A A A C
email
Retornando 164 resultados para a tag 'escola'

Terça-feira, 12/03/2019

Escolas da 11ª CRE brilhando na Sapucaí!

Tags: 11ªcre, escoladebamba, coraçõesunidosdociep, carnaval.

 

Escola de Samba Corações Unidos do CIEP leva para avenida samba enredo da Escola Municipal Cuba, da 11ª CRE!

 

O carnaval carioca 2019 foi encerrado oficialmente pelo desfile de Carnaval das Escolas Mirins, na terça feira, 05 de março. O desfile contou mais uma vez com a presença do Grêmio Recreativo Cultural Escola de Samba Mirim Corações Unidos do CIEP, representado por alunos da Rede Municipal do Rio de Janeiro, tornando-se, um dia inesquecível para pais e alunos presentes. Foram 35 escolas da Rede Municipal do Rio de Janeiro totalizando, aproximadamente, 1.600 estudantes componentes da Unidos do CIEP. 

 

Este ano, o tema "De canto em canto, o Brasil dá o tom", que abordou as tradições musicais das regiões do país, foi escolhido para ser desenvolvido pelos alunos da rede. A composição eleita para representar a Corações Unidos do CIEP, na Passarela do Samba, foi uma junção da letra dos alunos da Escola Municipal Cuba (11.20.001) e da Escola Municipal Maestro Pixinguinha (05.14.003) .

 

Alunos da Escola Municipal Cuba

 

 

"A composição em nossa escola foi realizada através da oficina ministrada pela professora de Língua Portuguesa, Nídia Duarte, contou também com a participação do secretário da U.E., Jimmy Charles, que é compositor, além da sala de Leitura. "- Relatou a diretora da E.M. Cuba, Anna Paula GomesA escola, através da oficina, orientou os alunos a compor o samba de acordo com a sinopse do enredo. Feita a composição, o samba foi levado para a disputa na quadra da Estacio de Sá, em setembro de 2018.

 

 

O aluno Eric da Paixão, que também fez parte da composição do samba-enredo, foi um dos intérpretes na Avenida.

 

 

Conheça a letra do samba:  

 

 

 

 

      

 

Compreenda um pouco mais sobre o projeto:

 

O Grêmio Recreativo Cultural Escola de Samba Mirim Corações Unidos do CIEP é uma escola de samba mirim da cidade do Rio de Janeiro. Foi fundada em 15 de agosto de 1985 por um grupo de professores e animadores culturais liderados à época por Xangô da Mangueira. A escola de samba mirim é formada por alunos da Rede municipal de ensino do Rio de Janeiro, que não só desfilam, como também produzem os desfiles, através do projeto  "Escola de Bamba", projeto que integra o carnaval ao currículo escolar das crianças. A Escola de Bamba conta ainda com o desenvolvimento de oficinas de criação de figurinos, alegorias e adereços, além da própria realização do concurso de samba-enredo.

    

Carro abre-alas da E.M. Cuba (11.20.001)

 

 

A Escola Municipal Cuba abriu o desfile no Carro Abre- Alas, fazendo um minueto coreografado pela professora de Educação Física Suellen Teixeira e ainda contou com um destaque de chão, a aluna Marcelly Espírito Santo.  Outras 3 escolas da 11ª CRE, também participantes do projeto Escola de Bamba, fizeram parte do desfile, são elas: E.M. Leonel Azevedo (11.20.015), CIEP João Mangabeira (11.20.502) e a E.M. Holanda (11.20.014).

 

 

A Diretora Adjunta Adriane Matias e os alunos do CIEP João Mangabeira

 

 

A diretora da Escola Municipal Holanda (11.20.014), Regina Helena Guimarães concedeu seguinte relato ao Rioeduca: "Ao longo do ano de 2018 nossa escola se preparou para participar do projeto Escola de Bamba, a Diretora Adjunta Helena Salomão e a professora Leila Abreu participaram das ações de capacitação e também contamos com o apoio da professora de Educação Física Verona, que também participou de oficinas do projeto. Na escola, sob a orientação da Coordenadora Pedagógica Elisa Margarida, os professores desenvolveram com os alunos um trabalho sobre a origem do samba, suas raízes africanas, e desse ponto partiram para o tema do samba enredo escolhido."

