A A A C
email
Retornando 45 resultados para a tag 'literatura'

Terça-feira, 25/12/2018

Projeto "Vou Te Contar" de incentivo a leitura

Tags: 2ªcre, alfabetizacao, literatura.

 

Os alunos da Escola Municipal Conselheiro Mayrink participaram de um projeto de incentivo à leitura.

 

A professora Cristiane Joazeiro, Coordenadora Pedagógica, da Escola Municipal Conselheiro Mayrink entrou em contato com o portal Rioeduca e compartilhou o projeto de incentivo a leitura realizado na Unidade Escolar.

 

O projeto que recebeu o nome de “Vou Te Contar” foi realizado com as turmas da Educação Infantil, 4º e 5º anos, sob a orientação da professora Angela Ramos, regente da Sala de Leitura.

 

 

 


O projeto teve vários objetivos e dentre eles: desenvolver o hábito/prazer pela leitura como prática social; exercitar a habilidade da leitura; desenvolver a escuta atenta; ampliar a formação e visão de mundo; valorizar o livro físico.


Na primeira etapa da atividade, a professora Angela, responsável pela Sala de Leitura, conversou com os alunos de 4º e 5º anos, em suas respectivas aulas, sobre os livros que foram selecionados para a atividade. Os alunos foram convidados a escolher um livro cada um para treinar a leitura em casa, já que teriam que ler para os pequenos. Na segunda etapa, os alunos treinaram a leitura com seus próprios amigos de turma, nas aulas de Sala de Leitura.

 

 

 

 

Na última etapa, a professora marcou um dia com as turmas que estavam treinando a leitura e os alunos da Educação Infantil foram convidados a ouvir essas histórias, contadas pelos alunos maiores. Dessa maneira, a criança maior dividiu um colchonete com a criança menor para lhe contar a história.

 

 

 


A contação de histórias foi simultânea, quem acabava de contar, sinalizava para a professora e ela trocava os leitores. Cada criança da Educação Infantil ouviu aproximadamente de três a quatro histórias na mesma atividade. Os livros selecionados apresentavam textos curtos e simples para que a Educação Infantil conseguisse acompanhar e ouvir muitas histórias na mesma atividade. A preocupação com o tipo de texto também foi importante para que as turmas de 4º e 5º anos pudessem ler com segurança e tranquilidade.

 

 

 

 

A professora a turma da Educação Infantil e os alunos leitores deixaram seus depoimentos sobre o projeto:

 

“As crianças gostaram muito da atividade, além de ter propiciado a interação entre as crianças.” Michele Firmino – Professora da Ed. Infantil.

 

“As crianças gostaram de ouvir as histórias que a gente contou. É uma oportunidade para eles.” Matheus 1501.

 

“Gostei porque as crianças prestaram a atenção. A gente se sente feliz. Ler em voz alta para outra pessoa melhora a nossa leitura.”Giovanna 1501.


“Gostei porque eu nunca tinha feito isso. Foi uma experiência muito boa. Poder ler para uma criança pequena, estimula a gente a ler.” Maria Luíza 1501.

 

“Ótimo porque conheci mais e me senti feliz. Agora não tenho mais vergonha de ler na frente de ninguém.” Sophia Campos 1501.


“Gostei porque eu gaguejava muito na hora de ler e melhorei.”Thamires 1501.

 

 

Agradecemos a equipe pedagógica por compartilhar conosco relatos de uma atividade que incentivou o trabalho em equipe, a interação entre os alunos de diferentes turmas e o incentivo à leitura. Desejamos sucesso a toda comunidade escolar!

 

Quer saber mais?

O contato da Escola Municipal Conselheiro Mayrink é: emmayrink@rioeduca.net

Telefones: 2284-1627  ou 2264-6279

 

 

Divulgue também o trabalho de sua escola no portal Rioeduca.

Entre em contato com o representante de sua CRE.

 

 

 

 

  


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 18/12/2018

O Desfile da Zebra

Tags: 2ªcre, alfabetizacao, literatura.

 

Os alunos do segundo ano da Escola Municipal Albert Schweitzer participaram de uma atividade que envolveu oralidade e escrita através do livro “O Desfile da Zebra”.

 

 

A professora Viviane Lima, regente da turma 1.301 da Escola Municipal Albert Schweitzer, utilizou o livro O Desfile da Zebra, de Paula Browne, sugerido no Caderno Pedagógico, para trabalhar a oralidade e a escrita dos alunos.

