A A A C
email
Retornando 122 resultados para a tag 'professores'

Segunda-feira, 10/02/2014

Seja Bem-vindo, Professor!

Tags: 6ªcre, professores.

Depois de um período de descanso e lazer, é hora de recomeçar! Chega o momento de você, professor, pôr as mãos na massa, renovar seu compromisso com a vida e, assim, renascer e alcançar o sucesso e a felicidade na profissão.

 

 

O que é ser professor da 6ª Coordenadoria de Educação hoje? Ser professor nas áreas em que esses educadores atuam é construir castelos mágicos, belos e grandiosos. Contudo, castelos fortes, com bases firmes e capazes de resistir ao tempo, às tempestades, às guerras e aos conflitos.

 

É ser capaz de enxergar longe e ver além do que se possa imaginar. É sentir e esperar sempre que tudo, embora não seja perfeito, transforma-se em coisas belas, significantes e edificantes. É acalentar sonhos, realizar desejos, mostrar caminhos, partilhar alegrias, conviver com as tristezas e transformar os planos em realidade.

 

É, principalmente, ver nas entrelinhas, buscar o que está lá no fundo guardado, trancado, acanhado e transformá-lo em grandes conquistas e realizações.

 

 

Vídeo apresentado na aula de Metodologia do Curso de Licenciatura Pedagógica (Antigo Esquema 1) no Rubens de Faria. O texto apresentado é de autoria da Santuza Abras, professora universitária, na UEMG e autora de literatura infantil.

 

 

Para ser esse habitante da escola, o professor da 6ª CRE provoca e é provocado e, assim, acaba se transformando em estudante. "Professor-estudante" que se joga nas brincadeiras e nas relações; que dá limites, fronteiras e espaços; que cuida do seu grupo e de cada um que convive com ele. Alguém que abraça a cultura, enriquece sua linguagem e, acima de tudo, compromete-se com as suas escolhas.

 

O "professor-estudante" da 6ª CRE estuda, é um apreciador das letras e dos livros, escuta música, vê filmes, sabe e sente as coisas que passam pelo mundo afora. Condições estas que são básicas para a ampliação das linguagens que se desenvolvem dentro do espaço escolar.

 

Esse profissional vive intensamente o seu tempo com consciência e sensibilidade. Não se pode imaginar um futuro para nossos alunos sem vocês, educadores! Professores que, numa visão emancipada, não só transformam a informação em conhecimento e em consciência crítica, mas também formam pessoas.

 

Você, professor, é o verdadeiro  amante da sabedoria. Consegue fazer fluir o saber - não o dado, e sim o puro conhecimento - porque constrói sentido para a vida das pessoas e para a humanidade e busca, junto com outros educadores, um mundo mais produtivo e mais saudável para todos. Por isso, professor, você é imprescindível!

 

 

 

O ato solene de dar boas-vindas é um ritual que já está gravado em nosso subconsciente, tradições antigas que vão muito mais longe do que mera regra de etiqueta ou educação. O ato de dar boas-vindas é uma maneira de nos aproximarmos, um ato de integração entre os membros de um grupo ou sociedade.

 

 

Um Professor de Sucesso!

 

O descanso prolongado está chegando ao fim. Fevereiro irá iniciar e, com ele, o ano letivo. Mas, qual é a melhor fórmula para começar 2013 com o pé direito na profissão? Ter uma visão específica e clara do que se quer; buscar a excelência no que faz; ser comprometido, agente de mudanças, criativo, versátil, eficaz, eficiente e persistente já é um bom começo.

 

Profissão Mestre - revista especializada em educação - ouviu especialistas de nove grupos educacionais para descobrir comportamentos e qualidades considerados primordiais para o sucesso de um professor. Vamos conferir essas dicas?

 

Conhecer a visão e os valores da instituição na qual irá trabalhar é um dos primeiros comportamentos que  o levará ao sucesso. É essencial que o professor esteja integrado à filosofia da instituição e que possa contribuir, por meio de suas experiências, para transformar pensamentos em ações e sonhos em  realidades.

 

 

 

Os professores de sucesso não se preparam para o fracasso, mas para o sucesso. Preparam-se para desenvolver um bom relacionamento com os alunos e, para isso, os aceitam afetivamente antes de os conhecerem, se predispõem a gostar deles antes de começar um novo ano letivo.