 

 

   

 A Diretora Adjunta Helena Salomão e os alunos da E.M. Holanda

 

 

 

    

     Alunos da Escola Municipal Leonel Azevedo na ala dos "Sertanejos"

 

 

A GRCESM Corações Unidos do CIEP, desfilou este ano com 2 carros alegóricos e 14 alas. A agremiação participa todos os anos do desfile oficial de escolas de samba mirins, desde 1999, que acontece na terça-feira de carnaval na Marquês de Sapucaí. Sua sede está localizada no CIEP que funciona ao lado do Sambódromo. A orientação do projeto está sob a responsabilidade da professora Marillene Monteiro, que rege este movimento pedagógico entre a educação formal e a leitura de mundo fornecida pela educação não formal, sempre com muito carinho, zelo e dedicação.

 

 

"A arte é livre e aberta, à imagem do ser criador
Samba é verdade do povo
Ninguém vai deturpar seu valor"

(Candeia)

 

 

Siga o Blog da CORAÇÕES UNIDOS DO CIEP
https://coracoesunidosdociep.wordpress.com/

 

Quer saber mais?

 

Escola Municipal Cuba

Praia do Zumbi, 25 Zumbi

emcuba@rioeduca.net

2462-8342 2462-8477

 

Escola Municipal Holanda

Rua Inhoverá, S/Nº Jardim Carioca 

emholanda@rioeduca.net

3353-9933 3393-9122

 

Escola Municipal Leonel Azevedo

Rua Luís Sá, S/Nº Portuguesa 

emlazevedo@rioeduca.net

3393-2550 3353-9990

 

Ciep João Mangabeira

Av. Ilha das Enxadas, s/nº Bancários 

ciepjoaom@rioeduca.net

3975-3715 2465-1551

 

Contato para publicações:


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 01/03/2019

Prevenção contra incêndio na E.M. Professor Souza da Silveira

Tags: prevenção, incêndio, escola, 5ªcre.

 

Preocupados com a situação de incêndios, a Escola Municipal Professor Souza da Silveira convidou, no dia 14/02, um bombeiro amigo da escola, para dar o treinamento de Prevenção contra Incêndio aos funcionários e professores.Confira:

 

 

 

No mês de fevereiro de 2019, o Rio de Janeiro vivenciou uma tragédia provocada por um incêndio, que provocou a morte de dez jovens que estavam no Centro de treinamento, conhecido como Ninho do Urubu.

Professores e alunos da Escola Municipal Professor Souza da Silveiracomovidos com o acontecido e preocupados em como agir nesse tipo de situação, planejaram, dentro do Projeto Político Pedagógico da Escola, criar um Plano de Evacuação para ser usado quando necessário na Unidade.

 

 

Bombeiro Fábio e professores da escola

 

 

Em uma primeira etapa desse planejamento, a escola convidou o bombeiro Fábio, amigo da escola, para dar treinamento a professores e funcionários. Esse treinamento abordou diferentes temas, entre eles procedimentos necessários em uma emergência, técnicas e uso correto dos extintores e modos de evacuar a área com segurança. 

 

 

Bombeiro Fábio

 

 

O bombeiro Fábio fez uma apresentação teórica, na qual professores e funcionários aprenderam a ler no rótulo dos extintores seu componente, sabendo sua função e o uso adequado em cada situação de incêndio. Nesse contexto, Fábio expôs  que  há vários tipos de extintores: CO2, PQ e água.

 

Após toda a parte teórica, esse grupo foi para os fundos da escola, onde colocaram fogo em caixotes para que pudessem manusearam os extintores de forma prática. Participaram desse momento os funcionários da Comlurb, APPAs, Professores e secretária.