 

 


Ao perceber o encantamento dos alunos pelo livro, a professora resolveu, junto com a turma, transformar a história em um grande teatro de fantoches. Os alunos produziram a roupa e os acessórios dos amigos da zebra, citados no livro, que foram convidados para o desfile.

 

 

 


No dia seguinte, fizeram o desfile descrevendo com muito entusiasmo os personagens que apareciam no livro e que foram recriados por eles.


No final do desfile, fizeram uma adaptação, na qual também foram convidados, para aproveitar a festa, os personagens das lendas folclóricas.


Os alunos exibiram suas criações com muito carinho e narraram as lendas, enquanto cada figura folclórica aparecia no palco do teatro.

 

 

 


A atividade foi tão prazerosa, que ao final, as crianças pediram para levar os personagens criados por eles para casa.

 


Agradecemos a professora Viviane Lima por compartilhar conosco esta atividade que proporcionou o incentivo à leitura e ao desenvolvimento da escrita.

 

 

Quer saber mais?

O contato da Escola Municipal Albert Schweitzer é: emschweitzer@rioeduca.net

Telefones: 2245-5572 /  2225-1692

 

 

Divulgue também o trabalho de sua escola no portal Rioeduca.

Entre em contato com o representante de sua CRE.

 


 


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 17/12/2018

Cultura Indígena: Conhecer, Respeitar e Valorizar

Tags: 2ªcre, literatura.

 

Os alunos do segundo ano da Escola Municipal Albert Schweitzer participaram de uma atividade que proporcionou o conhecimento e a valorização da cultura indígena.

A Lenda do Filtro dos Sonhos

 


A professora Anne Silvia, regente da turma do 2º ano na Escola Municipal Albert Schweitzer, contou ao portal Rioeduca sobre o projeto relacionado à cultura indígena, desenvolvido com seus alunos.


Como atividade inicial a professora pesquisou junto com os alunos sobre a cultura indígena. Depois conversaram sobre a existência de várias tribos, seus costumes, tradições e regiões onde habitam. E assim, montaram um cartaz coletivo com as descobertas.


Durante a pesquisa, a professora conta que mostrou aos alunos um objeto e perguntou se alguém o conhecia. Alguns alunos responderam: “A minha tia tem.”, “A minha mãe também tem.” e “Eu já vi em uma loja.”. Mas ninguém soube dizer o nome e nem a sua origem.

 

 


Após esse questionamento, a professora disse para eles que aquele objeto se chamava Filtro dos Sonhos. Explicou que o Filtro dos Sonhos é um amuleto de proteção que surgiu na tribo indígena norte-americana Ojibwa, e que depois chegou as tribos indígenas do Brasil. Contou também que segundo a lenda, o filtro teria o poder de purificar e filtrar os sonhos ruins. E que hoje em dia muitas pessoas (indígenas ou não) ainda usam esse objeto como amuleto, ou simplesmente para decorar suas casas.

 

 


Em seguida, a turma ouviu uma das várias lendas que existem sobre os filtros. Lenda do Filtro dos Sonhos que foi escolhida para leitura:

 

“Uma aranha fiava sua teia próximo à cama da avó. Todos os dias ela observava a aranha trabalhar. Alguns dias depois, o neto entrou e, ao ver a aranha na teia, pegou uma pedra para matá-la. Mas a avó não deixou. O garoto achou estranho, mas respeitou o seu desejo. A velha mulher voltou-se para observar mais uma vez o trabalho do animal e, então, a aranha falou:


" Obrigada por salvar minha vida. Vou dar-lhe um presente por isso. Na próxima Lua Nova vou fiar uma teia na sua janela. Quero que você observe com atenção e aprenda como tecer os fios. Porque esta teia vai servir para capturar todos os maus sonhos e as energias ruins. O pequeno furo no centro vai deixar passar os bons sonhos e fazê-los chegarem até você.”


Quando a Lua chegou, a avó viu a aranha tecer sua teia mágica e, agradecida, não cabia em si de felicidade pelo maravilhoso presente: “Aprenda”, dizia a aranha. Finalmente, exausta, a avó dormiu. Quando os primeiros raios de sol surgiram no céu, ela acordou e viu a teia brilhando como joia, graças às gotas de orvalho capturadas nos fios. A brisa trouxe penas de pomba que também ficaram presas na teia, dançando alegremente e, por último, um corvo pousou na teia e deixou uma longa pena pendurada. Por entre as malhas da teia, o Pai Sol sorria alegremente. E a avó, feliz, ensinou todos da tribo a fazerem os filtros de sonhos. E até hoje eles têm afastado o pesadelo de muita gente.”