 

 

 

Ensinar sempre será complicado pela distância profunda que existe entre adultos e jovens. Por outro lado, essa distância nos torna interessantes, justamente porque somos diferentes. Podemos aproveitar a curiosidade que suscita encontrar uma pessoa com mais experiência, realizações e fracassos.

 

 

 

Se pretendermos fazer valer a educação, a escola deverá ser não um reduto de cultura transformado pela sociedade, mas sim um espaço aberto e atuante, capaz de se posicionar como um agente transformador da sociedade.
 

 

 

Transmitir uma imagem de credibilidade e competência é o segundo passo. O professor é para seus alunos um espelho da sociedade. Para os pais e para a comunidade, é um reflexo da instituição. Demonstração de ética profissional é fundamental!

 

Experiências anteriores bem sucedidas são muito importantes para mostrar o que você pode oferecer à instituição. Inovação é tudo! O que se espera é que o professor tenha a capacidade de criatividade e adaptação. Um professor que esteja à frente de seu tempo!

 

Ser professor é mais que uma profissão! A educação acompanha o profissional 24 horas por dia. É preciso amar o que faz e educar com entusiasmo. Não tenha dúvidas de que escolheu a profissão certa! É necessário que nela se manifeste alegria e satisfação por estar no trabalho; prazer no relacionamento com os alunos e colegas e na construção do conhecimento.

 

 

 

A coerência entre o que o professor fala e o que faz na vida é um fator importante para o sucesso pedagógico. Se um professor une a competência intelectual, a emocional e a ética causa um profundo impacto nos alunos. Eles estão muito atentos à pessoa do professor, não somente ao que fala. A pessoa fala mais que as palavras. A junção da fala competente com a pessoa coerente é poderosa didaticamente.

 

 

 

As técnicas de comunicação também são importantes para o sucesso do professor. Um professor que fala bem, que conta histórias interessantes, que tem feeling para sentir o estado de ânimo da classe, que se adapta às circunstâncias, que sabe jogar com as metáforas, o humor, que usa as tecnologias adequadamente, sem dúvida consegue bons resultados com os alunos. Os alunos gostam de um professor que os surpreenda, que traga novidades, que varie suas técnicas e métodos de organizar o processo de ensino-aprendizagem.

 

 

 

O sucesso pedagógico depende também da capacidade de expressar competência intelectual, de mostrar que conhecemos de forma pessoal determinadas áreas do saber, que as relacionamos com os interesses dos alunos, que podemos aproximar a teoria da prática e a vivência da reflexão teórica.

 

 

O professor precisa ainda ter o comportamento de um eterno aprendiz. O mundo está mudando cada vez mais rápido e, junto com ele, as crianças e adolescentes. Se você resolver estacionar, estará obsoleto em pouco tempo. Humildade para reconhecer os pontos pouco desenvolvidos é algo bem valorizado. Mas a disposição para treiná-los é ainda mais.

 

Boa cultura geral é indispensável! Experiência de vida e conhecimento de causa , além de conquistar o respeito dos alunos e da instituição, fornece instrumentos para exercitar a interdisciplinaridade. Para um professor ser um profissional bacana e legal, é preciso que ele assista a filmes, leia livros, esteja por dentro das coisas, tenha uma vivência cultural.

 

Professor, não se aconchegue no conforto de sua sala de aula, isolando-se dos  demais profissionais. A troca de experiências  é fundamental para o retorno positivo. Marcos Meier, do Colégio e Curso Técnico Martinus - Curitiba, afirma que atualmente se procura pessoas que saibam se relacionar e trabalhar em equipe e que não tenham resistência para fazer as interações com as outras áreas do conhecimento nem com outros profissionais da escola.

 

 

 

Um amante da sabedoria é todo indivíduo que coloca o saber acima de seu interesse, demonstra uma busca de forma desapegada, tem a necessidade de encontrar novas formas de elaborar um pensamento ou uma ação, busca renovar, reciclar e encontrar a verdade pelo saber destituído de tendências pessoais, das contaminações grupais e da força do senso comum.

 

 

 

Um professor em constante evolução não se isola, busca por redes educativas que estejam em constante reconstrução, mantendo uma visão emancipadora como imperativo para sua reconfiguração, como tecido constituído para andaimar os sujeitos que emocionam, imaginam, pensam e têm força de vontade.