 

 

 

 

Em um segundo momento, e com a participação de toda a comunidade escolar, será criado um Plano de Evacuação da escola. O Plano de Emergência ou de Evacuação é fundamental para diminuir a probabilidade de acidentes na escola e ajudar a garantir a segurança dos alunos, professores, funcionários e responsáveis. 

 

 

 

Alguns comentários durante o treinamento

 

 "Foi um dia de muito aprendizado e que nos servirá pra vida!" Profª Carina

"Todos devem estar preparados!" Diretora Ana Lúcia.

"Trabalhamos com crianças e devemos estar prontos para socorrê-las numa emergência!" Coordenadora Neuzimar Lacerda

"Temos que buscar conhecimentos que nos ajudem em momentos difíceis como em incêndio!" Prof Marcos Vilella

 

 

Quer saber mais sobre?
Entre em contato com a escola:


Unidade Escolar:Escola Municipal Professor Souza da Silveira
Diretora: Ana Lucia De Araujo Castro Batista
Endereço: Rua Amália s/nº
Bairro: Quintino Bocaiúva
Telefone: 2592-6091 | 2592-6257
E-mail: emsouzas@rioeduca.net


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 29/10/2018

Oficina de Poetas da Cyro: Vozes e Identidades através da Poesia

Tags: 6.ª cre, poesia na escola.

 

Durante os meses de maio e junho, o professor de Sala de Leitura, Stefanio Tomaz da Silva, da E.M. Cyro Monteiro realizou com os alunos do 6.º ao 9.º ano a Oficina de Poetas. Atividade esta que teve como objetivo principal possibilitar o contato dos estudantes com o texto literário, em especial, o poema.


Vamos acompanhar o trabalho desenvolvido na Unidade Escolar?

 

Alunos recebendo o certificado de participação na Oficina de Poetas

 

 

A Oficina de Poetas da Cyro: Vozes e Identidades através da Poesia foi desenvolvido com grupos de alunos das turmas de 6.º ao 9.º ano. A oficina faz parte das atividades planejadas para o projeto anual da SME/GLA: Poesia na Escola, do qual a Unidade Escolar faz questão de participar. Para a realização da oficina foram utilizados vários materiais, como: livros de poemas, livros teóricos sobre poesia, vídeos, Datashow, apostila de textos para os alunos, áudio de poemas recitados extraídos do material das Olimpíadas de Língua Portuguesa.

 

A ideia da oficina foi atender mais alguns pilares primordiais que articulam a sala de leitura a toda escola. São eles: o suporte pedagógico aos docentes em sala de aula no tratamento do texto literário e também a concretização do projeto político pedagógico da escola. No nosso caso, o projeto “Identidades em Construção: Vozes da Cyro Monteiro”. Com base nesses objetivos iniciais e nas diretrizes citadas, concebemos essa oficina.” – relatou o professor Stefanio

 

Para os alunos, tinha-se em vista organizar um trabalho que os permitisse não somente o simples contato com os poemas, mas também:

 

• o aprimoramento da técnica de leitura e de composição de poemas;

• o desenvolvimento da sensibilidade estética quanto à leitura de poemas;

• a compreensão dos aspectos temáticos, estruturais e linguísticos do gênero poema;

• a percepção da expressividade do poema com sua linguagem sugestiva, aberta a múltiplas interpretações.

 

Ezimar Lisboa, funcionária readaptada 

 

 

Trabalhando com os alunos o conceito de poesia e poeta

 

 

Motivados por esses objetivos específicos, o planejamento foi feito pautado em duas bases: a seleção de materiais e a estruturação dos encontros e sua respectiva dinamização.

