A A A C
email

Segunda-feira, 01/04/2013

Como Era Gostosa a Minha Obra... Arte Devorada!

Tags: 6ªcre, alimentaçãoescolar.

 

A professora Imaculada Conceição realizou com os alunos do 6º ao 9º ano uma exposição nas aulas de Artes Plásticas, como prolongamento do programa nutricional de incentivo ao consumo de legumes, frutas e verduras chamado "5 ao Dia".

 

Todo mundo sabe da importância de comer bem: traz benefícios para a saúde, ajuda a nos manter ativos para realizar as tarefas do dia a dia e melhora até o humor. Na escola, espaço ocupado por crianças e jovens, isso se torna ainda mais relevante.

 

Este espaço, se bem trabalhado, influenciará diretamente a promoção da saúde, se tornando um veículo fundamental na formação de valores, hábitos e estilos de vida.

 

A escola deve proporcionar um ambiente favorável à vivência de saberes e sabores, contribuindo para a construção de uma relação saudável do educando com o alimento.

 

 

Um cardápio balanceado deve conter, diariamente, cerca de 55% de carboidratos, 30% de lipídeos e 15% de proteínas, além das vitaminas, sais minerais e fibras.

 

 

Como era Gostosa a minha Obra... Arte Devorada!

 

Pensando em contribuir para a formação de bons hábitos alimentares de seus alunos, a professora Imaculada Conceição Marins, da Escola Municipal Mário Piragibe, realizou com os alunos do 6º ao 9º ano uma exposição de arte comestível com frutas, verduras e legumes.

 

Esta exposição foi concebida e realizada nas aulas de Artes Plásticas como prolongamento do Programa 5 ao Dia (programa nutricional de incentivo ao consumo de legumes, verduras e frutas), trabalhado por toda escola no período da Semana de Alimentação Escolar.

 

 

 

"5 ao dia" é um programa para lembrar você de comer, no mínimo, 5 porções de frutas ou hortaliças todos os dias. Uma campanha que já é sucesso no mundo todo e que agora está disponível para os brasileiros antenados em saúde.

 

 

A ideia foi montar exposições (quatro, ao todo, em diferentes dias) no gênero Eat Art - arte que também é comida. São obras feitas de legumes, verduras e frutas para serem apreciadas, sentidas, tocadas, cheiradas, saboreadas e, finalmente, devoradas por seus criadores e pelos participantes convidados para esta experiência artística degustativa.

 

Com este trabalho, a professora Imaculada Conceição tinha por objetivo fazer com que seus alunos pudessem experimentar uma relação diferente no processo de criação, apresentação e apreciação da arte. Tudo isso, através da criação de obras em que pudessem aplicar e divulgar as propostas do Programa 5 ao Dia, valorizando e estimulando uma alimentação saborosa, colorida e saudável.

 

Houve outro objetivo que passou despercebido pela professora, mas que os alunos ressaltaram em seus relatórios: o trabalho em equipe, a cooperação, a união de esforços por um objetivo comum, a solidariedade, a partilha de experiência do fazer e do apreciar e a convivência com a comunidade.

 

 

O tema veio como referência às ideias antropofágicas do movimento modernista brasileiro que a turma estava trabalhando. Depois de conhecerem essa degustação simbólica da arte moderna no Brasil, as turmas envolvidas ampliaram seus conhecimentos ao pesquisarem na Internet sobre a “Eat Art” (arte para se comer), entrando assim em contato com uma modalidade de arte raramente trabalhada nas escolas: a dita “arte efêmera”
 


Antes de chegarem à arte comestível, a professora Imaculada e seus alunos começaram pela arte perene (aquilo que dura para sempre, é eterno). Eles montaram um mural com o tema "Natureza Morta que dá Vida", com o uso de frutas, legumes e verduras.

 

Em seguida, a professora lançou a questão “Quem gosta de cozinhar?”, e o trabalho saiu da parede e do campo restrito da visão para o espaço experimental; para o tato, o olfato, o paladar... para a experiência viva... para o espaço da vida.

 

Lançada a ideia, foi proposto aos alunos que formassem grupos para realizarem as seguintes tarefas: escolha de um nome ligado à arte e/ou à comida; elaboração de um projeto inicial; apresentação de um cartaz com uma poesia visual e o relatório final. Este último deveria conter as dificuldades em realizar a obra, a reação do público e comentários sobre a experiência de comer as obras de arte.

 

 

Da pesquisa sobre as conceituações de “arte perene” e “arte efêmera”, os alunos foram então convidados a pensar: O que é uma arte efêmera? O que é uma arte perene? Até que ponto a distinção é válida? E ainda aplicar e divulgar, através do material de suas obras (frutas, legumes e verduras), a proposta do Programa “5 ao dia”, criando e apresentando uma arte divertida que alimenta e satisfaz plenamente o corpo.