 

 

O papel do professor  é auxiliar o aluno para que ele saiba aproveitar a tecnologia de uma forma correta e eficiente, tornando-se um agente de mudanças e, ao mesmo tempo, proporcionando um crescimento para si mesmo no contato com o aluno.

 

 

Enfim, seguindo essas valiosas dicas, você irá adquirir as características desejadas em um profissional de sucesso. Qualidades estas que são essenciais para um docente diferenciado. E então, vamos recomeçar o ano letivo com um novo perfil de trabalho?

 

Um Convite ao Recomeço!

 

Querido professor, criamos expectativas, esperanças e sonhos em cima da chegada de um novo ano. Planejamos mil mudanças, imaginamos situações diferentes das que vivemos anteriormente e não gostamos; sonhamos com tudo aquilo que ainda não conseguimos realizar.

 

No entanto, quando chega no final do ano e percebemos que tudo aquilo que idealizamos não se concretizou, esperamos que o ano em si traga mudanças. Não percebemos que para termos uma vida nova, não precisamos da chegada de mais um ano. As mudanças podem ocorrer a qualquer momento, pois não é o ano que faz as mudanças acontecerem, mas sim o seu interior, os seus pensamentos, a sua determinação e força de vontade.

 

É a conscientização do nosso interior que transforma as nossas vidas. Precisamos entender que não é a vida que é cheia de mudanças, mas sim nós mesmos. Afinal, somos totalmente responsáveis pelas nossas vidas.

 

Desejo a você, professor da 6ª CRE, um ano com muitas mudanças, para que sinta não apenas a chegada de um novo ano, mas sim de uma vida nova. Que seu coração se encha de coragem para enfrentar a vida, que você consiga aceitar que nem sempre mudanças são ruins e que para tudo existem dois lados. Só depende de como encaramos a situação.

 

Que você consiga vencer seus medos, angústias, ansiedades e possa entender que cada dia é uma nova conquista, é uma vitória... Cada minuto que passa é uma nova chance de recomeçar... Se for preciso, recomece! Faça o que for necessário, mas seja FELIZ!

 

 

 

Os professores que atuam na 6ª Coordenadoria Regional de Educação amam a sua profissão e educam com sabedoria. Por isso, nós somos a seXta CRE!

 

 

Desejamos a todos os professores um 2013 de muito sucesso!

 

 

Professora Patricia Fernandes - Representante do Rioeduca na 6ªCRE

Twitter:@PatriciaGed

E-mail: pferreira@rioeduca.net

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 28/01/2014

Coral de Professores da 11ª CRE

Tags: 11ªcre, coral, rodrigo otávio, coral de professores.

A equipe da E. M. Rodrigo Otávio, unidade pertencente à 11ª CRE, realiza toda quarta-feira, de 17:30h às 18:30h, no auditório da escola, o Coral de Professores, que atualmente está ensaiando músicas de Luiz Gonzaga. Venha fazer parte!

 

 

A equipe do coral, atualmente composta pelos professores da escola, está em expansão. A proposta é que todos os professores e funcionários pertencentes à 11ª CRE façam parte, como idealiza a professora de Música e também coordenadora regente do coral de alunos Orquestra de Vozes Meninos do Rio Márcia Guapyassu: 

 

"Há alguns anos, tínhamos um coral que era formado por professores do PEJA. Começamos ensaiando músicas de Vinicius de Moraes, apresentamos um Sarau no Café Literário da escola e agora estamos ensaiando músicas de Luiz Gonzaga. A intenção é que se torne um coral com a participação de todos da 11ª CRE!"

 

Para a professora de Educação Física Maria Izabel, o coral é um forte aliado para a sua saúde vocal. Operada das cordas vocais, ela encontrou nessa prática a chance de se reeducar e de estimular seu aparelho fonador.

 

Em clima de festa junina, o coral está ensaiando as seguintes músicas do Luiz Gonzaga: "O xote das meninas", "Assum preto" e "Pagode Russo".

 

 

Equipe da E.M. Rodrigo Otávio ensaiando a temática Festa Junina.