 


No que diz respeito aos materiais, foram aproveitados o que havia na própria sala, tanto de livros literários, quanto de livros pedagógicos. No caso do primeiro, há uma rica gama de livros da sala de leitura que podem ser aproveitadas e adaptadas a qualquer contexto. Indicamos os livros e os autores, como “Isto ou aquilo”, de Cecilia Meireles; “Arca de Noé”, de Vinicius de Moraes; “Receitas de olhar”, de Roseane Murray, distribuído pelo FNDE; e o próprio “Poesia na escola”, material publicado pela SME com os poemas dos alunos e dos profissionais.” – explica o professor de Sala de Leitura

 

 

Dos pedagógicos, há na sala os livros “Poetas da Escola”, material distribuído pela Olímpiadas de Língua Portuguesa. Além disso, há também “A poesia vai à escola”, livro distribuído pelo MEC/FNDE – PNBE professor 2013. Ambos os livros apresentam e sugerem como trabalhar a teoria e a prática que envolvem o gênero poema. Nos dois livros, são sugeridos textos a serem lidos e até atividades que suscitam a produção do poema ou um aspecto importante da estrutura, da composição e do sentido.” – complementou o professor

 

Este trabalho foi realizado em três encontros na Sala de Leitura. Ao longo deles, os alunos trabalharam com áudios e vídeos de versões recitadas e dramatizadas de poemas consagrados, assim como encenações de outros poemas também consagrados.

 

“Além disso, queríamos que escrevessem, soltassem a voz através da palavra e da poesia. A cada encontro tentávamos sugerir uma prática, para que as oficinas tivessem sempre dinamizações e não fossem caracterizadas somente como exposição teórica. Queríamos uma oficina dinâmica e atrativa. Tudo isso para explorar o que há de riqueza no texto poético, como as imagens, a sonoridade e os sentidos.” – contou o professor Stefanio

 

 

Alunos expressando sua opinião sobre o termo poesia e poeta

 

 

Encenação dos poemas : “Quadrinha” de Carlos Drummond de Andrade e “Trem de Ferro”, de Manuel Bandeira

 

 

 

Elaboração de poemas concretos/visuais  dos alunos Felipe Santos, Lucas Avíncola e Gabriele Hilário

 

 

No 1.º encontro houve a leitura e discussão com os alunos de autores e textos para conceituar o que é o poema, o que faz ou o que é ser poeta e as características gerais do poema. A funcionária readaptada, Ezimar Lisboa, participou do concurso Poesia na Escola, na categoria profissionais. Seu texto foi publicado no livro do ano de 2017. Ela participou deste primeiro momento recitando o seu poema “Ser Poeta”. Nesse encontro, foram trabalhados os seguintes textos e autores:

 

  • Ferreira Gullar (“Poeta e a Criança”);
  • José Paulo Paes (“Convite”);
  • Elias José (“Tem tudo a ver”);
  • Carlos Drummond de Andrade (“Quadrilha”);
  • Cecília Meireles (“Retrato”);
  • Ezimar Lisboa (“Ser poeta”).

 

Em um segundo momento, os alunos trabalharam com a composição do poema; observando a metrificação, ritmo, repetição e rima. Para isso, utilizaram os seguintes textos: Soneto da Fidelidade, de Vinícius de Moraes; Brasil, de Oswald de Andrade; Trem de Ferro (versão musicada em forma de rap), de Manuel Bandeira.

 

No terceiro e último encontro, o professor Stefanio trabalhou com os alunos o sentido do poema, isto é, a significação das palavras, figuras de linguagem e imagem através dos seguintes poemas: Livros e Flores, de Machado de Assis; A Onda, de Manuel Bandeira; Lunar, de Mário Quintana e Isto ou Aquilo, de Cecília Meireles. Ao final desta atividade, os estudantes receberam um certificado de participação. Posteriormente, esse e outros trabalhos estarão expostos na FLIRME – Festa Literária da Rede Municipal de Ensino – RJ, tanto da escola, quanto da 6ª CRE.

