A A A C
email

Sexta-feira, 29/03/2019

10ª CRE em Ação Contra o Mosquito Aedes Aegypti

Tags: 10cre, cre10, arboviroses.

 

Alunos da 10ª Coordenadoria Regional de Educação se dedicaram na campanha de combate ao mosquito transmissor das Arboviroses (Dengue, Zica, Chikungunya e Febre amarela)

 

Entre os dias 18 a 22 de fevereiro de 2019, as Unidades Escolares realizaram diversas atividades voltadas para a Semana de Combate às Arboviroses, o principal objetivo da campanha era conscientizar os alunos sobre a importância em eliminar e evitar criadouros do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da Dengue, Zika, Chikungunya e Febre amarela.

Na Escola Municipal Francisco Caldeira de Alvarenga, a equipe pedagógica organizou, com a colaboração e participação do corpo docente, um evento com exibição de vídeos, exposição de cartazes, palestras, elaboração de paródia, rodas de debates e inspeção no terreno escolar.

O objetivo era conscientizar os alunos sobre o perigo do contágio das Arboviroses e fornecer informações preventivas, a ideia era que os educandos fossem agentes transformadores da comunidade em que vivem, evitando a reprodução dos vetores.

 

Alunos da E. M. Francisco Caldeira de Alvarenga durante apresentação do vídeo “A turma do bairro em Sai fora Dengue”

 

 

O evento foi um sucesso, visto que houve total engajamento do corpo docente. Os alunos adoraram as atividades propostas, ficaram encantados com a aula no laboratório (observação das larvas do Aedes Aegypti). — afirma Renan Costa, professor de apoio à direção da E. M. Francisco Caldeira de Alvarenga

 

 

Alunos da E. M. Francisco Caldeira de Alvarenga durante observação no laboratório de Ciências

 

 

Na Creche Municipal Meriluce de Oliveira Muller, foi realizada a apresentação, aos alunos, da peça teatral “Dengue: Aqui não!”. Essa ação foi um dos elementos do projeto de conscientização contra o mosquito Aedes Aegypti.

 

Numa linguagem fácil e de forma dinâmica, a Agente de Educação Infantil Neisa Carla Teixeira, representando o mosquito, e a professora Gizelle Ferreira, representando a aluna, viraram atrizes para mostrar o que o mosquito pode causar. Também deram dicas de prevenção como, por exemplo, não deixar água parada em pneus e garrafas, colocar areia nos vasos de plantas e não acumular lixo.

 

 

Professora Gizelle e Agente Neisa com os alunos

 

 

O país inteiro está mobilizado contra o mosquito e essa educação deve começar pelas crianças, que também já são cidadãs. Por isso, resolvemos trabalhar esse tema aqui na creche. A diferença é que ensinamos através da brincadeira e dá certo. Eles aprendem mesmo. - Professora Gizelle

 

Na Escola Municipal Vivaldo Ramos de Vasconcelos foi realizado um projeto, no qual toda escola  trabalhou o tema.  Os assuntos foram divididos por ano, sendo: 1º e 2º anos Dengue; 3º ano Zika; 4º ano Chicungunya e 5º e 6º anos Febre Amarela. Cada professor desenvolveu o tema na sala de aula com produções textuais, desenho representativo, acrósticos, brincadeiras dirigidas, dobraduras, cartazes, sucatas e viseiras.

 

 Alunos dos 4º, 5º e 6º anos realizam uma passeata na comunidade com cartazes e distribuição de folhetos para consciêntização, prevenção e combate ao mosquito.afirma Jaqueline, diretora da E. M. Vivaldo Ramos de Vasconcelos.

 

Alunos da E. M. Vivaldo Ramos durante a passeata

 

 

No EDI Medalhista Olímpica Poliana Okimoto, a equipe destacou alguns tópicos que serviram como pontapé inicial para a construção do projeto de prevenção. As ações pedagógicas, administrativas e comunitárias foram pensadas de forma que contemplasse uma intervenção educativa na prevenção das doenças. Dessa forma, foram realizados encontros, palestras, apresentações e vídeos para comunidade escolar.

 

A primeira etapa foi um “circuito do mosquito”, o qual foi organizado a partir de produções plásticas de diversos elementos, como cartazes e esculturas. A interação com os diferentes materiais é sempre uma festa, produzimos mosquitos com rolo de papel higiênico e garrafa pet, móbiles com papel jornal e caixa d’água com papelão. Confeccionamos um túnel com bambolês e mosquitos de pregadores em que as crianças tinham que passar por eles sem encostar — afirma Glicia, diretora do EDI Poliana Okimoto

 

O circuito do mosquito da Dengue foi feito no pátio interno ao som da música “Mosquitinho tic-tic” e com a presença do “Mosquitão”. Em seguida, ocorreu uma dança ao som da música: “Zum, zum, zum, zum, o mosquito está voando e ele mira em qualquer um”. Os cartazes produzidos pelas crianças ficaram expostos no pátio para conscientização dos responsáveis e da comunidade.

 

Circuito do mosquito no EDI Poliana Okimoto

 

 

Quer saber mais sobre os trabalhos?

E/10ªCRE/GED
Telefone: 3395-1495
E-mail: gedcre10@rioeduca.net

 

 

 


 


   
           



   
Comentário enviado com sucesso, aguardando moderação.














Sua indicação foi enviada com sucesso!









Saiba mais:

cre10 (25)
arboviroses (23)
10cre (9)

Comentários
Não há comentários sobre este tópico.