 

Antes de iniciar os ensaios, a equipe passa por 3 (três) etapas:

. Alongamento;

.Técnicas vocais;

.Timbramento das vozes, ou seja, separação dos professores pelos tipos de voz.

 

 

Equipe realizando alongamento.

 

A 2ª e a 3ª etapa são as técnicas vocais e o timbramento que se caracterizam por: exercícios de relaxamento, respiração e o bom uso da caixa de ressonância, assim como o fortalecimento do diafragma.

 

Técnicas vocais e timbramento das vozes.

 

 

"A música é capaz de reproduzir, em sua forma real, a dor que dilacera a alma e o sorriso que inebria."

 (Ludwig Van Beethoven)

 

O grupo do coral, intitulado "As vozes do Encantamento", se encontram uma vez por semana para encantar e cantar a todos que se dispõem a cantar e ouvir. Neste embalo já formaram um belo repertório de canções de Vinicius de Moraes e agora estão ensaiando músicas de Luiz Gonzaga para a Festa Junina, conforme afirma a professora de Português Karla Antunes.

 

Ao indagar "O que foi alterado, em suas vidas, com a entrada da música (coral)?", fui surpreendida com as palavras: prazer, felicidade, desestresse e confraternização!

 

"Sem música a vida não faria sentido."

(Nietzsche)

 

Representante Rioeduca Laura Davilla, 5ª da esquerda para a direita, em visita à E.M. Rodrigo Otávio.

 

Parabéns à equipe da E.M. Rodrigo Otávio por proporcionar qualidade de vida, prazer e diversão à sua equipe!

 

Laura Fantti Davilla Serpa
Representante Rioeduca da 11ª CRE

Facebook: http://www.facebook.com/laura.fanttidavilla
Site: http://lauradavill1.wix.com/rioeduca11cre
Twitter: https://twitter.com/laurafanttini
E-mail: lauradavilla@rioeduca.net

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 03/01/2012

Profª Ana Márcia, uma Eterna Apaixonada pela Alfabetização

Tags: 5ªcre, professores, alfabetização, entrevista.

 

Alfabetizar é ir além de ler e escrever, cabendo ao professor orientar o aluno ao uso da leitura e escrita de modo interpretativo, a fim de ser possível à criança não só ler e escrever, mas compreender o que foi lido e saber fazer uso da palavra.

 

 

O Rioeduca/5ªCRE começa o ano de 2012 com uma entrevista realizada no mês de dezembro de 2011 sobre a rotina de uma professora apaixonada pelo que faz, Ana Marcia da Silva Vieira.

 

 

 

 


Alfabetizadora das Escolas Municipais 05.15.001 Pará e 05.15.063 Olegário Mariano, Ana Marcia da Silva Vieira  tem como objetivo principal a formação de leitores, focando orientar o aluno a ler, compreender o conteúdo e interpretar para poder discutir o tema.


Conheci a prof ª Ana Márcia no mês de novembro na I Bienal da EMOM (EM Olegário Mariano), tendo recebido as melhores e maiores referências da Direção da escola sobre seu trabalho na área de alfabetização. Por isso, achei de extrema importância esta primeira publicação do ano voltada à LEITURA e ESCRITA _ um marco de referência para o bom desempenho dos alunos.

 


ENTREVISTA PARA O PORTAL RIOEDUCA/5ªCRE

 

Rioeduca/5ªCRE: Qual seu nome, quantos anos de idade, qual (quais) escola (as)trabalha e turma (as)?

Profª Ana Márcia: Meu nome é Ana Márcia da Silva Vieira. Tenho 47 anos. Trabalho pela manhã na E.M.Pará e à tarde na E.M.Olegário Mariano.

 

Rioeduca/5ªCRE: Quanto tempo de experiência na área?

Profª Ana Márcia: No Município 12 anos, mas antes trabalhei muitos anos em Escolas Particulares.
 

Rioeduca/5ªCRE: Quantos alunos você tem hoje nas suas turmas?

Profª Ana Márcia: Tenho 28 alunos em cada turma, na Pará T:1301 e na EMOM T:1206. As duas turmas foram minhas no ano anterior, geralmente continuo com as minhas turmas durante todo o período de alfabetização (3 primeiros anos). Este ano (2012) voltarei para o 1º ano na Pará e continuarei com a turma da EMOM no 3º ano.