 

 

A tarefa seguinte foi pesquisar receitas em que fossem usadas frutas, legumes e verduras. Eles poderiam completar a “refeição” com sucos de frutas e montar esculturas e outras construções espaciais e pinturas.

 

Nos dias do evento, os alunos levaram o material necessário para a criação de suas obras, que foram montadas – totais ou parcialmente – no local da exposição. Cada aluno ficou responsável em convidar uma pessoa para participar da comilança. Foi um sucesso! As obras foram poucas para tantas bocas!

 

 

Na visita que os alunos fizeram ao CCBB - RJ, conheceram uma arte que se mexia e na qual se podia mexer. Foi pensado, então, em fazer uma arte que pudesse comer depois. E existe algo de mais “cinético” do que uma arte para comer? É uma arte que se move, se transforma, se modifica... No manuseio do preparo, no manuseio da “partilha”, no manuseio de levar à boca. A obra de arte se modifica.

 

 

Com o 8º ano, a professora estava trabalhando o movimento Antropofágico, revendo o “Abaporu” de Tarsila do Amaral.  Eles estavam vendo uma arte em que os artistas “comiam” a arte (simbolicamente), tal como os índios canibais para obter seus poderes. Agora eles iam conhecer uma arte para ser comida de verdade (e igualmente também obter seus poderes, as propriedades nutricionais dos ingredientes). Então a professora  começou a lhes falar sobre a “Eat Art” e os alunos concordaram, bastante empolgados, em fazer obras de arte que pudessem ser comidas após a exposição. E que título poderia ser mais legal do que um ligado à antropofagia? “Como era gostosa a minha obra... Arte devorada!” (uma alusão ao filme, "Como era gostoso o meu francês").


 

Tudo parece muito simples! Mas a professora Imaculada Conceição teve receios. Será que a proposta funcionaria? O espaço seria liberado pela escola? A turma conseguiria montar a exposição? E o tempo, será que seria suficiente?

 

Contudo, depois da primeira exposição, todos esses medos sumiram e a professora viu que tudo correria bem. A aceitabilidade foi surpreendente! Os trabalhos foram muito criativos e todos os consideraram Obras de Arte.

 

Segundo a professora Imaculada Conceição, este trabalho proporcionou várias contribuições a ela, aos alunos e à escola: desde as atitudes em relação a alimentação saudável até a oportunidade de trabalhar um tema em artes que até então não tinha sido abordado com as turmas.

 

 

Alguns alunos, cuja obra não precisava de nenhum preparo anterior, compraram o material diretamente no “Varejão volante” que estaciona diante da escola. Outros, pediram auxílio à comunidade externa (em especial seus familiares) que ajudou dando uma mãozinha na cozinha ou cedendo o espaço para o pré-preparo das obras.

 

Como vimos, a professora Imaculada Conceição é extremamente criativa. Surpreende seus educandos, ensina-os a pensar, procura usar suas experiências, vivências e habilidades em sala de aula, dá identidade e personalidade a cada turma. No exercício de sua criatividade, pratica a arte de perguntar e usa a arte de ouvir para melhor conhecer seus alunos. Torna-se carismática e gera um encantamento nos discentes ao procurar interagir com meios de comunicação e na valorização de suas opiniões.

 

 

Professora Imaculada, a busca pela criatividade é um constante desafio. No mundo atual, procuram-se profissionais que fazem acontecer de maneira criativa e diferente. E essa pessoa é VOCÊ! Parabéns pelo trabalho que sempre realizou com os alunos da 6ª CRE!

 


Deixe uma mensagem para a professora Imaculada! Aproveite, e entre em contato com a representante do Rioeduca da sua CRE para divulgar o seu trabalho! Nós somos a sexta CRE!

 

 

 


Professora Patrícia Fernandes – Representante do Rioeduca na 6ª CRE
Twitter: PatriciaGed
Facebook: Patrícia Fernandes
E-mail: pferreira@rioeduca.net


 

                               

 

 

 


   
           



   
Comentário enviado com sucesso, aguardando moderação.














Sua indicação foi enviada com sucesso!









Saiba mais:

6ªcre (346)

Comentários
A arte como a grande incentivadora de bons hábitos alimentares e promoção de saúde, foi uma forma criativa de contribuir com o Programa de Alimentação Escolar que acontece em nossas Unidades Escolares. Parabéns pelo trabalho!

Postado por Gerência de Alimentação Escolar em 01/04/2013 11:27

Parabéns a professora Imaculada Conceição professora de artes pelo destaque realizado em seu trabalho sobre alimentos que fortaleceu a importância dos alimentos no nosso dia a dia!

Postado por Helena(bytroia) em 01/04/2013 17:27

Imaculada, Adorei!Fiquei com água na boca.Você foi muito criativa com esta proposta. Parabéns!

Postado por cassia em 09/04/2013 18:47

Parabéns, amei o trabalho. Que riqueza!!! Um trabalho que o aluno vivencia o que aprende... fantástico!!!

Postado por Christiane Penha em 11/04/2013 19:50