 

Elaboração de poemas coletivos

 

 

Poemas coletivos elaborados a partir das imagens - manhã e tarde

 

 

De tudo que foi desenvolvido ao longo dos nossos encontros, saímos com a sensação de dever cumprido, uma vez que os depoimentos dos nossos alunos foram favoráveis e refletiram diretamente o que tínhamos como objetivos na concepção da oficina. Acima de tudo, possibilitar o trabalho com o gênero poema, não somente na perspectiva expositiva, mas também na perspectiva da produção, agrega muito mais do que um conhecimento formal, agrega a sensibilização e a humanização, somente possíveis no contato com a Literatura. Acreditamos também nessas duas ideias como o papel da sala de leitura nas escolas.” – relatou emocionado o professor Stefanio

 

 

Alguns alunos participantes da Oficina de Poetas fizeram questão de deixar o seu relato sobre o trabalho desenvolvido durantes estes dois meses pelo professor Stefanio Tomaz. A fala deles mostra o sucesso das atividades, tanto para a vida acadêmica, quanto para a vida pessoal de cada um. Vamos apreciar as impressões dos alunos sobre a Oficina de Poetas!

 

 

Luana dos Santos Saboia – 1603:


“Eu achei muito legal, porque se um dia eu quiser ser poeta, já aprendi o básico. Também gostei muito porque quem deu as aulas foi um dos melhores professores da Cyro”.

 

Fernando Santos – 1604:


“Eu achei a oficina poetas da Cyro muito legal e interessante, porque ela fez eu aprender mais sobre as poesias e desenvolver mais conhecimento (...) Agora minhas poesias melhoraram bastante, estou muito satisfeito com isso”. 

 

Felipe Santos – 1604: 


“A oficina foi bem legal, pois fizemos atividades que desenvolveram o nosso pensamento poético. Ela nos ajudou a ver a poesia de uma forma melhor, de maneira em que aprendemos a melhorar nossas poesias”. 

 

Gabrielle Hilário – 1803: 


“Meu nome é Gabrielle Hilário. Eu achei interessante nas aulas, além dos próprios objetivos que foi de nos ensinar a mergulhar mais a fundo no mundo de poesia, a maneira como aprendemos. Foi muito divertida, eficiente e precisa. Não foi apenas uma aula de poesia. Nós conseguimos não só escrever nossos sentimentos através de palavras, mas também expressá-los de forma inusitadamente bonita”. 

 

Trabalhar com poesia na escola é uma forma de desenvolver a capacidade linguística dos nossos jovens, fazendo uma ligação entre o indivíduo e a vida. Parabéns ao professor Stefanio por fazer de sua sala de aula um território de inventividade e de diversas possibilidades de criação e inovação. É um orgulho tê-lo na 6.ª CRE!


 

Quer conhecer um pouco mais do trabalho desenvolvido pelo professor Stefanio Tomaz?

Entre em contato com ele!

 

E.M. Cyro Monteiro

E-mail: emcyro@rioeduca.net

Telefone: 3358-0168

 


Não esqueça de deixar o seu comentário! Ele é muito importante para nós!

Até a próxima semana!

 

 


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 06/08/2018

O Ensino Religioso Promovendo a Paz nas Escolas

Tags: 6.ª cre, ensino religioso, escola de paz.

 

A professora de Ensino Religioso, Priscila de Oliveira, realizou no 1.º semestre de 2018, um projeto de valorização do espaço escolar como sendo um lugar de paz.

Vamos acompanhar como o trabalho aconteceu?