 

 

Ana Márcia na Festa da Primavera com sua turma1206, da EM Olegário Marino

 

 

Rioeduca/5ªCRE: Qual a metodologia que você utiliza para alfabetizar seus alunos?

Profª Ana Márcia: Não gosto de nomear métodos. No início da Alfabetização (1º ano) costumo trabalhar partindo da Palavra, mas uma palavra contextualizada, sempre partindo do texto que geralmente pode ser uma música ou poesia.

 

Rioeduca/5ªCRE: Como é o cotidiano nas suas turmas?

Profª Ana Márcia: Este cotidiano varia muito dependendo do ano em que esteja trabalhando, mas uma coisa é fundamental, seja qual for o ano o Cantinho da Leitura tem destaque na nossa sala. Acredito que o Cantinho da Leitura tem que ser colorido e alegre para que a criança perceba que ler é uma coisa alegre e agradável.

 

 

Ana Márcia, 2010, com sua turma da EM Olegário Mariano no Cantinho da Leitura
 

 

Rioeduca/5ªCRE: Você trabalha com diferentes gêneros textuais?

Profª Ana Márcia: Claro. A alfabetização desde o 1º ano trabalha com várias tipologias textuais, músicas, poesias, receitas, HQ, dicionário , etc. No início lidas por mim e depois lidas por eles, estimuladas.
 

Rioeduca/5ªCRE: Você conta histórias para seus alunos? Quando e de que forma você as usam?

Profª Ana Márcia: Sim, é claro! No 1º ano eu separo diariamente uma história e conto para eles no início da aula, onde coloco um cartaz intitulado histórias da semana. Lá eu escrevo o nome das histórias que ouviremos durante aquela semana. É muito legal, pois eles ficam querendo ler para saber que histórias ouvirão naquela semana. No 2º e 3º anos já não faço a leitura diariamente, eles dividem este momento comigo, pois já se acostumaram a ouvir histórias todos os dias, daí eles utilizam o Cantinho automaticamente; passam a levar livros para casa...

 

Rioeduca/5ªCRE: Quais as ferramentas de avaliação que você utiliza?

Profª Ana Márcia: Não tenho como especificar uma ferramenta de avaliação, pois os instrumentos são muitos, principalmente no 2º e 3º ano, já no 1º ano faço avaliação diariamente, oralmente e individualmente, chamando a minha mesa 3 ou 4 alunos, de forma que todos sejam avaliados semanalmente para acompanhar os progressos.

 

 

Ana Márcia e a turma 1301 na Maré de Livros na Bienal

 

Rioeduca/5ªCRE: Como é trabalhada a oralidade nos alunos?

Profª Ana Márcia: Fica até difícil descrever todos estes momentos com palavras, pois eles variam de acordo com o ano de escolaridade. O 1º ano é o mais importante, porque estou formando neles este hábito, mas nos anos seguintes a oralidade já faz parte do nosso cotidiano, por isso o momento da história no início da aula torna-se fundamental, e o nosso Cantinho, onde tem um palquinho que vira “palco do nosso show de calouros”, já que a música está diariamente na nossa sala no 1º ano.
 

 
Rioeduca/5ªCRE: Como são as atividades de escrita na sala de aula?

Profª Ana Márcia: Depois de trabalhar a oralidade com a turma passamos, para a escrita que passa a ser um momento prazeroso, pois eles têm o que escrever. O professor não pode apenas pedir aos alunos que escrevam sem que dê a eles sobre o que escrever. Por isso é importante abrir a diversidade de textos desde o 1º ano.
 

Rioeduca/5ªCRE: Quanto a utilização de jogos na sala de aula, quais você utiliza?

Profª Ana Márcia: Acredito na importância do lúdico na sala de aula. Gosto muito do Bingo de letras, forca, quebra-cabeça, dominó de palavras, gosto do alfabeto móvel, etc. Gosto de trabalhar com cruzadinhas, caça-palavras...

 

 

Ana Márcia com sua turma da EM Pará na Bienal do Livro_Espaço Autor

 

 

Rioeduca/5ªCRE: Você gostaria de dizer algo sobre os projetos de   alfabetização que você trabalha?