 

(Fonte: Texto de Adília Belotti | Via: Somos Todos Um)

 

As crianças adoraram a lenda, ficaram encantados com a sua magia. Após a leitura, a professora propôs que cada um fizesse o seu próprio filtro. Eles adoraram a ideia! Ela ajudou na parte mais difícil, a “teia” e também na colagem para formar o círculo. Os pequenos colocaram as miçangas e as penas.


Quando os alunos terminaram de confeccionar os filtros, a professora Anne conversou com eles sobre os sonhos do sono (que são fantasias /pensamentos durante o sono) e os sonhos que são desejos (anseios que poderão se tornar realidade).

 

 

 

Cada criança teve a oportunidade de falar sobre os sonhos bons e ruins que costumam ter durante o sono. Depois, conversaram sobre os sonhos que eles têm vontade de realizar. Essa parte foi muito interessante e produtiva. A professora perguntou qual o sonho (desejo) de cada um, e o que eles achavam que poderiam fazer para conquistá-lo. Alguns alunos responderam: “Para realizar esse sonho preciso estudar muito.” e “Preciso de muito dinheiro para conseguir.”


Para finalizar, a professora pediu para cada um escrever no papel e amarrar no filtro o sonho que gostaria de realizar. E assim vários desejos foram para o papel: “Quero ser veterinária”, “Quero ser médica.”, “Quero ser jogador de futebol.”, “Quero ir para a Disney.”

 

 

 


A atividade realizada possibilitou aos alunos conhecer, aprender e a valorizar mais os costumes indígenas. Com a Lenda do Filtro dos Sonhos, puderam ver como as tradições são passadas de geração em geração e que muitos objetos de origem indígena circulam também fora das tribos. Foi também muito significativo, o momento de contar e compartilhar com os amigos os sonhos que cada um almeja alcançar.


Material utilizado para a confecção dos filtros: jornal, tinta guache, linha encerada, miçangas e penas.
O trabalho desenvolvido também abrangeu:


Língua Portuguesa (escrita / leitura e fixação do dígrafo NH), Matemática (formas geométricas planas) e Ciências (reutilização de material: jornal).

 

Agradecemos a professora Anne Silvia por compartilhar conosco esta atividade de incentivo a leitura, ao conhecimento e ao respeito a cultura indígena. 

 

Quer saber mais?

O contato da Escola Municipal Albert Schweitzer é: emschweitzer@rioeduca.net

Telefones: 2245-5572 2225-1692

 

 

Divulgue também o trabalho de sua escola no portal Rioeduca.

Entre em contato com o representante de sua CRE.

 

 


 


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 13/12/2018

E.M. São João Batista - "Projeto Piquenique Literário"

Tags: 4ªcre, piquenique, literatura, alfabetização.

 

Práticas de leitura e escrita foram vivenciadas pelos alunos na VI Semana de Alfabetização da E.M. São João Batista.  

 

 

 

 

A IV Semana de Alfabetização da SME  foi um movimento coordenado pela Gerência de Alfabetização e por diversos integrantes do Nível Central, Regional e Local. A semana tinha como objetivo  propiciar reflexões sobre a Alfabetização na Rede Municipal de Ensino, resgatando memórias docentes e valorizando o protagonismo dos alfabetizadores.

 

 

 

 

O projeto piquenique literário foi realizado na VI Semana de Alfabetização com a proposta de incentivar o hábito da leitura, assim como, promover momentos de leitura prazerosa na escola. Dessa forma, o espaço livre da escola foi transformado em uma biblioteca ao ar livre.

 

 

 

 

No piquinique, professores realizaram leitura de histórias e os alunos puderam fazer suas leituras livres. O lúdico sempre presente como forma de incentivar, ainda mais, o prazer pela leitura e pela escrita. 

 

 

 

 

Um ambiente agradável e o alimento associado à leitura tornaram os momentos prazerosos e estimulantes, o que levou a acreditar que o objetivo do projeto foi alcançado.

 

 

 

 


"A leitura não é uma atividade elitizada, mas uma ferramenta de transformação social dos indivíduos."

(Julian Correa)

 

Parabéns pelo excelente trabalho!

 

 

Unidade Escolar: E/CRE(04.31.006) - Escola Municipal São João Batista
Diretor: CARMELA DE MENEZES BIANCO
Endereço: Pça. Laguna, 40 
Telefone: 2482-7312
E-mail: emsaojoao@rioeduca.net

 

Contato para publicações:


   
           



Yammer Share