 

Participaram destas atividades alunos dos 4.º e 5.º anos do Ensino Fundamental

 

Priscila de Oliveira dá aulas de Ensino Religioso em três Unidades Escolares da 6.ª CRE. O CIEP Anton Makarenko fica localizado em Costa Barros e atende alunos da Educação Infantil ao 5.º ano. O CIEP Poeta Fernando Pessoa localiza-se no Parque Anchieta. A E.M. Mário Piragibe atende alunos dos 1.º e 2.º segmentos e fica localizada em Anchieta. A docente aproveitou o momento da Páscoa, onde os valores essenciais para uma cultura de paz estão em evidência, para iniciar uma jornada rumo a uma mudança de consciência e postura em relação ao espaço escolar. “Aqui é um lugar de paz e começamos a refletir através do exemplo de Jesus Cristo ao partilhar o pão com seus amigos na última ceia. É preciso saber dividir, respeitar, amar ao próximo e conviver em paz!”relatou a professora Priscila de Oliveira

 

Ela realizou com os alunos as Danças Circulares com o objetivo de desenvolver o sentimento de união e o espírito comunitário que se instala a partir do momento em que todos, de mãos dadas, apoiam e auxiliam os companheiros. Esta atividade trabalhou, também, a concentração e a memória, além de trazer harmonia e paz. Em seguida, os alunos produziram cartazes sobre a importância da cooperação e como podemos aprender com diferentes culturas e manifestações folclóricas a conviver em paz e em harmonia.

 

 

Alunos praticando a dança circular

 

 

Segundo a professora Priscila, é preciso fé para alcançar a paz que tanto sonhamos. Os alunos puderam conversar um pouco sobre esperança, fé união e, ao final, confeccionaram mais um lindo cartaz com os símbolos da paz. “Aprender sobre respeito à diversidade religiosa é uma das maneiras de falar de paz, sobretudo no espaço escolar, onde temos que aprender a conviver e respeitar pessoas diferentes de nós na religião, na cor da pele, no jeito de ser e de pensar. Namastê .... O Deus que habita em mim saúda o Deus que habita em você.”enfatizou a professora

 

Pegando carona na religião Hinduísta, a professora e os alunos visitaram outras turmas para espalhar o Namastê e a mensagem de respeito, tolerância e paz entre toda a comunidade escolar. “Dias melhores pra sempre! Esse é o nosso lema!!!! Espalhamos pela escola cartazes com mensagens de fé, gratidão, felicidade e amizade. Vamos inundar o mundo de paz!”relatou, emocionada, a professora Priscila de Oliveira

 

Exposição dos cartazes produzidos pelos alunos

 

 

Para finalizar o semestre com chave de ouro, a professora praticou com os alunos a Yoga. O nível de estresse que vivem nossos alunos, por diversos motivos, impede que eles exerçam o controle sobre usas emoções e ações, o que torna as vivências escolares muito desafiadoras. Nesse sentido, a Yoga foi usada como um valioso recurso para trazer equilíbrio ao que sentem e para melhorar o relacionamento com todos ao redor. A atividade era sempre iniciada com a seguinte canção: Vou fechar os olhinhos...Vou ouvir com meu coração...Igualzinho a gente grande, vou fazer meditação”.

 

 

Alunos praticando Yoga

 

Transformar um ambiente em um espaço de paz é um verdadeiro desafio. Mas, como vimos, isso é possível se houver atividades onde serão desenvolvidas as habilidades sociais e as relações interpessoais. Parabéns, professora Priscila, por promover junto aos seus alunos atividades que tem por objetivo estruturar as relações humanas, criando assim uma verdadeira cultura de paz nas escolas. É um orgulho tê-la na 6.ª CRE!

 

Quer conhecer um pouco mais do trabalho desenvolvido pela professora Priscila de Oliveira?

Entre em contato com ela!

 

Professora Priscila de Oliveira
E-mail: pripreta.com@gmail.com

 

CIEP Anton Makarenko
E-mail: ciepmakarenko@rioeduca.net
Telefone: 2407-5704

 

CIEP Poeta Fernando Pessoa
E-mail: cieppessoa@rioeduca.net
Telefone: 3358-0294
 

E.M. Mário Piragibe
E-mail: empiragibe@rioeduca.net
Telefone: 3358-0992

 

Não esqueça de deixar o seu comentário! Ele é muito importante para nós!

Até a próxima semana!


 


   
           



Yammer Share