Profª Ana Márcia: Sempre trabalhei com CA nas escolas particulares, quando cheguei ao Município do Rio só conhecia o trabalho “tradicional”, mas tive contato com o construtivismo de uma forma radical e partindo daí decidi ter a minha própria forma de alfabetizar. Então, peguei o que eu acreditava no tradicional e o que eu acreditava no construtivismo, e passei a trabalhar no que acredito. Creio que todo professor tem que trabalhar assim, não importa o método, ele tem que trabalhar no que acredita.

 

Rioeduca/5ªCRE: Qual a  sua visão sobre Alfabetização?

Profª Ana Márcia: Trabalhei 10 anos em uma escola no Morro da Pedreira em Costa Barros, uma área de alta periculosidade na 6ª CRE, onde aconteciam tiroteios constantes, o que acentuava a evasão escolar, e por isso saí do ano de 1999 pensando em conseguir uma forma de atrair as crianças para a Escola. Assistindo a uma reportagem em que se destacavam os benefícios de se levar animais aos hospitais infantis devido à relação afetiva que há das crianças com eles, encontrei o que eu precisava e decidi alfabetizar utilizando os animais e em 2000 comecei a colocar em prática este projeto. A cada semana trabalhava com um animal e assim introduzia a música, pois trabalhava uma letra de música para cada animal. Em 2002 voltei para turma de 1º ano e vendo uma edição da revista NÓS DA ESCOLA, onde aparecia um mural com umas garças de origami na capa, tive a ideia de criar um mural intitulado “Os animais na Natureza” e pesquisei e consegui montar o mural de origami, onde a cada semana retirávamos um animal do mural e o colocávamos num mural menor onde era trabalhado durante aquela semana.

 

Até então só trabalhava as histórias com objetivos didáticos. Em 2003 fiz uma capacitação na 6ª CRE onde a dinamizadora sugeriu que contássemos histórias diariamente para as crianças, não para trabalhar algo, mas ler por prazer, aquilo falou muito comigo, anotei na minha agenda, “No próximo ano contarei histórias todos os dias para meus alunos” e no ano seguinte relendo-a resolvi colocar em prática. A ideia de criar meu Cantinho da Leitura com palquinho partiu da leitura da Revista NOVA ESCOLA. Em 2004 e 2005 trabalhei assim, mas no início de 2006 comecei a me questionar se eu não estava andando sem rumo estava misturando muita coisa, não conseguia fazer a conexão entre estas ideias. Quando sentei em 2006 com as professoras do 1º ano para organizarmos nossa proposta de trabalho para aquele ano, uma delas, depois de me ouvir, conseguiu resumir de forma organizada todas as ideias que eu vinha trabalhando. Ela disse: “os animais são a fonte de estímulo e os resto serve de complemento”. E assim organizei o projeto chamado “Orquestra Legal”.

 
Quando terminei o curso Normal não quis fazer Faculdade por achar que eu já era o que queria ser professora. Mas eu tinha muitas ideias que não conseguia colocar no papel e por este motivo decidi ir para a Faculdade de LETRAS (Português/Literatura), para aprender a escrever, por isso fiz a Faculdade e depois decidi fazer pós-graduação de Psicopedagogia Clínica e Institucional para tentar encontrar uma forma de poder ajudar meus alunos que não conseguiam aprender. Quando terminei decidi fazer a pós de Psicomotricidade, porque já trabalhava a parte motora com a música e queria fazer isto de forma produtiva. Depois de trabalhar com o origami vi os benefícios de se trabalhar com a Arte e por isso estou cursando uma pós de Arte em Educação e Saúde.

Acredito na teoria das Inteligências Múltiplas de Howard Gardner, acredito na Teoria do trabalho com Projetos Pedagógicos de Fernando Hernandez, gosto da Teoria de Wallon sobre trabalhar a parte motora dos alunos, mas como disse antes ninguém é 100%, por isso utilizo o que acredito em cada uma destas teorias.

 

Ana Márcia contando história para sua turma junto a Fernanda, aluna integrada da EM Olegário Mariano

 


Meu objetivo principal não é só alfabetizar, mas formar leitores, este é o meu maior ponto de afinidade com esta Secretaria atual. Saí da 6ª CRE em 2008 e estou na 5ª CRE desde então, pois agora estou mais perto de casa. Acredito que a data mais importante de uma Escola deveria ser o Dia do Livro, mas infelizmente é uma data que muitas vezes passa em “branco”. A Escola gira o tempo todo em torno do livro, seja ele didático, de história, dicionário etc. Logo, ele deveria ter um destaque dentro da Escola.

