunos que participaram do projeto

 

— Alguns cartazes foram posicionados na entrada da escola, buscando conscientizar e alertar não somente quem participa do ambiente escolar, mas também aqueles que passam nas proximidades da escola, sendo convidados a participar das atividades e assistir as experiências e constatações. — afirma a diretora Katia

— Aproveitando o trabalho em relação à agua é o alerta à comunidade, realizamos atividade conjunta com o projeto “Aqui mosquito não se cria”, onde nossos alunos do 5° ano apresentaram o resultado de suas pesquisas, realizaram experiências e ofereceram sugestões do que cada um pode fazer para evitar a proliferação do mosquito Aedes Aegypti na comunidade de Manguariba e adjacências. — comenta a Coordenadora Maria Cristina

 

Alunos com cartazes sobre o Aedes Aegypti

 

Os alunos explicaram as características de cada uma das doenças transmitidas pelo mosquito, formas de contaminação, condições para proliferação e formas de prevenção. Além disso, esclareceram a comunidade quanto ao wolpto, o mosquito do bem, criado pela Fiocruz para tentar conter a doença. Destacaram suas características formas de atuação, ideologia e aplicabilidade.

 

— A comunidade recebeu bem a iniciativa do projeto, participando de forma ativa e intensa. Avaliamos, assim, o projeto como produtivo e eficaz, provocando efeitos práticos na comunidade e motivando nossos alunos. — afirma a diretora adjunta Jeane.

 

 

Equipe gestora da E. M. Mario Lago

 

Quer saber mais sobre o projeto?
Entre em contato com a Unidade Escolar.

E/CRE (10.19.065) Escola Municipal Mario Lago
E-mail: emmariolago@rioeduca.net
Telefones: 3292-6195

 

 


   
           



Yammer Share