 

 

Foto de entrega dos certificados e medalhas no encerramento da Ciranda de Leitura realizada na turma. Quem leu 23 e 24 livros ganhou medalha de ouro, quem leu de 20 a 22 ganhou de prata, quem leu menos de 20 ganhou de bronze, além da apresentação da peça "Bom Dia Todas as Cores", de Ruth Rocha

 

Rioeduca/5ªCRE: O que você está achando da nova mentalidade e estrutura da SME, apostando tudo num ensino de melhor qualidade?

Profª Ana Márcia: Concordo com alguns pontos, discordo de outros, mas ninguém consegue ser 100%. Uma coisa é inegável, eu sinto que a Secretária Municipal de Educação, profª Claudia Costin, acredita no que faz, tem um desejo muito grande de acertar e está empenhada nisso.

 

Rioeduca/5ªCRE: Quais suas perspectivas para 2012?

Profª Ana Márcia: São muito boas, pois pretendo concluir o trabalho com a minha turma na EMOM no 3º ano e iniciar um novo trabalho no 1º ano na Pará. Soube pela Secretária Claudia Costin que haverá um projeto de estímulo a leitura no 1º ano e tenho boas expectativas, prefiro pensar positivo, sempre acredito que o ano seguinte será melhor.

 

 

 

Agradeço imensamente a profª Ana Márcia pela presteza de me enviar via e-mail os arquivos de fotos e por esta entrevista tão significativa concedida para o Portal Rioeduca.

 

 Se você professor e/ou sua escola desenvolveram algum projeto
ou atividade interessante; se você, sua escola ou se algum aluno tem blog,
escreva para nós clicando na imagem abaixo e obtenha o e-mail do representante do
Rioeduca na sua CRE.


  

Professora Regina Bizarro _ representante do Rioeduca/5ªCRE

E-mail: reginabizarro@rioeduca.net

Twitter: @rebiza

 

                                                                           

 

Print Friendly and PDFPrintPrint Friendly and PDFPDF


 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 13/05/2011

Professores Brilhantes que Vencem Desafios

Tags: professoresbrilhantes, bullying.

"Os professores não são valorizados socialmente como merecem, não estão nos noticiários da TV,

vivem no anonimato da sala de aula, mas são os únicos que têm o poder de causar uma revolução social.

Com uma das mãos, eles escrevem na lousa; com a outra, movem o mundo,

pois trabalham com a maior riqueza da sociedade: a juventude.

Cada aluno é um diamante que, bem lapidado, brilhará para sempre.

(Augusto Cury)


Sabemos que apesar de enfrentarem situações extremamente desafiadores, que provocam muita frustração e cansaço: alunos difíceis, pais ausentes ou superprotetores, uma inversão de valores que atinge principalmente as novas gerações – justamente as que estão em nossas mãos, muitos professores e professoras compreendem seu enorme compromisso para com este país e continuam lutando e acreditando em uma sala de aula diferente pela esperança de um futuro igualmente diferente.


Por isso,  o Rioeduca.net criou mais esta campanha:

 

“Professores Brilhantes que Vencem Desafios”

 

Queremos premiar a sua atitude!


A cada mês, uma nova situação problema será lançada e para cada uma delas, sabemos que teremos muitas “soluções” relatadas... Histórias de sucesso!


Avaliados pela equipe do Rioeduca.net, os cinco melhores relatos serão publicados e submetidos à votação pública. Será premiado o(a) autor(a), ou a equipe autora vencedora.


Os relatos devem ser enviados em arquivo anexo para contato@rioeduca.net. No corpo do arquivo, deve constar o nome dos profissionais envolvidos e da escola da rede Municipal do Rio de Janeiro onde seu relato aconteceu.

Durante o I Encontro de Rioeducadores do Twitter, cujo tema foi Bullying e Cyberbullying, decidimos continuar recebendo trabalhos até o mês de novembro. 


Assista ao vídeo que nossa equipe preparou !
 

Campanha antibullying por rioeducanet no Videolog.tv.

 

                              

 

 

 

 


   
           



Yammer Share